Pólipo nasal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pólipo nasal
Pólipo nasal em imagem captada por nasofibroscopia.
Especialidade Otorrinolaringologia
Sintomas Dificuldade em respirar pelo nariz, perda do olfato, diminuição do paladar, corrimento pós-nasal, excesso de muco nasal[1]
Complicações Sinusite, alargamento do nariz[2][3]
Causas Pouco claras[1]
Fatores de risco Alergias, fibrose cística, sensibilidade à aspirina, algumas infeções[1]
Método de diagnóstico Observação do interior do nariz, TAC[1]
Tratamento Spray nasal de esteroides, cirurgia, anti-histamínicos[1]
Frequência ~4%[1]
Classificação e recursos externos
CID-10 J33
CID-9 471
MedlinePlus 001641
eMedicine ent/334 ent/335
MeSH D009298
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Pólipo nasal, também chamado polipose nasossinusal (PN) e pseudotumor nasossinusal, são formações polipóides não neoplásicas, pedunculadas e edematosas observadas nas cavidades nasais e seios paranasais em decorrência de um processo inflamatório crônico da mucosa nasal.[1][4][5][6] Geralmente de ocorrência bilateral, seus sintomas incluem obstrução nasal constante com dificuldade para respirar pelo nariz, perda do olfato, diminuição do paladar e secreção nasal anterior e posterior. Cefaleia e dor facial podem ocorrer, mas são são frequentes.[1][4] Entre as complicações geradas por essa patologia, uma das principais é a sinusite.[7][2]

A etiologia é ainda obscura, mas supõe-se que a ocorrência de uma inflamação local persistente seja essencial para o desenvolvimento de pólipos nasais.[6] Todavia, as causas ainda são motivo de controvérsia e existem inúmeras teorias sobre o assunto descritas na literatura.[4] Sabe-se que ocorrem mais comumente entre as pessoas que sofrem de alergias, fibrose cística, sensibilidade ao ácido acetilsalicílico ou certas infecções.[8] O diagnóstico pode ser feito por rinoscopia anterior ou endoscopia nasal. Para avaliação da extensão da doença e sua anatomia, é recomendado a realização de tomografia computadorizada.[1][4]

O tratamento preconizado para os pólipos nasais é inicialmente medicamentoso, com a utilização de corticoides tópicos ou sistêmicos, que podem reduzir o tamanho da formação, melhorar a respiração nasal e o olfato.[4] A persistência dos sintomas é geralmente indicativo da necessidade de tratamento cirúrgico. Entretanto, como a cirurgia não trata o componente inflamatório da mucosa, pode haver recidiva do quadro, sendo necessário um tratamento clínico complementar. O uso de anti-histamínicos só proporciona a melhora dos sintomas relacionados à rinite alérgica, sem efeito sobre a dimensão dos pólipos nasais.[4]

Estima-se que as poliposes nasais afetem cerca de 4% da população mundial e que outros 40% irão desenvolver a doença em algum momento da vida, sendo mais propensos os homens com mais de 20 anos de idade.[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j Newton, Ah-See 2008, p. 507-512.
  2. a b Yellon, Robert (2018). Zitelli and Davis' Atlas of Pediatric Physical Diagnosis. [S.l.: s.n.] pp. 868–915. ISBN 978-0323079327 
  3. Frazier, Margaret Schell; Drzymkowski, Jeanette (12 de março de 2014). Essentials of Human Diseases and Conditions (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 432. ISBN 9780323292283 
  4. a b c d e f Santos et al 2008, p. 71-77.
  5. Souza et al 2003, p. 318-325.
  6. a b Abritta et al 2004, p. 156-162.
  7. Frazier, Drzymkowski 2013, p. 432.
  8. Rouvier, Peynegre 2000, p. 287-296.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.