Igreja Ortodoxa Grega de Antioquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}

A Igreja Ortodoxa Grega de Antioquia (em grego: Πατριαρχεῖον Ἀντιοχείας, Patriarcheîon Antiocheías; em árabe: بطريركية أنطاكية وسائر المشرق للروم الأرثوذكس, Baṭriyarkiyya Anṭākiya wa-Sāʾir al-Mashriq li'l-Rūm al-Urthūdhuks) é uma igreja cristã ortodoxa grega autocéfala, parte da comunhão do cristianismo ortodoxo. Chama-se Ortodoxia ao grupo de igrejas orientais cristãs que aceitam somente os primeiros sete concílios ecumênicos. Encabeçada pelo patriarca ortodoxo grego de Antioquia, considera-se a sucessora da comunidade cristã fundada em Antioquia pelos apóstolos Pedro e Paulo.

História[editar | editar código-fonte]

Ao iniciar-se, porém, a perseguição judaica contra os cristãos, como lemos no livro dos Atos dos Apóstolos (Atos dos Apóstolos 7, 54-8,4) e o derramamento do sangue do primeiro mártir por Cristo, o diácono Santo Estêvão, aproximadamente pelo ano 32., muitos cristãos deixaram Jerusalém e se dispersaram por toda a Judeia, Samaria, Antioquia e outras regiões, anunciando o 'o, e assim foram se formando as primeiras Comunidades, promovidas, posteriormente, a sedes episcopais e, por sua importância, patriarcais.

Sabe-se que os cristãos foram perseguidos tanto pelas autoridades judaicas, quanto pelo Império Romano que os via como praticantes de uma religião "não-autorizada", ilegal, razão pela qual os mesmos não tinham liberdade de culto, realizando suas reuniões nas casas e junto aos túmulos dos mártires (catacumbas).

Entrementes, a fé no Filho de Deus já havia chegado à Acaia, hoje Grécia, e à capital do império, Roma. Tal situação, com maior ou menor rigor, perdurou até o ano 313, quando o Imperador Constantino, o Grande, pelo Édito de Milão, concedeu liberdade religiosa a todos. O mesmo imperador Constantino fundou a cidade de Constantinopla (cidade de Constantino), onde antes existia o sítio de Bizâncio, na Ásia, onde hoje está a cidade de Istambul, na Turquia, cidade para a qual transferiu a sede do império, razão pela qual passou-se a falar em Império Bizantino, o Império Romano do Oriente, sob franca influência da cultura helênica. Constantinopla foi chamada "a nova Roma".

Já então a administração da Igreja estava estruturada, tendo à frente os Bispos, Presbíteros (Padres) e Diáconos, como atestou Santo Inácio de Antioquia pelo ano 107. A partir de então, com a liberdade e oficialização concedidas pelo Império, a Igreja passou a se fortalecer e definir liturgicamente, passando, ainda, a enviar missionários aos não-cristãos.

A Igreja Cristã oriental foi profundamente marcada, de forma geral, pela época em que era a Igreja oficial do império.

Em 381 foi conferido ao Arcebispo da sede imperial, Constantinopla, o primado de honra e o título de Patriarca, colocando-o, em honra, logo depois do Bispo de Roma, e em 451 recebeu a igualdade em honra e primazia em relação ao mesmo. Finalmente, em 587 recebeu o título de Patriarca Ecumênico.

A par a Igreja de Constantinopla, as Comunidades Cristãs mais antigas, ou seja, as Igrejas de Jerusalém, Alexandria e Antioquia estavam igualmente organizadas quanto à hierarquia e corpo doutrinário, em comunhão com as igrejas irmãs.

Os Concílios Ecumênicos[editar | editar código-fonte]

Desde cedo a autoridade na Igreja foi exercida de forma colegiada, a exemplo do que fizeram os próprios apóstolos que convocaram o primeiro Concílio da história da Igreja (Atos dos Apóstolos 15, 5-21), na cidade de Jerusalém, no ano 49, para resolver a polêmica judaizante, na qual se decidiu desobrigar os cristãos das práticas judaicas.

E foi assim que a Igreja passou a dirimir dúvidas doutrinárias suscitadas pelo surgimento de ensinos errôneos, chamados heresias, com a convocação de Concílios Ecumênicos, assim chamados por contarem com a participação de representantes da Igreja em todo o mundo cristão e terem autoridade sobre todos os cristãos.

Foram em número de sete os Concílios Ecumênicos, pois após o sétimo a Igreja já havia sofrido a triste divisão Oriente-Ocidente e as assembleias eclesiásticas não mais teriam caráter e autoridade universais, pois o termo "ecumêne" se refere a "toda a terra habitada", aplicando-se o termo, à época, a "todo o território do império".

Em 325, na cidade de Niceia, se reuniu o Primeiro Concílio Ecumênico, para analisar as ideias de Ário (arianismo), sacerdote líbio radicado em Alexandria, que punha em questão a identificação plena de Deus em Cristo, afirmando que Jesus não era Deus "de forma perfeita". O Concílio proclamou, contra Ário, que Jesus Cristo era "da mesma natureza" que Deus Pai.

Em 381, na cidade de Constantinopla, realizou-se o Segundo Concílio Ecumênico para esclarecer a fé na Santíssima Trindade, estabelecendo os artigos do Credo (Profissão de Fé) que se havia preparado em Niceia, dando-lhes formulação mais ampla e definitiva (este é o Credo Niceno-Constantinopolitano, recitado nas liturgias ortodoxas até nossos dias). Pronunciou-se este Concílio contra Macedônio, Arcebispo de Constantinopla, que dizia ser o Espírito Santo uma criatura de Deus, como os anjos. Destacou-se nesse Concílio a participação de três grandes Santos Padres: Basílio Magno, Gregório de Nissa e Gregório Teólogo (Nazianzeno).

O Terceiro Concílio Ecumênico realizou-se na cidade de Éfeso, no ano 431 e condenou o nestorianismo, doutrina errônea ensinada por Nestório, sacerdote e monge sírio que chegou à sé arquiepiscopal de Constantinopla e que ensinava haver duas pessoas em Jesus, uma humana e outra divina, razão pela qual a Virgem Maria não poderia ser chamada "Mãe de Deus" (Theotokos) e sim "mãe de Cristo" (Christotokos). Os Santos Padres ali reunidos definiram claramente a única pessoa de Jesus, o Cristo, com duas naturezas perfeitamente unidas: a divina e a humana, daí falar-se do Deus-Homem Jesus Cristo, e ser Nossa Senhora a Mãe de Deus.

Em 451 se realizou o Quarto Concílio Ecumênico em Calcedônia, que se pronunciou contra Êutiques, um monge pouco instruído, porém influente, superior de um mosteiro próximo de Constantinopla, que pregava que em Cristo existia apenas uma natureza, a divina, e que Jesus, portanto, não era uma pessoa humana e não tinha uma alma como os outros. Ele acreditava que após a Encarnação, a natureza divina tinha absorvido a natureza humana em Jesus. Essa heresia da "natureza única" ficou conhecida como monofisismo. O Concílio afirmou a existência de duas naturezas (divina e humana) na pessoa única de Jesus, unidas sem confusão, mutação, divisão ou separação.

O Quinto Concílio Ecumênico se reuniu novamente em Constantinopla, no ano 553 e reafirmou a condenação do monofisismo.

O Sexto Concílio Ecumênico, realizado nos anos 680-681, novamente em Constantinopla, repeliu a heresia monotelita, o "monotelismo" (do grego "monos" = uma, "thelema" = vontade), proposição de que em Jesus havia apenas uma vontade, a divina, segundo o Patriarca Sérgio e o imperador de origem monofisita Heráclio.

O Sétimo Concílio Ecumênico (último), reunido em Niceia em 787, teve a incumbência de explicar e legitimar o uso e veneração dos santos ícones (imagens) contra os "iconoclastas" ("destruidores de imagens"). Tal vitória é lembrada e comemorada a cada primeiro domingo da Quaresma em todas as Igrejas Ortodoxas, chamado "Dia da Ortodoxia" ou "Dia da Vitória".

A forma colegiada de governo permanece nas Igrejas Ortodoxas, tendo cada qual seu Santo Sínodo que se reúne periodicamente sob a presidência do Patriarca ou Arcebispo Primaz, com a Participação de todos os Bispos.

O "Cisma" e a Reconciliação[editar | editar código-fonte]

A triste separação entre os cristãos do Oriente e do Ocidente, que passou à história sob o título de "Grande Cisma do Oriente" e que se concretizou no ano de 1054, trouxe a perda de comunhão daquela que, até então, era a Igreja indivisa de Cristo.

Os fatores que, num lento processo, levaram à separação do Oriente e Ocidente cristãos são vários: políticos, culturais, eclesiásticos e doutrinários.

Após aquele ano os cristãos do Oriente passaram a se denominar católicos "ortodoxos"[1] (do grego "orthos" = reto, correto e "doxa" = louvor), ou seja, aqueles que se consideram professar a fé correta; enquanto os cristãos do Ocidente passaram a ser chamados "católicos romanos" por sua ligação ao Papa de Roma.

A 7 de dezembro de 1965, o Patriarca Ecumênico Atenágoras I e o Papa Paulo VI, em documento conjunto, sustaram oficialmente as excomunhões mútuas entre as igrejas irmãs, com a criação posterior de uma Comissão de Diálogo Teológico, uma vez que a caminhada fraterna já era realidade.

Patriarcas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Uma denominação que, apesar de correta, raramente é utilizada em português. O uso do termo "católico" se tornou praticamente sinônimo de "católico romano".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]