Genosha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Genosha
Informações da Publicação
Publicado por Marvel Comics
Primeira Aparição Uncanny X-Men #235 (Outubro de 1988)
Tipo país africano
Criado por Chris Claremont (escritor)
Rick Leonardi (desenhista)

Genosha é uma nação insular fictícia, presente nas histórias em quadrinhos do Universo Marvel, publicadas pela Marvel Comics.[1] [2] Ela foi criada por Chris Claremont, aparecendo pela primeira vez em Uncanny X-Men #235 (no Brasil, X-Men #44, da Editora Abril). Inicialmente serviu como uma alusão à escravidão e, posteriormente, ao regime de apartheid da África do Sul, antes de se tornar um refúgio mundial para os mutantes e, conseqüentemente, uma área de desastre. Sua capital era a cidade de Hammer Bay.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Escravidão Mutante[editar | editar código-fonte]

A ilha, situada na costa leste da África, apresentava um alto padrão de vida, uma excelente economia e liberdade se comparado às perseguições políticas e raciais características de países vizinhos. No entanto, a prosperidade de Genosha se baseava na escravização de sua população mutante. Mutantes em Genosha eram propriedade do estado e crianças que fossem identificadas com o gene mutante eram submetidas a um processo desenvolvido por David Moreau, comumente conhecida como a Genengenharia, sendo então transformados em Mutóides, desprovidos de livre arbítrio.

A Genengenharia era também capaz de modificar certas habilidades mutantes a fim de preencher lacunas de trabalho específicas. Atualmente se sabe que não foi o Dr. David Moreau que desenvolveu o processo de criação de Mutóides, tendo apenas sido orientado pelo Sugar Man.

A cidadania em Genosha era permanente e o governo não reconhecia qualquer emigração. Cidadãos que tentassem deixar o país eram localizados e trazidos de volta à ilha por uma força policial especial conhecida como Magistrados, e problemas com mutantes eram combatidos por um grupo especial conhecida como a Gangue da Pressão.

As fundações da sociedade genoshana foram atacadas várias vezes por interessados na causa mutante. Na primeira história a introduzir a nação, alguns X-Men (Wolverine, Vampira e sua aliada Madelyne Pryor) foram seqüestrados pelos Magistrados Genoshanos, sob a ordem do Genengenheiro e ex-aliado do X-Factor Cameron Hodge, sendo resgatados por seus parceiros, mas deixando Tempestade e Lupina prisioneiras. Mais tarde, na saga Programa de Extermínio, os X-Men e seus aliados resgataram seus parceiros, Tempestade e Lupina, da lavagem cerebral, derrubando o governo local e presumidamente matando Cameron Hodge (que reapareceu na Saga Aliança Falange).

Guerra Civil[editar | editar código-fonte]

Após a derrubada dos magistrados pelos X-Men, um novo regime genoshano que prometia melhor tratamento aos mutantes foi posto em prática. Seguiu-se então um período de perseguição geral e um grande número de ataques por super-humanos, incluindo os Acólitos de Magneto, que não desejavam perdoar o governo anterior por seus crimes contra mutantes.

Mais tarde, após forte pressao de Magneto, As Nações Unidas cederam a nação insular ao poderoso mutante (eventos mostrados na Saga Guerra Magnética).. Ele e seus Acólitos conseguiram estabelecer um período de paz e estabilidade apenas depois de encerrada uma guerra civil entre ele e o restante da população humana liderada pelos Magistrados. Magneto derrotou-os e restaurou a paz na ilha, tornando-a um refúgio para mutantes do mundo todo.

Devastação[editar | editar código-fonte]

Na saga E de Extinção Genosha foi dizimida por um sentinela gigante, do tamanho de um arranha-céu, controlado por Cassandra Nova, a irmã de Xavier, que massacrou 16 milhões de mutantes.[1] Após o incidente, alguns sobreviventes tentaram reerguer a nação. São eles: Magneto, Xavier, Callisto, Sholla e Karima Shapandar, uma Sentinela Ômega (humana com partes cibernéticas). Porém, após o Dia M, praticamente não restou nenhum mutante na ilha, que é habitada apenas por amargurados e perdidos ex-mutantes.

É citado novamente, após num crossover.[1]

Referências

Fontes[editar | editar código-fonte]