Plataforma (Salvador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Plataforma
—  Bairro do Brasil  —
O Sol em Plataforma.
O Sol em Plataforma.
Unidade federativa  Bahia
Região administrativa Região Subúrbios Ferroviários (RA XVII)
Município Salvador
Limites Itacaranha, Enseada do Cabrito
Fonte: Não disponível

Plataforma é um bairro de Salvador, capital do estado brasileiro da Bahia.[1] O bairro está inserido na região administrativa dos Subúrbios Ferroviários, a RA XVII, e é vizinho a Itacaranha, ao Parque São Bartolomeu e à Enseada do Cabrito.[2]

O ponto de acesso principal ao Alto do Luso onde é possível seguir dois caminhos que definem o bairro. Este dois caminhos são na verdade duas ladeiras, uma que vai em direção à praça de Plataforma, rumo a via ferroviária, e a outra que segue em direção ao Bariri, ao Conjunto Senhor do Bonfim, ao Parque Residencial Baía de Todos os Santos e aos bairros de Ilha Amarela e Alto de Santa Terezinha. De Plataforma pode-se seguir para o bairro da Ribeira através de uma lancha que liga os dois bairros, como também, pode-se seguir para o bairro da Calçada através de trem urbano ou ônibus.[carece de fontes?]

Topônimo[editar | editar código-fonte]

O nome "Plataforma" pode ter surgido pelo fato de ter existido uma balsa que se parecia com uma plataforma flutuante que fazia o percurso marítimo das pessoas daquela localidade até o bairro da Ribeira, nessa época ônibus e trens ainda não existiam ou tinham seu funcionamento precário.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bairros de Salvador
  2. http://www.desenvolvimentourbano.salvador.ba.gov.br/lei7400_pddu/conteudo/anexos/anexo_3_mapas/A0/mapa_09.pdf
  3. ROCHA, Luiz Carlos. Salvador, espaço de reprodução da "globalização perversa": plataforma no centro do debate da cidade (in)visível. In: Diálogos Possíveis, Salvador, v. 4, n. 1, p. 51-64, jan./jul. 2005. 14p. Disponível em: <http://boletimef.org/biblioteca/1283/Salvador-espaco-de-reproducao-da-globalizacao-perversa-plataforma-no-centro-do-debate-da-cidade-in-visivel>