Finding Nemo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde março de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Finding Nemo
À Procura de Nemo (PRT)
Procurando Nemo (BRA)
Pôster original do filme.
 Estados Unidos
2003 •  cor •  100 min 
Direção Andrew Stanton
Codireção Lee Unkrich
Produção Graham Walters
Produção executiva John Lasseter
Roteiro
História Andrew Stanton
Elenco
Gênero Animação, Aventura, Comédia
Música Thomas Newman
Cinematografia
  • Sharon Calahan
  • Jeremy Lasky
Edição David Ian Salter
Companhia(s) produtora(s) Pixar Animation Studios
Distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento
  • Estados Unidos 30 de Maio de 2003
  • Brasil 4 de Julho de 2003
  • Portugal 5 de Dezembro de 2003
Idioma Inglês
Orçamento US$ 94 milhões[1]
Receita US$ 940 335 536[1]
Cronologia
Finding Dory (2016)
Página no IMDb (em inglês)

Finding Nemo (Procurando Nemo BRA ou À Procura de Nemo POR) é um filme estadunidense de 2003 de animação computadorizada, o quinto filme produzido pela parceria entre os estúdios Disney e a Pixar, vencedor do Oscar de Melhor Filme de Animação, e indicado aos prêmios de Melhor Roteiro Original, Melhor Trilha Sonora Original, e Melhor Edição de Som.

A animação traz as tradicionais referências dos filmes anteriores da Pixar, como um mundo onde peixes e outros seres marinhos vivem numa sociedade semelhante à de seres humanos. As primeiras pesquisas para a produção do filme começaram em 1997, seis anos antes, portanto, de sua finalização. A história de Nemo e Marlin recebeu grande inspiração dos relacionamentos dos diretores com seus próprios filhos. A narrativa era ambientada na Grande Barreira de Coral, na Austrália; para dar maior realidade e autenticidade, as vozes originais dos dubladores eram de atores australianos e que tinham pelo menos uma característica semelhante a do personagem.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Na Grande Barreira de Coral australiana vive Marlin, um peixe-palhaço que perde sua esposa e ninhada, devoradas por uma barracuda. Resta-lhe um único filhote, ao qual ele chama de Nemo. Este cresce e quer explorar o oceano, mas é superprotegido pelo pai. No primeiro dia de aula, Marlin constrange o filho durante uma excursão de campo. Chateado, Nemo foge do recife e é capturado por mergulhadores. Marlin encontra Dory, uma cirurgiã-patela que sofre de perda de memória recente, e Bruce, um tubarão-branco que se diz vegetariano. Marlin e Dory encontram uma máscara de mergulho que caiu do barco que levou Nemo e notam algo escrito nela. Dory se machuca e sangra pelo nariz, o que fascina Bruce, fazendo-o atacar os peixinhos, que escapam por pouco.[2]

Nemo é colocado num aquário no consultório de um dentista e lá encontra uma turma de animais marinhos, liderada por Gill, um moorish idol. Nemo descobre que será dado à sobrinha do dentista, Darla, matadora de peixes. Gill tem um plano de fuga: obstruir o filtro do aquário, para que o dentista precise limpar o recipiente e os transfira para sacos plásticos, para que assim eles se atirem pela janela e caiam no porto-seguro. Nemo tenta bloquear o filtro com um seixo, mas o plano não dá certo.[2]

Dory consegue ler o endereço escrito na máscara e consegue memorizá-lo, apesar de seu problema de amnésia. Um cardume instrui quanto ao caminho que ela e Marlin deverão seguir. Eles se perdem, encontram um reduto de águas-vivas e são quase picados por elas, mas ficam bem. Chegando à Corrente da Austrália oriental, se divertem com um grupo de tartarugas-verdes, entre elas Crush e seu filho, Squirt. Marlin lhes conta a história de sua jornada e notícias de sua busca se espalham pelo oceano. Um pelicano chamado Nigel voa até o consultório do dentista e informa sobre os esforços de Marlin para encontrar Nemo, que tenta novamente e consegue obstruir o filtro.[2]

Marlin e Dory são engolidos por uma baleia-azul. Dory se comunica com a baleia, que os transporta para a Baía de Sydney e os expele através de seu espiráculo. Lá, eles encontram Nigel, que os ajuda a escapar de um bando de gaivotas e os leva ao consultório do dentista. Um novo filtro é instalado e a turma do aquário não consegue escapar. Darla chega e o dentista entrega-lhe Nemo, que finge-se de morto para se salvar. Nigel entra pela janela, apavora Darla e deixa o escritório em caos. Depois que o dentista livra-se de Nigel, Gill ajuda Nemo a escapar através de um ralo que leva ao oceano.[2]

Pensando que Nemo morreu, Marlin despede-se de Dory e volta para casa. Ela, que esqueceu-se de tudo, acaba encontrando Nemo quando este chega ao oceano. Ao recuperar a memória, ela consegue reunir Nemo e Marlin, mas é apanhada junto de um enorme cardume numa rede de pesca. Nemo entra na rede e pede que os peixes nadem para baixo, o que faz a rede se romper, e eles escapam. De volta para casa no recife, Marlin e Dory observam Nemo e seus colegas serem levados para uma aula de campo. Enquanto isso, o novo filtro deixa de funcionar e a turma do aquário consegue escapar para o oceano.[2]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Polêmica[editar | editar código-fonte]

O filme foi alvo de uma polêmica, sendo o motivo de um ação judicial do escritor francês de livros infantis Franck Le Calvez contra os estúdios Disney e Pixar. O autor acusa os réus de plagiarem o personagem “Pierrot”, herói de seu livro Pierrot, le Poisson Clown ("Pierrot, o Peixe-Palhaço", em tradução livre). O livro que conta as aventuras de Pierrot foi lançado em novembro de 2002, um ano antes da animação. Segundo Le Calvez, o personagem “Pierrot” existiria desde 1995, num desenho animado escrito pelo próprio autor, porém nunca realizado. De acordo com a rede BBC, o autor pedia a proibição de qualquer produto copiando a marca Pierrot, de criação sua e registrada nos organismos de defesa dos direitos autorais da França em 1995. O advogado de Le Calvez, Pascal Kamina, afirmou à agência de notícias France Presse, que há semelhanças também nos personagens coadjuvantes, como o peixe cirurgião e o camarão limpador. A Disney/Pixar negou a acusação.

Em abril de 2005, a justiça francesa deu ganho de causa à Disney e Pixar Animation. Ficou demonstrado que os personagens de "Procurando Nemo" já existiam no papel em 2000 (a produção começou após o lançamento de Toy Story 2, em 1999) e que o autor francês já sabia de sua existência quando registrou sua marca, caracterizando tentativa de fraude. Ele foi condenado a pagar 61 000 euros (ou 80 000 dólares) em danos e custas. Em março do mesmo ano, o autor já perdera outra causa. No caso, a corte francesa considerou que os dois personagens (Pierrot e Nemo/Marlin) eram semelhantes, ambos tinham um largo sorriso e três listras brancas na lateral do corpo, mas isso não era suficiente para caracterizar plágio. Nesta ação, o autor francês foi condenado a pagar 38 000 euros em danos à Disney e Pixar Animation, além de reembolsar as custas advocatícias das duas empresas e da editora francesa Disney-Hachette Editions, somando mais 69 000 euros de penalidade.[4]

Relançamento[editar | editar código-fonte]

Em 2012, Procurando Nemo foi relançado em 3D, com a data para 14 de setembro de 2012 para os Estados Unidos. Para o Brasil, o relançamento ocorreu no dia 12 de outubro de 2012.

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme entrou para a história como a animação mais rentável de todos os tempos, arrecadando 70,3 milhões de dólares em sua estreia, chegando ao total de 921 milhões de dólares em todo o mundo.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Finding Nemo tornou-se num dos maiores sucessos da Pixar. Com classificação de 99 % em base de 238 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: "Animação de tirar o fôlego, o trabalho vocal talentoso e um roteiro bem escrito somam mais um sucesso da Pixar".[5]

Sequência[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Finding Dory

Em 17 de julho de 2012 a Pixar Animation Studios confirmou Finding Dory, que foi lançado em 17 de junho de 2016. Andrew Stanton retornou na direção do longa.[6]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Oscar 2004

Ano Categoria Resultado
2004 Melhor Filme de Animação Venceu
Melhor Roteiro Original Indicado
Melhor Trilha Sonora Indicado
Melhor Edição de Som Indicado

Globos de Ouro 2004

Ano Categoria Resultado
2004 Melhor Filme (Comédia/Musical) Indicado
Melhor Trilha Sonora Indicado

MTV Movie Awards 2004

Ano Categoria Obs. Resultado
2004 Melhor Filme Indicado
Melhor Comediante Ellen DeGeneres, Dubladora da Dory Indicado

Referências

  1. a b «Finding Nemo (2003) - Box Office Mojo» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 28 de dezembro de 2012 
  2. a b c d e «Finding Nemo (2003) - Full Synopsys». Turner Classic Movies (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2019. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2018 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x «Elenco». Procurando Nemo (2003). Omelete. Consultado em 22 de junho de 2017 
  4. Frenchman loses Nemo copy claim, BBC (em inglês)
  5. «Finding Nemo» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 21 de fevereiro de 2014 
  6. «'Procurando Nemo' terá continuação em 2016». Grupo Abril. Exame. 17 de julho de 2012. Consultado em 18 de julho de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Price, Davidl "A Magia da Pixar" (Edição 1). Editora Campus Elsevier, 2009, ISBN 978-85-352-3669-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]