Revolta militar na Guiné-Bissau de 2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Revolta militar na Guiné-Bissau de 2010 ocorreu em Guiné-Bissau em 1 de abril de 2010. O primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior foi colocado sob prisão domiciliar por soldados da Guiné-Bissau, que também detiveram o Chefe do Exército Zamora Induta. Os defensores de Gomes e seu partido, o PAIGC, reagiram ao movimento, protestando na capital, Bissau, com António Indjai, o Vice-Chefe do Estado-Maior.[1][2]

Após negociações, Carlos Gomes Júnior retornou ao seu posto.[3]

Dois anos depois, Carlos Gomes Júnior também voltou a ser preso durante outro golpe de estado no país.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Zounmenou, David (2010). «Guinea-Bissau: why a stabilisation force may be useful». African Security Review. 19 (3): 66–70. doi:10.1080/10246029.2010.519884 

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.