Trem de alta velocidade no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou secção contém informações sobre uma construção futura.
É provável que contenha informações de natureza especulativa, e seu conteúdo pode mudar drasticamente.
Tower crane colorize.png


Trem de alta velocidade no Brasil
Informações
Local Região Centro-Sul,
 Brasil
Tipo de transporte Comboio de alta velocidade
Número de linhas 4 planejadas
Mapa da rede planejada

TAV2.png

O trem de alta velocidade no Brasil é um serviço planejado pelo Governo Federal do Brasil de transporte ferroviário de alta velocidade de passageiros (TAV) no país. O TAV está a cargo da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), criada originalmente sob o nome de Empresa de Transporte Ferroviário de Alta Velocidade (ETAV) especificamente para tal projeto[1] . De alto custo, o serviço é alvo de críticas, especialmente, em meio à disputa presidencial de 2014, à Grande Recessão e ao "Custo Brasil"[2] . Já foram oficialmente apresentadas quatro possibilidades de linhas, todas situadas para interligar apenas capitais e outras cidades do Centro-Sul brasileiro.

TAV Rio-São Paulo[editar | editar código-fonte]

A principal linha do TAV brasileiro é a Rio-São Paulo-Campinas, que integraria por transporte terrestre as maiores metrópoles brasileiras e a maior do interior. Suplantando o projeto estadual do Expresso Bandeirantes, já possui edital de licitação[3] .

TAV Brasília-Goiânia[editar | editar código-fonte]

A linha Brasília-Anápolis-Goiânia ganhou a denominação de "Expresso Pequi"[4] e pode ser transformado numa linha de média velocidade[5] .

Noticiado em setembro de 2009, o projeto prevê uma linha de cerca de 210 km, com trens a uma velocidade variante de 180 km/h a 200 km/h. O percurso vai de Brasília a Goiânia com uma única parada em Anápolis. Seu objetivo é desenvolver a área entre as duas capitais e criar empregos às margens da ferrovia, além da integração das duas áreas metropolitanas, unindo uma região de cerca de 7 milhões de habitantes. Será usado tanto como cargueiro como no transporte de passageiros, o trajeto será feito em aproximadamente 1 hora e 30 minutos. O custo será em torno de 1 bilhão de reais.

Em junho de 2012, foram iniciados estudos que apontarão a viabilidade de uma futura linha no mesmo trajeto, a qual no entanto seria de média velocidade, atingindo uma velocidade máxima de 150km/h e reduzindo a duração do percurso entre as duas capitais em cerca de uma hora, quando comparado ao trajeto rodoviário. Além disto, seriam servidas as cidades de Anápolis (a segunda mais populosa de Goiás) e Alexânia. A obra demandaria um investimento de aproximadamente 700 milhões de reais. [6] [7]

TAV Belo Horizonte-Curitiba[editar | editar código-fonte]

Em notícia veiculada em 13 de maio de 2008,[8] consta no Plano Nacional de Viação a construção de uma Linha de Alta Velocidade entre as cidades de Belo Horizonte e Curitiba, passando por Divinópolis, Varginha e Poços de Caldas, no estado de Minas Gerais; Campinas, São Paulo, Sorocaba, Itapetininga e Apiaí, no estado de São Paulo, e Curitiba, no estado do Paraná. Esta Linha teria 1.150 quilômetros de extensão, aproximadamente o dobro da Linha entre o Rio de Janeiro e Campinas, que passará por São Paulo, e ligaria mais de 50% de toda a produção econômica e aproximadamente mais da metade de toda a população do País. Esta Linha tem previsão de início após o término da Linha entre o Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas.

TAV Campinas-Triângulo Mineiro[editar | editar código-fonte]

Há um estudo do Governo Federal para a linha que ligará Campinas a Uberlândia. [9]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]