Igreja Ortodoxa Copta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
Igreja copta em Amã, Jordânia

A Igreja Ortodoxa Copta, de acordo com a tradição, foi estabelecida pelo apóstolo Marcos no Egipto em meados do século I (aproximadamente no ano 60). É uma igreja não-calcedoniana, isto é, uma igreja cristã que não está em comunhão com a Igreja Ortodoxa nem com a Igreja Católica.

É a igreja cristã nacional do Egipto (Copta significa egípcio) e uma das igrejas da Ortodoxia Oriental mais antigas do mundo. É governada pelo seu líder (o Papa Tawadros II de Alexandria), juntamente com o seu Sínodo.

História[editar | editar código-fonte]

Bíblia escrita na língua copta.
Altar copta.

Os primeiros cristãos no Egipto eram principalmente judeus de Alexandria, tais como Teófilo, a quem São Lucas dirige o capítulo introdutório do seu evangelho. Quando a Igreja foi fundada por São Marcos, durante a época do imperador romano Nero, um grande número de egípcios, contrariamente a gregos e judeus, abraçou a fé cristã. Esta espalhou-se pelo Egipto em poucas décadas, tal como se pode verificar nos escritos do Novo Testamento encontrados em Bahnasa, no Egipto Médio, e que datam de cerca do ano 200, e de um fragmento do Evangelho segundo São João, escrito em língua copta, encontrado no Egipto Superior e datado da primeira metade do século II.

Concílio de Niceia[editar | editar código-fonte]

No século IV um presbítero vindo do que é hoje a Líbia, chamado Arius, iniciou uma discussão teológica sobre a natureza de Jesus Cristo que se espalhou por toda a Cristandade. O Concílio de Niceia (325), convocado pelo imperador Constantino para resolver a questão levou à formulação do Credo de Niceia, ainda hoje recitado por todos os cristãos, e cujo autor é Santo Atanásio

Concílio de Calcedónia[editar | editar código-fonte]

Após o Concílio de Calcedónia (451), as igrejas não-calcedonianas (incluindo a Igreja Ortodoxa Copta) separaram-se das restantes igrejas cristãs por causa das suas características miafisistas. Este cisma perdura até agora.

Igreja Católica Copta[editar | editar código-fonte]

Em 1741, um grupo de coptas, liderados por um bispo, separaram-se da Igreja Ortodoxa Copta, para poderem entrar em comunhão plena com a Igreja Católica. Este grupo deu por isso origem à Igreja Católica Copta, que tem a sua sede no Cairo.

Igrejas Ortodoxas Etíope e Eritréia[editar | editar código-fonte]

Desde os primórdios da Igreja Ortodoxa Copta, a grande maioria dos cristãos etíopes e eritreus estava sob a jurisdição do Papa da Igreja Copta.

No caso da Etiópia, desde o século IV até 1959, o Papa de Alexandria, como Patriarca de Toda a África, sempre indicou um egípcio (copta) para ser Abuna, ou Arcebispo da Igreja Etíope. Porém, em 1959, a Igreja Ortodoxa Etíope (que tem actualmente 40 a 45 milhões de fiéis) obteve finalmente o direito de ter o seu próprio Patriarca, tornando-se assim autocéfala e independente da Igreja Ortodoxa Copta.

A Igreja Ortodoxa Eritréia (que tem actualmente cerca de 2,5 milhões de crentes) tornou-se também autocéfala e independente em 1998, com a consagração do primeiro Patriarca eritreu pelo Papa de Alexandria.

Embora as igrejas Copta, Etíope e Eritréia serem independentes umas das outras, elas estão ainda em comunhão total umas com as outras. Por isso, as igrejas Etíope e Eritréia reconhecem a supremacia honorária do Papa de Alexandria e, consequentemente, a necessidade dos seus respectivos Patriarcas, antes da sua entronização, de receberem a aprovação do Sínodo da Igreja Copta, que é a Igreja-Mãe das igrejas Etíope e Eritréia.

Igreja Copta actual, em crescimento[editar | editar código-fonte]

Distribuição mundial dos ortodoxos coptas.

O número de cristãos fiéis à Igreja Copta é de cerca de 16 milhões, estando distribuídos principalmente pelo Egito (8 a 12 milhões). A igreja Copta, apesar dos conflitos atuais no país, tem crescido. Segundo representante da E3 Partners muitos muçulmanos têm se convertido em segredo. "Eles [islâmicos] procuram os cristãos em segredo, aprendem mais sobre Jesus, começam a ler a Bíblia e se convertem. Hoje, isso é algo comum", [1]

Os coptas celebram o Natal em 7 de Janeiro. Um costume curioso da Igreja Copta é que, em muitas missas, ainda reza-se e lê-se em copta, a língua original do Antigo Egito. A Igreja é uma das poucas culturas que mantêm viva a língua egípcia original (ou copta), sendo que, com os vários atentados contra a Biblioteca de Alexandria e a influência de outras línguas (principalmente a grega) na antiguidade, a língua foi sendo esquecida aos poucos e, logo, tornou-se incompreensível. Porém, a Igreja Copta mantem viva a língua copta graças a seus ritos litúrgicos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Igreja Ortodoxa Copta

Referências

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{subst:f-referências}}.

Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Ícone de esboço Este artigo sobre Cristianismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.