Pós-marxismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O pós-marxismo é uma corrente de pensamento que propõe a teoria de que o social é constituído discursivamente.

Contudo, para seus representantes, isso não significaria uma redução idealista do social e material à linguagem ou ao pensamento, que a consideram uma teoria realista e materialista, e em certa relação de continuidade e superação com relação ao materialismo histórico de Karl Marx, ao propor a inexistência independente do homem de "um mundo exterior ao pensamento". Mas, com Marx e grande parte da filosofia contemporânea, rejeitam todo dualismo ou "essencialismo" que implique a incomunicação entre homem e mundo, sujeito e objeto, discurso e realidade.

O pós-marxismo é, contudo, uma revisão do pensamento marxista e não sua atualização. De fato, em alguns aspectos vai na direção oposta como, por exemplo, a superposição do político diante da importância que teve a ciência para grande parte do marxismo clássico.

As críticas a essa corrente, que possui entre seus maiores representantes Ernesto Laclau e Chantal Mouffe, residem justamente em sua desconexão com áreas centrais do que foi o marxismo clássico. Algumas delas:

  • Renúncia à ideia de totalidade, presente no marxismo estrutural.
  • Fim da superposição do conflito de classes sobre outros conflitos como as lutas de gênero, étnicas, culturais, etc.
  • Promoção da abertura das sociedades civis e defesa da democracia como valor universal.

Com a crítica à ideologia, também se promove o valor da multitude. Alguns identificam grande parte dessas teses com a desconstrução de Jacques Derrida. Significaria uma ligação com as transformações múltiplas que afetam a chamada sociedade pós-moderna e cujo aspecto mais visível é a globalização e a sociedade de risco.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Vários autores "Posmarxismo: en los márgenes del marxismo" Universidad ARCIS, Santiago de Chile, agosto de 2002.
  • Atilio Borón: "¿Posmarxismo? Crisis, recomposición o liquidación del marxismo en la obra de Ernesto Laclau" (1996), en Tras el búho de Minerva. Mercado contra democracia en el capitalismo de fin de siglo; Bs. As., México, etc.: CLACSO y Fondo de Cultura Económica, 2000.
  • Ernesto Laclau y Chantal Mouffe, Hegemonía y estrategia socialista. Hacia una radicalización de la democracia, Madrid, Siglo XXI editores, 1987.
  • Ernesto Laclau, «Discurso, hegemonía y política: Consideraciones sobre la crisis del marxismo» en VVAA., Los nuevos procesos sociales y la teoría política contemporánea, México, Siglo XXI editores, 1986.
  • Ernesto Laclau, Deconstrucción, Pragmatismo y Hegemonía, en Deconstrucción y Pragamatismo, Chantal Mouffe (comp.), Buenos Aires, Paidos, 1998.
  • Paul Edward Gottfried. La extraña muerte del marxismo. [S.l.]: Ciudadela Libros (ed.), 2007. ISBN 978-84-96836-00-6.
  • Stephen Shenfield. VLADISLAV BUGERA: PORTRAIT OF A POST-MARXIST THINKER

Ver também[editar | editar código-fonte]