Bronquiolite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bronquiolite
Raio-x de criança com vírus sincicial respiratório
Especialidade Medicina de urgência, pediatria
Sintomas Febre, tosse, corrimento nasal, espirros, problemas respiratórios[1]
Complicações Stresse respiratório, desidratação[1]
Início habitual Em crianças com menos de dois anos[2]
Causas Infeção viral (vírus sincicial respiratório, rinovírus humano)[2]
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas[1]
Condições semelhantes Asma, pneumonia, insuficiência cardíaca, reação alérgica, fibrose cística[1]
Tratamento Cuidados de apoio, oxigénio, alimentação, fluidos por via intrevenosa )[3]
Frequência ~20% (crianças com menos de dois anos)[2][1]
Mortes 1% entre os casos hospitalizados[4]
Classificação e recursos externos
CID-9 466.19
DiseasesDB 1701
MedlinePlus 000975
eMedicine 961963
MeSH D001990, D001988, D001988
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Bronquiolite é o bloqueio dos bronquíolos dos pulmões causado por uma infeção viral.[1] Geralmente só ocorre em crianças com menos de dois anos de idade.[2] Os sintomas mais comuns são febre, tosse, corrimento nasal, espirros e problemas respiratórios.[1] Os casos mais graves podem estar associados a alargamento das narinas ao respirar, sons anormais ao exalar ou distensão na pele entre as costelas ao respirar.[1] Quando a criança não se consegue alimentar de forma adequada, podem-se manifestar sinais de desidratação.[1]

A bronquiolite é geralmente causada por uma infeção por vírus sincicial respiratório (72% dos casos) ou rinovírus humano (26% dos casos).[2] O diagnóstico tem por base os sinais e sintomas.[1] Geralmente não são necessários exames como radiografia ao tórax ou cultura viral.[2] Em pessoas com febre podem ser realizados exames à urina.[2]

Não existe tratamento específico.[3] Os cuidados de apoio na residência são geralmente suficientes.[1] Em alguns casos pode ser necessária admissão hospitalar para oxigenoterapia, apoio à alimentação ou administração de fluidos por via intravenosa.[1] As evidências que apoiam o uso de antibióticos, antivirais, broncodilatadores ou administração de soro fisiológico ou adrenalina através de um nebulizador ou são pouco claras ou não apoiam a sua eficácia.[5]

Entre 10 e 30% das crianças com menos de dois anos contraem bronquiolite pelo menos uma vez na vida.[1][2] A doença é mais comum durante o inverno no hemisfério norte.[1] O risco de morte entre as crianças admitidas num hospital é de cerca de 1%.[4] Os surtos da doença foram descritos pela primeira vez na década de 1940.[6]

Causas[editar | editar código-fonte]

O termo geralmente se refere à bronquiolite viral aguda, uma doença comum na infância. É geralmente causado pelo vírus sincicial respiratório (RSV). Outros agentes que causam esta doença incluem metapneumovírus humano, Influenza, parainfluenza, rinovírus, coronavírus e adenovírus.[7]

Crianças prematuras (menos de 35 semanas), com baixo peso ao nascer ou portadoras de cardiopatia congênita possuem mais risco de contrair bronquiolite e maior probabilidade de necessitar internação hospitalar. Há evidências de que a amamentação exclusiva protege contra bronquiolite.[8]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Bebê de 18 meses com crepitações, dispneia e muco.

A bronquiolite típica, afeta bebês com menos de dois anos de idade e é caracterizada pela triada: tosse, sibilância e falta de ar (dispneia) por um ou dois dias. Crepitações ou sibilos podem ser ouvidos com um estetoscópio. A criança pode ter dificuldade para respirar por vários dias. Após a fase aguda, é comum que as vias aéreas permaneçam sensíveis por várias semanas, persistindo a tosse e sibilos.

Complicações[editar | editar código-fonte]

Alguns sinais de doença grave incluem: [9]

  • Má alimentação (menos da metade da ingestão habitual de líquidos nas 24 horas anteriores)
  • Atividade diminuída
  • História de apneia
  • Frequência respiratória >70 / min
  • Catarro
  • Grunhidos
  • Recessão grave da parede torácica (sinal de Hoover)
  • Pele azulada

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O diagnóstico é tipicamente feito por exame clínico. A radiografia de tórax é às vezes útil para excluir pneumonia bacteriana, mas não indicada em casos sinais de complicações ou fatores de riscos como prematuridade. PCR para identificar o vírus também não é feito de rotina.[10]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento da bronquiolite geralmente é focado nos sintomas, em vez da própria infecção, uma vez que a infecção seguirá seu curso e as complicações são tipicamente causadas pelos sintomas. Mesmo sem tratamento, metade dos casos melhora em duas semanas e 90% em três semanas.[11]

Nebulização com solução salina 3% aquecida é o único tratamento com evidências claras de melhora.[12] Adrenalina/Epinefrina e lavagem nasal possuem evidências contraditórias (alguns estudos concluem que ajuda e outros que não ajuda).

Não eficientes[editar | editar código-fonte]

Não há evidências de que tratamento com salbutamol nem outros broncodilatadores, antibióticos, antivirais, fisioterapia respiratória ou nebulização fria previnam complicações nem acelerem a recuperação.[13]

Corticoides e DNAse prolongam a doença, portanto são contra-indicados.[14]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n Friedman, JN; Rieder, MJ; Walton, JM; Canadian Paediatric Society, Acute Care Committee, Drug Therapy and Hazardous Substances, Committee. (novembro de 2014). «Bronchiolitis: Recommendations for diagnosis, monitoring and management of children one to 24 months of age.». Paediatrics & child health. 19 (9): 485–98. PMID 25414585 
  2. a b c d e f g h Schroeder, AR; Mansbach, JM (junho de 2014). «Recent evidence on the management of bronchiolitis.». Current opinion in pediatrics. 26 (3): 328–33. PMID 24739493. doi:10.1097/MOP.0000000000000090 
  3. a b Hancock, DG; Charles-Britton, B; Dixon, DL; Forsyth, KD (setembro de 2017). «The heterogeneity of viral bronchiolitis: A lack of universal consensus definitions.». Pediatric pulmonology. 52 (9): 1234–1240. PMID 28672069. doi:10.1002/ppul.23750 
  4. a b Kendig, Edwin L.; Wilmott, Robert W.; Boat, Thomas F.; Bush, Andrew; Chernick, Victor (2012). Kendig and Chernick's Disorders of the Respiratory Tract in Children (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 450. ISBN 1437719848 
  5. Brooks, CG; Harrison, WN; Ralston, SL (18 de abril de 2016). «Association Between Hypertonic Saline and Hospital Length of Stay in Acute Viral Bronchiolitis: A Reanalysis of 2 Meta-analyses.». JAMA pediatrics. 170: 577–84. PMID 27088767. doi:10.1001/jamapediatrics.2016.0079 
  6. Anderson, Larry J.; Graham, Barney S. (2013). Challenges and Opportunities for Respiratory Syncytial Virus Vaccines (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 392. ISBN 9783642389191 
  7. Smyth RL, Openshaw PJ (July 2006). "Bronchiolitis". Lancet. 368 (9532): 312–22. doi:10.1016/S0140-6736(06)69077-6. PMID 16860701.
  8. Carbonell-Estrany X, Figueras-Aloy J (2004). "Identifying risk factors for severe respiratory syncytial virus among infants born after 33 through 35 completed weeks of gestation: different methodologies yield consistent findings". Pediatr Infect Dis J. 23 (11 Suppl): S193–201.
  9. BRONCHIOLITIS IN CHILDREN (Sign Guideline 91). Scottish Intercollegiate Guidelines Network. 2006. ISBN 9781905813018.
  10. Zorc, JJ; Hall, CB (February 2010). "Bronchiolitis: recent evidence on diagnosis and management". Pediatrics. 125 (2): 342–9. doi:10.1542/peds.2009-2092. PMID 20100768.
  11. Thompson, M; Vodicka, TA; Blair, PS; Buckley, DI; Heneghan, C; Hay, AD; TARGET Programme, Team (11 December 2013). "Duration of symptoms of respiratory tract infections in children: systematic review". BMJ (Clinical research ed.). 347: f7027. doi:10.1136/bmj.f7027. PMC 3898587. PMID 24335668.
  12. Zhang, L; Mendoza-Sassi, RA; Klassen, TP; Wainwright, C (October 2015). "Nebulized Hypertonic Saline for Acute Bronchiolitis: A Systematic Review". Pediatrics. 136 (4): 687–701. doi:10.1542/peds.2015-1914. PMID 26416925.
  13. Friedman JN, Rieder MJ, Walton JM, Canadian Paediatric Society, Acute Care Committee, Drug Therapy and Hazardous Substances (November 2014). "Bronchiolitis: Recommendations for diagnosis, monitoring and management of children one to 24 months of age". Paediatrics & child health. 19 (9): 485–98. doi:10.1093/pch/19.9.485. PMC 4235450. PMID 25414585.
  14. Bourke, T; Shields, M (11 April 2011). "Bronchiolitis". Clinical evidence. 2011. PMID 21486501.