Lise Meitner

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Lise Meitner
Física
Lise Meitner em 1946
Nacionalidade Áustria Austríaca
Residência Áustria, Alemanha, Suécia e Reino Unido
Nascimento 17 de novembro de 1878
Local Viena
Morte 27 de outubro de 1968 (89 anos)
Local Cambridge
Atividade
Campo(s) Física
Instituições Sociedade Kaiser Wilhelm, Universidade de Berlim
Alma mater Universidade de Viena
Tese 1906: Wärmeleitung in inhomogenen Körpern
Orientador(es) Franz Serafin Exner e Ludwig Boltzmann[1]
Orientado(s) Arnold Flammersfeld, Wang Ganchang, Nikolaus Riehl
Conhecido(a) por Fissão nuclear
Influenciado(s) Otto Hahn
Prêmio(s) Prêmio Lieben (1925), Prêmio de Ciências Naturais da Cidade de Viena (1947), Medalha Max Planck (1949), Prêmio Enrico Fermi (1966)
Assinatura
Lise Meitner signature.svg
Notas Filha de Philipp Meitner, tia de Otto Robert Frisch.

Lise Meitner (Viena, 17 de novembro de 1878Cambridge, 27 de outubro de 1968) foi uma física austríaca que estudou radioatividade e física nuclear, tendo sido a descobridora da fissão nuclear.

Lise Meitner e Otto Hahn

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi a terceira de oito filhos de uma família judaica. Entrou na Universidade de Viena em 1901, onde foi aluna de Ludwig Boltzmann. Após o doutoramento partiu para Berlim, em 1907, para estudar com Max Planck e o químico Otto Hahn. Trabalhou com Hahn durante trinta anos, cada um dirigindo um departamento do Instituto Kaiser Wilhelm de Berlim. Hahn e Meitner colaboraram entre si no estudo da radioatividade, ela com seu conhecimento de física e ele com com seu conhecimento de química.

Em 1918 descobriram o elemento protactínio. Em 1923 Lise descobriu a transição não radioativa que passou a ser conhecida por efeito Auger, em honra a Pierre Auger, um cientista francês que descobrira independentemente o efeito, dois anos mais tarde.

Quando a Áustria foi anexada pela Alemanha em 1938, Meitner se viu forçada a fugir da Alemanha para a Suécia (via Países Baixos e Dinamarca), onde continuou seu trabalho no Instituto Manne Siegbahn em Estocolmo, porém com poucos recursos em parte devido ao preconceito de Siegbahn contra mulheres na ciência. Hahn e Straßmann deram continuidade ao trabalho iniciado anteriormente com Meitner. Hahn escrevia para Meitner descrevendo os resultados, e mais tarde encontraram-se clandestinamente em Copenhague, em novembro, para planejar uma nova rodada de experiências. As experiências químicas da evidência da fissão nuclear foram desenvolvidas no laboratório de Hahn em Berlim e publicadas em janeiro de 1939. Em fevereiro do mesmo ano, Meitner publicou através de uma carta à Revista Nature, junto com seu sobrinho Otto Frisch, quando esteve visitando-o na Dinamarca, a explicação física sobre o processo que denominou de fissão nuclear. Meitner provou que a divisão do átomo de Urânio (em átomos de Bário e Criptônio) libera energia, que por sua vez causa fissão em mais átomos liberando neutrões e assim sucessivamente, dando origem a uma série de fissões nucleares com liberação contínua de energia, num processo denominado reação em cadeia. Meitner reconheceu o potencial explosivo desse processo. Imediatamente esses resultados foram confirmados no mundo inteiro. Tal descoberta fez com que outros cientistas se juntassem para convencer Albert Einstein a escrever uma carta ao Presidente Franklin D. Roosevelt, alertando-o quanto aos perigos do Projeto Manhattan.

Em 1944 Hahn recebeu o Prêmio Nobel de Química por sua pesquisa em fissão nuclear. Meitner foi ignorada pelo comitê (Siegmann fazia parte do comitê), principalmente porque Hahn não mencionou sua participação na pesquisa desde que ela deixou a Alemanha; muito pelo contrário, ele afirmou que seus experimentos químicos foram unicamente responsáveis por tal descoberta. Ajudantes de Meitner exigiram que fosse reconhecido que ela foi a primeira a provar através de seus cálculos a fissão nuclear, contudo nao foi possível fornecer tal evidência para ajudá-la.

O erro cometido pelo instituto Nobel nunca foi reconhecido, mas parcialmente retificado em 1966, quando Hahn, Meitner e Fritz Straßmann receberam o Prêmio Enrico Fermi.

Em visita aos Estados Unidos em 1946, Meitner foi tratada como celebridade pela imprensa estado-unidense, como uma pessoa que "deixou a Alemanha com a bomba na bolsa". Meitner foi eleita a "Mulher do Ano" pelo National Women’s Press Club (EUA) em 1946, e em 1949 recebeu a medalha Max Planck da Sociedade Alemã de Físicos.

O elemento 109, o mais pesado do universo, foi nomeado "meitnério" (Mt) em sua homenagem pela IUPAC. Muitas pessoas consideram Lise Meitner a "mulher mais importante na ciência do século XX".

Participou da 7ª e 8ª Conferência de Solvay.

Religião e ética[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter sido originária e ter crescido em uma família judaica, Meitner tornou-se luterana ainda quando jovem e assim permaneceu pelo resto de sua vida. Ela não se considerava judia. Contudo, isso não impediu que não fosse perseguida pelo Regime Nazista. Ainda assim fazia objeções ao ser identificada como judia depois da guerra.

Relações no trabalho[editar | editar código-fonte]

Hans Hermann Hupfeld trabalhou no Instituto Kaiser Wilhelm, Berlin Dahlem, de 1929 até 1932 com o Prof. Otto Hahn e a Profa. Lise Meitner. Sua pesquisa durante esse período resultou na descoberta do efeito efeito Meitner–Hupfeld, que acabou fazendo parte da base de pesquisas que evoluiu para o Modelo padrão. O Prof. Hupfeld é normalmente ignorado em relatos sobre a vida e obra da Profa. Meitner apesar de seu trabalho conjunto.

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Lise faleceu em 27 de outubro de 1968 aos 89 anos. Encontra-se sepultada em St James Churchyard, Hampshire na Inglaterra.[2]

Referências


Precedido por
Max Born
Medalha Max Planck
1949
com Otto Hahn
Sucedido por
Peter Debye
Precedido por
Hyman Rickover
Prêmio Enrico Fermi
1966
com Otto Hahn e Fritz Straßmann
Sucedido por
John Archibald Wheeler


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons