Comunalismo (religião)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Comunalismo religioso é uma ideologia ou forma de organização social que alude a comunidades utópicas que praticam a abolição da propriedade privada, a divisão do trabalho de acordo com as possibilidades do indivíduo e a divisão dos benefícios deste de acordo com as necessidades de cada um. Defende a unidade política e os interesses seculares de uma pequena comunidade religiosa ou de religiosos. Também é denominado de Comunismo religioso, embora se distancie muito do marxismo e se aproxime mais do anarquismo. Observe-se que o termo comunismo já era usado previamente em contextos religiosos cristãos.

É possível diferenciá-lo do conceito Comunalismo no âmbito da ciência política, também chamado Comunalismo intencional ou Associativismo voluntário, bem como do Comunalismo libertário, ambos com um primeiro apontamento teórico no pensamento de filósofos franceses como Charles Fourier, como pode-se observar no pensamento de Kenneth Rexroth, embora este considere as comunidades religiosas adeptas do comunalismo religioso como fazendo parte das pessoas que praticam o comunismo libertário.1

São considerados exemplos de Comunalismo ou Comunismo religioso as primeiras comunidades cristãs, as reduções jesuíticas no Brasil e no Paraguai, os kibbutz de Israel e as práticas de monges e freiras de diversas religiões como a budista, por exemplo.

Alguns pensadores religiosos, no entanto, fazem sérias objeções ao que entendem por Comunalismo, afirmando que, frequentemente, estas comunidades podem promover rivalidades e intolerância mútua entre diferentes comunidades, a partir da criação de estereótipos étnicos ou religiosos, resultando em confrontos violentos entre os grupos.: A última coisa que se espera encontrar nesses grupos fanáticos é espiritualidade ou piedade. Não o interior, mas o exterior em seu modo mais brutal e superficial, é o que interessa aos 'comunalistas'. Eles defendem a forma, mas matam a essência; matam pela casca, ao mesmo tempo em que esmagam o cerne vivificador. Matam não apenas seus supostos rivais religiosos: já mataram a si mesmos. O comunalismo, como toda paixão superficial – mas devoradora –, é suicida, escreveu o autor britânico William Stoddart em Remembering in a world of forgetting (EUA, 2008).

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]