João Acácio Pereira da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
João Acácio Pereira da Costa (bandido da luz vermelha)
Nascimento 24 de junho de 1942
Joinville,  Santa Catarina,  Brasil
Morte 5 de janeiro de 1998 (55 anos)
Joinville, Santa Catarina
Nacionalidade Brasil brasileiro
Crime(s) 4 assassinatos, 77 assaltos
Pena 351 anos, 9 meses e 3 dias (cumpriu 30 anos, pena máxima no Brasil)
Situação Assassinado

João Acácio Pereira da Costa, mais conhecido como bandido da luz vermelha (Joinville, 24 de junho de 1942 — Joinville, 5 de janeiro de 1998), foi criminoso brasileiro.[1] [2] [3] Sua história se tornou notória no Brasil, sendo inclusive exibida no Linha Direta e dando origem a dois filmes: O Bandido da Luz Vermelha e Luz nas Trevas - A Volta do Bandido da Luz Vermelha.[4] [5] [6]

Referências gerais[editar | editar código-fonte]

Sua vida de crimes inspirou o filme O Bandido da Luz Vermelha de 1968, do cineasta Rogério Sganzerla, em que foi vivido pelo ator Paulo Villaça. Apesar de ser um filme baseado em fato verídico, ele tem pouca relação com a vida de João Acácio ou de seus feitos como criminoso. E seu final (além de inúmeras outras passagens e personagens) é totalmente fictício: na trama, João Acácio (aparentemente) comete suicídio! Também foi tema do programa Linha Direta Justiça, da Rede Globo.

Virou música nas mãos do grupo de rock Ira! em Rubro Zorro, que abre o terceiro disco Psicoacústica (1988). A faixa ainda tem algumas falas do filme de Rogério Sganzerla citado acima. O cantor de horrorcore Patrick Horla também fez uma citação de sua personalidade como base para a canção "O bandido da lupa vermelha".[7]

Foi satirizado pelos humoristas do programa Hermes & Renato da MTV onde até fez um clipe com "Demo Lock MC" (uma sátira de Satanás).

"Luz nas trevas - "A volta do bandido da luz vermelha", sequência inédita do clássico do Cinema Marginal, está entre os selecionados para a competição internacional do 63º Festival de Locarno, na Suíça. O filme tem direção de Ícaro Martins e Helena Ignez, viúva de Rogério Sganzerla (diretor do original "O bandido da luz vermelha"), e é estrelado pelo cantor Ney Matogrosso. O filme foi rodado em 2009 e estreia em 2010.

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. [3]
  4. [4]
  5. [5]
  6. [6]
  7. PATRICK HORLA - Vice BR www.viceland.com. Página visitada em 29 de Abril de 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre criminosos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.