Alejandro Jodorowsky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Alejandro Jodorowsky

Alejandro Jodorowsky (Iquique, 17 de fevereiro de 1929) é um cineasta, poeta, escritor (filmes e histórias em quadrinhos) e psicólogo ("psicomago", como se autodenomina) chileno.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alejandro Jodorowsky nasceu em Iquique, Chile em 7 de Fevereiro de 1929. Em 1949, mudou-se para Santiago para estudar na universidade. Nessa época já trabalhava como palhaço de circo e artista de marionetes.

Em 1953 mudou-se para Paris onde estudou mímica com Marcel Marceau. Trabalhou com Maurice Chevalier e fez seu primeiro filme, "La Cravate", até há pouco tempo dado como perdido. Também em Paris ele conheceu Roland Topor e Fernando Arrabal, e juntos criaram o Moviment Panique em 1962.

O grupo multimídia, que homenageava o deus grego Pan, fazia performances ao vivo misturando teatro de vanguarda, literatura e cinema. Nesse período, Jodorowsky escreveu diversos livros e peças teatrais. No final dos anos 1960, dirigiu peças de vanguarda em Paris e na Cidade do México. Também criou a tira de história em quadrinhos "Fabulas Panicas", e fez seu primeiro filme "de verdade" - Fando y Lis, em 1967, baseado em uma peça de Arrabal.

Em 1970, Jodorowsky lançou "El Topo", um faroeste surrealista criativo e vanguardista. Graças a seu mais ilustre fã, o beatle John Lennon, o filme foi foi muito comentado e distribuído na América, alcançando status de "cult". Em 1973, lança "The Holy Mountain".

Alejandro Jodorowski em Sitges

Em 1975, retorna à França, onde tenta fazer uma versão cinematográfica do romance "Duna", de Frank Herbert, que teria a participação de Orson Welles e Salvador Dali, trilha sonora de Pink Floyd, e a colaboração visual dos artistas H. R. Giger, Dan O'Bannon e Möebius. O financiamento do filme foi retirado, e o romance acabou sendo filmado nos Estados Unidos por David Lynch.

O próximo filme de Jodorowsky foi Tusk, de 1978, a história da amizade entre uma garota e um elefante.

No início dos anos 1980, Jodorowsky dedica-se a escrever histórias em quadrinhos, em diversas parcerias, a mais famosa delas com Moebius, e também continuou escrevendo livros.

Em 1989 volta ao cinema com "Santa Sangre", que foi muito elogiado pela crítica e teve boa distribuição. Em 1990 dirigiu Oma Shareef e Peter O'Toole em "The Rainbow Thief".

Alejandro Jodorowsky e o escritor espanhol Diego Moldes, Paris, 2008

É casado com a pintora francesa Pascale Montandon em 2010. Tem 4 filhos: Brontis, Cristóbal, Axel e Adan.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • 1957 – La Cravate
  • 1968 – Fando y Lis
  • 1970 – El Topo
  • 1973 – The Holy Mountain
  • 1980 – Tusk
  • 1989 – Santa Sangre
  • 1990 – The Rainbow Thief
  • 2013 La danza de la realidad /La Danse de la réalité

Livros em espanhol[editar | editar código-fonte]

  • Cuentos pánicos (1963), ilustrado por Roland Topor
  • Teatro pánico (1965)
  • Juegos pánicos (1965)
  • El Topo, fábula pánica con imágenes (1970), guión original de la película El Topo
  • Fábulas pánicas (1977), reimpresiones de tiras publicadas en el periódico Heraldo de México
  • Las ansias carnívoras de la nada (1991) Novela.
  • La trampa sagrada: Conversaciones con Gilles Farcet (1991)
  • Donde mejor canta un pájaro (1994) Novela.
  • Psicomagia, una terapia pánica (1995)
  • Garra de Ángel (1996) ilustraciones de Moebius
  • Antología pánica (1996), recopilación de textos por Daniel González-Dueñas
  • Los Evangelios para sanar (1997) Ensayo.
  • La sabiduría de los chistes (1997), ilustraciones de George Bess Ensayo.
  • El niño del jueves negro (1999) Novela.
  • Albina y los hombres-perro (2000) Novela.
  • La trampa sagrada (2000) Libro de entrevistas.
  • No basta decir (2000) Poesía.
  • La danza de la realidad (2001) Memorias.
  • El loro de siete lenguas (2001) Novela.
  • El paso del ganso (2001) Relatos.
  • La sabiduría de los cuentos (2001) Ensayo.
  • Ópera pánica (2001) Obra de teatro.
  • El tesoro de la sombra (2003) Memorias.
  • Fábulas pánicas (2003), reimpresiones completas de la tira publicada por el Herlado de México
  • El dedo y la luna (2004) Ensayo.
  • Piedras del camino (2004) Poesía.
  • La vía del tarot (2004) Ensayo.
  • Yo, el tarot (2004) Ensayo y poesía.
  • El maestro y las magas (2006) Memorias.
  • Solo de amor (2006) Poesía.
  • Teatro sin fin (tragedias, comedias y mimodramas) (2007)
  • Correo terapéutico (2008) Ensayo.
  • Manual de Psicomagia (consejos para sanar tu vida) (2009)
  • Pasos en el vacío (2009) Poesía.
  • Tres cuentos mágicos (para niños mutantes) (2009) Cuentos.
  • Poesía sin fin (2009) Poesía completa.

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • El minotauroO Minotauro
  • Zaratustra
  • El juego que todos jugamosO Jogo que Todos Jogamos
  • El sueño sin finUm sonho sem fim
  • Opera pánica (1993) – Ópera Pânica
  • Escuela de ventrílocuosEscola de Ventrílocos. Farsa anárquica e conto filosófico escrito para atores, marionetes.
  • Las tres viejas (2003) – As Três Velhas. Melodrama grotesco

Alejandro Jodorowsky no Brasil[editar | editar código-fonte]

As Três Velhas foi apresentado no Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto, em 2008, como uma pró-estréia. Com direção de Maria Alice Vergueiro, tem em seu elenco, além da atriz, Luciano Chirolli, Henrique Stroeter, Willian Amaral. Conta a história de duas marquesas gêmeas, de 88 anos, que vivem recolhidas em sua mansão arruinada sob os cuidados da criada, de 100 anos. Assombradas pela imagem de um pai terrível e quase mortas de fome, revolvem a vida e fazem estranhas descobertas. Este espetáculo iconoclasta recebeu duas leituras críticas no Festival, a primeira, de Alexandre Mate, que afirma que o espetáculo é uma surpreendente combinação do riso, do disforme e do poético em busca de um teatro tão intenso quanto efêmero e de Robson Camargo.

Livros sobre Jodorowsky[editar | editar código-fonte]

  • COBB, Ben (2007). Anarchy and Alchemy: The Films of Alejandro Jodorowsky (Persistence of Vision 6), editado por Louise Brealey, prefacio de Alan Jones, intr. de Stephen Barber. London, 2007 / New York, agosto, 2007, Creation Books.
  • COILLARD, Jean-Paul (2009), De la cage au grand écran. Entretiens avec Alejandro Jodorowsky, Paris. K-Inite Editions.
  • CHIGNOLI, Andrea (2009), Zoom back, Camera! El cine de Alejandro Jodorowsky, Santiago de Chile, Uqbar Editores.
  • DOMÍNGUEZ ARAGONÉS, Edmundo (1980). Tres extraordinarios: Luis Spota, Alejandro Jodorowsky, Emilio “Indio” Fernández; Mexicali, México DF, Juan Pablos Editor. P. 109-146.
  • GONZÁLEZ, Házael (2011), Alejandro Jodorowsky: Danzando con la realidad, Palma de Mallorca, Dolmen Editorial.
  • LAROUCHE, Michel (1985). Alexandre Jodorowsky, cinéaste panique, Paris, ça cinéma, Albatros.
  • MOLDES, Diego (2012). Alejandro Jodorowsky, Col. Signo e Imagen / Cineastas, Ediciones Cátedra, Madrid. Ensaio monográfico com prólogo de A. Jodorowsky.1 ISBN 978-84-376-3041-0
  • MONTELEONE, Massimo (1993). La Talpa e la Fenice. Il cinema di Alejandro Jodorowsky, Bolonia, Granata Press.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Alejandro Jodorowsky
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alejandro Jodorowsky