Estação Ferroviária do Pinhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estação do Pinhão)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pinhão IPcomboio2.jpg
Estação de Pinhão, em 2006.
Inauguração 1 de Junho de 1880
Linha(s) Linha do Douro
(PK 126,830)
Coordenadas 41° 11′ 25,48″ N, 7° 32′ 42,48″ O
Concelho Alijó
Serviços Ferroviários Logo CP 2.svgBSicon LSTR red.svgIRBSicon LSTR orange.svgR
Serviços Ligação a autocarros Serviço de táxis Bilheteira
Sala de espera Telefones públicos
Lavabos Acesso para pessoas de mobilidade reduzida


Logos IP.png
BSicon CONTfa grey.svg
BSicon BHF grey.svgTua (Sentido Pocinho)
BSicon BHF grey.svgPinhão
BSicon HST grey.svgFerrão (Sentido Ermesinde)
BSicon CONTf grey.svg

A Estação Ferroviária do Pinhão é uma interface da Linha do Douro, que serve a Freguesia de Pinhão, no Concelho de Alijó, distrito de Vila Real, em Portugal.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Interior da estação, em 2008.

Localização e acessos[editar | editar código-fonte]

Esta interface situa-se na localidade de Pinhão, tendo acesso pelo Largo da Estação.[1]

Descrição física[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011, possuía 2 vias de circulação, ambas com 284 m de comprimento, e duas plataformas, que apresentavam 145 e 198 m de comprimento, e 45 centímetros de altura; existia, igualmente, um sistema de informação ao público, prestado pela Rede Ferroviária Nacional.[2] Em Outubro de 2004, podiam-se efectuar aqui manobras, e esta interface ostentava a classificação D da Rede Ferroviária Nacional.[3]

Painel de azulejo na estação do Pinhão.

Azulejos[editar | editar código-fonte]

A estação encontra-se totalmente decorada com azulejos, que retratam paisagens e actividades tradicionais da região, especialmente o cultivo das vinhas.[4] Este tema relacionava-se directamente com a estação, que se afirmou como um dos principais entrepostos para o transporte do vinho.[5] Os azulejos foram produzidos pela Fábrica Aleluia de Aveiro.[4]

Serviços[editar | editar código-fonte]

Esta estação é servida por comboios Regionais e InterRegionais da operadora Comboios de Portugal.[6]

Antigo armazém de mercadorias, em 2016.

História[editar | editar código-fonte]

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Uma lei de 2 de Julho de 1867 autorizou o governo a construir e explorar uma via férrea entre o Pinhão e a cidade do Porto.[7] Um decreto de 14 de Junho de 1872 ordenou a realização de estudos para o traçado da Linha do Douro até ao Pinhão, que devia acompanhar parcialmente o percurso do Rio Sousa, passando por Penafiel.[8]

A via férrea chegou ao Pinhão em 1879,[9] mas o troço entre Ferrão e o Pinhão só entrou ao serviço em 1 de Junho de 1880.[10]

Em 1881, iniciou-se a construção do troço seguinte, até Tua[9]

O troço entre Ferrão e Pinhão da Linha do Douro abriu à exploração em 1 de Junho de 1880, tendo o lanço seguinte, até à Estação de Tua, entrado ao serviço em 1 de Setembro de 1883.[10]

Panorâmica da estação, em 2015.

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1913, existia uma carreira de diligências entre a estação de Pinhão e Alijó, por Favaios.[11]

Em 1935, o Instituto da Vinho do Porto ofereceu os azulejos para forrar a estação do Pinhão,[4] que foram colocados em 1937.[12]

Em 1992, o mestre Fernando Gonçalves fez vários trabalhos de restauro, no âmbito de grandes obras de reparação na estação.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado: O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. Lisboa: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • MARTINS, Conceição; BARRETO, António (1990). Memória do Vinho do Porto. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. 508 páginas 
  • PEREIRA, Paulo (1995). História da Arte Portuguesa. 3. Barcelona: Círculo de Leitores. 695 páginas. ISBN 972-42-1225-4 
  • REIS, Francisco; GOMES, Rosa; GOMES, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. Lisboa: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
  • VIEGAS, Francisco (1988). Comboios Portugueses: Um Guia Sentimental. Lisboa: Círculo de Leitores. 185 páginas 

Referências

  1. «Pinhão». Comboios de Portugal. CP.pt. Consultado em 17 de Junho de 2011 
  2. «Directório da Rede 2012». Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011: 73, 87 
  3. «Directório da Rede Ferroviária Portuguesa 2005». Rede Ferroviária Nacional. 13 de Outubro de 2004: 65, 81 
  4. a b c d REIS et al, p. 58
  5. VIEGAS et al, p. 139
  6. «Pinhão - Linha do Douro». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 10 de Agosto de 2016 
  7. MARTINS et al, p. 244
  8. MARTINS et al, p. 245
  9. a b MARTINS e BARRETO, p. 349
  10. a b «Troços de linhas férreas portuguesas abertas à exploração desde 1856, e a sua extensão» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 69 (1652). 16 de Outubro de 1956. p. 528-530. Consultado em 12 de Maio de 2013 
  11. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 12 de Fevereiro de 2018 
  12. PEREIRA et al, p. 419

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Estação do Pinhão



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.