Aliança Rebelde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Aliança pela Restauração da Republica
Universo Star Wars
Tipo Movimento de resistencia guerrilhas
Fundação Unificação de diversas células rebeldes anti-imperiais formadas a partir dos movimentos de resistência anti separatistas das Guerras Clônicas alem de mon calamari exilados
Destino Reorganizada como Nova Republica
Localização Yavin 4 Hoth Docas de Mako-Ta
Líder senadora Mon Mothma
Propósito Restaurar a Republica Galáctica
Tecnologias Crusador mon calamari Corveta alderaniana x-wing
Inimigos Império Galatico Clã Hutt Grêmio de Mineradores

A Aliança para Restaurar a República, mais comumente conhecida como Aliança Rebelde, a Rebelião ou simplesmente os Rebeldes, é uma coalizão interestelar sem estado fictícia de dissidentes republicanos, facções revolucionárias e sistemas de células clandestinas anti-imperialistas em um movimento de resistência contra o Império Galáctico . O objetivo da Aliança é restaurar a República Galáctica . É a principal facção protagonista da trilogia Star Wars original, paralela à Ordem Jedi quase caída, sobrevivida por Obi-Wan Kenobi, Yoda e, posteriormente, Luke Skywalker .

The Rebel Alliance foi apresentada pela primeira vez como a principal facção-protagonista nos filmes Star Wars (1977), The Empire Strikes Back (1980) e Return of the Jedi (1983). As origens da facção foram mencionadas no Episódio III: A Vingança dos Sith (2005), e suas atividades iniciais são apresentadas na série de televisão Rebels da Disney XD e na antologia do filme Rogue One (2016).

Representação[editar | editar código-fonte]

Uma das origens mais antigas possíveis da Aliança para Restaurar a República são contadas durante os eventos de Vingança dos Sith. em uma cena excluida chamada "Sementes da Rebellião" (no apartamento de Amidala com dois novos senadores se juntando ao grupo), é explicado que a Delegação de 2.000 senadores descontentes apresentará uma petição ao Chanceler. Amidala estava mais disposta a se opor a Palpatine agora, mas queria envolver os Jedi, pelo menos Anakin Skywalker . No entanto, além de um senador concordar, os outros duvidaram se o Conselho Jedi seria leal à República ou ao Chanceler, e optaram por esperar. [2] [3] Amidala morreu em parto prematuro não muito depois de sua última tentativa de evitar a queda de Anakin. Em The Imperial Handbook, Grand Moff Tarkin relatou que a maioria dos membros da Delegação de 2000 foram presos; Mothma e Organa mantiveram sua Senatoria permanecendo aparentemente obedientes a Palpatine, enquanto secretamente "planejavam a unificação de bandos díspares de insurgentes no que eles chamavam de Aliança Rebelde". Ao mesmo tempo a Ordem Jedi treinou e equipou movimentos de resistência nos planetas Ryloth, Cristhophisis e Onderon contra a facção rival das Guerras Clonicas a Confederação dos Sistemas Independentes, esses movimentos que aparecem na série The Clone Wars. Mais Tarde no spin-off da série The Bad Batch essas celulas começam a se rebelar contra o Império, enquanto aparentemente tambem surgem remanescentes da confederação contrários ao Império, esse grupos mais tarde se uniriam em um movimento unificado.

Primeiras batalhas importantes, frota rebelde (5 ABY)[editar | editar código-fonte]

A série Rebels da Disney descreve o desenvolvimento da rebelião contra o Império Galáctico começando cinco anos antes de Uma Nova Esperança (5 ABY) e quatorze anos após a queda da República Galáctica e da Ordem Jedi na Vingança dos Sith (19 ABY).[4] O show se concentra em um grupo heterogêneo de rebeldes (todos os quais foram afetados pelo Império de uma forma ou de outra) que se uniram a bordo de uma nave cargueira chamada Ghost . Eles se chamavam de Espectros e eram liderados por Hera Syndulla.[5] No final da primeira temporada, é revelado que havia vários sistemas de células clandestinas que estavam resistindo ao Império, como o Esquadrão Fênix de Jun Sato . O senador Bail Organa (junto com sua esposa, a rainha Breha Organa) de Alderaan e a ex-Jedi Ahsoka Tano desempenham um papel fundamental na coordenação dessas células fragmentadas em uma ameaça legítima capaz de desafiar o governo imperial. equipada principalmente pela Casa Real de Alderaan, a aliança começou a alocar recursos para uma frente única contra o domínio imperial. O Esquadrão Spectres e Phoenix foram posteriormente integrados ao Grupo Massassi baseado em Yavin IV, que por Rogue One (1 ABY) e Uma Nova Esperança (0 ABY) foi comandado pelo General Jan Dodonna . Uma última célula rebelde importante que mais tarde se tornou parte da Aliança Rebelde foi a Frota Mon Calamari no Exilio comandada pelo Almirante Raddus e Almirante Ackbar, formada a partir de espaçonaves civis durante a Ocupação Imperial de Mon Cala em 18 ABY (1 ano no Império, 18 anos antes da Batalha de Yavin).[6]

Declaração de rebelião (2 ABY)[editar | editar código-fonte]

Perto do final da terceira temporada de Rebels, em "Secret Cargo", o co-fundador da Alliance, Senador Mon Mothma, escapou do assassinato por condenar o Massacre de Ghorman e falar contra o Imperador (2 ABY).[7] Ela convocou as várias células rebeldes e facções da insurgência a se unirem em uma coalizão unificada:

Muitos navios rebeldes chegam a um ponto de encontro acima de Dantooine para se unir e formar a "Aliança para Restaurar a República".[7]

As Forças Armadas da Aliança consistiam principalmente de navios civis naufragados, improvisados, reaproveitados ou roubados de dezenas de fabricantes; careciam de meios, recursos ou estaleiros para construir, manter e tripular milhares de navios capitais de nível militar. A Aliança constantemente tinha que mudar de base e suas naves transportadoras tinham que escapar rotineiramente para o hiperespaço antes de recuperar seu complemento de caça. O maior e mais poderoso navio de guerra que eles tinham disponíveis eram vários cruzadores estelares MC80 fornecidos à Aliança por Mon Calamari, mas a Frota da Aliança os manteve em reserva e nunca arriscou implantá-los, mesmo quando as bases estrategicamente críticas em Atollon, Yavin e Hoth chegaram sob cerco.

A Aliança Starfleet quase nunca colocou seus navios em risco; eles evitaram batalhas campais, assaltos frontais, guerra de atrito e confrontos convencionais com os imperiais a todo custo '. Em vez de envolver os Imperiais em tiroteios abertos, a Aliança Rebelde amplamente adotou táticas de ataque não comprometedoras e flexíveis, utilizando principalmente corvetas CR90 de ataque rápido fornecidas à Aliança por Alderaan .

Alliance Starfighter Corps[editar | editar código-fonte]

A Aliança encontra sua força quase inteiramente na arena dos caças estelares, oferecendo algumas das pequenas naves de ataque mais eficazes e versáteis dentro do cânone de Guerra nas Estrelas.

  • Gold Squadron, comandado por Jon Vander, foi um esquadrão de bombardeiros leves BTL-A4 Y-wing que serviu como parte do corpo de caças estelares de elite da Aliança Rebelde durante a Guerra Civil Galáctica. Esta unidade foi fundamental para escoltar o senador Mon Mothma com segurança até Dantooine, participou da Batalha de Scarif e quase foi exterminada por Darth Vader na Batalha de Yavin. Sob o comando de Lando Calrissian, conseguiu destruir o segundo reator da Estrela da Morte durante a Batalha de Endor.
  • O Esquadrão Verde, comandado por Arvel Crynyd, era um esquadrão de interceptores RZ-1 de asa A que serviu como parte do corpo de caças da Aliança Rebelde durante a Guerra Civil Galáctica. O esquadrão participou de forma mais notável nas campanhas mais decisivas da Aliança, incluindo: a Batalha de Atollon; a batalha de Scarif; e a Batalha de Endor. Foi Arvel Cyrnyd que colidiu com sua asa A na ponte do Executor, desativando a nave.
  • O Esquadrão Vermelho, comandado por Garven Dreis, era um esquadrão de caça estelar T-65B X-wing que serviu como parte do corpo de caça estelar da Aliança Rebelde durante a Guerra Civil Galáctica. O esquadrão participou principalmente das campanhas mais decisivas da Aliança, incluindo: a Batalha de Scarif; a Batalha de Vrogas Vas; a batalha de Hoth ; e a Batalha de Endor.
  • O Blue Squadron, comandado por Antoc Merrick, era um esquadrão de aviador e caça estelar que serviu como parte do corpo de caça estelar de elite da Aliança Rebelde durante a Guerra Civil Galáctica. O esquadrão participou principalmente das campanhas mais decisivas da Aliança, incluindo: a Batalha de Scarif; o cerco à Tureen VII; a batalha de Hoth ; e a Batalha de Endor.
  • Rogue Squadron, comandado por Wedge Antilles, era um esquadrão de caças da franquia Star Wars . O esquadrão aparece em The Empire Strikes Back (1980) como " Rogue Group ". No filme de 2016, Rogue One, lutadores rebeldes em uma missão suicida para roubar os planos para a Estrela da Morte (que causou a Batalha de Scarif) se autoidentificarem como "Rogue One", um possível precursor do Rogue Squadron.[8]

Guerra Civil Galáctica[editar | editar código-fonte]

A queda da República Velha e o nascimento do Império, conforme descrito em A vingança dos Sith, assinalou o início da sangrenta Guerra Civil Galáctica.

Perdas e vitórias decisivas[editar | editar código-fonte]

O episódio dos rebeldes, "Zero Hour", demonstra a supremacia naval absoluta dos imperiais quando eles aprisionaram a "Frota Fênix" durante a Batalha de Atollon e os forçaram a se engajar em pé de igualdade; resultando uma vitória decisiva para os imperiais e a dizimação total da frota rebelde.

Durante os eventos de Rogue One e A New Hope, a Aliança fica sabendo da construção da Estrela da Morte, uma enorme estação espacial de batalha destinada a garantir o poder do Império. Com a ajuda do esquadrão Rogue One liderado por Jyn Erso e Cassian Andor, os rebeldes roubam e transmitem com sucesso os esquemas da estação da Cidadela Imperial no planeta Scarif. Esta vitória foi a primeira grande batalha da Aliança contra o Império; mas com uma taxa de baixas de 75% da frota estelar e com todas as forças imperiais e rebeldes restantes no planeta dizimadas pela batalha ou pela ordem do Grande Moff Wilhuff Tarkin de disparar o superlaser da estação espacial na Cidadela, foi em última análise uma vitória de Pirro e nenhum dos o esquadrão sobreviveu. Depois de baixar com sucesso os planos da Estrela da Morte, os soldados Alderaanian a bordo de uma nave capitânia Mon Calamari mal conseguiram escapar da 501ª Legião e Esquadrão da Morte com os planos de dados roubados. Logo após a batalha, o Tantive IV, uma corveta Alderaaniana carregando a Princesa Leia Organa, é capturada pela nave principal de Vader, a Imperial I- classe Star Destroyer Devastator, enquanto tentava entregar os planos para Bail Organa em Alderaan . Todos os membros da Segurança Consular Alderaanian a bordo são mortos ou feitos prisioneiros e a Princesa Leia Organa é mantida refém por um tempo por Darth Vader . A fim de punir ela e o envolvimento central do governo de seu planeta natal na Aliança Rebelde, Leia é forçada a testemunhar a destruição de Alderaan pela Estrela da Morte. A princesa é posteriormente resgatada por Luke Skywalker, Han Solo, Chewbacca e Obi-Wan Kenobi, que então entregam os esquemas da estação para a Aliança. Isso leva diretamente à vitória da Aliança na Batalha de Yavin e à lealdade de Luke Skywalker; o único membro remanescente da Rebelião com treinamento na Força .

Nos quadrinhos de Star Wars, a Rebelião ganha inúmeras vitórias contra o Império após a destruição da Estrela da Morte recrutamento a frota comercial Mon Calamari para ser reformada como uma frota de assalto. Esse poder de fogo finalmente permitiria à Aliança atacar o Império em uma escala maior. No entanto, uma das aliadas da Rebelião, a Rainha Trios de Shu-Torun (cuja tecnologia mundial foi encaixada nos navios da nova frota Rebelde), revelou-se como uma agente Imperial disfarçada enviada por Darth Vader para sabotar seus esforços. Com seus navios inesperadamente paralisados pela tecnologia Shu-Torun, a frota Rebelde reunida pouco podia fazer, já que eram alvos de destruição pela frota Imperial de Vader. Metade das naves rebeldes foram destruídas na batalha antes de Leia encontrar uma maneira de contornar a sabotagem e permitir que as naves restantes escapassem. No entanto, os generais Jan Dodonna e Davits Draven, bem como vários outros oficiais rebeldes de alto escalão, foram mortos durante a batalha e os navios rebeldes restantes foram separados em sua fuga. Mon Mothma instruiu todas as células rebeldes a se reagruparem a tempo enquanto atacavam o Império quando e como pudessem. Somente na Batalha de Endor toda a força da Rebelião estaria novamente unida em um único lugar.

Em O Império Contra-Ataca, a Aliança sofre uma derrota esmagadora em Hoth quando um de seus principais centros de comando, a Echo Base, é invadido pelas forças armadas imperiais pessoais de elite de Darth Vader, o Esquadrão da Morte e a 501ª Legião . As forças restantes da rebelião são forçadas a permanecer móveis, usando a nave principal do almirante Ackbar , Home One, como quartel-general.

Com o Retorno dos Jedi, a Aliança se reagrupou e soube que uma nova Estrela da Morte está sendo construída, e será concluída sob a supervisão pessoal do Imperador Palpatine. Mon Mothma tem o almirante Ackbar e Lando Calrissian no comando da frota da Aliança e despacha Han Solo e a Princesa Leia na liderança das forças especiais de elite da Aliança para desativar as defesas da estação enquanto Luke distrai Darth Vader. A Aliança posteriormente vence a Batalha de Endor, na qual Darth Vader, o Imperador Palpatine, o Esquadrão da Morte - armada imperial e grande parte da hierarquia imperial são destruídos.

Sucessor[editar | editar código-fonte]

Após sua vitória na Batalha de Endor, uma Nova República provisória foi oficialmente formada pela Aliança. Isso, combinado com o vácuo de poder imperial, lutas políticas e a Operação: Cinder - plano de contingência da terra arrasada de Palpatine - encorajou milhares de planetas habitados a declarar independência do Império ou desertar para a Aliança.

Cerca de um ano após a Batalha de Endor, a Rebelião derrotou o Império durante a Batalha de Jakku e estabeleceu formalmente a Nova República.[9] Assim, a Guerra Civil Galáctica terminou oficialmente. Três décadas depois, na época do Despertar da Força, a Nova República apoiou o exército de Resistência, um sucessor da Aliança, para enfrentar a Primeira Ordem, uma nova potência militar formada por remanescentes da linha dura do Império.[10]

Referências

  1. Lucas, George (2005). «Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith». Star Wars. Episódio III. Lucasfilm Ltd. 
  2. These deleted scenes were included in the 2005 DVD home edition, with director George Lucas stating: 'There is an entire sub-plot with Padmé joining the Rebel Alliance with Mon Mothma and Bail Organa. This was really her story that was going along at the same time that Anakin was being seduced by Palpatine in the beginning before he turns. And ultimately, we decided that it was very important that we focus on Anakin's story. So it was with deep regrets that I had to— to let that whole sub-plot go.'[1]
  3. Ratcliffe, Amy (2019). Star Wars: Women of the Galaxy. San Francisco: Chronicle Books. ISBN 9781452166797. Consultado em 8 de abril de 2021 
  4. Taylor, Chris (2014). How Star Wars Conquered the Universe: The Past, Present, and Future of a Multibillion Dollar Franchise. New York: Perseus Books Group. ISBN 9781784970451. Consultado em 10 de abril de 2021 
  5. Horton, Cole; Hidalgo, Pablo; Zehr, Dan (2020). The Star Wars Book: Expand your knowledge of a galaxy far, far away. London: Dorling Kindersley. ISBN 9780241502211. Consultado em 10 de abril de 2021 
  6. Bray, Adam (2019). Ultimate Star Wars New Edition: The Definitive Guide to the Star Wars Universe. London: Dorling Kindersley. ISBN 9780241429266. Consultado em 10 de abril de 2021 
  7. a b Frankel, Valerie Estelle (2018). Star Wars Meets the Eras of Feminism: Weighing All the Galaxy's Women Great and Small. Lanham, Maryland: Rowman & Littlefield. ISBN 9781498583879. Consultado em 10 de abril de 2021 
  8. Fischer, Russ (19 de abril de 2015). «'Star Wars: Rogue One' Details: Theft of Death Star Plans Confirmed as Plot; Plus Footage and Concept Art». /Film. Consultado em 15 de abril de 2015 
  9. McDonagh, Tim (2016). Star Wars: Galactic Atlas. [S.l.]: Disney–Lucasfilm Press. pp. 13, 44. ISBN 978-1368003063 
  10. Lussier, Germain (21 de agosto de 2015). «The First Order and the Resistance Rule In New Star Wars: The Force Awakens Photos». io9. Consultado em 1 de dezembro de 2015