Merkava

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Merkava Tanque
Merkava4-pic006.jpg
Tipo Carro de combate principal de batalha
Local de origem  Israel
História operacional
Em serviço Desde 1979
Guerras Batalha de Wadi Saluki usado pelo exército de Israel Israel, na Guerra do Líbano de 2006
Histórico de produção
Fabricante Israel Military Industries - IMI
Período de
produção
1974-presente
Quantidade
produzida
2.000
Especificações
Peso 143 298 lb (65 000 kg)
Comprimento 24,93 ft (7,6 m)
Largura 12,2 ft (3,7 m)
Altura 8,73 ft (2,7 m)
Blindagem do veículo Composta
Armamento
primário
Um Canhão de 120mm L/44 (Calibre: 120mm - Alcance estimado de 0,5 km a 5,5 km)
Armamento
secundário
Uma metralhadora de 12.7 mm Browning M2, um lançador de morteiro de 60 mm e duas metralhadoras M249 de 7,62 mm
Motor Um motor GD 883 V-12 DIESEL
1500cv
Peso/potência 23 hp/ton
Suspensão Molas helicoidais
Capacidade de combustível 1400 l
Alcance
Operacional
311 mi (501 km)
Velocidade 65 km/h estrada e 55 km/h terreno irregular

Merkava (em hebraico: מרכבה) é o principal tanque das Forças de Defesa de Israel.

Descrição[editar | editar código-fonte]

exibição de um Merkava III.

Com o conhecimento e a experiência adquiridos nas modificações de seus carros de combate, originários da França, EUA e Grã-Bretanha[1] , os israelenses decidiram criar, no final dos anos 60, o projeto de um tanque inteiramente nacional, ao qual denominaram Merkava. Os primeiros estudos datam de 1967[2] . e seguindo algumas orientações do General Israel Tal, veterano de campanhas militares, procurou-se adaptar o tanque às condições locais e eleger alguns princípios fundamentais para sua construção: primeiro e mais importante, deviam garantir ao máximo a sobrevivência da guarnição; a potência de fogo vinha em segundo lugar e a seguir a mobilidade. A primeira unidade produzida, na versão Mark 1, saiu da linha de produção em 1979. Seu desenho nada convencional, com o motor e a transmissão na frente e o compartimento de combate atrás, permitiu colocar uma porta na parte traseira, para escape em caso de emergência ou para transporte de infantaria. Espaçoso, o ambiente da tripulação estende-se de lado a lado do veículo e tem ar-condicionado, um conforto extremamente útil em combates prolongados sob elevadas temperaturas, como nos desertos. A silhueta-alvo oferecida pelo Merkava é a mais baixa possível, com a parte frontal angulosa e a torre apresentando uma pequena seção transversal projetando-se para trás. Isto lhe dá um perfil muito baixo, que lhe permite permanecer virtualmente oculto no deserto, onde há pouca cobertura natural.

Sua espessa blindagem é fundida e soldada sob rigorosos testes de resistência, oferecendo proteção adequada contra explosivos incendiários de fósforo, HEAT e HESH. Saias laterais blindadas protegem a suspensão.O armamento principal é um canhão de 120mm, desenvolvido pela IMI (Israel Military Industries Ltd.), que utiliza cargas HEAT, HESH, APDS e APFSDS. Um morteiro de 60 mm, lançadores de fumaça e três metralhadoras de 7,62 mm constituem o armamento secundário. Um estabilizador de quatro posições (duas giratórias e duas elevatórias), um computador balístico de controle digital, um telêmetro a laser e um periscópio de 360°, com ampliação de 4 a 20 vezes, constituem o sistema de controle de tiro do Merkava, que conta ainda com imageadores termais para operações noturnas.

A mais recente versão deste tanque foi apresentada pelo Ministério da Defesa de Israel, em junho de 2002, o Merkava Mk4, com novos sistemas eletrônicos, motor mais potente, blindagem e canhão aperfeiçoados, devendo estar operacional em 2004, com uma encomenda inicial de 400 unidades. Um pouco mais largo que o Merkava Mk3, em atividade desde 1990, o Mk4 pode transportar oito soldados de infantaria, uma equipe de comandos ou três macas com feridos. Impulsionado por um motor GD 883 V-12 a diesel, fabricado pela General Dynamics americana, de 1500 hp, representa um acréscimo de 25% na potência em relação ao seu antecessor. Está preparado para resistir a impactos de mísseis ar-superfície, lançados de helicópteros, ou modernas armas antitanque de ataque a parte superior do veículo. Conta com detectores e extintores automáticos de incêndio, placas metálicas adicionais na parte de baixo contra minas e proteção contra contaminação NBC.

O Merkava Mk.IV ou Merkava-4 constitui a 4ª e mais recente versão do Merkava, é também a mais sofisticada do ponto de vista tecnológico e a mais blindada de todas.

O Merkava-4, entrou ao serviço no ano 2004, incluindo um número de modificações e novidades, além de modificações que foram sendo incluidas nos modelos do Merkava-3.

Enquanto o Merkava-2 é visto como uma modernização do Merkava-1, o Merkava-4 é visto como um tanque com muito maior grau de modificações e diferenças relativamente ao modelo anterior. Ele é mesmo anunciado como um tanque completamente diferente.

A aparência exterior não é muito diferente dos seus antecessores com o motor MTU de origem alemã (fabricado sob licença pela General Dynamics) a ocupar grande parte da área frontal do tanque. O motor é controlado e monitorizado por um computador, que apresenta os dados num monitor. O novo motor permitiu que a parte frontal do tanque seja mais lisa o que permite um melhor campo de visão para o condutor.

Desde a guerra no Líbano em 1982, que o maior medo dos militares das unidades blindadas de Israel eram os helicópteros antitanque. Por isso o novo canhão de 120mm também tem capacidade para disparar mísseis antitanque do tipo LAHAT O tanque está também equipado com duas metralhadoras calibre 7,62 mm. Uma montada coaxialmente ao canhão e a outra no topo da torre. Além destas armas o Merkava também está equipado com um morteiro de retrocarga de 60mm.

Historia e Variações[editar | editar código-fonte]

Os veículos Merkava, nasceram da necessidade premente de Israel obter veículos blindados modernos e de se tornar independente da possibilidade de boicotes internacionais de armamentos, numa área considerada vital pelos estrategistas de Israel.

Quando em 1973 na Guerra do Yom Kippur, se tornou evidente que os modelos de tanques em serviço eram relativamente frágeis perante as novas armas portáteis antitanque do tipo LGF (Lança Granada-Foguete) como o RPG-7 o projeto do Merkava, passou a ser considerado como da maior prioridade.

O objetivo era produzir um carro de combate que seguisse a tradição dos tanques britânicos, com pesada blindagem, abrindo mão da velocidade, até porque num país tão pequeno como Israel não há espaço para grandes movimentações defensivas.

O Merkava[3] , incluiu também a possibilidade de transportar um pequeno grupo de infantaria, pois o fato de ter um motor à frente passou a permitir o acesso ao veículo através de uma porta traseira por onde os infantes podem entrar ou saír, sem ter que utilizar os acessos na torre onde ficam muito mais expostos.

O Merkava sofreu alterações e modificações nos anos seguintes, tendo como objetivo aumentar a sua blindagem e capacidade de combate.

Merkava Mark II em Yad La-Shiryon.

A versão Mk.II[4] foi lançada com algumas modificações ao nível da blindagem, e com uma metralhadora adicional para defesa antiaérea.

Um Merkava Mark IV em ação.

Mais radicais foram as modificações introduzidas na versão Mk.III[5] [6] porque um novo motor e um novo canhão com calibre 120mm e uma torre com controle elétrico substituindo o controle hidraulico constituíram alterações significativas.

Merkava Mark IV mostrado ao público em Yad La-Shiryon durante Dia da Independência de Israel em 2002.

Até 2007, a última modificação significativa do Merkava, é a versão Mk.IV.[7]

Nessa versão, é mantida a mesma peça de 120mm, mas têm lugar consideraveis modificações na blindagem, nomeadamente com o perfil da torre, destinado a permitir resistir mesmo aos mais modernos dispositivos antitanque.

No entanto, e embora a blindagem do veículo seja excelente, ele não é invulneravel, como ficou claro durante o conflito no Líbano, onde algumas unidades foram destruidas por explosivos colocados no solo.

Embora alguns veículos Merkava tenham sido danificados por armas antitanque, eles foram recuperados, o que demonstra a sua qualidade de construção.

Mas o fato de alguns terem de fato sido colocados fora de combate, leva a que presentemente (2007) as autoridades militares de Israel, considerem a possibilidade de não prosseguir com maiores desenvolvimentos neste veículo.

Blindagem Modular e Cambiavel[editar | editar código-fonte]

A blindagem do Merkava 4 é alegadamente composta por novos materiais cujo desenvolvimento é exclusivo para este tanque. A blindagem é híbrida e modular, o que quer dizer que a blindagem do tanque é composta tanto por elementos passivos (componentes cerâmicos e metálicos) conjuntamente com módulos de blindagem reativa que pode impedir a perfuração por armas antitanque portáteis. A blindagem modular permite que os módulos de blindagem transportados para o campo de batalha possam ser trocados, consoante a análise que os comandantes fizerem da ameaça que vai ser enfrentada.

Todos os quatro membros da tripulação, têm à sua frente um monitor de computador, que lhes fornece dados sobre a sua função específica e o comandante tem a possibilidade de aceder a todos esses dados.

Principal Utilizador[editar | editar código-fonte]

Merkava Mark IV da brigada 401 durante um exercício de treinamento.
  • Merkava Mk.1 - Qtd: Máx: 600 - Qtd. em serviço: 0 Convertidos Mk.2
  • Merkava Mk.2 - Qtd: Máx: 1.000 - Qtd. em serviço: 0 Convertidos Mk.3
  • Merkava Mk.3 - Qtd: Máx: 1.350 - Qtd. em serviço: 1.350
  • Merkava Mk.4 - Qtd: Máx: 400 - Qtd. em serviço: 350
  •  Israel
  • Designação Local: Merkava 4
  • Qtd: Máx: 400 - Qtd. em serviço: 350
  • Situação: Em serviço

A última versão do Merkava, entrou ao serviço no ano 2004. O veículo foi entregue às mais importantes unidades blindadas do exército daquele país.

A primeira prova de fogo do Merkava-IV ocorreu em 2006 durante o conflito que colocou frente a frente o exército de Israel e as forças do movimento integralista islâmico Hezbollah.

No tipo de conflito em que se envolveu, a blindagem do Merkava parece ter passado relativamente bem o teste, embora não sem vítimas.

A capacidade da blindagem do Merkava ficou provada quando em alguns encontros, tropas de Israel ficaram cercadas e os feridos tiveram que ser evacuados utilizando tanques Merkava, que eram os que melhor resistiam aos tiros inimigos.

No entanto os Merkava não são adequados para o tipo de conflito em que foram envolvidos. Em combates rua a rua e casa a casa, é possível criar armadilhas, com grandes quantidades de explosivos do tipo EMP, que se devidamente dissimulados podem colocar um Merkava fora de ação.

Este tipo de ataque é no entanto extremamente dificil de efetuar e de prever. Numa guerra de movimentos de blindados, em que os carros de combate avancem e deixem para a artilharia o tratamento de bolsas de resistencia o Merkava será provavelmente dos tanques mais eficientes do mundo.

Referências

  1. Israel: U.S. Foreign Assistance (PDF). Congressional Research Service. Página visitada em 2008-07-08.
  2. Merkava series. War Online. Página visitada em 2008-07-04.
  3. Merkava Mk 1. Israeli-Weapons. Página visitada em 10/02/2010.
  4. Merkava Mk 2. Israeli-Weapons. Página visitada em 10/02/2010.
  5. Merkava Mk 3. Israeli-Weapons. Página visitada em 10/02/2010.
  6. [1]
  7. Merkava Mk4 Detailed. Defense Update.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Merkava


Ícone de esboço Este artigo sobre Veículos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.