P-brana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Teoria das cordas
Calabi-Yau.png
Teoria das supercordas
Conceitos
Cordas · Branes
Variedade de Calabi-Yau
Álgebra de Kac-Moody
D-brane
E8 Grupo de Lie

Antes pensava-se que as partículas ocupavam um ponto individual no espaço. Porém, na Teoria das cordas as partículas são interpretadas como um modo de vibração de cordas unidimensionais. Todavia, essa teoria só pode ser consistente se o espaço-tempo possuir 11 dimensões (uma temporal e dez espaciais), e não quatro.

Não vemos essas 7 dimensões extras porque elas estariam estendidas e enroladas em um espaço menor que o Comprimento de Planck, sendo assim sua observação impossível.

As p-branas são objetos estendidos que surgem da Teoria das Cordas em p dimensões. Uma brana com p=1 é uma corda, uma brana com p=2 é uma membrana, uma brana com p=3 possui três dimensões estendidas, etc. Valores maiores que p só são possíveis em um espaço-tempo com 11 dimensões. Na maioria ou em todos os casos as dimensões p são curvadas para cima como uma rosca. Antes, se tinham 5 diferentes Teorias das Cordas, porém hoje se sabe que elas são diferentes interpretações de uma única teoria, a Teoria-M.