Varg Vikernes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Varg Vikernes
Varg Vikernes.jpg
Informação geral
Nome completo Kristian Vikernes (nome de nascimento)
Também conhecido(a) como Count Grishnackh
Greifi Grishnackh
Greven ('The Count')
Louis Cachet[1]
Nascimento 11 de Fevereiro de 1973 (41 anos)
Origem Bergen
País  Noruega
Gênero(s) black metal, dark ambient
Instrumento(s) Vocal, guitarra, baixo, Teclado, Bateria
Extensão vocal vocais rasgados, spoken word
Período em atividade 1990-presente
Outras ocupações escritor
Afiliação(ões) Burzum, Mayhem, Old Funeral
Página oficial site oficial da banda Burzum

Varg Vikernes (nascido em Bergen, Noruega, 1973), ou Count Grishnackh, é um músico e escritor norueguês, fundador da banda Burzum. Seu nome de nascimento era Kristian Vikernes, mas mudou-o legalmente em 1993 para Varg Vikernes.

Biografia‏[editar | editar código-fonte]

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Antes do Burzum, Varg havia criado um grupo chamado de Uruk-Hai, sem muitas expectativas com o grupo e a falta de interesses em comum com Varg, o mesmo abandona o grupo e entra para o Old Funeral, que naquele momento chamava-se apenas Funeral. Desta vez havia músicos sérios e Varg fez suas apresentações com a banda e gravações, mas novamente por falta de interesses em comum, Varg decide abandonar o projeto e começar um novo, um só seu e que representasse ele ao máximo. Utilizou o nome Burzum, que significa escuridão e está escrito no Anel de Sauron no conto de "O Senhor dos Anéis". Varg não queria um nome em inglês e como sempre foi muito fã da obra, escolheu este nome. Varg Vikernes fez uma participação como baixista no Mayhem no álbum “De Mysteriis Dom Sathanas”, lançado pela primeira vez 1994. Seu primeiro álbum com o Burzum, intitulado simplesmente “Burzum” foi lançado pela Deathlike Silence, em 1992.

Após sua saída da prisão, em 2008, Varg deu continuidade à banda e lançou o álbum Belus, em 2010, considerado um do melhores álbum de metal dos últimos anos. Nos anos seguintes, sucederam-se novos discos: Fallen (2011), From the Depths of Darkness (2011), uma regravação dos clássicos, e Umskiptar (2012). No início de 2013, ele anuncia que deixaria de fazer Black Metal e então divulga seu último trabalho do gênero pela internet, uma música instrumental de 2 minutos. Como isso ele passaria a gravar apenas álbuns com teclados e sintetizadores: no mesmo ano, ele divulga Sôl austan, Mâni vestan. Seu último lançamento é o disco "The Ways of Yore"(2014).

Morte de Euronymous[editar | editar código-fonte]

Existem boatos que dizem que a rixa entre ambos era causada pelo fato de Varg estar deixando o selo de Euronymous, já que Varg dizia que ele era incompetente para lançar discos do Burzum com a Deathlike Silence Records, e que pretendia cria sua própria gravadora chamada Burznazg, cujo nome foi mudado para Cymophane Records em 1993. Vikernes considerou assinar com a Earache Records na época, mas as negociações não progrediram.

A tensão entre os dois teve seu ápice em 1993 quando Varg, segundo o próprio, descobriu por meio de um amigo em comum que supostamente contou a ele a trama de Euronymous que pretendia deixá-lo desacordado e levá-lo até uma floresta onde o torturaria até a morte. Varg decidiu tirar satisfação com Aarseth. Em 10 de Agosto de 1993, Varg Vikernes assassinou o guitarrista Euronymous. Naquela noite, Varg Vikernes e Snorre W. Ruch viajaram de Bergen até o apartamento de Euronymous em Oslo. Na chegada, houve uma discussão e um confronto que terminou com Varg esfaqueando Euronymous. No julgamento, Varg Vikernes se defendeu dizendo que a maioria dos ferimentos foram causadas por cacos de vidro que caíram no chão . Varg relata o confronto entre ele e Euronymous no filme "Until the Light Takes Us". Após a morte de Euronymous, Varg foi condenado a 21 anos de prisão (pena máxima na Noruega), pelo assassinato do músico e também por acusações de queima de igrejas. Na prisão, dedicou alguns anos ao Burzum, lançando dois álbuns somente com sons ambiente, o "Dauði Baldrs" e o "Hliðskjálf".

Varg deixou a cadeia após cumprir pena por quase 16 anos. Foi libertado em regime de liberdade condicional no dia 24 de maio de 2009.

Varg voltou a ser preso junto com sua esposa, Marie Cachet, no dia 16 de julho de 2013, na França, acusado de planejar um massacre. Foi libertado no dia 18 de julho do mesmo ano, mas ambos ainda estão sob investigação.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

com o Burzum[editar | editar código-fonte]

Outras participações[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • 1997 – Vargsmål
  • 2000 – Germansk Mytologi og Verdensanskuelse
  • 2001 – Guide to the Norse Gods and Their Names
  • 2002 – Irminsûl

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Varg Vikernes
Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.