Palácio de Grijó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.

O Palácio de Grijó é um edifício barroco com vertente Rococó, datado do seiscento, localizado na aldeia de Grijó, perto de Reriz, no concelho de Castro Daire. Infelizmente, o edifício barroco, de grande valor para a arquitectura portuguesa, está caído em ruínas, sendo que parte do seu telhado já abateu, levando consigo partes do magnífico balaustre. Nas décadas de 1960 e 1970, o edifício era palco de festas e de romarias. Porém, com o tempo a enfrentar a segurança do edifício, estas tiveram que ser interrompidas.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A planta do edifício, de dois andares, juntamente com a cave e a adega, é rectangular. A fachada principal conta com doze janelas, dispostas lateralmente ao portal de entrada, sobre o qual se exibe o brasão de armas dos Senhores de Grijó, sob um frontão em mármore. As janelas e o portal principal são emoldurados por mármore trabalhado em rocaille. No cimo, está patente uma balaustrada, culminante nos pináculos que sobrepõem cada esquina da casa. As traseiras do edifício estão voltadas para um vale cortado pelo rio Paiva. No interior do Palácio, há uma extensa escadaria que dá acesso ao andar superior, o andar nobre, e uma pequena colecção de armaria e de objectos equestres.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um palácio é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.