Fabiana Murer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fabiana Murer
Fabiana Murer nos Jogos Pan-americanos de 2007.
Atletismo
Modalidade salto com vara
Nascimento 16 de março de 1981 (33 anos)
Campinas, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileira
Compleição Peso: 57kg Altura: 1,72m
Medalhas
Campeonatos Mundiais
Ouro Daegu 2011 Salto com vara
Campeonatos Mundiais – Indoor
Ouro Doha 2010 Salto com vara
Bronze Valência 2008 Salto com vara
Jogos Pan-Americanos
Ouro Rio 2007 Salto com vara
Prata Guadalajara 2011 Salto com vara

Fabiana de Almeida Murer (Campinas, 16 de março de 1981) é uma atleta brasileira, campeã mundial, pan-americana, recordista brasileira e sul-americana do salto com vara. Duas vezes campeã mundial da prova, em 2010 em pista coberta e em 2011 ao ar livre, seus recordes sul-americanos foram estabelecidos em San Fernando, na Espanha, no Campeonato Ibero-Americano de 2010 – 4,85 m ao ar livre –[1] e no Meeting Top Perche em Nevers, na França, em 2015 – 4,83 m em pista coberta.[2] É a atual nº1 do mundo no ranking da IAAF.[3]

Início[editar | editar código-fonte]

Fabiana começou no salto com vara aos 16 anos, depois de praticar ginástica artística por nove anos, desde a infância; parou com este esporte por causa da altura, que fazia com que em alguns exercícios, como as barras assimétricas, seus pés encostassem no colchão do solo, tornando impraticável o exercício, sendo necessário remover colchões de apoio para os movimentos serem completados, e porque aos 16 anos já se considerava "velha" para o esporte. Foi seu pai que a levou para o atletismo, depois de ver no jornal um anúncio para testes numa escolinha de atletismo de Campinas. Neste teste, composto de corrida de 50 m, 1000 m e salto em distância, ela teve bom desempenho; o selecionador, Elson Miranda – ex-campeão brasileiro da prova e depois seu técnico como adulta – ao saber que ela tinha como base a ginástica artística, levou-a para o salto com vara. Fabiana só conhecia essa modalidade pela televisão, mas com um ano de treinamento conseguiu o índice para o Campeonato Mundial de Atletismo Júnior e a partir daí dedicou-se exclusivamente ao salto com vara. [4] Ela se mudou de Campinas para São Paulo e passou a integrar a equipe da BM&F (Bolsa de Mercadorias e Futuros), bolsa de valores mercantil que montou uma das maiores equipes brasileiras de atletismo. Deixou na cidade natal a família e as fotografias de seus ginastas norte-americanos favoritos. [5]

Por uma grande coincidência, Fabiana descobriu, anos depois, que sua grande rival e amiga e o maior nome de sua prova, a bicampeã olímpica e recordista mundial russa Yelena Isinbayeva, também começou no esporte praticando ginástica artística e passou para o salto com vara pelo mesmo problema, altura e idade limite para aquele esporte, as duas fazendo isto na mesma época, a milhares de quilômetros e metade do mundo de distância.[5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Entre 1998 e 2000, foi tricampeã sul-americana júnior da prova, atingindo um recorde pessoal de 3,90 m. Passou então para o adulto, dando grandes esperanças ao atletismo brasileiro, mas subitamente suas marcas pararam de melhorar quando trocou de categoria. Isso se deu a dois fatos combinados: ela começou a cursar Fisioterapia na faculdade dedicando um tempo bem menor aos treinamentos e seu novo conselheiro técnico, o russo Vitaly Petrov (ex-técnico de Sergei Bubka) recomendou que ela mudasse completamente sua técnica, durante treinos feitos na Rússia, com a qual Fabiana teve que se acostumar por dois anos. [5] Formou-se em 2004 mas nunca exerceu a profissão.

Em 2003, apesar de não conseguir índice para o Jogos Pan-americanos de Santo Domingo, ultrapassou a marca dos 4 metros pela primeira vez e no ano seguinte elevou-a para 4,25 m; não pode, porém, participar dos Jogos de Atenas 2004 porque a Confederação Brasileira de Atletismo exigiu que ela ultrapassasse a marca uma segunda vez o que ela não conseguiu. Em 2005, mesmo depois de sofrer rompimento dos ligamentos do pé esquerdo, o da impulsão, ao cair no colchão durante um treino,[6] saltou 4,40 m, recorde brasileiro, e conseguiu uma vaga para o Mundial de Helsinque 2005, onde igualou a mesma marca mas insuficiente para chegar à final. O ano de 2006 foi o ano de Fabiana Murer despontar no circuito internacional. Ela quebrou o recorde sul-americano (4,55 m ) e derrotou uma das maiores saltadoras do mundo, a polonesa Monica Pyrek, no GP de Monte Carlo, elevando sua marca para 4,66 m; nesta competição chamou a atenção de todos por disputar a prova usando óculos escuros. [5] Igualou a marca semanas depois no GP da Bélgica, etapa da Diamond League.[7]

No início de 2007 quebrou o recorde sul-americano indoor (4,66 m), a mesma marca que então tinha ao ar livre, e em julho conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, onde quebrou o recorde da competição saltando 4,60 m, na frente do público brasileiro;[7] semanas depois foi sexta colocada no Campeonato Mundial de Osaka 2007, saltando 4,65 m, apenas 1 cm abaixo de sua melhor marca pessoal.

Com vistas à preparação para os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, Fabiana passou por um período de treinamento em Fórmias, na Itália, sob os cuidados de Vitaly Petrov. Sua participação em Pequim 2008, porém, foi desastrosa; classificada para a final, uma de suas varas favoritas e específicas para determinada altura desapareceu de seu saco de varas, fazendo-a perder totalmente a concentração para os saltos. Fabiana tentou até interromper a prova, reclamando com os árbiros e postando-se na frente da atleta chinesa Gao Shuying, impedindo-a de saltar e exigindo que sua vara fosse encontrada; sem nada conseguir, com a concentração e a vara específica para saltar acima de 4, 60 m perdidas, ela falhou nas três tentativas de superar os 4,65 m e terminou apenas em 10º lugar.[8] Naquela mesma noite após a prova, sua vara foi encontrada junto com as varas de outras atletas eliminadas.[9] O Comitê Organizador dos Jogos enviou uma carta à delegação brasileira pedindo desculpas formais pelo incidente.[10]

Fabiana Murer comemorando o título mundial em Daegu, 2011.

No Campeonato Mundial de Atletismo em Pista Coberta de 2010, em Doha, Fabiana realizou a até então melhor campanha de sua carreira, ao se tornar campeã mundial indoor do salto com vara, saltando 4,80 m, a primeira atleta brasileira campeã em pista coberta.[11] No mesmo ano venceu a prova no Meeting de Atletismo de Zurique, na Suíça, com 4,81 m, e conquistou o título da IAAF Diamond League, feito antes conseguido apenas por Maurren Maggi, Zequinha Barbosa, Robson Caetano e Claudinei Quirino.[12] Neste ano, um dos melhores de sua carreira, terminou como a 2ª melhor atleta do mundo na modalidade, tanto em pistas cobertas quanto ao ar livre.[13]

No Campeonato Mundial de Atletismo de 2011, em Daegu, na Coreia do Sul, Fabiana Murer realizou feito histórico ao ser campeã, derrotando a recordista mundial e bicampeã olímpica Yelena Isinbayeva, a campeã mudial Anna Rogowska e toda a elite do esporte presente, igualando o recorde sul-americano com 4,85m. Essa foi a primeira medalha de ouro do Brasil em Campeonatos Mundiais da IAAF.[14]

No mesmo ano, ao participar dos Jogos Pan-americanos de 2011, em Guadalajara, no México, foi surpreendida pela cubana Yarisley Silva, que até 2010 tinha como melhor marca apenas 4,70m, ultrapassada apenas uma única vez, mas em Guadalajara conseguiu saltar 4,75m, batendo o recorde de Cuba e o da competição. Fabiana, embora tenha feito a boa marca de 4,70m – 10 cm acima de seu próprio recorde pan-americano anterior na Rio 2007 – ficou apenas com a medalha de prata, numa dos maiores revezes brasileiros do Pan de 2011. [15]

Apesar das altas expectativas geradas para Londres 2012, sua segunda participação em Jogos Olímpicos acabou se tornando tão frustante quanto a primeira. Se em Pequim 2008 a culpa foi das varas sumidas, em Londres foi "o vento". Fabiana foi eliminada ainda na fase de classificação, ao não conseguir superar os 4,50m nas três tentativas, segundo ela por causa do vento que a todo momento durante seus saltos mudava de direção e força, prejudicando a corrida e a impulsão. Mesmo assim, ela admitiu ser a culpada por seu baixo rendimento na mais importante competição esportiva do mundo, alegando que realmente "estava saltando muito mal".[16]

Depois de um 5º lugar no Campeonato Mundial de Atletismo de 2013, em Moscou, onde viu a rival e amiga Isinbayeva voltar ao topo da prova conquistando o título mundial pela quarta vez, [17] terminou o ano de 2014 como a nº1 do mundo no ranking da IAAF, depois de vencer novamente o circuito da Diamond League.[3] Em 2015, encerrou a temporada em pista coberta na Europa com um 3º lugar no XL Galan Meeting, em Estocolmo, quando estabeleceu novo recorde sul-americano indoor com 4.83m[18] e um 2º lugar no Sainsbury's Indoor Grand Prix, em Birmingham, com 4,70m. [19]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Fabiana Murer é casada com seu treinador, Elson Miranda, desde 2010, e pretende se retirar do atletismo depois da Rio 2016 para cuidar da vida particular.[20]

Principais resultados[editar | editar código-fonte]

2015
Silver medal icon.svg – Sainsbury's Indoor Grand Prix – indoor – Birmingham
Bronze medal icon.svg – XL Galan Meeting – indoor – Estocolmo (recorde sul-americano)
2014
Gold medal icon.svgDiamond Leaguevenceu as etapas de Nova York, Glasgow, Mônaco e Zurique
Gold medal icon.svgJogos Sul-AmericanosSantiago do Chile
Gold medal icon.svg – Sainsbury's Anniversary Games – Londres
Gold medal icon.svg – Pole Vault Stars – Donetsk
2013
Bronze medal icon.svgDiamond League
Gold medal icon.svgTroféu BrasilSão Paulo
2012
Silver medal icon.svgDiamond Leaguevenceu as etapas de Nova York e Eugene
Gold medal icon.svg – Gugl Games – Linz
2011
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de AtletismoDaegu (recorde sul-americano)
Silver medal icon.svgJogos Pan-americanosGuadalajara
Bronze medal icon.svgDiamond Leaguevenceu a etapa de Oslo
Gold medal icon.svgCampeonato Sul-Americano de AtletismoBuenos Aires
Gold medal icon.svgGP Brasil de AtletismoRio de Janeiro
Gold medal icon.svg – Millrose Games – Nova York
2010
Gold medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo em Pista Coberta – indoor – Doha
Gold medal icon.svgDiamond Leaguevenceu as etapas de Roma, Eugene, Mônaco e Zurique
Gold medal icon.svgCopa do Mundo de AtletismoSplit
Gold medal icon.svgCampeonato Ibero-Americano de AtletismoSan Fernando (recorde sul-americano)
Gold medal icon.svgGP Brasil de AtletismoRio de Janeiro
Gold medal icon.svgTroféu BrasilRio de Janeiro
Gold medal icon.svg – Meeting de Stuttgart – Stuttgart
Gold medal icon.svg – Grand Prix Indoor de Birmingham – indoor – Birmingham
2009
Gold medal icon.svg – Final Mundial do Atletismo – Tessalônica
Gold medal icon.svgGP Brasil de AtletismoBelém
Gold medal icon.svgTroféu BrasilRio de Janeiro
2008
Bronze medal icon.svgCampeonato Mundial de Atletismo em Pista Coberta – indoor – Valência
Gold medal icon.svgTroféu BrasilSão Paulo
2007
Gold medal icon.svgJogos Pan-americanosRio de Janeiro
Gold medal icon.svgCampeonato Sul-Americano de AtletismoSão Paulo
Gold medal icon.svgTroféu BrasilSão Paulo
2006
Silver medal icon.svgCopa do Mundo de AtletismoAtenas
Gold medal icon.svg – GP de Monte Carlo – Mônaco
Gold medal icon.svgGP Brasil de AtletismoBelém
Gold medal icon.svgTroféu BrasilSão Paulo
2005
Silver medal icon.svgCampeonato Sul-Americano de AtletismoCáli
Gold medal icon.svgTroféu BrasilSão Paulo
2001
Gold medal icon.svgTroféu BrasilRio de Janeiro

Prêmios[editar | editar código-fonte]

2011
2010
  • Atleta do Ano – Prêmio Brasil Olímpico – Comitê Olímpico Brasileiro [21]

Referências

  1. Com melhor marca do ano, Fabiana é ouro no Ibero-Americano, na Espanha globoesporte.com. Visitado em 22/02/2015.
  2. Fabiana Murer é bronze na Suécia; etíope bate recorde mundial indoor Folha de S Paulo. Visitado em 22/02/2015.
  3. a b Costa, Guilherme. Relembre o ano do esporte olímpico em 50 pílulas globoesporte.com. Visitado em 22/02/2015.
  4. Entrevista com Fabiana Murer Esporte Essencial. Visitado em 22/02/2015.
  5. a b c d Fabiana Murer profile IAAF. Visitado em 22/02/2015.
  6. LUTA E SUPERAÇÃO NOS BASTIDORES Luciana Murer Oficial. Visitado em 23/02/2015.
  7. a b Fabiana Murer UOL Esportes. Visitado em 22/02/2015.
  8. Women Pole Vault Athletics Olympic Games 2008 Beijing todor66.com. Visitado em 22/02/2015.
  9. Vara de Fabiana Murer, enfim, é achada globoesporte.com. Visitado em 22/02/2015.
  10. Organização pede desculpas à Fabiana Murer globo.com. Visitado em 23/02/2015.
  11. Fabiana Murer aproveita novo fracasso de Isinbayeva e leva ouro no Mundial Indoor globoesporte.com. Visitado em 22/02/2015.
  12. Fabiana Murer desbanca rivais na Suíça e é campeã da Diamond League globoesporte.com. Visitado em 22/02/2015.
  13. GP Brasil Caixa terá 67 atletas ranqueados entre os melhores do mundo Confederação Brasileira de Atletismo. Visitado em 22/02/2015.
  14. Fabiana Murer conquista o primeiro ouro da história do país em Mundiais globoesporte.com. Visitado em 23/02/2015.
  15. Fabiana sofre revés surpreendente
  16. Fabiana Murer reclama do vento, mas assume culpa por eliinação precoce Folha de S Paulo. Visitado em 23/02/2015.
  17. results IAAF. Visitado em 23/02/2015.
  18. Fabiana Murer leva bronze em Estocolmo, na Suécia Portal Brasil. Visitado em 23/02/2015.
  19. Event Schedule British Athletics. Visitado em 23/02/2015.
  20. Fabiana Murer se aposentará após Jogos do Rio Band. Visitado em 23/02/2015.
  21. a b Prêmio Brasil Olímpico homenageia melhores do ano nesta terça-feira, no Rio EBC - Empresa Brasil de Comunicação. Visitado em 24/02/2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]