Magno I da Suécia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Magnus Nilsson da Dinamarca)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Magno I
Cenotáfio do rei Magno em Vreta, na Suécia
Rei da Suécia
Reinado 1126 a 1130
Antecessor(a) Ragualdo
Sucessor(a) Suerquero I
 
Esposa Riquilda da Polônia
Casa Estridsen
Nascimento c. 1106
Morte 3 de junho de 1134 (28 anos)
  Batalha de Fotevik, Escânia, Suécia
Pai Nicolau da Dinamarca
Mãe Margarida da Suécia

Magno I (conhecido na Suécia como Magnus Nilsson e na Dinamarca como Magnus Nielsen; c. 11063 de junho de 1134) foi um príncipe dinamarquês, eleito rei da Suécia pelos Gotas, sem ser reconhecido pelos Suíones (Sveas), de 1126 até ser deposto em 1130 por Suerquero I (Sverker den äldre). Era filho do rei Nicolau da Dinamarca e sua esposa Margarida da Suécia, filha do rei Ingo I da Suécia.[1][2]

Como era o neto mais velho de Ingo I da Suécia, ele reclamou o trono da Suécia quando seu primo Ingo II da Suécia morreu, em 1125. Os Gotas o elegeram rei em 1120, mas os Suíones vetaram-no (de acordo com a Lei da Gotlândia Ocidental, os Suíones tinham o direito de eleger e depor um rei) e escolheram um outro rei, Ragualdo, o Cabeça Redonda, o qual foi morto em seguida pelos Gotas. Magno não é mencionado na crónica real (kungakrönika) da lei da Gotlândia Ocidental e, em 1130, foi expulso da Suécia por Suerquero I.[1][3]

Magno tomou parte nas lutas civis dinamarquesas, tentando ajudar seu pai, o rei Nicolau, a se estabelecer como rei daquela região, para que ele mesmo pudesse ser o herdeiro e futuro rei. Porém, Magno morreu na batalha de Fotevik, em Escânia, em 1134. Seu pai foi derrotado na batalha e morreu no mesmo ano.

A viúva de Magno, Riquilda, retornou ao oeste, onde se casou com Valadar de Mienque, um governante da Dinastia ruríquida de origem viquingue. Riquilda voltou para a Suécia, onde se casou pela terceira vez com Suerquero I, o rival vencedor de Magno.

O filho de Magno, Canuto V da Dinamarca, contestou o trono dinamarquês com seu primo, Sueno III.

Sua descendência legítima foi extinta com o assassinato de Canuto V, em 1157. O filho ilegítimo de Canuto, Valdemar (arcebispo de Brema e de Eslésvico), que foi o último descendente de Magno, morreu em 1236.

Referências

  1. a b «Magnus Nilsson» (em sueco). Nationalencyklopedin - Enciclopédia Nacional Sueca. Consultado em 11 de maio de 2016 
  2. Hans Gillingstam. «Magnus Nilsson» (em sueco). Svenskt biografiskt lexikon (Riksarkivet) - Dicionário Biográfico Sueco (Arquivo Nacional Sueco). Consultado em 13 de março de 2017 
  3. Henrikson, Alf; Björn Berg (1963). «Margareta Fredkulla». Svensk historia (em sueco). Estocolmo: Bonnier. p. 97. 1062 páginas. ISBN 91-0-055344-1