Death in the Clouds

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Death in the Clouds
Morte nas Nuvens
Autor(es) Agatha Christie
Idioma inglês
País  Estados Unidos
Gênero romance policial
Editora Dodd, Mead and Company
Lançamento 10 de março de 1935
Páginas 304 (1ª edição, capa dura)
Edição portuguesa
Tradução Fernanda Pinto Rodrigues
Editora Livros do Brasil
Lançamento 1980
Edição brasileira
Tradução Milton Persson
Editora Nova Fronteira
Lançamento 1984
Cronologia
Three Act Tragedy
The A.B.C. Murders

Death in the Clouds (Morte nas Nuvens, no Brasil[1] e em Portugal[2]) é um romance policial escrito por Agatha Christie, primeiramente publicado nos EUA pela editora Dodd, Mead and Company em 10 de março de 1935 sob o titúlo Death in the Air e no Reino Unido pela Collins Crime Club em julho do mesmo ano sob o título original. O livro marca mais uma aparição do detetive belga Hercule Poirot, e do Inspetor Chefe Japp.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Hercule Poirot viaja de volta à Inglaterra no voo do meio-dia de Paris para o Aeroporto Croydon, em Londres. Ele é um dos onze passageiros no compartimento traseiro do avião - os outros incluem: o escritor de mistério Daniel Clancy; Armand Dupont e seu filho Jean, arqueólogos franceses; dentista Norman Gale; Doutor Bryant; a agiota francesa Madame Giselle; empresário James Ryder; A condessa Cicely Horbury e sua amiga Venetia Kerr; e Jane Gray. Quando o voo começa a chegar perto da aterrissagem, uma vespa é vista voando pelo compartimento traseiro, logo que um mordomo descobre que Giselle está morta. Poirot, que dormiu durante a maior parte do voo, descarta a crença de que ela morreu de uma picada de vespa. Em vez disso, ele aponta um dardo no chão, com uma ponta envenenada. Giselle foi ferida no pescoço com isso. A questão permanece sobre como ela foi assassinada, sem que ninguém perceba.

Uma zarabatana é encontrada do lado do assento de Poirot pela polícia. Irritado por ser rotulado como suspeito do assassinato, ele promete limpar seu nome e resolver o caso. Solicitando uma lista das posses dos passageiros, ele observa algo que o intriga, mas não diz o que é. Ajudado por Jane na investigação, Poirot trabalha com o inspetor Japp, na Inglaterra, e com o inspetor Fournier, na França. Alguns fatos interessantes sobre o caso logo vêm à luz: a vítima tinha duas colheres de café com sua xícara e pires; a zarabatana foi comprada em Paris por um americano; Horbury é uma das devedoras de Giselle que foi privada do dinheiro do marido; Giselle empregava chantagem para garantir que seus devedores pagassem suas dívidas; apenas os comissários passaram pela vítima no voo; A empregada de Horbury estava no avião depois de pedir para estar, no último momento.

Eventualmente, descobriu-se que Giselle tinha uma filha distante, Anne Morisot, que está prestes a herdar sua fortuna. Poirot voa para Paris para se encontrar com ela. Enquanto no voo, ele realiza um experimento que mostra que o uso da zarabatana ou qualquer coisa semelhante, teria sido notado pelos outros passageiros. Em Paris, Poirot se encontra com Anne e comenta como ele se sente antes. A reunião revela que ela tem um marido americano, com quem se casou há um mês. Quando Jane faz uma observação sobre a necessidade de lixar a unha, Poirot percebe que Anne é empregada de Horbury Madeline - ele a viu entrar no compartimento traseiro durante o voo quando Horbury pediu para ela conseguir alguma coisa, uma lixa. Ele imediatamente instrui Fournier para encontrá-la. A polícia francesa logo encontra seu corpo no trem de barco para Boulogne, com uma garrafa ao lado; ela supostamente se envenenou.

Poirot faz seu desenlace do caso na presença de Japp, Gale e Clancy. O assassino de Giselle foi Norman Gale, que procurou sua fortuna. O plano para o assassinato dela foi feito com antecedência - Gale tinha trazido o casaco de dentista no voo, que ele trocou depois de algum tempo para se passar por comissário de bordo, sabendo que ninguém prestaria atenção a tal pessoa. Com o pretexto de entregar uma colher a Giselle, ele a perfurou com o dardo, depois trocou de roupa no banheiro e voltou ao seu assento antes que o corpo fosse encontrado. O assassinato de Anne fazia parte do plano - Gale se casou com ela quando soube que ela era filha de Giselle e pretendia matá-la no Canadá depois que ela herdou a fortuna de sua mãe, assegurando-se de que ele herdasse tudo da esposa. No entanto, ele teve que matá-la antes do planejado, porque ela reivindicou sua herança no mesmo dia em que Poirot foi encontrá-la.

A vespa que zumbiu no compartimento traseiro foi libertada de uma caixa de fósforos que Gale trouxe consigo; Tanto este quanto a roupa de dentista haviam levantado suspeitas de Poirot quando ele leu a lista de bens de passageiros. O maçarico, que ele comprou com seu sobrenome real, pretendia enquadrar Horbury para o assassinato se ela e Poirot não tivessem trocado de lugar no último momento. Gale, que nega a teoria de Poirot, erroneamente revela que usou luvas no assassinato de Anne, depois de Poirot mentir para ele sobre a polícia ter encontrado suas impressões digitais na garrafa que continha o veneno. Gale é preso como resultado. Posteriormente, Poirot pares Jane com Jean Dupont, que havia se apaixonado por ela durante o caso.

Referências

3. https://en.wikipedia.org/wiki/Death_in_the_Clouds

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.