Borborema (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Município de Borborema
Bandeira de Borborema
Brasão de Borborema
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 21 de março
Fundação 1925
Gentílico borboremense
Prefeito(a) Virgílio do Amaral Filho (PSDB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Borborema
Localização de Borborema em São Paulo
Borborema está localizado em: Brasil
Borborema
Localização de Borborema no Brasil
21° 37' 12" S 49° 04' 26" O21° 37' 12" S 49° 04' 26" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Araraquara IBGE/2008 [1]
Microrregião Araraquara IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Novo Horizonte, Itápolis, Ibitinga, Reginópolis e Itajobi.
Distância até a capital 390 km
Características geográficas
Área 552 604 km²
População 14,485 hab. est. IBGE/2009 [2]
Densidade 25,3
Altitude 429 m
Clima tropical de altitude Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,771 alto PNUD/2000 [3]
PIB R$ 143.142 mil IBGE/2005 [4]
PIB per capita R$ 10,319 00 IBGE/2005 [4]
Página oficial
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Borborema (São Paulo)

Borborema é um município do estado de São Paulo, no Brasil. Localiza-se a uma latitude 21º37'11" sul e a uma longitude 49º04'25" oeste, estando a uma altitude de 429 metros.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo "Borborema" é originário do termo tupi ybymbore'yma, que significa "terra sem habitantes" (yby, terra + mbora, povo + e'yma, sem).[5] [6]

História[editar | editar código-fonte]

O município de Borborema tem, como fundadores, o major José Claudino do Nascimento, a família Flávio Simões (oriunda da cidade de Dourado) e as famílias Rosa e Pizzolante, que, em 12 de maio de 1902, instalaram na região e deram origem ao patrimônio (livro do municípios do Estado de São Paulo) com documentação tombada no arquivo Nacional dos Municípios do Estado de São Paulo e do Brasil. As famílias Flávio Simões, Rosa e Pizzolante doaram os 20 alqueires de suas terras para a formação do Patrimônio de São Sebastião e a construção da capela no centro do município. O riacho que cruza a cidade recebeu o nome de "Ribeirão dos Fugidos", em referência a um pequeno quilombo de escravos fugidos que existia perto do riacho. Borborema era denominada de Vila do Ribeirão dos Fugidos até 1909, quando passou para o nível de distrito, recebendo, então, o nome de "Borborema".

Em 1925, desmembrou-se e passou para o nível de município, então com 500 habitantes. Mas passou a ter os poderes definitivamente instalados apenas em 21 de março de 1926.

Borborema teve um crescimento lento até a década de 1930, quando passou a ter um acelerado crescimento econômico e populacional, tornando-se uma das cidades mais importantes da região. Foi o período do algodão, cujo auge ocorreu na década de 1940. As fazendas de propriedade dos Flavio Simões e outros agropecuaristas da região embarcavam toda sua produção de algodão e também todo o gado para o abatedouro do Frigorífico Wilson, em Campinas, para corte, posteriormente para São Paulo. Foi naquele período que a estrada de ferro trouxe muito progresso ao município: a Estrada de Ferro Douradense, vinda de Dourado e São Carlos e que foi fundamental na recuperação do município, juntamente com a cultura do café e do gado nas fazendas da região. O município cresceu e ficou sendo referência no Estado de São Paulo na produção de algodão, leite e gado de corte.

Com a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e a perseguição aos imigrantes japoneses (Shindo Renmei) e italianos (fascistas), a cultura do algodão declinou e a população da cidade diminuiu sensivelmente.

Hoje, Borborema tem seu desenvolvimento ligado à agricultura e ao turismo, graças ao seu potencial em recursos hídricos (já que a cidade é banhada pelo Rio Tietê e vários afluentes) e sua forte indústria de bordados, que atraem pessoas de diversos estados do sul, sudeste e centro-oeste. A cidade possui os títulos estaduais de "Pérola Paulista" e "Capital do Civismo e Patriotismo" e se autodenominou "Território dos Enxovais e Bordados" devido às mais de 50 lojas e fábricas do gênero, atendendo a diversos turistas, lojistas e sacoleiros de todo o Estado de São Paulo e do Brasil. Aspira a tornar-se "Estância Turística de Borborema".

É uma das três cidades da Região de Governo de Araraquara reconhecidas pela Embratur como um polo de turismo, juntamente com Araraquara e Ibitinga.

Borborema preocupa-se com seu meio ambiente, sendo, hoje, uma das raras cidades do Centro Paulista que trata 100% do esgoto e que possui o Selo de Município Verde/Azul.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Possui uma área de 552,60 km.

Sua população estimada em 2004 era de 13 749 habitantes.

Borborema faz divisas com os municípios de Novo Horizonte, Itápolis, Ibitinga e Itajobi.

  • Área Urbana: 5 km²
  • Área Rural: 547 km²
  • CEP : 14.955-000
  • Código de Área DDD : 16

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2000

População Total: 13 193

  • Urbana: 10 850
  • Rural: 2 343
  • Homens: 6 691
  • Mulheres: 6 502

Densidade demográfica (hab./km²): 23,87

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 16,29

Expectativa de vida (anos): 70,99

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,45

Taxa de Alfabetização: 87,96%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,771

  • IDH-M Renda: 0,704
  • IDH-M Longevidade: 0,767
  • IDH-M Educação: 0,841

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Tietê.
  • Ribeirão dos Porcos.
  • Ribeirão dos Fugidos.
  • Ribeirão Espírito Santo.
  • Ribeirão Fugidinho.
  • Córrego da Mariana (ou Dona Mariana).
  • Córrego do Sapé.
  • Córrego da Lagoa.
  • Córrego do Tanquinho (ou Pito Aceso).
  • Córrego da Onça.
  • Córrego das Três Barras.
  • Córrego São Sebastião.
  • Córrego da Queimada.
  • Córrego dos Macacos (ou da Divisa)
  • Córrego do Macaco.
  • Córrego do Olho d'Água (ou da Ponte).
  • Córrego da Muriçoca.
  • Córrego da Queixada.
  • Córrego da Farinha Podre.
  • Córrego Dourados.
  • Córrego da Capoeirinha (ou Cachoeirinha).
  • Córrego Rego dos Sapos.
  • Córrego do Gato.
  • Córrego do Cedro.
  • Córrego Palmital.
  • Córrego da Anhumas.
  • Córrego Caeté.
  • Córrego Libuna.
  • Córrego Água Limpa.
  • Córrego Maria Fernandes.
  • Córrego Santa Rita (ou Baixadão).
  • Córrego das Flores.
  • Córrego Baixada da Égua.
  • Córrego do Pavão.
  • Córrego da Pedra.
  • Córrego Frio.
  • Córrego Seco.
  • Córrego da Cerâmica.

Fonte: Meio Ambiente - Recursos Hídricos - SP.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • SP-304 Rodovia Estadual.
  • SP-333 Rodovia Estadual.
  • BBR-350 Estrada Municipal que liga Borborema-SP ao Município de Novo Horizonte-SP (Estrada do Bairro E. Porto Ferrão).
  • BBR-040 Estrada Municipal que liga Borborema-SP ao Municipio de Itajobi-SP (Estrada da Luz).
  • BBR-010 Estrada Municipal que liga Borborema-SP ao Municipio de Itápolis-SP (Estrada do Bairro Três Barras).
  • BBR-020 Estrada Municipal que liga Borborema-SP ao Municipio de Ibitinga-SP (Estrada do Bairro Tanquinho).
  • BBR-353 Estrada Municipal que liga Borborema-SP a Prainha do Juqueta (Estrada da Prainha).
  • BBR-157 Estrada Municipal que liga Borborema-SP ao Bairro Corguinho e ao Condominio da Onça (Estrada Stefano Fabri).
  • BBR-135 Estrada Municipal que liga a Rodovia SP-304 (Trecho Borborema-SP) ao Bairro Pito Aceso e ao Bairro São João.
  • BBR-450 Estrada Municipal que liga a Rodovia SP-333 (Trecho Borborema-SP) ao Bairro Vila Orestina.
  • BBR-127 Estrada Municipal que liga a Rodovia SP-333 (Trecho Borborema-SP) ao Bairro da Queixada e ao Bairro da Queimada.

FONTE (Rodovias e Estradas Paulistas - SP).

Administração[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja Católica[editar | editar código-fonte]

O município pertence à Diocese de São Carlos. O maior momento da história da Igreja Católica em Borborema foi a ordenação episcopal de dom Francisco Carlos da Silva, chamado carinhosamente pelos católicos de padre Chiquinho, sendo pároco por 24 anos na cidade. Sua ordenação pela imposição das mãos de dom Joviano de Lima Júnior, dom Paulo Sérgio Machado e dom Bruno Gamberini foi realizada na Igreja Matriz, no Centro da cidade, e contou com a presença de milhares de pessoas de toda região, dezenas de padres dos estados de São Paulo e Minas Gerais e vários bispos de todo o país. Hoje, a paróquia tem, à frente, o pároco Pedro de Celso Gardini e o vigário paroquial Valmir Davi de Oliveira, que tomaram posse no dia 27 de fevereiro de 2011.

Outras denominações cristãs[editar | editar código-fonte]

Borborema conta também com evangélicos, testemunhas de jeová, além de praticantes de outras religiões.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. Estimativas da população para 1º de julho de 2009 (PDF). Estimativas de População. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (14 de agosto de 2009). Página visitada em 16 de agosto de 2009.
  3. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  4. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2002-2005. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2007). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  5. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Volume 6. [S.l.]: Instituto histórico e Geográfico de São Paulo, 1902.
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 548.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]