Baleia-jubarte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBaleia-jubarte
Humpback Whales - South Bank.jpg
Tamanho do animal comparado a um humano
Tamanho do animal comparado a um humano
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animal
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Cetartiodáctilos
Subordem: Cetancodonta
Infraordem: Cetáceos
Superfamília: Misticetos
Família: Balaenopteridae
Género: Megaptera
(Gray, 1846)
Espécie: M. novaeangliae
Nome binomial
Megaptera novaeangliae
(Borowski, 1781)
Distribuição geográfica
Distribuição da baleia-jubarte
Distribuição da baleia-jubarte

A jubarte ou baleia-jubarte (nome científico: Megaptera novaeangliae), também conhecida como baleia-corcunda, baleia-cantora,[2] baleia-corcova, baleia-de-corcova, baleia-de-bossas ou baleia-preta[3] é um mamífero marinho presente na maioria dos oceanos.[4] Ela é da ordem dos cetartiodáctilos (Cetartiodactyla), subordem dos cetáceos e infraordem dos misticetos (Mysticeti).[5] É uma das maiores espécies de balenopterídeos (Balaenopteridae) ou rorquais. Quando salta, elevando seu corpo quase completamente para fora d’água, por alguns segundos ela parece querer vencer a gravidade e alçar voo. Neste momento, suas longas nadadeiras peitorais, que chegam a medir até 1/3 de seu comprimento total, poderiam ser comparadas às asas de um pássaro. Esta é a origem do nome Megaptera, que em grego antigo significa "grandes asas", enquanto novaeangliae fala do primeiro local onde foi registrada a espécie, Nova Inglaterra. É conhecida por seus comportamentos aéreos e outros mais realizados na superfície, o que as torna popular no turismo de observação de baleias. Machos produzem cantos complexos que duram de 10 a 20 minutos com a finalidade de atrair as fêmeas para acasalar.

Baleias-jubarte migram mais de 25 mil quilômetros a cada ano das áreas de alimentação para as de reprodução. Elas só se alimentam no verão em águas polares e migram para os trópicos e sub trópicos para acasalar e ter seus filhotes no inverno e primavera. Sua dieta consiste de krill e peixes pequenos. Jubartes têm um vasto repertório de estratégias de pesca, incluindo a técnica de redes de bolhas.

Como as outras grandes baleias, essa espécie foi ameaçada pela caça industrial. Elas foram caçadas até a beira da extinção quando as populações foram reduzidas em 90% antes da moratória de 1966. As estimativas do número de indivíduos é em cerca de 80 mil exemplares. Mesmo com o fim da caça comercial, as baleias ainda sofrem com várias ameaças: emalhamento em redes de pesca, colisão com embarcações, encalhamento em praias e poluições.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do gênero Megaptera significa asas grandes, do grego mega-/μεγα- (grande) e pteron/πτερα (asa), referência às suas nadadeiras peitorais que se assemelham a asas.[6] Já seu nome específico novaeangliae vem do latim novus (nova) e angliae (Inglaterra) e é uma referência geográfica de onde o espécime tipo foi descrito pela primeira vez pelo naturalista alemão Georg Heinrich Borowski em 1781. Então, seu nome científico significa "grandes asas da Nova Inglaterra".[7][8] Quando a jubarte mergulha costuma arquear a região da nadadeira dorsal, deixando corcova do dorso mais saliente. Desta característica deriva seu nome em inglês, humpback whale, ou baleia corcunda.[2]

Taxonomia e evolução[editar | editar código-fonte]




B. bonaerensis (baleia-de-minke-do-sul)



B. acutorostra (baleia-de-minke-do-norte)






B. physalus (baleia-comum)




B. edeni (baleia-de-bryde-pigmeia)




B. borealis (baleia-sei)



B. brydei (baleia-de-bryde)







B. musculus (baleia-azul)



M. novaeangliae (baleia-jubarte)



E. robustus (baleia-cinzenta)





Árvore filogenética dos animais associais

A baleia-jubarte é o único representante do gênero Megaptera que faz parte de uma família de oito espécies de baleias, os balenopterídeos (Balaenopteridae; também conhecidos como rorquais). Esta família inclui as baleias azul, comum, de-bryde, sei e minke. Acredita-se que as rorquais divergiram das outras famílias de misticetos no Mioceno Médio.[9] Embora claramente relacionado com as baleias gigantes do gênero Balaenoptera, a jubarte é o único membro de seu gênero. Recentemente, análises de sequenciamento de DNA indicam que as jubartes são mais relacionadas com certas baleias, como a baleia-comum (B. physalus) e, possivelmente, a baleia-cinzenta (Eschrichtius robustus), do que com outras rorquais como a baleia-minke.[10][11][12][13]

A jubarte foi identificada primeiramente como baleine de la Nouvelle Angleterre por Mathurin Jacques Brisson no seu Regnum Animale de 1756. Em 1781, Georg Heinrich Borowski descreveu a espécie, alterando o nome que Brisson deu para seu equivalente em latim, Balaena novaeangliae. Em 1804, Lacépède mudou essa espécie para a família dos balenídeos (Balaenidae), permanecendo B. jubartes. Em 1846, John Edward Gray criou o gênero Megaptera, classificando-a como Megaptera longipinna, mas em 1932, Remington Kellogg reverteu o nome da espécie para novaeangliae.[8] Pesquisas genéticas, em meados de 2014, pela British Antarctic Survey confirmaram que a separação das populações no Atlântico Norte, Pacífico Norte e oceanos do hemisfério sul são mais distintas do que se pensava. Alguns biólogos acreditam que devem ser considerados como subespécies separadas[14] e que evoluíram independentemente.[15]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Uma baleia-jubarte
Tubérculos cefálicos característicos

As jubarte são reconhecidas facilmente devido a várias características peculiares como seu corpo atarracado, corcunda óbvia, coloração dorsal e nadadeiras peitorais longas.[16] Suas nadadeiras apresentam manchas pretas e brancas e podem alcançar até um terço do comprimento do corpo, sendo maior do que qualquer outra espécie de cetáceo.[7] Possuem a parte superior totalmente negra, parte inferior branca ou um pouco mais escura. A cabeça e mandíbula inferior estão recobertas de pequenas protuberâncias características da espécie, chamadas de tubérculos, que na realidade são folículos pilosos.[16] Ainda não se conhece qual a função destes pelos, mas se supõe que seja sensorial. No topo de sua cabeça, está o orifício respiratório, que exerce as mesmas funções das narinas, e permanece fechado durante todo o tempo em que o animal está submerso. Quando se aproxima da superfície este duplo orifício se abre e o ar quente é expelido com força pelos pulmões, condensando em contato com a atmosfera fria e formando uma nuvem de até três metros de gotículas de água.[2] Estima-se que as jubartes possam permanecer até cerca de 30 minutos submersas, e alcançar mais de 600 metros de profundidade em seus mergulhos.[17]

Assim como os demais membros de sua família, possui sulcos ventrais de coloração branca que são pregas paralelas que se estendem da mandíbula até a região do umbigo. Seu número pode variar de 14 a 35 (com uma média de 14 a 22[18]) e permitem uma maior abertura da boca longa e arqueada, expandindo quando o animal se alimenta e contraindo quando expulsa a água para fora da boca. Para filtrar o alimento da água do mar, geralmente o krill, utiliza suas barbas, que são uma série de placas compostas de queratina que descem do céu da boca e filtram a água, retendo o alimento.[2] Ao todo possui de 270 a 400 placas de barbas de cor escura em cada lado da boca.[18] Próximo ao canto da boca estão localizados os olhos, que possuem boa capacidade visual tanto dentro como fora d’água. As baleias não possuem orelhas pois isto atrapalharia seu formato hidrodinâmico, mas elas possuem ouvidos que são minúsculos orifícios, com cerca de 30 centímetros atrás dos olhos. O tórax é protegido por 14 pares de costelas e abriga o coração e os pulmões.[2]

Esqueleto exposto no Museu de Osteologia de Oclaoma, nos Estados Unidos

Entre machos e fêmeas, há pouco dimorfismo sexual, principalmente pelo fato de o pênis dos machos estar internalizado na fenda genital.[19] A principal diferença entre os gêneros é que, na região ventral próximo ao pedúnculo caudal, as fêmeas possuem uma fenda genital que fica deslocada em direção à nadadeira caudal próxima à abertura do ânus, já nos machos a fenda está deslocada em direção ao abdômen, próxima à cicatriz do umbigo, onde terminam as pregas ventrais. A única outra diferença anatômica externamente visível entre machos e fêmeas é a presença de um lobo hemisférico na região urogenital das fêmeas, localizada logo após a porção posterior da fenda genital. Paralelas à fenda genital existem duas pequenas fendas onde estão localizadas as glândulas mamárias. As baleias parem normalmente a cada dois ou três anos e a gestação dura onze meses. É raro, mas certas fêmeas podem dar à luz dois anos seguidos.[2]

A pele é relativamente fina para um animal de seu tamanho, possuindo menos de um centímetro de espessura. Aderidas na superfície da epiderme podemos encontrar as cracas. Na região dorsal a pele é de coloração preta, enquanto na região abdominal é variável, sendo preta em algumas regiões e branca em outras. Logo abaixo, está uma espessa camada de gordura que serve como um isolante térmico para protegê-las do frio das águas e como uma reserva de energia. Esta camada pode medir mais de 15 centímetros de espessura.[2]

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Os machos totalmente crescidos têm em média 13–14 metros (43–46 pés). As fêmeas são ligeiramente maiores, com 15–16 metros (49–52 pés); um grande espécime registrado tinha 19 metros (62 pés) de comprimento e barbatanas peitorais medindo 6 metros (20 pés) cada.[20] A maior jubarte registrada, de acordo com os registros da caça às baleias, foi uma fêmea morta no Caribe; tinha 27 metros (89 pés) de comprimento com um peso de 90 toneladas métricas (99 toneladas curtas), embora a confiabilidade desses dados extremamente atípicos seja impossível de confirmar.[21] Os maiores exemplares medidos pelos cientistas do Comitê de Descoberta foram um macho e uma fêmea de 14,9 e 14,75 metros (48,9 e 48,4 pés), respectivamente, embora isso estivesse fora de um tamanho de amostra de apenas 63 baleias.[22] A massa corporal normalmente está na faixa de 25-30 toneladas métricas (28-33 toneladas curtas), com grandes espécimes pesando mais de 40 toneladas métricas (44 toneladas curtas).[23]

Nadadeiras[editar | editar código-fonte]

Nadadeira peitoral
A forma de ondulação, as marcas negras e brancas e as cicatrizes permitem identificar os exemplares
Uma jubarte mostrando a cauda

Na região torácica, há duas longas nadadeiras peitorais, que numa jubarte adulta podem medir mais de cinco metros de comprimento. A borda anterior da nadadeira peitoral é bastante ondulada, sua face ventral é branca enquanto a face dorsal em geral possui uma mistura de padrões de preto e branco. As nadadeiras peitorais em geral servem para ajudar a direcionar o movimento das baleias e dos golfinhos quando nadam, auxiliando na manutenção do equilíbrio. No dorso da jubarte, está a pequena nadadeira dorsal, localizada sobre uma ligeira corcova. Esta nadadeira dorsal possui um formato ligeiramente diferente para cada indivíduo. Em alguns indivíduos ela é mais arredondada e em outros pode apresentar um formato semelhante a uma foice (falcada).[2]

Várias hipóteses tentam explicar suas nadadeiras peitorais. A maior capacidade de manobra proporcionada por nadadeiras longas e a utilidade da área de superfície aumentada para controle de temperatura ao migrar entre climas quentes e frios podem ter apoiado esta adaptação. Essas nadadeiras pesadas e muito longas com uma fileira de saliências semelhantes às juntas dos dedos ao longo de suas bordas anteriores são armas eficazes em confrontos com orcas.[24] A grande craca Coronula diadema frequentemente se fixa ali, adicionando um equivalente natural ao soco-inglês.[25] As jubartes ocasionalmente defendem outros animais contra o ataque de predadores; por exemplo, foram observados interferindo na defesa de um filhote de baleia-cinzenza que acabara de ser morto por orcas.[24]

Logo após a nadadeira dorsal, inicia-se o pedúnculo caudal, uma grande e poderosa região muscular que, juntamente com a nadadeira caudal, é responsável por permitir a natação e outros comportamentos. É a batida da nadadeira caudal que permite às baleias se deslocarem. Numa baleia jubarte adulta a nadadeira caudal pode medir mais de cinco metros de largura,[2] correspondendo até um terço do tamanho total do corpo.[26][27] Sua borda é serrilhada e na face ventral a coloração pode ir desde quase completamente branca até totalmente escura, apresentando cada animal um padrão de manchas e riscos diferentes. É justamente o fato de cada uma possuir um desenho único na nadadeira caudal que permite que cada baleia jubarte possa ser identificada como um indivíduo por meio das fotografias desta região. Podemos dizer então que a nadadeira caudal da jubarte é o equivalente às impressões digitais dos humanos.[2]

Identificação[editar | editar código-fonte]

Os padrões variados na cauda permitem distinguir os espécimes. A identificação é feita comparando a quantidade as marcas negras e brancas e cicatrizes na cauda. As jubarte recebem um número de catálogo. Um estudo usando dados de 1973 a 1998 em baleias no Atlântico Norte deu aos pesquisadores informações detalhadas sobre os tempos de gestação, taxas de crescimento e períodos de parto, além de permitir previsões populacionais mais precisas ao simular a técnica de marcação-liberação-recaptura.[28] Um catálogo fotográfico de todas as baleias do Atlântico Norte conhecidas foi desenvolvido durante este período e é mantido pelo College of the Atlantic.[29]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

A vida útil dos rorquais varia de 45 a 100 anos.[30] A região ao redor do arquipélago de Abrolhos parece ser um local bastante apropriado para as fêmeas e suas crias: em nenhum lugar do mundo tem-se uma concentração tão grande de filhotes - quase 50% dos grupos de baleias avistados. Durante as observações de ponto fixo na costa baiana e os cruzeiros de pesquisa no Brasil, as jubartes são avistadas realizando comportamentos como a natação (deslocamento em uma única direção), milling (movimentação sem uma direção definida), repouso (boiadas na superfície) e comportamento ativo, igualmente observados em outras áreas de reprodução. A exposição caudal parada se caracteriza-se pela exposição da nadadeira caudal acima da superfície da água. A baleia posiciona-se por até 15 minutos de cabeça para baixo, somente com a cauda e, às vezes, parte do pedúnculo acima da superfície do oceano. Depois desse período, voltam à posição horizontal, normalmente permanecendo em repouso, boiando e respirando algumas vezes em intervalos curtos para logo em seguida repetir o comportamento.[31]

Existem várias hipóteses para explicar o salto das jubartes. O som provocado pelo impacto do corpo da baleia na água pode representar uma estratégia de comunicação – uma forma de chamar a atenção de outros indivíduos ou grupos - ou talvez um macho se exibindo às fêmeas ou desafiando outros machos. O salto também pode constituir uma forma de eliminar parasitas e cracas que ficam aderidas ao corpo da baleia, ou ainda uma oportunidade de observar o que acontece sobre a superfície. Nos grupos de fêmeas com filhote, este comportamento provavelmente possui um significado diferente: durante muitas observações normalmente é o filhote quem inicia uma série de saltos, logo seguidos pela mãe e algumas vezes sincronizados com ela.[31] Outro comportamento relatado é o chamado spyhop. Nele, a baleia-jubarte coloca a cabeça para o lado de fora da água verticalmente até passar um pouco mais da altura do olho, dando a entender que a baleia coloca o olho do lado de fora da água para "espiar" o que está na superfície.[32]

Estrutura social[editar | editar código-fonte]

As jubartes frequentemente saltam, jogando dois terços ou mais de seus corpos para fora da água ante se colidirem de costas com a água

A organização social das baleias-jubarte é caracterizada por grupos pequenos e associações breves, com ocorrência comum de indivíduos sozinhos, duplas e trios.[33] As associações estáveis em pares também, geralmente, são formadas por fêmea e filhote, que podem permanecer juntos por até três anos.[34] Os agrupamentos são mais estáveis no verão, quando cooperam entre si para fins alimentares. Já nas áreas de reprodução no inverno, grupos maiores e não duradouros são observados em associação com demonstrações de competição sexual agressiva entre machos por uma fêmea que servem para estabelecer as relações dominantes entre os machos.[35] Caracterizados por serem ativos e com vários comportamentos aéreos, grupos competitivos são constituídos por dois a vinte machos e um animal nuclear, que é uma fêmea em estro ou pré-estro e pode ou não estar amamentando um filhote.[36] Análises genéticas de paternidade mostram que fêmeas acasalam com vários machos.[37]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Fêmea com seu filhote

Rituais de acasalamento acontecem no inverno em áreas de reprodução em torno da Linha do equador. Podem formar-se grupos competitivos de machos em torno de uma fêmea para garantir a cópula com a mesma. Esses grupos costumam ser ativos, realizando saltos, batidas de cabeça, de cauda e da nadadeira peitoral, entre outros.[38] O canto dos machos pode ser uma das forma de seleção pela fêmea ou de machos estabeleceram dominância.[39] Pensa-se que seu canto também possa induzir as fêmeas ao estro.[40]

Fêmeas geralmente engravidam a cada dois ou três anos e a gestação pode durar 11,5 meses. Os meses de pico de nascimento no Hemisfério Norte são janeiro e fevereiro e no Hemisfério Sul em agosto e setembro. As mães permanecem com o filhote por um a dois anos. Pesquisas recentes sobre DNA mitocondrial revelam que grupos que vivem próximos uns dos outros podem representar focos de procriação distintos.[41] Nascimentos raramente foram observados. Um nascimento testemunhado em Madagascar ocorreu dentro de quatro minutos.[42] Sabe-se que se hibridizam com outros rorquais; há um relato bem documentado de um híbrido de baleia jubarte-azul no Pacífico Sul.[43] Os filhotes, que podem ser chamados de bezerros, nascem com aproximadamente 4 metros de comprimento e pesam cerca de 1 tonelada.  Ingerem até 100 litros de leite por dia e o desmame ocorre entre os 6 e 10 meses de vida do filhote. Com um ano torna-se independente e se separa da mãe. Os machos não cuidam dos filhotes.[44]

Relações interespecíficas[editar | editar código-fonte]

As jubartes são amigáveis ​​e interagem com outros cetáceos, como os golfinhos-nariz-de-garrafa (Tursiops). As baleias-francas interagem com as jubarte.[45] Esses comportamentos foram registrados em todos os oceanos.[46][47] Registros de jubartes e francas-austrais demonstrando o que foram interpretados como comportamentos de acasalamento, foram documentados ao largo do Moçambique[48] e nas costas brasileiras.[49] As jubartes aparecem em grupos mistos com outras espécies, como as baleias-azul, comum, minke, cinzenta e cachalote.[50] A interação com as baleias-cinzenta, comum[51] e franca foi observada. Equipes de pesquisadores observaram uma jubarte macho cantando um tipo desconhecido de música e se aproximando de uma comum em Rarotonga em 2014.[52] Um indivíduo foi observado brincando com um golfinho-nariz-de-garrafa em águas havaianas.[53] Incidentes de jubartes protegendo outros animais, como focas e outras baleias contra orcas foram documentados e filmados. Estudos de tais incidentes indicam que o fenômeno é amplo e global, com incidentes sendo registrados em vários locais em todo o mundo.[54] Em setembro de 2017, em Rarotonga, nas ilhas Cook, a mergulhadora e bióloga de baleias Nan Hauser relatou que duas jubartes adultas a protegeram de um tubarão-tigre de 4,5 metros (15 pés), com uma baleia empurrando-a para longe do tubarão enquanto a outra usava seu cauda para bloquear os avanços do tubarão.[55]

Canto[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Canto das baleias
Espectrograma das vocalizações da jubarte: detalhes são mostrados para os primeiros 24 segundos da gravação de 37 segundos "Canto das jubartes". Nessa gravação, as "canções" etéreas são ouvidas antes e depois de um conjunto de "cliques" comunicativos no meio
Canto das jubartes

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

As baleias-jubarte machos e fêmeas vocalizam, mas apenas os machos produzem o "canto" longo, alto e complexo pelo qual a espécie é famosa. Cada música consiste em vários sons em um registro baixo, variando em amplitude e frequência e normalmente durando de 10 a 20 minutos.[56] Os indivíduos podem cantar continuamente por mais de 24 horas. Os cetáceos não têm cordas vocais; em vez disso, produzem som por meio de uma estrutura semelhante à laringe encontrada na garganta, cujo mecanismo não foi claramente identificado. As baleias não precisam expirar para produzir som.[57]

Dentro de uma população cantam uma única canção. Todas as jubartes do Atlântico Norte cantam a mesma canção, enquanto as do Pacífico Norte cantam uma canção diferente. A canção de cada população muda lentamente ao longo de um período de anos sem se repetir.[56][58] As canções são transmitidas culturalmente e, em alguns casos, foi demonstrado que se espalham "horizontalmente" entre as populações vizinhas ao longo de temporadas sucessivas de reprodução.[59] Os cientistas não têm certeza do propósito do canto. Apenas os machos cantam, sugerindo que um dos objetivos é atrair fêmeas ou induzir o estro.[40] No entanto, muitas das baleias observadas ao se aproximarem de um cantor são outros machos, geralmente resultando em conflito. Cantar pode, portanto, ser um desafio para outros machos.[60] Alguns cientistas levantaram a hipótese de que a música pode ter uma função ecolocativa.[61] Durante a estação de alimentação, as jubartes fazem vocalizações não relacionadas para pastorear peixes em suas redes de bolhas.[62] As baleias jubarte fazem outros sons para se comunicar, como grunhidos, gemidos, bufos e latidos.[63]

Respiração[editar | editar código-fonte]

As baleias são mamíferos que respiram ar e precisam emergir para conseguir o ar de que precisam. A nadadeira dorsal atarracada é visível logo após o espiráculo (exalação) quando a baleia surge, mas desaparece quando a cauda emerge. As jubartes têm um sopro espesso em forma de coração de 3 metros (9,8 pés) através dos espiráculos. Geralmente não dormem na superfície, mas devem continuar a respirar. Possivelmente, apenas metade de seu cérebro dorme ao mesmo tempo, com uma metade gerenciando o processo de mergulho na superfície sem despertar a outra metade.[64]

Migração[editar | editar código-fonte]

Os padrões migratórios e as interações sociais foram explorados na década de 1960,[65] e por estudos posteriores em 1971.[58] Calambokidis et al. forneceu a "primeira avaliação quantitativa da estrutura migratória das baleias-jubarte em toda a bacia do Pacífico Norte."[66]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Uma jubarte

As jubartes habitam todos os principais oceanos, em uma ampla faixa que vai da borda do gelo da Antártica até a latitude 81° N.[67] As quatro populações globais reconhecidas são as do Pacífico Norte, Atlântico, Oceano Antártico e Oceano Índico. Essas populações são distintas. Embora a espécie tenha distribuição cosmopolita e geralmente não seja considerada como cruzando a linha do equador, observações sazonais em Cabo Verde sugerem possíveis interações entre as populações de ambos os hemisférios.[68] Com exceção do grupo do mar da Arábia, presenças durante todo o ano foram confirmadas entre águas britânicas e norueguesas.[69] Partes de áreas de invernada ao redor do globo foram mal estudadas ou não foram detectadas, como em torno das ilhas Picárnia,[70] ilhas Marianas Setentrionais (por exemplo, Marpi[71] e recifes CK nas proximidades de Saipã),[72] ilhas Vulcano,[73] baía de Pesalengue, Trindade e Martim Vaz, Maurícia e Aldabra.[74]

As baleias já foram incomuns no Mediterrâneo e no mar Báltico, mas aumentaram sua presença em ambos à medida que as populações globais se recuperavam. Aumentos recentes na bacia do Mediterrâneo, incluindo avistamentos, indicam que mais baleias podem migrar para o mar interior no futuro, não apenas para o inverno, mas também para se alimentar.[75][76] As jubartes também estão mostrando sinais de se expandir novamente em faixas anteriores, como Escócia,[69] Escagerraque e Categate,[77] bem como fiordes escandinavos como Kvænangen, onde não eram observadas há décadas.[78][79]

No Atlântico Norte, as áreas de alimentação variam da Escandinávia à Nova Inglaterra. A reprodução ocorre no Caribe e em Cabo Verde.[80] Nos oceanos Atlântico Sul e Índico, podem se reproduzir no Brasil, bem como nas costas do centro, sul e sudeste da África (incluindo Madagascar).[81] Visitas de baleias ao interior do Brasil. As visitas de baleias ao golfo do México têm sido raras, mas ocorreram no golfo historicamente.[82] No Atlântico Sul, cerca de 10% da população mundial da espécie possivelmente migra para o golfo da Guiné. A comparação das canções entre as do cabo Lopes e do arquipélago de Abrolhos indicam que ocorrem misturas transatlânticas entre as populações do oeste e do sudeste.[83] No Brasil, pesquisas aéreas mostraram que sua distribuição nas águas da costa é registrada do Rio Grande do Sul até o Piauí, sendo que o Abrolhos, na Bahia, é o maior habitat de reprodução da espécie no Atlântico Sul Ocidental.[84][85]

Uma grande população se espalha pelas ilhas havaianas a cada inverno, variando da ilha do Havaí, no sul, até a ilha Kure, no norte.[86] Esses animais se alimentam em áreas que vão desde a costa da Califórnia até o mar de Beringue.[87] As jubartes foram observadas pela primeira vez em águas havaianas em meados do século XIX e podem ter ganhado domínio sobre as baleias-francas-do-pacífico-norte, já que as baleias-francas foram caçadas até quase a extinção.[88] Um estudo de 2007 identificou sete indivíduos que passavam o inverno na costa do Pacífico da Costa Rica como tendo viajado da Antártica - cerca de 8 300 quilômetros (5 200 milhas). Identificados por seus padrões únicos de cauda, esses animais fizeram a migração de mamíferos mais longa documentada.[89] Na Austrália, duas populações migratórias principais foram identificadas, nas costas oeste e leste. Essas duas populações são distintas, com apenas algumas fêmeas em cada geração cruzando os dois grupos.[90]

No Panamá e na Costa Rica, vêm tanto do hemisfério sul (julho a outubro com mais de 2 000 baleias) quanto do hemisfério norte (dezembro a março totalizando cerca de 300).[91] Alguns habitats em recolonização são confirmados, especialmente no Atlântico Norte e Sul (por exemplo, costas inglesas e irlandesas, Canal da Mancha)[92] para costas no norte, como o mar do Norte e o mar Frísio, onde o primeiro avistamento confirmado desde 1755 foi feito em 2003, [93] [94] o Pacífico Sul (por exemplo, costas da Nova Zelândia e Niue), as ilhas pelágicas do Chile como Sala y Gómez e Páscoa, onde as possibilidades de áreas de inverno não documentadas foram consideradas,[95] os fiordes ao sul do Chile e do Peru (por exemplo, golfo de Penas, estreito de Magalhães, canal de Beagle) [96] e na Ásia, como nas Filipinas, ilhas Babuyan, Cagayan (a primeira mortalidade moderna da espécie no país foi em 2007 ),[97] Calayan[98] e baía de Pasalengue, as ilhas Riuquiu, as Ilhas Volcano no Japão e as ilhas Marianas do Norte recentemente[99] tornaram-se novamente estáveis ​​/ crescentes áreas de inverno, enquanto as ilhas Marshall,[100] e as costas do Vietnã, Taiuã e China mostram uma recuperação lenta ou nenhuma recuperação óbvia.[101] Em 2020, uma baleia foi vista vagando no rio São Lourenço em Montreal[102] e um Migaloo (espécime albino) em águas australianas.[103]

Ásia[editar | editar código-fonte]

As baleias novamente migram dos arquipélagos japoneses para o mar do Japão. As conexões entre esses estoques e as baleias vistas no mar de Ocótsqui, nas costas de Camchata e ao redor das ilhas Comandante foram estudadas.[104] As distribuições históricas do inverno poderiam ter sido muito mais amplas e mais ao sul, já que as baleias foram vistas em áreas ao longo de Batanes, Sulu e mar de Celebes incluindo Palauã, Lução, Malásia e Mindanau, com densidades mais altas ao redor do atual cabo Eluanbi e do Parque Nacional de Kenting.[105] Avistamentos não confirmados foram relatados perto de Bornéu nos tempos modernos.[106] A primeira confirmação na Taiuã moderna era de um par ao largo de Hualiém em 1994, seguido por uma fuga bem-sucedida do emaranhamento ao largo de Taitum em 1999,[107] e avistamentos contínuos ao redor da ilha das Orquídeas em 2000.[108] Poucos / nenhum migra regularmente para o Parque Nacional de Kenting.[101][109] Além disso, apesar dos avistamentos relatados quase anualmente nas ilhas Verde e da Orquídeas, estadias relativamente curtas nessas águas indicam recuperações, pois o forrageio de inverno não ocorreu.[110] Avistamentos, incluindo de um par de filhotes, ocorreram ao longo da costa leste de Taiuã.[111][112][113][114] Em torno de Honcongue, dois avistamentos documentados foram registrados em 2009 e 2016.[115][116] Um dos primeiros dentro do mar Amarelo de um grupo de 3 ou 4 indivíduos, incluindo um par de filhotes no condado de Changai em outubro de 2015.[117][118]

Desde novembro de 2015, as baleias se reúnem em torno de Hachijo-jima, bem ao norte das áreas de reprodução conhecidas nas ilhas Bonim. Todas as atividades de reprodução, exceto o parto, foram confirmadas em janeiro de 2016. Isso torna Hachijo-jima o local de reprodução mais ao norte do mundo,[119] ao norte de criadouros como Amami Oxima, atol Midway,[120] e Bermudas.[121]

Mar da Arábia[editar | editar código-fonte]

Uma população não migratória no mar da Arábia permanece lá durante todo o ano.[56] As migrações anuais mais típicas cobrem até 25 000 quilômetros (16 000 milhas), tornando-se uma das espécies de mamíferos mais viajadas. Estudos genéticos e pesquisas visuais indicam que o grupo árabe é o mais isolado de todos os grupos jubarte e é o mais ameaçado, com possivelmente menos de 100 animais.[1] No mar da Arábia, a ilha e o golfo de Maceira, as ilhas Halaniate e a baía de Curia Muria são pontos quentes para a espécie.[122]

As baleias foram historicamente comuns em águas continentais e marginais, como as ilhas Halaniate,[123] ao longo das costas indianas, golfo Pérsico[124] e golfo de Adem, e migrações recentes para o golfo incluindo pares de vacas e filhotes.[125][126] Não se sabe se as baleias vistas no mar Vermelho se originam nesta população, no entanto, os avistamentos aumentaram desde 2006, mesmo na parte norte do mar, como no golfo de Acaba. Os indivíduos podem chegar às Maldivas, Seri Lanca ou mais a leste.[1] As jubartes têm sido consideradas vagabundas no Golfo Pérsico, no entanto, novos estudos indicam que presenças mais regulares podem ser esperadas.[122] As origens das baleias que ocorrem nas Maldivas não são claras nas populações da Arábia ou do Pacífico sul, e as sobreposições são possíveis.[127][1]

Alimentação e predação[editar | editar código-fonte]

Um grupo de 15 baleias caçando pelo método de rede de borbulhas de ar perto de Juneau, no Alasca

A espécie alimenta-se exclusivamente durante o verão e vive de suas reservas de gordura durante o inverno. É um predador ativo que caça krill, copépodes e peixes em cardumes, como arenque (Clupea harengus), salmão, carapau (Scomber scombrus), escamudo (Pollachius virens) e arinca (Melanogrammus aeglefinus).[128][129][130]

A baleia-jubarte tem o mais diversificado repertório de métodos alimentícios de todas as baleias.[131] Sem dúvida a técnica de pesca mais original da jubarte é a de rede de bolhas: várias baleias formam um grupo que cerca o cardume por baixo e expulsam o ar de seus pulmões, formando uma rede de bolhas que vão forçando o cardume a se concentrar e subir para a superfície. Esta cortina de bolhas serve também para esconder visualmente as baleias até o ataque final, quando estas sobem com a boca aberta, filtrando milhares de krills e peixes na barbatana, expelindo a água salgada e engolindo de vez.[132]

O diâmetro da rede de bolhas pode alcançar 30 metros e precisar da colaboração de 12 indivíduos. Algumas baleias assumem a tarefa de criar as bolhas, ao emitir sons, expulsando o ar através de seus espiráculos, e outras mergulham mais em direção ao fundo para forçar os peixes na direção da superfície. É possivelmente o exemplo mais espetacular de colaboração entre mamíferos marinhos.[133]

Predadores[editar | editar código-fonte]

As jubartes podem ser atacadas pelas orcas ou tubarões-branco. Esses ataques geralmente não resultam em algo mais sério que escoriações ou cicatrizes em adultos, mas podem matar os filhotes para se alimentar.[34]

Relação com os humanos[editar | editar código-fonte]

A caça das baleias[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Baleação
Gravura do século XVIII
Preso ao barco, o corpo sem vida da baleia é levado até à fábrica. Fotografia do início do século XX

Baleias jubarte começaram a ser caçadas no início do século XVIII. No XIX, muitas nações estavam caçando-as intensamente no Oceano Atlântico e, em menor quantidade, nos Oceanos Índico e Pacífico. No final deste século, foram introduzidos o uso de arpões explosivos para aumentar ainda mais a caça.[134]

No século XX, ao menos duzentas mil baleias foram capturadas. A caça comercial de baleias expandiu-se pelo mundo, devastando grandes populações e reduzindo muitas espécies a menos que 10% de sua abundância original.[135] A superexploração de muitas espécies resultou na criação da Comissão Internacional Baleeira em 1946 como um meio de regular a indústria baleeira, mas grandes números de baleias continuaram a ser mortas.[136] Alguns países (Espanha, França, Holanda, Inglaterra) renunciaram a esta atividade de forma voluntária. Para impedir a extinção das baleias, uma moratória internacional foi instituída, em 1986, proibindo a caça comercial que continua sendo aplicada atualmente.[137] Quando esta moratória foi decidida, as baleias eram já tão raras que sua caça não era rentável. Oficialmente tinham-se caçado 250 mil exemplares, mas provavelmente o número era muito maior. A União Soviética era considerada o primeiro país a mentir sobre estes dados, declarando 2.710 mortes enquanto se calcula atualmente que caçaram ao menos 48 mil exemplares.[138] Após a moratória, o crescimento populacional foi verificado para a maioria das subpopulações.[137]

Desde 2004 é permitida uma caça limitada nas ilhas São Vicente e Granadinas, no Caribe. Supõe-se que esta caça não põe em risco a população local.[131]

As espécies de baleias foram muito exploradas no Hemisfério Sul, tanto em locais costeiros como em águas pelágicas na maioria dos oceanos.[139] Desde 1987, estão protegidas em águas brasileiras pelo Decreto Lei n° 7643 de 18 de dezembro de 1987, que proíbe a caça e molestamento intencional de cetáceos em nossas águas.[137]

Ameaças[editar | editar código-fonte]

As baleias ainda sofrem ameaças, como colisão com embarcações, emalhamento em redes de pesca, poluição sonora e do mar.[1] Como outros cetáceos, jubartes podem ser machucadas com o barulho excessivo, podendo causar feridas trumáticas nos ouvidos.[140]

O turismo de observação[editar | editar código-fonte]

As baleias-jubarte geralmente são "amigáveis", aproximando-se espontaneamente dos barcos e nadando ao redor. Devido ao fato de serem fáceis de chegar perto, curiosas, identificáveis como indivíduos e expõem inúmeros comportamentos, é uma espécie ideal para o turismo de observação de baleias em vários lugares do mundo. O que é uma forma de sensibilização ambiental, mostrando que uma baleia vale mais viva do que morta.[141]

No Brasil, os locais mais populares de observação de baleias-jubarte estão no litoral da Bahia: Morro de São Paulo, Praia do Forte, Itacaré e Caravelas.[2]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Grupo de jubartes no litoral australiano

Institutos e projetos de conservação e pesquisa sobre esses animais têm registrado o crescimento e a ocorrência da sua população no Brasil. Dentre eles há o Projeto Baleia Jubarte (PBJ) executado pelo Instituto Baleia Jubarte (IBJ) que iniciou suas pesquisas em 1987 quando foi redescoberta a presença de uma pequena população remanescente de baleias jubarte em Abrolhos. Sua finalidade é de promover a proteção e pesquisa destes mamíferos no Brasil. Esse projeto realiza trabalhos de ecologia, comportamento, foto-identificação, análises genéticas, necrópsias, resgate em encalhes e educação ambiental. A primeira base do projeto foi construída em Caravelas, de onde saem os cruzeiros de pesquisa para Abrolhos. Em 1988, foram realizados os primeiros cruzeiros para fotografar as baleias jubarte e as primeiras tentativas de estudar os animais a partir de uma estação em terra no arquipélago dos Abrolhos.[142]

Como resultado da proibição da caça comercial e dos intensos trabalhos de conservação, verificou-se o aumento da população de jubartes de Abrolhos e a reocupação do litoral norte da Bahia, antiga área de ocorrência histórica da espécie. Por este motivo, em 2001, foi criada a segunda base do Instituto na Praia do Forte, ampliando assim a área de estudo e incluindo um Centro de Pesquisa e Educação Ambiental, que constitui um espaço de divulgação e conscientização da comunidade e visitantes quanto à existência e importância da conservação das baleias na região. Devido aos hábitos costeiros da espécie e ao estreitamento da plataforma continental no litoral norte da Bahia, as observações ocorrem próximo da costa, e o turismo de observação de baleias fomentado pelo IBJ como ferramenta de sensibilização da opinião pública contra a caça destes animais tem aumentado a cada ano.[142]

Referências

  1. a b c d e Cooke, J. G. (2018). «Humpback Whale - Megaptera novaeangliae». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T13006A50362794. doi:10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T13006A50362794.en. Consultado em 31 de agosto de 2021 
  2. a b c d e f g h i j k «A Baleia Jubarte». Projeto Baleia Jubarte. Consultado em 31 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 12 de junho de 2020 
  3. Rocha, Carlos (15 de janeiro de 2020). «O nome jubarte - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Consultado em 31 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 20 de março de 2020 
  4. Andriolo, Artur; Zerbini, Alexandre N.; Moreira, Sérgio; Pizzorno, José L.; Danilewicz, Daniel; Maia, Ygor G.; Mamede, Natália; Castro, Franciele R. de; Clapham, Phillip. «What do humpback whales Megaptera novaeangliae (Cetartiodactyla: Balaenopteridae) pairs do after tagging?». Zoologia (Curitiba). 31 (2): 105–113. ISSN 1984-4670. doi:10.1590/S1984-46702014000200001. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2018 
  5. Perrin, W. F. «Megaptera novaeangliae (Borowski, 1781)». World Register of Marine Species. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada em 19 de junho de 2022 
  6. Liddell, Henry George; Scott, Robert (2015). Liddell and Scott's Greek-English Lexicon, Abridged [Oxford Little Liddell with Enlarged Type for Easier Reading]. Eastford, Conecticute: Martino Fine Books 
  7. a b Lodi, Liliane; Borobia, Monica (2013). «Baleia-Jubarte Megaptera novaeangliae (Borowski, 1781)». In: Hetzel, Bia; Lodi, Liliane. Baleias, Botos e Golfinhos do Brasil: Guia de Identificação. Rio de Janeiro: Technical Books Editora. p. 188–193 
  8. a b Martin, Stephen (2001). The Whales' Journey. Crows Nest, Austrália: Allen & Unwin. p. 251. ISBN 978-1-86508-232-5 
  9. Gingerich, P. D. (2004). «Whale Evolution» (PDF). McGraw-Hill Yearbook of Science & Technology. Nova Iorque: The McGraw Hill Companies. Consultado em 24 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 31 de dezembro de 2019 
  10. Arnason, U.; Gullberg A.; Widegren, B. (1 de setembro de 1993). «Cetacean mitochondrial DNA control region: sequences of all extant baleen whales and two sperm whale species». Molecular Biology and Evolution. 10 (5): 960–970. PMID 8412655. doi:10.1093/oxfordjournals.molbev.a040061 
  11. Sasaki, Takeshi; Nikaido, Masato; Hamilton, Healy; Goto, Mutsuo (4 de março de 2011). «Mitochondrial Phylogenetics and Evolution of Mysticete Whales». Systematic Biology. 54 (1): 77–90. PMID 15805012. doi:10.1080/10635150590905939 
  12. Hatch, L. T.; Dopman, E. B.; Harrison, R. G. (26 de maio de 2006). «Phylogenetic relationships among the baleen whales based on maternally and paternally inherited characters» (PDF). Molecular Phylogenetics and Evolution. 41 (1): 12–27. PMID 16843014. doi:10.1016/j.ympev.2006.05.023. Consultado em 30 de agosto de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 10 de dezembro de 2015 
  13. Seeman, Mette Elstrup; Hebsgaard, Martin Bay; Fordyce, Robert Ewan; Ho, Simon Y W (dezembro de 2009). «Radiation of Extant Cetaceans Driven by Restructuring of the Ocean». Systematic Biology. 58 (6): 573–585. JSTOR 25677547. PMC 2777972Acessível livremente. PMID 20525610. doi:10.1093/sysbio/syp060 
  14. «Humpback whale subspecies revealed by genetic study». Science Daily. 20 de maio de 2014. Consultado em 20 de maio de 2014. Cópia arquivada em 21 de maio de 2014 
  15. Ghose, Tia (22 de maio de 2014). «Oceans Apart: 3 Humpback Whale Subspecies Identified». Live Science. Consultado em 22 de maio de 2014. Cópia arquivada em 30 de julho de 2021 
  16. a b Final Recovery Plan for the Humpback Whale (Megapten Novaeangliae) (PDF). Washington: Administração Oceânica e Atmosférica Nacional. 1991. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 13 de junho de 2011 
  17. «A baleia - jubarte». Projeto Baleia Jubarte. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada em 22 de maio de 2022 
  18. a b Clapham, Phillip J.; Mead, James G. (1999). «Megaptera novaeangliae» (PDF). Mammalian Species. 604 (604): 1–9. JSTOR 3504352. doi:10.2307/3504352 
  19. Pack, Adam A.; Herman, Louis; Craig, Alison S.; Spitz, Scott S. (2002). «Penis extrusions by humpback whales (Megaptera novaengliae)» (PDF). Aquatic Mammals. 28 (2): 131–146. Consultado em 16 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  20. Clapham, Phil (2002). «Humpback Whale». Encyclopedia of Marine Mammals. San Diego: Academic Press. p. 589-592. ISBN 978-0-12-551340-1 
  21. «Whale Watching Guide». Vallarta Adventures. Cópia arquivada em 13 de agosto de 2014 
  22. Mackintosh, N. A. (1943). «The southern stocks of whalebone whales». Discovery Reports. XXII (3889): 199–300. Bibcode:1944Natur.153..569F. doi:10.1038/153569a0 
  23. Burnie, David; Wilson, Don E. (2001). Animal: The Definitive Visual Guide to the World's Wildlife. Nova Iorque: DK. ISBN 978-0-7894-7764-4 
  24. a b television program Humpback Whales, a Detective Story, BBCTV2, 7 to 8 pm, Tuesday 16 July 2018
  25. Pitman, Robert L.; Deecke, Volker; Gabriele, Chris; Srinivasan, Mridula (2016). «Humpback whales interfering when mammal-eating killer whales attack other species: Mobbing behavior and interspecific altruism?». Marine Mammal Science. 33: 7–58. doi:10.1111/mms.12343 
  26. Katona, S. K.; Whitehead, H. P. (1981). «Identifying humpback whales using their mural markings». Polar Record. 20 (128): 439–444. doi:10.1017/s003224740000365x 
  27. Kaufman, G.; Smultea, M. A.; Forestell, . (1987). «Use of lateral body pigmentation patterns for photo ID of east Australian (Area V) humpback whales». Cetus. 7 (1): 5–13 
  28. Stone, G.; Katona, S.; Beard, J. (1982). Whales in the Gulf of Maine 1978-1981; report of the Gulf of Maine whale sighting network. Bar Harbor, Maine: College of the Atlantic 
  29. Williamson, J. M. (2005). «Whalenet Data Search». Wheelock College. Consultado em 3 de abril de 2007. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2010 
  30. Dawes, John; Campbell, Andrew (2008). Exploring the World of Aquatic Life. Nova Iorque: Infobase Publishing. p. 291. ISBN 978-1-60413-255-7 
  31. a b «Comportamentos da jubarte». Baleia Jubarte. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada em 22 de maio de 2022 
  32. «A Baleia-Jubarte». Amigos da Jubarte. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada em 5 de julho de 2022 
  33. Mobley, J. R.; Herman, L. M. (1985). «Transience of social affiliations among humpback whales (Megaptera novaeangliae) on the Hawaiian wintering grounds». Canadian Journal of Zoology. 63 (4): 762–772 
  34. a b Clapham, P.J. (1996). «The social and reproductive biology of humpback whales: an ecological perspective». Mammal Review (26): 27–49 
  35. Clapham, Phillip J.; Palsboll, Per J.; Mattila, D. K.; Vasquez, O. (1992). «Composition and Dynamics of Humpback Whale Competitive Groups in the West Indies». Behaviour. 122 (3): 182–194. ISSN 1568-539X. doi:10.1163/156853992X00507 
  36. Tyack, Peter; Whitehead, Hal (1983). «Male Competition in Large Groups of Wintering Humpback Whales». Behaviour. 83 (1): 132–154 
  37. Clapham, Phillip J.; Palsbøll, Per J. (22 de janeiro de 1997). «Molecular analysis of paternity shows promiscuous mating in female humpback whales (Megaptera novaeangliae, Borowski)». Proceedings of the Royal Society of London B: Biological Sciences (em inglês). 264 (1378): 95–98. ISSN 0962-8452. PMID 9061965. doi:10.1098/rspb.1997.0014 
  38. Clapham, Phillip J. (26 de fevereiro de 2009). «Humpback Whale Megaptera novaeangliae». In: Perrin, William F.; Wursig, Bernd; Thewissen, J.G.M. 'Hans'. Encyclopedia of Marine Mammals. Amesterdã, Boston, Heildelberga, Londres, Nova Iorque, Oxônia, São Diego, São Francisco, Singapura, Sidnei, Tóquio: Academic Press. pp. 582–84. ISBN 978-0-08-091993-5 
  39. Darling, J.; et al. (2006). «Humpback whale songs: Do they organize males during the breeding season?» (PDF). Behaviour. 143 (9): 1051–1101. doi:10.1163/156853906778607381. Arquivado do original (PDF) em 21 de agosto de 2008 
  40. a b «30 Animals That Made Us Smarter, Whale and wind turbine». BBC World Service (em inglês). 22 de julho de 2019. Consultado em 24 de julho de 2019. Cópia arquivada em 31 de julho de 2019 
  41. Hotz, Robert Lee (6 de novembro de 2009). «Whale Watch: Endangered Designation In Danger». The Wall Street Journal. Consultado em 8 de novembro de 2009. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  42. Faria, Maria-Alejandra; Weerdt, Joëlle De; Pace, Federica; Mayer, Francois-Xavier (2013). «Short Note: Observation of a Humpback Whale (Megaptera novaeangliae) Birth in the Coastal Waters of Sainte Marie Island, Madagascar». Aquatic Mammals. 39 (3): 296–305. ISSN 0167-5427. doi:10.1578/am.39.3.2013.296 
  43. Reeves, Randall R.; Stewart, Brent S.; Clapham, Phillip J.; Powell, James A. National Audubon Society Guide to Marine Mammals of the World 1.ª ed. Nova Iorque: Alfred A. Knopf 
  44. «Reprodução e Alimentação | Projeto Baleia Jubarte». Baleia Jubarte. Consultado em 4 de julho de 2022. Cópia arquivada em 22 de maio de 2022 
  45. «Right Whale Field Notes». Provincetown Center for Coastal Studies. Maio de 2007. Arquivado do original em 7 de maio de 2022 
  46. «Rare Sighting of a North Pacific Right Whale (Eubalaena glacialis) in Hawai'i» (PDF). Consultado em 5 de dezembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 5 de março de 2016 
  47. Provincetown Center for Coastal Studies. 2007. Center for Coastal Studies / Right Whale Research / Field Notes / 2007 / May 2007 Arquivado 2012-07-25 no Wayback Machine Retrieved on December 05. 2015
  48. Banks, A.; Best, P.; Gullan, A.; Guissamulo, A.; Cockcroft, V.; Findlay, K. Recent Sightings of Southern Right Whales in Mozambique (PDF) (Relatório). Consultado em 5 de dezembro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 5 de março de 2016 
  49. «Baleia-franca é reavistada em Abrolhos com filhote de pigmentação rara». Instituto Baleia Jubrte. Consultado em 31 de agosto de 2021. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  50. Shiretoko Nature Cruise. «平成20年6月30日 羅臼沖にめずらしいお客さま!». Consultado em 13 de maio de 2014. Arquivado do original em 12 de maio de 2014 
  51. Mobley, Joseph R. (1 de janeiro de 1996). «Fin Whale Sighting North of Kaua'i, Hawai'i». Consultado em 2 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  52. Horton, Travis (12 de agosto de 2014). «Humpback Whale Migration – Rarotonga, 2014». Consultado em 7 de novembro de 2014. Cópia arquivada em 6 de novembro de 2014 
  53. Deakos, Mark H.; Branstetter, Brian K.; Mazzuca, Lori; Fertl, Dagmar (2010). «Two Unusual Interactions Between a Bottlenose Dolphin (Tursiops truncatus) and a Humpback Whale (Megaptera novaeangliae) in Hawaiian Waters». Aquatic Mammals. 36 (2): 121–28. doi:10.1578/AM.36.2.2010.121 
  54. «Humpback whales around the globe are mysteriously rescuing animals from orcas». Consultado em 1 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2016 
  55. Carbone, Christopher (8 de janeiro de 2018). «Hero whale saves snorkeler from tiger shark in the Pacific Ocean». Fox News. Consultado em 24 de julho de 2019. Cópia arquivada em 21 de junho de 2019 
  56. a b c «American Cetacean Society Fact Sheet». American Cetacean Society. Consultado em 17 de abril de 2007. Cópia arquivada em 13 de abril de 2015 
  57. Reidenberg, Joy S.; Laitman, Jeffrey T. (2007). «Discovery of a low frequency sound source in Mysticeti (baleen whales): anatomical establishment of a vocal fold homolog». Anatomical Record. 290 (6): 745–59. PMID 17516447. doi:10.1002/ar.20544 
  58. a b Payne, Roger S.; Mcvay, Scott (13 de agosto de 1971). «Songs of Humpback Whales». Science (em inglês). 173 (3997): 585–597. ISSN 0036-8075. PMID 17833100. doi:10.1126/science.173.3997.585. Cópia arquivada em 3 de maio de 2022 
  59. Garland, Ellen C.; Goldizen, Anne W.; Rekdahl, Melinda L.; Constantine, Rochelle; Garrigue, C.; Hauser, N. D. (2011). «Dynamic horizontal cultural transmission of humpback whale song at the ocean basin scale». Curr Biol. 21 (8): 687–91. PMID 21497089. doi:10.1016/j.cub.2011.03.019 
  60. «Humpback Whales. Song of the Sea.». Public Broadcasting Station. Consultado em 22 de abril de 2007. Cópia arquivada em 19 de abril de 2007 
  61. Mercado, E 3rd; Frazer, L. N. (julho de 2001). «Humpback Whale Song or Humpback Whale Sonar? A Reply to Au et al.» (PDF). IEEE Journal of Oceanic Engineering. 26 (3): 406–415. Bibcode:2001IJOE...26..406M. CiteSeerX 10.1.1.330.3653Acessível livremente. doi:10.1109/48.946514. Consultado em 3 de abril de 2007. Arquivado do original (PDF) em 14 de junho de 2007 
  62. Mercado, E 3rd; Herman, L. M.; Pack, A. A. (2003). «Stereotypical sound patterns in humpback whale songs: Usage and function» (PDF). Aquatic Mammals. 29 (1): 37–52. doi:10.1578/016754203101024068. Consultado em 3 de abril de 2007. Arquivado do original (PDF) em 20 de dezembro de 2004 
  63. Cecilia Burke, 'A whale's varied vocabulary', Australian Geographic Arquivado 2010-04-29 no Wayback Machine, AG Online. Retrieved August 7, 2010.
  64. Lyamin, O. I.; Mukhametov, L. M.; Siegel, J. M.; Manger, P. R.; Shpak, O. V. (2001). «Resting behavior in a rehabilitating gray whale calf» (PDF). Aquatic Mammals. 27 (3): 256–266. Consultado em 24 de fevereiro de 2012. Cópia arquivada (PDF) em 10 de abril de 2014 
  65. Chittleborough, R. G. (1965). «Dynamics of two populations of the humpback whale». Australian Journal of Marine and Freshwater Research. 16: 33–128. doi:10.1071/MF9650033 
  66. Calambokidis, John; et al. (outubro de 2001). «Movements and population structure of humpback whales in the North Pacific». Marine Mammal Science. 17 (4): 769–794. doi:10.1111/j.1748-7692.2001.tb01298.x. Consultado em 23 de abril de 2014. Cópia arquivada em 17 de maio de 2014 
  67. Zein, Beate; Haugum, Siri Vatsø (2018). «The northernmost sightings of Humpback whales» (PDF). Journal of Marine Animals and Their Ecology. 10:1: 5–8. Consultado em 17 de junho de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 17 de junho de 2019 
  68. Hazevoet, Cornelis J.; Gravanita, Barbara; López Suárez, Pedro; Wenzel, Frederick W. «Seasonality of humpback whale Megaptera novaeangliae (Borowski, 1781) records in Cape Verde seas: evidence for the occurrence of stocks from both hemispheres?» (PDF). Zoologia Caboverdiana. 2 (1): 25–29. ISSN 2074-5737. Arquivado do original (PDF) em 7 de março de 2016 
  69. a b «Are we seeing a return of humpback whales to Scottish waters?». Sea Watch Foundation. Cópia arquivada em 5 de novembro de 2016 
  70. Horswill, Catharine; Jackson, Jennifer A. (2012). «Humpback whales wintering at Pitcairn Island, South Pacific». Marine Biodiversity Records. 5. doi:10.1017/S1755267212000693. Consultado em 27 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2017 – via Cambridge Core 
  71. NOAA Pacific Islands Fisheries Science Center. 2017. A Whale of a Week in Saipan: Dispatches from the Field Arquivado 2017-03-27 no Wayback Machine. Retrieved on March 27, 2017
  72. NOAA Pacific Islands Fisheries Science Center. 2016. 2016 Marianas Humpback Whales – She’s Baaaack! Arquivado 2017-03-27 no Wayback Machine. Retrieved on March 27, 2017
  73. «⑥ 海棲哺乳類を指標種とした重要地域(沿岸域・海洋域・島嶼地域)» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 12 de setembro de 2018 
  74. «Seychelles' atoll of Aldabra sees decline in humpback whale count; El Niño blamed». www.seychellesnewsagency.com. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2020 
  75. Panigada, Simone; Frey, Sylvia; Pierantonio, Nino; Garziglia, Patrice; Giardina, Fabio (1 de abril de 2014). Are humpback whales electing the Mediterranean Sea as new residence?. 28th Annual Conference of the European Cetacean Society. Liege, Belgium. Consultado em 17 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  76. «Ancient whale exploitation in the Mediterranean: species matters». The MORSE Project. Consultado em 31 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2016 
  77. The Local (Sweden). 2014. Whale escapes Sweden after five-hour ordeal Arquivado 2014-12-25 no Wayback Machine. Retrieved on December 25. 2014
  78. Haug, Isabell (2012). «Hvalfart på Kvænangen – SØRSTRAUMEN: Man trenger ikke dra lenger enn til Kvænangen for å oppleve hval på nært hold.». Framtid i Nord. Consultado em 5 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2015 
  79. Perspektiv, Østvangs (2012). «Knølhval i Kvænangen». Consultado em 5 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2015 
  80. «YoNAH project». Coastal Studies. Consultado em 3 de julho de 2015. Arquivado do original em 5 de julho de 2015 
  81. Rosenbaum, H. C.; et al. (2009). «Population Structure of Humpback Whales from Their Breeding Grounds in the South Atlantic and Indian Oceans». PLOS ONE. 4 (10): e7318. Bibcode:2009PLoSO...4.7318R. PMC 2754530Acessível livremente. PMID 19812698. doi:10.1371/journal.pone.0007318 
  82. Weller, David W. (1 de janeiro de 1996). «First account of a humpback whale (Megaptera novaeangliae) in Texas waters, with a re-evaluation of historical records from the Gulf of Mexico». ResearchGate. Consultado em 2 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  83. Darling, J. D.; Sousa-Lima, R. S. (2005). «Notes: Songs Indicate Interaction Between Humpback Whale (Megaptera Novaeangliae) Populations in the Western and Eastern South Atlantic Ocean». Marine Mammal Science. 21 (3): 557–566. doi:10.1111/j.1748-7692.2005.tb01249.x 
  84. Wedekin, Leonardo L; et al. (2010). «Site fidelity and movements of humpback whales (Megaptera novaeangliae) on the Brazilian breeding ground, southwestern Atlantic». Marine Mammal Science. 26 (4): 787–802 
  85. Andriolo, Artur; et al. (2006). «The first aerial survey to estimate abundance of humpback whales (Megaptera novaeangliae) in the breeding ground off Brazil ( Breeding Stock A )». Journal of Cetacean Research and Management. 8 (3): 307–311 
  86. Lammers, Marc O.; Fisher-Pool, Pollyanna I.; Au, Whitlow W. L.; Meyer, Carl G.; Wong, Kevin B.; Brainard, Russell E. (1 de fevereiro de 2011). «Humpback whale Megaptera novaeangliae song reveals wintering activity in the Northwestern Hawaiian Islands». Marine Ecology Progress Series. 423: 261–268. Bibcode:2011MEPS..423..261L. doi:10.3354/meps08959 
  87. «Humpback Whales». Hawaiian Islands Humpback Whale National Marine Sanctuary. Consultado em 3 de julho de 2015. Cópia arquivada em 4 de julho de 2015 
  88. Herman, L. M.; Baker, C. S.; Forestell, P. H.; Antinoja, R. C. (31 de maio de 1980). «Right Whale Balaena glacialis Sightings Near Hawaii: A Clue to the Wintering Grounds?». Marine Ecology Progress Series. 2: 271–275. Bibcode:1980MEPS....2..271H. doi:10.3354/meps002271 
  89. Rasmussen K, Palacios DM, Calambokidis J, Saborío MT, Dalla Rosa L, Secchi ER, Steiger GH, Allen JM, Stone GS (2007). «Southern Hemisphere humpback whales wintering off Central America: insights from water temperature into the longest mammalian migration». Biology Letters. 3 (10.1098/rsbl.2007.0067): 302–305. ISSN 1744-957X. PMC 2390682Acessível livremente. PMID 17412669. doi:10.1098/rsbl.2007.0067 
  90. «Megaptera novaeangliae in Species Profile and Threats Database». Australian Government: Department of the Environment and Water Resources. 2007. Consultado em 17 de abril de 2007. Cópia arquivada em 5 de junho de 2009 
  91. «Why Panama?». Whale Watching Panama. Consultado em 31 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2016 }}
  92. «Bultrug zwemt rond in Westerschelde». Omroep Zeeland. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de fevereiro de 2021 
  93. whale Humpback whale Arquivado 2016-11-05 no Wayback Machine – Ecomare Encyclopedia
  94. Kees (C.J.) Camphuysen (2007). «Foraging humpback whale (Megaptera novaeangliae)in the Marsdiep area (Wadden Sea), May 2007 and a review of sightings and strandings in the southern North Sea, 2003–2007» (PDF) Lutra 2007 50 (1): 31-42 ed. Consultado em 18 de dezembro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 9 de agosto de 2014 
  95. Hucke-Gaete R.; Aguayo-Lobo A.; Yancovic-Pakarati S.; Flores M. (2014). «Marine mammals of Easter Island (Rapa Nui) and Salas y Gómez Island (Motu Motiro Hiva), Chile: a review and new records» (PDF). Lat. Am. J. Aquat. Res. 42 (4): 743–751. doi:10.3856/vol42-issue4-fulltext-5. Consultado em 31 de março de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 13 de março de 2016 
  96. Juan, Capella; Bárbara, Vernazzani Galletti; Jorge, Gibbons; Elsa, Cabrera (2008). «Coastal migratory connections of humpback whales, Megaptera novaeangliae Borowski, 1781, in southern Chile» 2008. 36(2):13-18 ed. Anales del Instituto de la Patagonia. 36 (2). doi:10.4067/S0718-686X2008000200002 
  97. «First humpback whale death reported in the Philippines». Consultado em 23 de junho de 2021. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2020 
  98. «Calayan town proposes to develop Sibang Cove». Official web site of Philippine Information Agency. Consultado em 17 de julho de 2013. Arquivado do original em 17 de julho de 2013 
  99. Chan, B. D. (2015). «Humpback whales sightings suggest breeding ground in Marianas». Tribuna de Saipã. Cópia arquivada em 18 de julho de 2015 
  100. Allen B. M.; Angliss P.R. (2011). «HUMPBACK WHALE (Megaptera novaeangliae): Western North Pacific Stock» (PDF). National Oceanic and Atmospheric Administration. Noaa-Tm-Afsc-234: 172–180. Consultado em 31 de março de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 19 de abril de 2016 
  101. a b «鯨魚噴水奇景 墾丁民眾驚嘆». 華視新聞網. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 11 de março de 2021 
  102. «Archived copy». Consultado em 1 de junho de 2020. Cópia arquivada em 1 de junho de 2020 
  103. «LOOK: Rare white humpback whale spotted in Australian waters». INQUIRER.net. 17 de junho de 2020. Consultado em 18 de junho de 2020. Cópia arquivada em 17 de junho de 2020 
  104. Silberg, J.; Acebes, J.; Burdin, M.A.; Mamaev, G.E.; Dolan, C.K.; Layusa, A.C.; Aca, Q.E. (2013). «New insight into migration patterns of western North Pacific humpback whales between Babuyan Islands, Philippines and the Commander Islands, Russia». Journal of Cetacean Research and Management. 13 (1): 53–57. Consultado em 2 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  105. Acebes V.M.J., 2009, A history of Whaling in Philippines Arquivado 2013-12-24 no Wayback Machine, Historical Perspectives of Fisheries Exploitation in the Indo-Pacific, Asia Research Centre, Universidade Murdoch
  106. Beasley I., Jefferson A.T., 1997, Marine Mammals of Borneo: A preliminary checklist Arquivado 2017-01-26 no Wayback Machine, pp. 193 – 214
  107. 余欣怡, 愛唱歌的大翅鯨 Arquivado 2016-04-06 no Wayback Machine, College of Marine Sciences, Universidade Nacional Sun Yat-sen
  108. «尋鯨記». 2 de novembro de 2015. Consultado em 24 de março de 2016. Cópia arquivada em 4 de abril de 2016 
  109. «〈南部〉恆春鯨魚噴水! 萬里桐居民驚喜 - 地方 - 自由時報電子報». 9 de janeiro de 2015. Consultado em 23 de março de 2016. Cópia arquivada em 12 de novembro de 2020 
  110. 滔滔 - Ocean says, 2015, 追逐鯨魚的人:專訪台灣第一位水下鯨豚攝影師金磊 Arquivado 2016-04-09 no Wayback Machine
  111. 2017.「鯨」喜連連!大翅鯨母子現蹤東海岸 Arquivado 2017-04-21 no Wayback Machine. Retrieved on April 21, 2017
  112. 2017. 巨大噴氣直直向上! 大翅鯨現身花蓮外海 Arquivado 2017-04-22 no Wayback Machine. The Liberty Times. Retrieved on April 21, 2017
  113. 徐庭揚. 2017. 大翅鯨花蓮外海現身 噴水、擺尾抓住遊客的目光 Arquivado 2017-04-21 no Wayback Machine. The United Daily News. Retrieved on April 21, 2017
  114. The Liberty Times. 2017. 暌違14年 大翅鯨現蹤花蓮外海 Arquivado 2017-04-22 no Wayback Machine. Retrieved on April 21, 2017
  115. 郭美華, 2016, 大浪西灣現瀕危座頭鯨 Arquivado 2016-04-06 no Wayback Machine
  116. «【短片】【蘋民直擊】【鯨出沒注意】西貢釣友吳生:好勁呀 | 蘋果日報». Apple Daily 蘋果日報. Consultado em 18 de abril de 2021. Cópia arquivada em 18 de abril de 2021 
  117. «长海又现鲸鱼 这回是好几条». Arquivado do original em 9 de junho de 2016 
  118. «大连长海又见鲸鱼一家亲!三条!四条微信-微大连(WeDalian)- 大连微信 - 大连微信导航 - 大连微信图文 - 大连微信图文检索 - 大连微信生活 - 大连微信活动 - 大连微网站». Arquivado do original em 2 de junho de 2016 
  119. «八丈島 集まるザトウクジラを観光資源に» [Hachijo Island Humpback Whales as Tourism Resource]. NHK (em japonês). Consultado em 31 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2016 
  120. «Research Confirms Importance of Northwestern Hawaiian Islands as Wintering Habitat for Humpback Whales». NOAA PIFSC Quarterly Research Bulletin. 11 de outubro de 2019. Consultado em 31 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2016 
  121. «Andrew's work with the North Atlantic Humpbacks». www.whalesbermuda.com. Consultado em 31 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de abril de 2016 
  122. a b Minton G.. 2017. Pre-print manuscript published on humpback whales in the Persian Gulf Arquivado 2017-09-21 no Wayback Machine. Arabian Sea Whale Network. Retrieved on September 21, 2017
  123. «Whale of a trip». Consultado em 21 de abril de 2016. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2015 
  124. Mikhalev, Yuri A. (abril de 1997). «Humpback whales Megaptera novaeangliae in the Arabian Sea» (PDF). Marine Ecology Progress Series. 149: 13–21. Bibcode:1997MEPS..149...13M. doi:10.3354/meps149013. Consultado em 27 de janeiro de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 6 de agosto de 2020 
  125. «Facebook». www.facebook.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  126. «Facebook». www.facebook.com. Consultado em 27 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de junho de 2021 
  127. «Report on the Arabian Sea Humpback Whale Workshop: Developing a collaborative research and conservation strategy» (PDF). Consultado em 25 de janeiro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 1 de fevereiro de 2017 
  128. Overholtz, W.J.; J.R. Nicholas (1979). «Apparent feeding by the fin whale, Balaenoptera physalus, and humpback whale, Megaptera novaeangliae, on the American sand lance, Ammodytes americanus, in the Northwest Atlantic». Fish. Bull.: 285–287 
  129. Meyer T.L., Cooper R.A. and Langton R.W. (1979). «Relative abundance, behavior and food habits of the American sand lance (Ammodytes americanus) from the Gulf of Maine». Fish. Bull. 77 (1): 243–253 
  130. Whitehead H. (1987). «Updated status of the humpback whale, Megaptera novaeangliae, in Canada». Canadian Field-Naturalist. 101 (2): 284–294 
  131. a b Prepared by the Humpback Whale Recovery Team for the National Marine Fisheries Service, Silver Spring, Maryland (1991). Recovery Plan for the Humpback Whale (Megaptera novaeangliae). Silver Spring, Marilândia: Serviço Nacional de Pesca Marinha. 105 páginas 
  132. Acklin, Deb (2005). «Crittercam Reveals Secrets of the Marine World». National Geographic News 
  133. Acklin, Deb (5 de agosto de 2005). «Crittercam Reveals Secrets of the Marine World». National Geographic News. Consultado em 1 de novembro de 2007 
  134. Breiwick, J. M.; Mitchell, E.; Reeves, R. R. (1983). «Simulated population trajectories for northwest Atlantic humpback whales 1865–1980.». Fifth biennial Conference on Biology of Marine Mammals, Boston: 14 
  135. Patenaude, Nathalie J. (2003). «Sightings of southern right whales around "mainland" New Zealand». Science for Conservation. 225: 1–36 
  136. Burns, Daniel (2010). «Population characteristics and migratory movements of humpback whales (Megaptera novaeangliae) identified on their southern migration past Ballina, eastern Australia». Southern Cross University 
  137. a b c Loiola, Kamila (2013). «Comparação do padrão de pigmentação da nadadeira caudal de baleias-jubarte (Megaptera novaeangliae; Borowski, 1871) do estoque reprodutivo "A" com outras sete áreas reprodutivas». Universidade Federal da Bahia 
  138. Prof. Alexey V. Yablokov (1997). «On the Soviet Whaling Falsification, 1947–1972». Cetacean Society International. Whales Alive!. 6 (4) 
  139. Best, Peter B. (1994). «A review of the catch statistics for modern whaling in Southern Africa, 1908-1930». Report of the International Whaling Commission. 44: 467–485 
  140. Dierauf, Leslie; Gulland, Frances M.D. (2001). CRC Handbook of Marine Mammal Medicine: Health, Disease, and Rehabilitation 2.ª ed. Boca Raton, Flórida: CRC Press. ISBN 978-1-4200-4163-7 
  141. «Whale Watching in Hawai`i». Office of National Marine Sanctuaries. 2012 
  142. a b «Quem Somos». Instituto Baleia Jubarte. Consultado em 31 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies