Caxixi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Caxixi, Dobrão e Baqueta

O caxixi é um instrumento idiofone do tipo chocalho, de origem africana[1]. É um pequeno cesto de palha trançado, em forma de campânula, pode ter vários tamanhos e ser simples, duplo ou triplo; a abertura é fechada por uma rodela de cabaça (Cucurbita lagenária).[2] Tem uma alça no vértice. Possui pedaços de acrílico, arroz, conchas ou sementes secas no interior para fazê-lo soar.

Após sua introdução no Brasil foi usado como instrumento componente das rodas de capoeira[3], complementar ao berimbau.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Oriundo da região do Congo e Angola, era ali usado com funções religiosas, em rituais e cerimônias; o berço do caxixi foi o antigo Reino do Congo, com o povo bantu, onde recebem o nome de dikasá; musicalmente, têm a função de marcar o ritmo (como os chocalhos nas baterias das escolas de samba).[2]

No Brasil, mais especificamente na Bahia, seu uso se associou ao berimbau nos toques da capoeira, em momento impreciso por falta de registros históricos: este uso conjunto do caxixi com o arco de corda (que em África possui várias conformações distintas do berimbau) não é conhecida.[2]

Toque com berimbau[editar | editar código-fonte]

A mão direita que segura a vareta entre o polegar e o indicador, segura também o Caxixi, com o médio e o anular, desta maneira, cada pancada da vareta sobre a corda é acompanhada pelo som seco e vegetal do caxixi[4].

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Em 2013, por ocasião da Copa do Mundo FIFA de 2014, o caxixi foi usado como base para a criação do instrumento nativo oficial, dando origem à caxirola[5], nome derivado da junção de caxixi com castanhola. O instrumento foi apresentado pelo músico Carlinhos Brown após parceria com empresas que fabricaram o produto. Todavia, o produto derivado do caxixi foi proibido nos eventos esportivos para os quais foi proposta sua participação[6].

Na cidade baiana de Santo Amaro existe a "Feira do Caxixi".[2]

Referências

  1. JAUED, André. «Caxixi». Mundo Percussivo. Consultado em 5 de agosto de 2015 
  2. a b c d e GALLO, Priscila Maria (2012). «Caxixi: um estudo do instrumento afro-brasileiro em práticas musicais populares na região de Salvador-BA». UFBA. Consultado em 11 de novembro de 2020 
  3. GALLO, Priscila Maria (2010). «Caxixi: um exemplar da percussão afro-brasileira e sua contribuição para reflexões de perspectiva etnomusicológica» (PDF). SIMPOM - Anais 2010 - Unirio. Consultado em 5 de agosto de 2010 
  4. DARIDO, Suraya Cristina (2007). Para Ensinar Educação Física. [S.l.]: Papirus. 240 páginas. Consultado em 5 de agosto de 2015 
  5. DÉCIMO, Tiago (Agência Estado) (5 de maio de 2013). «País quer emplacar a caxirola na Copa». Gazeta de Alagoas. Consultado em 5 de agosto de 2015 
  6. «Caxirola vetada: ministro enterra sonho bilionário de Brown». Veja. 31 de maio de 2013. Consultado em 5 de agosto de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Caxixi