Dupond e Dupont

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dupond e Dupont
Personagem fictícia de Les Aventures de Tintin
Nome original Dupond et Dupont
Sexo Masculino
Idade 52 (Dupond)
40 (Dupont)
Origem Bruxelas, Bélgica Bélgica
Espécie Humana
Cabelo Negro
Olhos Pretos
Características Bengala e chapéu de coco
Ocupação Detectives
Amigo(s) Tintin
Milu
Capitão Haddock
Criado por Hergé
Série(s) As Aventuras de Tintim
Primeira aparição Les cigares du pharaon (1934)
Última aparição Tintin et l'Alph-Art (1986)
Editora(s) Casterman
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela empresa química, veja DuPont.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Dupond (1909-1976) e Dupont (pode-se também escrever os Dupondt) são personagens da série As aventuras de Tintim, do belga Hergé.

Apareceram pela primeira vez no álbum de 1934 em preto e branco, no qual fazem-se chamar X33 e X33 bis. Entretanto, estão presentes de maneira anônima no álbum em cores Tintim no Congo, de 1946 (no primeiro quadro). Não aparecem na edição original em preto e branco.

Embora sejam muito parecidos, não são gêmeos, como revela a ortografia dos seus nomes. De fato, o único detalhe físico que permite distinguí-los é a forma dos bigodes. O de Dupont gira e o de Dupond é direito. Membros da segurança, mais tarde da polícia judicial, os Dupondt fazem muitas investigações de maneira mais ou menos discreta e eficaz.

Os Dupondt não são sábios, é o mínimo que se pode dizer. Estendem o sentido de discrição (até vestir-se de roupas folclóricas com o objetivo "de misturar-se à multidão") o que evidentemente nunca é bem sucedido. Acumulam também um número impressionante de quedas, deslizes e acidentes. Como cúmulo da estupidez, seguem mesmo os seus próprios vestígios no deserto. Esta desorganização total reflete-se também na sua linguagem. Especialistas em lapsos e outros pleonasmos, é constante em seu vocabulário "eu diria mais", "silêncio e boca fechada". Entre seus aforismos mais famosos, realça-se notavelmente este pronunciado sobre o nosso satélite: "Dizer que nós pisamos o solo da Lua onde a mão do homem jamais pôs o pé."

Hergé disse numa entrevista ter tido uma ideia bem precisa quando criava os Dupondt: mostrar essa categoria de pessoas que, "porque o dever é suposto, o impor", param sem dilema de consciência particular um amigo e fazem passar a sua consciência profissional antes da sua humanidade (outro aspecto da sua obstinação ao Javert tomará mesmo uma volta cômica no Templo do Sol). Esta situação acontece várias vezes nos álbuns.

Os detetives foram parcialmente inspirados no pai e tio de Hergé, gémeos idênticos que usavam chapéus de côco semelhantes e caminhavam de bengala.[1]


Referências

  1. Assouline, Pierre (4 de novembro de 2009). Hergé: The Man Who Created Tintin. Estados Unidos: Oxford University Press. pp. 42–43. ISBN 9780195397598. Consultado em 2 de dezembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) personagem de Banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.