Massacre de Mutantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mutant Massacre
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
Editora(s) Marvel Comics
Lançada em outubro de 1986
Terminou em dezembro de 1986
Género(s) Crossover, super-herói
Argumento
Desenho
Título(s) em português Massacre de Mutantes
Editora(s) lusófona(s)

Massacre de Mutantes (Mutant Massacre, no original) é um arco de história em quadrinhos da Marvel Comics. A história se inicia quando os Morlocks (mutantes cuja mutação não só dá poderes mutantes, mas também causa deformidades físicas) começam a ser exterminados pelos Carrascos. Foi uma das grandes sagas dos X-Men nos anos 1980.

Concepção[editar | editar código-fonte]

O escritor Chris Claremont concebeu originalmente a matança sistemática dos Morlocks como uma história que funcionasse nas páginas de Uncanny X-Men, mas a escritora do X-Factor, Louise Simonson, sentiu que uma história tão grande funcionaria além de um único título, e sugeriu que fosse feito como um crossover entre os três títulos mutantes.[1]

Claremont e Simonson, os principais escritores do crossover, trocaram cópias de suas tramas e roteiros escritos a máquina e discutiram extensamente as histórias que se cruzavam por telefone. Perguntada sobre como era coordenar todas as histórias interligadas de Massacre, Simonson disse: "Foi horrível, não sei por que estamos pensando em fazer isso de novo".

Walt Simonson, que escreveu a história de Thor ligada à saga e desenhou as partes de X-Factor, disse:

"Em parte, o que estávamos tentando fazer no crossover não foi criar uma corda de contas onde você tinha que ir de um grânulo para o próximo grânulo para o próximo grânulo, a fim de seguir todo o enredo. O que estávamos tentando fazer, ao invés disso, era tomar várias madeixas separadas e entrelaçá-las de tal forma que no final formassem um todo coerente, mas depois se desenrolassem e seguissem suas próprias direções. E você pode seguir qualquer uma através de Massacre: você pode ler X-Men, você pode ler X-Factor, ou você pode ler Thor, New Mutants, Power Pack, ou Daredevil sem realmente ter que passar e ler todos os outros livros. Mas, é claro, então você não entende o quadro todo.[2]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Os Carrascos, grupo reunido por Gambit e liderado pelo Sr. Sinistro era formado por: Arco Voltaico, Arrasa-quarteirão, Arpão, Prisma, Maré Selvagem, Maligna, Dentes-de-Sabre, Caçador de Escalpos, Embaralhador, Vertigo e Has. A missão dos Carrascos era matar todos os Morlocks, pois o Sr. Sinistro os considerava uma aberração para a "perfeição" do Homo Superior.

Os X-Men e o X-Factor fizeram todo o possível para evitar o massacre, mas não conseguiram e tiveram baixas pesadas. Nos X-Men, Colossus, Noturno e Lince Negra ficaram seriamente feridos; No X-Factor, o Anjo ficou seriamente ferido, chegando ao ponto de ter suas asas amputadas. Muitos Carrascos foram mortos pelos X-Men, Morlocks ou pela polícia, porém o Sr. Sinistro fez clones dos Carrascos (exceção de Dente-de-Sabre e Maligna) em número infinito para repor os combatentes mortos.

A saga teve consequências no mundo mutante, Psylocke, Cristal, Longshot e Destrutor (ele se juntou aos X-Men, porque a sua namorada, Polaris foi possuída pela Maligna) entraram para substituir Lince Negra, Noturno e Colossus (que voltou para a equipe um pouco tempo depois) nos X-Men.

No X-Factor, o Anjo ficou tão desesperado com a amputação de suas asas, que ele saiu do grupo mutante e pegou o seu jato particular para se matar. Porém, o vilão Apocalipse o salvou, fez lavagem cerebral no mutante, e o transformou em seu "Anjo da Morte", dando-lhe novas asas metálicas, que lançavam projéteis afiados. Só se libertou da influência do Apocalipse no final da saga Queda dos Mutantes.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Publicação[editar | editar código-fonte]

A saga foi publicada originalmente nas seguintes revistas:

• Uncanny X-Men #210; • X-Factor vol. 1 #09; • Uncanny X-Men #211; • New Mutants vol. 1 #46; • X-Factor vol. 1 #10; • Thor vol. 1 #373; • Power Pack (Quarteto Futuro) vol. 1 #27; • Uncanny X-Men #212; • Thor vol. 1 #374; • X-Factor vol. 1 #11; • Daredevil vol. 1 #238; • Uncanny X-Men #213.

No Brasil, a série foi inicialmente publicada pela Editora Abril em várias revistas nos anos 1990. Já nos anos 2000, a saga foi publicada na íntegra no terceiro volume encadernado da coleção "Os Maiores Clássicos dos X-Men", da Editora Panini.[3] A mesma editora republicou a saga em setembro de 2013, em volume único, encadernado com capa cartonada e papel LWC.[4]

Referências

  1. Grant, Paul J. (Agosto de 1993). «Poor Dead Doug, and Other Mutant Memories». Wizard: X-Men Turn Thirty. pp. 66–69 
  2. Sanderson, Peter (Outubro de 1986). «Walt & Louise Simonson». Comics Interview (39). Fictioneer Books. pp. 42–57 
  3. Naliato, Samir (1 de setembro de 2005). «checklist de setembro de 2005». Universo HQ. Consultado em 28 de maio de 2018 
  4. Costa, Carlos (16 de julho de 2013). «Panini anuncia X-Men: Massacre de Mutantes». HQ Maniacs. Consultado em 28 de maio de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.