Conquista do Império Inca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
80 - Machu Picchu - Juin 2009 - edit.jpg
Machu Picchu
Civilização Inca
Sociedade Inca
Idioma
Deuses
Mitologia
Infra-estructura
Culinária
Agricultura
Política Inca
Tawantinsuyu (Império Inca)
Willkapampa
História Inca
Cusco
Expansão
Militarismo Inca
Conquista
Pós-Conquista
Atawallpa Qhapaq
Francisco Pizarro
Imagem retratando o Massacre de Cajamarca, que deixou milhares de nativos mortos
Um dos principais eventos da conquista do Império Inca foi a morte de Atahualpa, o último Sapa Inca, em 29 de agosto de 1533

A conquista do Império Inca foi uma das mais importantes etapas da colonização espanhola da América. Quando Huayna Capac se tornou o imperador inca, houve uma guerra de sucessão que algumas fontes sustentam que durou cerca de doze anos. A causa alegada da guerra é que Huayna fora muito cruel com o povo. Rumores se espalharam pelo Império Inca como fogo sobre um estranho "homem barbado" que "vivia numa casa no mar" e tinha"raios e trovões em suas mãos". Este homem estranho começava a matar muitos dos soldados incas com doenças que trouxera.

Quando Huayna Capac morreu, o império estava desgastado e ocorreu uma disputa entre seus dois filhos. Cusco, que era a capital, havia sido dada para o suposto novo imperador Huascar, que foi considerado como pessoa horrível, violento e quase louco atribuindo-se a ele o assassinato da própria mãe e da sua irmã que forçara a desposá-lo. Atahualpa reivindicava ser o filho favorito de Huayna Capac, posto que a ele fora dado o território ao norte da atual Quito, no Equador, razão porque Huascar teria ficado muito bravo. A guerra civil de sucessão se travou entre os dois irmãos, chamada Guerra dos Dois Irmãos, na qual pereceram cerca de cem mil pessoas.

Depois de muita luta, Atahualpa derrotou Huascar e então, conta-se, era Atahualpa que estava enlouquecido e violento, tratando os perdedores de forma horrível. Muitos foram apedrejados (nas costas) de forma a ficarem incapacitados, nascituros eram arrancados dos ventres das mães, aproximadamente 1500 membros da família real, incluindo os filhos de Huascar foram decapitados e tiveram seus corpos pendurados em estacas para exibição. Os plebeus foram torturados.

Atahualpa pagou um terrível preço para tornar-se imperador. Seu império estava agora abalado e debilitado. Foi neste momento crítico que o "homem barbado" e seus estranhos chegaram, cena final do Império Inca. Este homem barbudo e estranho era o espanhol Francisco Pizarro e seus comparsas da "Castilla de Oro", que capturaram Atahualpa e seus nobres em 16 de novembro de 1532.

A dominação espanhola[editar | editar código-fonte]

Atahualpa estava em viagem quando Francisco Pizarro e seus homens encontraram o seu acampamento. Pizarro enviou um mensageiro a Atahualpa perguntando se podiam se reunir. Atahualpa concordou e se dirigiu ao local onde supostamente iriam conversar e quando lá chegou, o local parecia deserto. Um homem de Pizarro, Vicente de Valverde interpelou Atahualpa para que ele e todos os incas se convertessem ao cristianismo, e se ele recusasse, seria considerado um inimigo da Igreja e de Espanha.

Como era esperado, Atahualpa discordou, o que foi considerado razão suficiente para que Francisco Pizarro atacasse os incas. O exército espanhol abriu fogo e matou os soldados da comitiva de Atahualpa e, embora pretendesse matar o inca, aprisionou-o, pois tinha planos próprios.

Uma vez feito prisioneiro, Atahualpa não foi maltratado pelos espanhóis, que permitiram que ele ficasse em contacto com seu séquito. O imperador inca, que queria libertar-se, fez um acordo com Pizarro. Concordou em encher um quarto com peças de ouro e outro um com peças de prata em troca da sua liberdade. Pizarro não pretendia libertar Atahualpa mesmo depois de pago o resgate porque necessitava de sua influência naquele momento para manter a ordem e não provocar uma reação maior dos incas que acabavam de tomar conhecimento dos espanhóis.

Além disto, Huáscar ainda estava vivo e Atahualpa, percebendo que ele poderia representar um governo fantoche mais conveniente para a dominação por Pizarro, ordenou a execução de Huáscar. Com isto, Pizarro sentiu a frustração de seus planos e acusou Atahualpa de doze crimes, sendo os principais o assassínio de Huáscar, prática de idolatria e conspiração contra o Reino de Espanha, sendo julgado culpado por todos os crimes condenado a morrer queimado.

Já era noite alta quando Francisco Pizarro decidiu executar Atahualpa. Depois de ser conduzido ao lugar da execução, Atahualpa implorou pela sua vida. Valverde, o padre que havia presidido o processo propôs que, se Atahualpa se convertesse ao cristianismo, reduziria a sentença condenatória. Atahualpa concordou em ser batizado e, em vez de ser queimado na fogueira, foi morto por estrangulamento no dia 29 de agosto de 1533. Com a sua morte também acabava a "existência independente de uma raça nobre". Sua morte foi o começo do fim do Império Inca.

A instabilidade ocorreu rapidamente. Francisco Pizarro nomeou Toparca, um irmão de Atahualpa, como regente fantoche até a sua inesperada morte. A organização inca então se esfacelou. Remotas partes do império se rebelaram e nalguns casos formavam alianças com os espanhóis para combater os incas resistentes. As terras e culturas foram negligenciadas e os incas experimentaram uma escassez de alimentos que jamais tinham conhecido. Agora os incas já haviam aprendido com os espanhóis o valor do ouro e da prata e a utilidade que antes desconheciam e passaram a pilhar, saquear e ocultar tais símbolos de riqueza e poder. A proliferação de doenças comuns da Europa para as quais os incas não tinham defesa se disseminaram e fizeram o seu papel no morticínio de centenas de milhares de pessoas.

O ouro e a prata tão ambicionados por Pizarro e os seus homens estava em todo o lugar e nas mãos de muitas pessoas, subvertendo a economia com a enorme inflação. Um bom cavalo passou a custar $7000 até que, por fim, os grãos e gêneros alimentícios acabaram mais valiosos que o precioso ouro dos espanhóis. A grande civilização inca, tal como conhecida, já não existia.

Após a conquista espanhola[editar | editar código-fonte]

O Império Inca foi derrubado por menos de duzentos homens com vinte e sete cavalos mas também por milhares de ameríndios que se juntaram às tropas espanholas por descontentamento em relação ao tratamento dado pelo Império Inca. Francisco Pizarro e os espanhóis que o seguiram oprimiram os incas tanto material como culturalmente, não apenas explorando-os pelo sistema de trabalho de "mitas" para extração da prata de Potosí, como reprimindo as suas antigas tradições e conhecimentos. No que se refere à agricultura, por exemplo, o abandono da avançada técnica agrícola inca acabou instalando uma persistente era de escassez de alimentos na região.

Uma parte da herança cultural foi mantida, tratando-se das línguas quíchua e aimará, isto porque a Igreja Católica escolheu estas línguas nativas como veículo da evangelização dos incas, daí passarem a escrevê-las com caracteres latinos e ensiná-las como jamais ocorrera no Império Inca, fixando-as como as línguas mais faladas entre as dos ameríndios.

Mais tarde, a exploração opressiva foi objeto de uma rebelião cujo líder Tupac Amaru considerado o último inca, acabou inspirando o nome do movimento revolucionário peruano do século XX, o MRTA, e o movimento uruguaio dos Tupamaros. A história de planeamento econômico dos incas e boas doses de maoísmo são também a inspiração revolucionária do atual movimento Sendero Luminoso no Peru.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bauer, Brian S. (1991). "Pacariqtambo and the Mythical Origins of the Inca". Latin American Antiquity [S.l.: s.n.] 2 (1): 7–26. doi:10.2307/971893. JSTOR 971893. 
  • Covey, R. Alan (2000). "Inka Administration of the Far South Coast of Peru". Latin American Antiquity [S.l.: s.n.] 11 (2): 119–138. doi:10.2307/971851. JSTOR 971851. 
  • de Betanzos, Juan; Hamilton, Roland; Buchanan, Dana (1996). Narrative of the Incas (Austin: University of Texas Press). ISBN 0-292-75560-0. 
  • Gibson, Charles (1978). "Conquest, Capitulation, and Indian Treaties". The American Historical Review [S.l.: s.n.] 83 (1): 1–15. doi:10.2307/1865900. JSTOR 1865900. 
  • Hemming, John (1970). Conquest of the Incas (New York: Harcourt). ISBN 0-15-122560-5. 
  • Innes, Hammond (1969). Conquistadors (New York: Alfred A. Knopf). 
  • Kubler, George (1945). "The Behavior of Atahualpa, 1531–1533". The Hispanic American Historical Review [S.l.: s.n.] 25 (4): 413–427. doi:10.2307/2508231. JSTOR 2508231. 
  • Kubler, George (1947). "The Neo-Inca State (1537–1572)". The Hispanic American Historical Review [S.l.: s.n.] 27 (2): 189–203. doi:10.2307/2508415. JSTOR 2508415. 
  • Lovell, W. George (1992). "'Heavy Shadows and Black Night': Disease and Depopulation in Colonial Spanish America". Annals of the Association of American Geographers [S.l.: s.n.] 82 (3): 426–443. doi:10.1111/j.1467-8306.1992.tb01968.x. 
  • Macquarrie, Kim (2007). The Last Days of the Incas (New York: Simon and Schuster). ISBN 978-0-7432-6049-7. 
  • Means, Philip A. (1932). Fall of the Inca Empire and the Spanish Rule in Peru, 1530–1780 (New York: Scribner). 
  • Newson, Linda A. (1985). "Indian Population Patterns in Colonial Spanish America". Latin American Research Review [S.l.: s.n.] 20 (3): 41–74. JSTOR 2503469. 
  • Seed, Patricia (1991). "'Failing to Marvel': Atahualpa's Encounter with the Word". Latin American Research Review [S.l.: s.n.] 26 (1): 7–32. 
Ícone de esboço Este artigo sobre o Peru é um esboço relacionado ao Projeto América do Sul. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.