Sotalia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Boto-cinza)
Ir para: navegação, pesquisa

Aviso: O título de exibição “Sotalia spp.” foi ignorado devido a não ser equivalente ao título verdadeiro da página.

NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma caixa taxonómicaSotalia spp.
Sotalia fluviatilis

Sotalia fluviatilis
Comparação entre o tamanho de um tucuxi e o tamanho de um ser humano
Comparação entre o tamanho de um tucuxi e o tamanho de um ser humano
Estado de conservação
Status none DD.svgDados deficientes (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Família: Delphinidae
Género: Sotalia
Gray, 1866
Distribuição geográfica
Mapa de distribuição do género Sotalia
Mapa de distribuição do género Sotalia
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Sotalia

O género Sotalia (Sotalia spp.) é composto por duas especies, o boto-cinza (Sotalia guianensis) e o tucuxi (Sotalia fluviatilis), podendo também ser os animais deste género chamados de pirajaguara e boto-preto.[1] O género pertence à família dos delfinídeos. Tem o hábito de viver em grupo. É muito sociável. Como todos os cetáceos, tem de respirar ar periodicamente, podendo, porém, permanecer submerso por longos períodos. Possui um biossonar que lhe permite localizar objetos e se orientar, utilizando o som e o eco. Geralmente, seus dentes são todos iguais, existindo apenas uma dentição. A maioria dos botos-cinzas se alimenta de peixes e lulas e, ocasionalmente, de crustáceos.

A fêmea dá à luz apenas um filhote, após um ano de gestação. Durante o trabalho de parto, é comum a mãe ser ajudada por outros membros do grupo. O período de amamentação dura sete meses em média. Os botos-cinzas são ótimos nadadores, atingindo velocidades de até sessenta quilômetros por hora e saltando até cinco metros acima da água. Podem viver até oitenta anos. Utilizam a técnica de pesca em grupo, que facilita o cerco dos peixes. Seu tato é bastante desenvolvido. Ocorrem muitos toques entre os botos, o que, segundo pesquisas, pode ser um tipo de comunicação. Sua principal ameaça são as redes de pesca onde, por acidente, acabam ficando presos e morrendo afogados. Desde 1986, são proibidas a pesca, caça, perseguição ou captura de cetáceos nas águas brasileiras.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Boto-cinza" e "boto-preto" são referências ao seu dorso escuro e ao seu ventre pardo-violáceo.[2] "Tucuxi" é uma palavra com origem nas línguas caribes.[3] "Pirajaguara" é oriundo da junção das palavras tupis pirá ("peixe")[4] e yawara ("cão").[5]

Biologia[editar | editar código-fonte]

Estudo publicado no ano 2011 na Proceedings of the Royal Society apontou que esta espécie tem a capacidade de detectar campos elétricos (eletroreceptividade) por meio de receptores localizados no focinho. Com isso, a espécie consegue detectar presas em potencial com base nos campos elétricos que esses emitem, a exemplo do que tubarões e arraias fazem. Este sentido existe também em algumas espécies de peixes e anfíbios. Entre os mamíferos, este sentido é conhecido apenas no ornitorrinco.[6]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Estudos mostram claramente que as populações marinha e amazônica são resultado de diferentes processos evolutivos, representando duas distintas espécies .[7] O género Sotalia é portanto composto por duas espécies:[1]

Costuma viver entre a região costeira do Panamá a Baia Norte de Florianópolis Santa Catarina, passando pela região de Guaraqueçaba, que é Área de Proteção Ambiental.[8]

Costuma viver nos rios da região amazônica.

Referências

  1. a b «Boto-cinza e Tucuxi - Gênero Sotalia - Biologia Marinha». InfoEscola. Consultado em 2016-02-23. 
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 725
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 725
  4. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 335
  5. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 336
  6. Czech-Damal, Nicole U.; Alexander. (2012-02-22). "Electroreception in the Guiana dolphin (Sotalia guianensis)" (em en). Proceedings of the Royal Society of London B: Biological Sciences 279 (1729): 663–668. DOI:10.1098/rspb.2011.1127. ISSN 0962-8452. PMID 21795271.
  7. Emygdio Leite de Araujo Monteiro-Filho; Leandro Rabello Monteiro, Sérgio Furtado dos Reis. "Skull Shape and Size Divergence in Dolphins of the Genus Sotalia: A Tridimensional Morphometric Analysis". DOI:10.1644/1545-1542(2002)083%3C0125:ssasdi%3E2.0.co;2.
  8. Conheça dez dos animais mais famosos da fauna paranaense - Botos-cinza Portal Gazeta do Povo - acessado em 6 de outubro de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cetáceos é um esboço relacionado ao Projeto Mamíferos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sotalia