Set (divindade)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Nota: Este artigo fala sobre o deus egípcio. Para outros significados, veja Set (desambiguação), Sete (desambiguação) ou Seth (desambiguação).
Set
sw W t
x
E20 A40
Outros nomes Atum-Rá, Tem ,Temu ,Tum e Atem
Nascimento
adorado em Naqada
Parentesco Geb,Nut
Cônjuge Néftis , Tawaret (em alguns relatos), Anat ,Astarte

Set, também chamado Setesh, Sutekh, Setekh ou Suty, eventualmente grafado Seth (em inglês) e Seti (grafia mais correta em português), é um deus egípcio da violência, da traição, do ciúme, da inveja, do deserto, da guerra, da escuridão, das trovoadas, do fratricídio, das feras e das serpentes. Seti era manifestação do mal no cosmo e irmão e inimigo de Osíris, o deus que trouxe a civilização para as terras do Egito. Seti era marido e irmão de Néftis. Reza seu mito que Seti teria rasgado o útero de sua própria mãe Nuti para conseguir nascer.

Seti não media escrúpulos nem esforços para destronar e substituir Osíris como rei de todos os deuses. Ironicamente, no Princípio Seti era um auxiliar de na eterna luta contra a serpente Apófis (a manifestação do próprio caos) na barca solar. Nesse sentido, Seti é possivelmente um dos não-raros casos de deuses antigos que são demonizados com a evolução e chegada de crenças em deuses novos, como Hórus.

A briga de Seti pelo lugar de Osíris[editar | editar código-fonte]

Querendo suceder Osíris, o seu filho e sobrinho de Seti (às vezes indicado como irmão deste), Hórus, trava uma verdadeira batalha para suceder seu pai contra Seti que sentindo-se injustiçado por não assumir o lugar de Osíris, pois segundo ele, é o único deus forte o suficiente para ocupar tal lugar, vai perante os deuses superiores protestar pelo que considera seu direito. Hórus,o deus da guerra, argumenta para Geb ou, em outras versões do mito, para que é o legítimo herdeiro do trono ao que Seti se opõe dando início a um conflito divino. Na querela entra Ísis, a mãe de Hórus, que convence o Ennead, o conselho dos deuses, a não outorgar em favor de Seti porém decidem se reunir mais uma vez, agora numa ilha, para julgar o caso no que é impedida de acompanhar.

Entretanto Ísis disfarçada de idosa suborna o condutor da barca solar, Nemty, com uma joia e segue os outros deuses até a ilha onde eles se reuniriam. Lá ela se transforma numa bela moça para seduzir Seti e assim conseguir sua confissão de que na verdade o seu filho de fato era o herdeiro por direito ao trono de Osíris e não ele fazendo-o mais uma vez protestar com o conselho de deuses sugerindo então um desafio para Hórus onde ambos se metamorfoseariam em hipopótamos para sobreviver alguns meses sob a água. Ísis preocupada com seu filho decide ajudá-lo arremessando um arpão nas águas onde termina por atingi-lo e fisga Seti que pede por clemência ao que ela consente.

Irritado por sua mãe tê-lo ferido, Hórus a ataca e corta sua cabeça fugindo para o deserto. Após o ocorrido o Ennead decide puní-lo por ferir sua mãe ao que Seti tira seus olhos enquanto dorme. Hator restaura-lhe a visão com leite. Mais uma vez, Hórus apela perante os deuses por equidade sendo que agora esses, falam para Osíris no mundo dos mortos que responde inquirindo por que seu filho ainda não foi entronado ameaçando-os com uma infestação de demônios/demónios. Finalmente após deliberar, ,decide arbitrar em favor de Hórus e acolhe Seti enfim para a morada dos deuses.

A traição de Néftis e suposta inveja de Seti[editar | editar código-fonte]

Algumas versões contam que na verdade ele traído por Néftis com Osíris, daí seu assassinato. O maior defensor dos oprimidos e injustiçados, tinha fama de violento e perigoso, uma verdadeira ameaça. Conta-se que Seti ficou com inveja de Osíris e trabalhou incessantemente para destruí-lo (versões contam que Néftis, esposa de Seti, fora seduzida por Osíris, o que seria uma ressalva. Anúbis teria sido concebido desta relação).

Formando um corrilho de 72 conspiradores leais a ele (chamados sits) para auxiliá-lo, Seti convida Osíris para um festim. No decurso dos manjares, Seti apresenta uma magnífica ataúde (sarcófago), e promete dá-la de presente a quem nela coubesse perfeitamente. Os convidados (que, na verdade, eram apenas os sits disfarçados) tentaram ganhar a ataúde, mas sempre sobrava ou faltava um pouco de espaço, dado que Seti a tinha preparado nas medidas de Osíris. Convidado por Seti, Osíris entra nela, e se deita. No mesmo instante, o corrilho dos sits tranca a ataúde e a joga no fundo do Nilo. As águas violentas arrastam a ataúde, passando pelo Mediterrâneo até finalmente encalhar numa das praias de Biblos, na Fenícia.

Ísis, desesperada com o sucedido, parte à procura do marido, procurando obter todo o tipo de informações dos que encontra pelo caminho. Chegado a Biblos, Ísis descobre que a ataúde ficou presa numa árvore que tinha sido cortada para fazer um sustentáculo no palácio real. Com a ajuda da rainha, Ísis corta o sustentáculo e consegue regressar ao Egito com o corpo do amado, que esconde numa plantação de papiros.

Contudo, Seti encontrou a ataúde e, e furioso decide esquartejar em 14 pedaços o corpo, que espalha por todo o Egito; segundo alguns textos do período ptolemaico, teriam sido 16 ou 42 partes. Quanto ao significado destes números, deve-se referir que o 14 é o número de dias que decorre entre a lua cheia e a lua nova e o 42 era o número de províncias (ou nomos) em que o Egito se encontrava dividido.

Suas ações fizeram com que a maioria dos outros deuses se voltassem contra ele, mas Seti se considerava incólume e inatacável. Hórus, filho de Ísis e Osíris, conseguiu vingar o pai e matar Seti, que acabou demonizado como uma deidade maligna nos mitos egípcios.

Aparência[editar | editar código-fonte]

Seti é profundamente associado a vários animais, como cachorro, crocodilo, porco, asno e escorpião. Sua aparência orelhuda e nariguda era provavelmente um agregado de vários animais, em vez de representar somente um. Ele também é representado como um hipopótamo, considerado pelos egípcios como uma criatura destrutiva e perigosa. Há também a possibilidade de possuir o rosto de um chacal.

Nos quadrinhos da Marvel Comics (principalmente de Conan, o bárbaro), Seti é descrito erroneamente como uma grande serpente. Na verdade a grande serpente era uma referencia a Apófis, inimiga de , e esta ironicamente era combatida por Seti (na maioria das versões Seti perde a orelha na luta contra Hórus e este perdeu o olho, porém deus Tot decidiu parar com o combate devolvendo a orelha de Seti e o olho de Hórus e dizem que Seti viverá pela eternidade planejando conseguir a ex-coroa de Osíris hoje com Hórus). Embora o mais aceito é que Seti seja representado pelo Orictéropo, que é o que mais se associa a Set.

Metamorfose e os adoradores de Seti[editar | editar código-fonte]

As manifestações mais comuns eram as em formas de animais sobretudo na figura de uma imagem parte asno, parte porco ou mesmo um aardvark além também de ser associado a bois e feras que eram usados para debulhar cereais e amassar grãos que segundo o mito continham o deus Osíris, vítima recorrente de sua perseguição. Hórus,filho de Osíris, condenou esses últimos animais a flagelos constantes. Numa de suas investidas contra Osíris, Seti se transforma em uma pantera até que o deus Tot mediante feitiços consegue dominá-lo dando oportunidade para Anúbis marcar sua pele e esfolá-lo. Ele se recupera dos ferimentos e parte rumo ao deserto, seus domínios, sob a aparência de um touro seguido de perto por Ísis transformada em um cão e a deusa Hator em forma de serpente venenosa que pica os seus adoradores reunidos, tingindo de sangue, desse modo, as areias do deserto.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver Também[editar | editar código-fonte]