Cinema da década de 2000

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O cinema da década de 2000, contrariando as previsões dos críticos temerosos com a decadência do cinema, demonstra que muitos diretores continuam com a criatividade a mil. A começar com Quentin Tarantino, que retomou parceria com Uma Thurman nos dois volumes de Kill Bill (Kill Bill Vol. 1 e Kill Bill Vol. 2). As artes marciais também são tema freqüente no cinema oriental, com Ang Lee faturando quatro Óscar com Crouching Tiger, Hidden Dragon (O Tigre e o Dragão). A década trouxe também a trilogia de O Senhor dos Anéis e os sucessos de Homem-Aranha e X-Men. O musical experimentou um revival com Moulin Rouge! (Moulin Rouge! Amor em Vermelho) e Chicago (idem). Também tivemos o início do Universo Cinematográfico Marvel, a renomada saga de Harry Potter, a ressureição do Batman, a bem sucedida partida da franquia Transformers, e outra mina de ouro da Disney, a franquia Piratas do Caribe.

2000[editar | editar código-fonte]

Steven Soderbergh confirma seu talento com Traffic (Tráfico), sendo escolhido melhor diretor.

Ridley Scott retorna à Roma antiga para contar a saga de Gladiator (Gladiador).

Ang Lee é responsável pelo maior sucesso estrangeiro em Hollywood, Crouching Tiger, Hidden Dragon (O Tigre e o Dragão).

A eterna linda mulher Julia Roberts fatura o primeiro Óscar com Erin Brockovich (Erin Brockovich, uma Mulher de Talento).

O filme de animação de 1981 que virou sucesso cult, "Heavy Metal", ganha sua continuação, Heavy Metal 2000

Cameron Crowe dirige a própria história com Almost Famous, que revela Kate Hudson.

E não se pode esquecer de X-Men(ao contrario de que alguns pensam, X-Men não foi o primeiro a filme baseado em HQ a fazer sucesso; foi o Superman de 1978), mas o precursor dessa nova geração de filmes baseados em herois de histórias em quadrinhos foi Blade de 1998, com Wesley Snipes. O Grinch comédia natalina estrelada por Jim Carrey arrecada grande bilheteria mundial. Missão Impossivel 2 sequência de ação dirigida por John Woo. O Patriota filme que conta a luta da independência americana dirigido por Roland Emmerich e estrelado por Mel Gibson

2001[editar | editar código-fonte]

É o ano de Nicole Kidman e o retorno triunfal do musical, com o legítimo representante Moulin Rouge! (Moulin Rouge! Amor em Vermelho).

Peter Jackson leva às telonas a saga de J. R. R. Tolkien, na superprodução The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring (O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel).

Também falando de adaptações de livros tem Harry Potter and the Philosopher's Stone (Harry Potter e a Pedra Filosofal).

O mestre Robert Altman volta à ativa com Gosford Park (Assassinato em Gosford Park), que é unânime entre os críticos.

David Lynch continua a tecer sonhos com Mulholland Drive (Cidade dos Sonhos) e Ron Howard ganha o Óscar com a história real A Beautiful Mind (Uma Mente Brilhante).

E Tom Hanks como funcionário da Fedex encara mais uma jornada no meio do pacífico junto com Robert Zemeckis em (Náufrago).

2002[editar | editar código-fonte]

Chicago representa o gênero musical na Hollywood moderna.

Um épico sobre a Segunda Guerra Mundial vem as telonas, o Pearl Harbor, de Michael Bay.

Martin Scorsese filma a história de seu povo com Gangs of New York (Gangues de Nova Iorque), com Daniel Day-Lewis ,Leonardo DiCaprio e Cameron Diaz.

A corrida para destruir o Um Anel continua em The Lord of the Rings: The Two Towers'' (O Senhor dos Anéis - As Duas Torres). O bruxinho mais famoso do mundo volta em Harry Potter and the Chamber of Secrets (Harry Potter e a Câmara Secreta)

A cantora Britney Spears protagoniza o filme Crossroads.

Roman Polanski dirige o drama sobre a Segunda Guerra Mundial, The Pianist (O Pianista).

Pedro Almodóvar torna-se o novo ícone do cinema europeu com Hable con Ella (Fale Com Ela).

Virginia Woolf é a estrela de The Hours (As Horas), com o trio de atrizes mais premiado da história: Nicole Kidman, Julianne Moore e Meryl Streep.

A diretora e roteirista Nia Vardalos faz sucesso com My Big Fat Greek Wedding (Casamento Grego) e o cinema mexicano dá as caras em Y Tu Mama También (E Sua Mãe Também).

O Brasil faz cinema internacional com Cidade de Deus (City of God), indicado a quatro Óscar.

2003[editar | editar código-fonte]

Sofia Coppola mostra que pode suceder o pai ao ganhar o Óscar pelo delicado drama Lost in Translation (Encontros e Desencontros).

Clint Eastwood retorna em grande estilo: seu Mystic River (Sobre Meninos e Lobos, baseado no Sobre meninos e lobos|livro de mesmo nome) faz sucesso em torno de tema polêmico, a pedofilia.

Mas o ano é de Peter Jackson e a terceira parte da trilogia, The Lord of the Rings: The Return of the King (O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei), que ganha onze Óscar e é o segundo filme a passar a marca de 1 bilhão de dólares.

Johnny Depp estrela a aventura Pirates of the Caribbean: The Curse of the Black Pearl (Piratas do Caribe : A Maldição do Pérola Negra).

O público descobre o peso da morte com 21 Grams (21 Gramas), com direção do mexicano Alejandro González Iñárritu, que dirigiu também Amores Perros (Amores Brutos, 2000).

O astro Tom Cruise vai ao Japão em revolução no épico The Last Samurai (O Último Samurai).

A Disney e a Pixar faturam alto com Finding Nemo (Procurando Nemo), enquanto o Canadá é a terra do cult Les Invasions Barbares (As Invasões Bárbaras), de Denys Arcand.

2004[editar | editar código-fonte]

Clint Eastwood trabalha o delicado assunto da eutanásia em Million Dollar Baby (Menina de Ouro), que confirma Hilary Swank como a atriz da década (assim como Jodie Foster nos anos 90).

Martin Scorsese fala do glamour da Hollywood antiga com The Aviator (O Aviador), com Leonardo DiCaprio.

O cantor Ray Charles é o personagem da cinebiografia Ray (idem), e o criador de Peter Pan é vivido por Johnny Depp em Finding Neverland (Em Busca da Terra do Nunca).

Falando de um tema pouco explorado - a paixão por vinho) - Sideways (Entre umas e Outras) conquista o público.

Jim Carrey e Kate Winslet embarcam na viagem fantástica de Eternal Sunshine of the Spotless Mind (Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças), que fatura o Óscar de melhor roteiro original.

Mike Nichols dirige Julia Roberts e Natalie Portman em Closer (Perto Demais) e o brasileiro Walter Salles realiza o road movie latino Diarios de Motocicleta (Diários de Motocicleta).

2005[editar | editar código-fonte]

George Clooney torna-se o astro mais poderoso de Hollywood ao ganhar o Óscar por Syriana (Syriana - A Indústria do Petróleo) e ainda dirigir o clássico Good Night, and Good Luck (Boa Noite e Boa Sorte).

O escritor Truman Capote faz Philip Seymour Hoffman ganhar como melhor ator por Capote (idem).

Ang Lee entrega o antipreconceitos Brokeback Mountain (O Segredo de Brokeback Mountain).

Sandra Bullock e Matt Dillon estão em Crash (No Limite), que vence a categoria máxima da Academia.

Steven Spielberg causa polêmica com Munique (Munique), sobre os atentados terroristas nas Olimpíadas de Munique.

Woody Allen dá provas de que continua genial com Match Point (Ponto Final), com a musa Scarlett Johansson.

No cinema de ficção científica, Tom Cruise protagoniza War of the Worlds (Guerra dos Mundos), com Steven Spielberg como diretor, baseado no livro de mesmo nome do autor H.G. Wells.

George Lucas finaliza as saga espacial Star Wars com o surgimento de Darth Vader no terceiro Star Wars, que finaliza a saga 28 anos depois do primeiro episódio.

Tim Burton dirige a refilmagem de A Fantástica Fábrica de Chocolates com Johnny Depp no papel de Willy Wonka.

Batman volta às telas com Christian Bale como a Cavaleiro das Trevas.

Zhang Ziyi é uma sofredora gueixa em Memoirs of a Geisha (Memórias de Uma Gueixa).

2006[editar | editar código-fonte]

Natalie Portman e Hugo Weaving estrelam a adaptação dos quadrinhos de Alan Moore, V for Vendetta (V de Vingança), sobre uma Inglaterra futurista governada por tiranos.

Brian De Palma dirige as duas maiores atrizes da atualidade, Scarlett Johansson e Hilary Swank no suspense The Black Dahlia (Dália Negra).

O filme Pirates of the Caribbean: Dead Man's Chest ultrapassa a marca de 1 bilhão de dólares em bilheteria, sendo o terceiro a conseguir tal feito. Também ganha o Oscar de efeitos especiais.

Martin Scorsese reúne Leonardo DiCaprio e Jack Nicholson no criminal The Departed.

Os mutantes X-Men fazem barulho com o terceiro filme da série, cercado de polêmicas, como a saída de Bryan Singer da franquia para "ressuscitar" o primeiro de todos os super-heróis, Superman, em Superman Returns.

Ver também[editar | editar código-fonte]