Economia da Guiné-Bissau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Economia da Guiné-Bissau
Banco Central da Guiné-Bissau.
Moeda Franco CFA da África Ocidental
Blocos comerciais OMC, União Africana
Estatísticas
PIB 1 859 milhões (2010) (189º lugar)
Variação do PIB 1,8% (2010)
PIB per capita 1100 (2010)
PIB por setor agricultura 62%, indústria 12%, comércio e serviços 26% (1999)
Inflação (IPC) 3,8% (2010)
Força de trabalho total 632.700 (2007)
Força de trabalho
por ocupação
agricultura 82%, indústria, comércio e serviços 18% (2000)
Principais indústrias processamento de produtos agrícolas, cerveja, bebidas não alcoólicas
Exterior
Exportações 133 milhões (2006)
Produtos exportados peixe, camarão, castanha de caju, amendoim, palmito, madeira serrada
Principais parceiros de exportação Índia 62,21%, Nigeria 31,28%, Portugal 1,48% (2009)
Importações 200 milhões (2006)
Produtos importados alimentos, máquinas e equipamentos de transporte, derivados de petróleo
Principais parceiros de importação Portugal 17,33%, Senegal 13,66%, Países Baixos 9,27%, Índia 9,11%, Tailândia 5,2%, Brasil 4,49% (2009)
Dívida externa bruta 941,5 milhões (2000)
Finanças públicas
Receitas n/d
Despesas n/d
Ajuda económica recebida: n/d
Fonte principal: The World Factbook
Salvo indicação contrária, os valores estão em US$

Um dos países mais pobres do mundo, a economia legal da Guiné-Bissau depende principalmente da agropecuária e da pesca. As plantações de caju cresceram consideravelmente nos últimos anos. O país exporta peixe e frutos do mar assim como pequenas quantidades de amendoim, palmito e madeira[1].

O arroz é o principal cultivo e alimento básico. Entretanto, combates intermitentes entre as tropas do governo, apoiadas pelo Senegal e uma junta militar destruíram muito da infraestrutura e causaram grande prejuízo à economia em 1998. A guerra civil levou a uma redução de 28% do produto interno bruto naquele ano, com uma recuperação parcial no período 1999-2002[1]. A produção agrícola caiu algo em torno de 17% durante o conflito, assim como a produção de castanhas de caju caíram até 30%. Piorando a situação, no ano 2000 o preço das castanhas caíram em 50% no mercado internacional, aumentando a devastação começada com a guerra civil.

Em dezembro de 2003 o Banco Mundial, o FMI e a UNDP foram forçados a intervir para fornecer auxílio orçamentário de emergência num total de US$ 107 milhões para o ano de 2004, o que representou mais de 80% do orçamento do país[1]. A combinação de perspectivas econômicas limitadas, um governo central fraco e dirigido por uma facção e uma posição geográfica favorável tornaram este país da África Ocidental uma escala do tráfico de drogas para a Europa[1], especialmente em várias ilhas não habitadas do Arquipélago de Bijagós. Estima-se que passem pelo país US$ 1 bilhão em drogas por ano[2].

Dados de 2015[editar | editar código-fonte]

  • PIB: Paridade de Poder aquisitivo - $1.8 billion (2015 est.)
  • PIB: Taxa de crescimento real: 9.5% (2015)
  • PIB: Per capita: Paridade de Poder aquisitivo- $2,393 (2015)
  • PIB: Por setor:
    • Agricultura: 54%
    • Indústria: 11%
    • Serviços: 35% (1996)
  • População abaixo da linha de pobreza: 50% (1991)
  • Poder de consumo das classes:
    • 10% mais pobre: 0.5%
    • 10% mais rica: 42.4% (1991)
  • Inflação (preços ao consumidor): 5.5% (1999)
  • Força de trabalho: 480,000
  • Força de trabalho - por ocupação:
    • agricultura 78,8%
    • Indústrias: processamento de produtos agrícolas, bebidas.
  • Crescimento da produção industrial: 2.6% (1997)
  • Eletricidade - produção: 40 GWh (1998)
  • Eletricidade - production por fonte:
    • Combustível fóssil: 100%
    • hidroelétrica: 0%
    • nuclear: 0%
    • Outro: 0% (1998)
  • Eletricidade - consumo: 37 GWh (1998)
  • Eletricidade - exportação: 0 Wh (1998)
  • Eletricidade - importação: 0 Wh (1998)
  • Agricultura - produtos: arroz, farinha, feijão, tapioca, castanhas de caju, amendoim, sementes de palma, algodão; madeira; pescado.
  • Exportação: $26.8 milhões (1998)
  • Importações: $22.9 milhões (1998)
  • Parceiros comerciais: Portugal, França, Senegal, Países Baixos (1997)
  • Dívida Externa: $921 milhões (1997 est.)
  • Ajuda internacional: $115.4 milhões (1995)

Mintida Ass: Isma Maisa-Facebook

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d The World Factbook consultado em 14 de março 2011
  2. Droga retorna à Guiné-Bissau Arquivado em 18 de junho de 2011, no Wayback Machine. opais.co.mz, 8 de junho de 2010
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Guiné-Bissau