Coco (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coco
Coco (PT)
Viva – A Vida é Uma Festa (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2017 •  cor •  105 min 
Direção Lee Unkrich
Codireção Adrian Molina
Produção Darla K. Anderson
Produção executiva John Lasseter
Roteiro Adrian Molina
Matthew Aldrich
História Lee Unkrich
Adrian Molina
Jason Katz
Matthew Aldrich
Elenco Anthony Gonzalez
Gael Garcia Bernal
Benjamin Bratt
Alanna Ubach
Renée Victor
Ana Ofelia Murguía
Edward James Olmos
Gênero Aventura
Comédia dramática
Fantasia
Musical
Música Michael Giacchino
Direção de fotografia Matt Aspbury (câmera)
Danielle Feinberg (luz)
Cinematografia Matt Aspbury
Danielle Feinberg
Edição Steve Bloom
Lee Unkrich
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Pictures
Pixar Animation Studios
Distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento México 20 de outubro de 2017
(Morelia)
Estados Unidos 22 de novembro de 2017
Portugal 23 de novembro de 2017
Brasil 4 de janeiro de 2018
Idioma Inglês[1]
Orçamento US$ 175–200 milhões[2][3]
Receita US$ 805.839.032[4]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Coco (no Brasil, Viva – A Vida é Uma Festa[5]) é um filme musical de animação computadorizada norte-americano de 2017, produzido pela Pixar Animation Studios e distribuído pela Walt Disney Studios Motion Pictures.[6] Baseado em uma ideia original de Lee Unkrich, o longa-metragem animado é dirigido por Unkrich e codirigido por Adrian Molina. A história é sobre um garoto de 12 anos chamado Miguel Rivera que acidentalmente é transportado para o mundo dos mortos, onde procura pela ajuda de seu tataravô músico para que ele o leve de volta para a sua família no mundo dos vivos.[7]

O conceito do filme é baseado no feriado mexicano de Dia dos Mortos. Coco foi roteirizado por Molina e Matthew Aldrich a partir de uma história de Unkrich, Jason Katz, Aldrich e do próprio Molina. A Pixar começou a desenvolver a animação do projeto em 2016; Unkrich e alguns dos responsáveis pelo filme visitaram o México para buscar inspiração. O compositor Michael Giacchino, que já trabalhou em outros filmes anteriores da Pixar, como The Incredibles, Ratatouille, Up e Cars 2, compôs a trilha sonora. O elenco de dublagem do filme conta com Anthony Gonzalez, Gael García Bernal, Benjamin Bratt, Alanna Ubach, Renée Victor, Ana Ofelia Murguía e Edward James Olmos. Foi o primeiro filme na história do cinema com uma bilheteria de nove dígitos a contar com um elenco completamente composto por atores latinos, contando com estimativas orçamentárias que variam entre US$ 175 e 200 milhões.[2][3][8]

A pré-estreia de Coco ocorreu no dia 20 de outubro de 2017, durante o Festival Internacional de Cinema de Morelia, no México.[9] Foi lançado nas salas de cinema do México na semana seguinte, no fim de semana anterior ao Dia dos Mortos e tornou-se o filme de maior bilheteria de todos os tempos na história do país.[10][11][12][13] Estreou nos Estados Unidos em 22 de novembro de 2017, no feriado do Dia de Ação de Graças,[14] tornando-se um sucesso financeiro ao arrecadar mais de US$ 805 milhões mundialmente.[4] Contabilizou US$ 209,7 milhões nos Estados Unidos e Canadá, sendo a décima terceira maior bilheteria no mercado doméstico no ano e ocupando a décima primeira posição entre os filmes mais rentáveis de 2017.[15][16] É a quinta produção de maior bilheteria da Pixar Animation Studios, sendo superado apenas por Toy Story 3, Finding Dory, Finding Nemo e Inside Out.[17] Atualmente, está entre as oitenta maiores bilheterias de todos os tempos. Coco foi aclamado pela crítica, que elogiou a animação, as performances vocais, a trilha sonora, as canções, a história emocional e o respeito com a cultura mexicana. Recebeu duas indicações ao Globo de Ouro 2018, sendo eleito o Melhor Filme de Animação, título que também conquistou no 71.º British Academy Film Awards. Na 90.ª cerimônia do Oscar, venceu nas duas categorias em que concorreu, de Melhor Canção Original, por "Remember Me", e Melhor Filme de Animação.[18][19]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história se passa na fictícia cidade de Santa Cecilia, no México. No passado, Amelia Rivera era a esposa de um músico, que por sua vez abandonou Amelia e Ines, a filha do casal, para seguir uma carreira musical. Magoada pelo abandono, Amelia baniu a música em sua família e abriu uma empresa familiar de calçados. No presente, Miguel Rivera, garoto de 12 anos e tataraneto de Amelia, vive com sua família, incluindo a já idosa Ines, sua bisavó. Ele secretamente sonha em se tornar um músico, assim como Ernesto de la Cruz, um ator e cantor muito popular na época em que Amelia foi abandonada. Um dia, Miguel acidentalmente destrói a moldura da foto de Amelia no centro da ofrenda da família e a retira, descobrindo que nessa foto o marido dela (cujo rosto foi rasgado) estava segurando a famosa guitarra de Ernesto. Concluindo que é descendente de Ernesto, Miguel decide contar a sua família seu segredo e que se inscreveu em um concurso de talentos da vila onde moram pra tocar e cantar, mas sua enérgica avó Elena (também conhecida como Abuelita) se irrita com a revelação e quebra seu violão por ele ter desobedecido a regra mais importante da família: "sem música".

Desolado, na véspera do Dia dos Mortos, ele vai ao museu de La Cruz para pegar emprestado o seu violão de caveira, mas ao tocar a primeira acorde, ele se torna invisível para todos os presentes na praça da vila. Porém, ele pode ver e ser visto por Dante, um cão de rua de raça Xoloitzcuintli que acolheu às escondidas de Abuelita, e por seus parentes falecidos em forma de esqueleto que saíram do Mundo dos Mortos para visitar seus familiares no Mundos dos Vivos no feriado. Os familiares levam Miguel ao Mundo dos Mortos após descobrirem que Amelia não pode visitar os familiares vivos porque Miguel removeu sua foto da ofrenda. Descobrindo que ele foi amaldiçoado por roubar um pertence dos mortos - a guitarra do museu de Ernesto - Miguel deve retornar ao Mundo dos Vivos antes do nascer do sol, senão ele ficará no Mundo dos Mortos para sempre. Para retornar, ele precisa receber a benção de um membro de sua família usando uma pétala de calêndito asteca para que a maldiçã seja desfeita. Amelia oferece sua benção a Miguel, mas sob a condição de que ele abandone seu sonho de ser músico quando retornar ao Mundo dos Vivos. Miguel se recusa a aceitar a condição e tenta procurar a benção de Ernesto.

No caminho Miguel acaba encontrando Héctor, um esqueleto malandro e de pouca sorte que no passado chegou a ser parceiro musical de Ernesto. Miguel mente para Héctor dizendo que precisa da benção de Ernesto de la Cruz porque ele é seu único parente no Mundos dos Mortos e, portanto, o único que pode fazê-lo retornar ao Mundo dos Vivos. Héctor, por sua vez, explica que todos os seus parentes vivos, exceto por sua filha, o esqueceram e por isso não colocam nenhum retrato seu na ofrenda no Mundo dos Vivos. Se mais ninguém no Mundo dos Vivos se lembrar dele, Héctor desaparecerá. Ambos fazem um acordo: Héctor ajudará Miguel a encontrar Ernesto e em troca Miguel colocará uma foto de Héctor na ofrenda da família Rivera. Héctor consegue obter um violão com seu amigo Chicharrón, um velho esqueleto amargurado e boêmio que acaba desaparecendo por ter sido esquecido pelos habitantes do Mundo dos Vivos. Enquanto isso, os familiares mortos de Miguel saem em busca dele com a ajuda de Pepita, um alebrije similar a um felino feroz que foi domesticado pela família no Mundo dos Mortos.

Miguel se apresenta junto com Héctor em um concurso musical no Mundo dos Mortos cujo vencedor teria acesso à mansão de Ernesto (ambos cantam a música "Un Poco Loco". Porém a família de Miguel acaba dando as caras no concurso e Héctor descobre que Miguel mentiu sobre Ernesto ser seu único parente no Mundo dos Mortos. Irritado, ele tenta devolver Miguel aos seus familiares, mas Miguel escapa, mas não sem antes confrontar Amelia e culpá-la pelo seu sofrimento por causa do banimento da música na família, o que a deixa entristecida. Com a ajuda da banda que acabou vencendo o concurso, Miguel consegue se infiltrar na mansão de Ernesto e enfim acaba conhecendo seu ídolo, que acaba aceitando Miguel como seu tataraneto. Porém, Héctor também se infiltra na mansão e revela que a antiga amizade entre ele e Ernesto se deteriorou depois que ele morreu. Héctor confronta Ernesto e implora que Miguel cumpra o acordo e coloque sua foto na ofrenda da família Rivera. Após uma longa discussão, Héctor relembra que morreu misteriosamente após tomar uma discussão com Ernesto, em que Héctor havia decidido desistir de sua carreira musical retornar à sua família. Ernesto, tentando dissuadi-lo, o ofereceu uma bebida, porém pouco tempo depois Héctor faleceu. Após Miguel relembrar uma cena de um filme protagonizado por Ernesto em que o vilão, Don Hidalgo, tenta envenenar a bebida do protagonista, Héctor chega à conclusão de que Ernesto o envenenou e roubou seu violão suas canções, assumindo o crédito por elas e as usando para ficar famoso. Após se revelar uma pessoa egoísta e mau-caráter, Ernesto rouba a foto e ordena que seus seguranças joguem Miguel e Héctor em uma gruta subterrânea.

Na gruta, Miguel e Héctor se dão conta de que são tataraneto e tataravô, respectivamente, e que Ines é a filha de Héctor e a única no Mundo dos Vivos que ainda se lembra dele. Com a ajuda de Dante - que na verdade trata-se de um alebrije - Amelia e Pepita salvam Miguel e Héctor da gruta. Amelia, aos poucos, se reconcilia com Héctor após Miguel revelar que seu tataravô foi morto por Ernesto justamente quando ele tentava voltar para sua família. Porém eles ainda precisam recuperar a foto que Ernesto roubou e, com a ajuda de Frida Kahlo - com quem Miguel fez amizade antes de participarem do concurso. O plano dá errado e Ernesto joga Miguel do alto da torre de sua mansão. Pepita salva Miguel da morte, mas a foto de Héctor (que estava com Miguel) acaba desaparecendo ao cair na água. Os familiares mortos de Miguel conseguem filmar e exibir Ernesto os ameaçando para todos da plateia. Após retornar ao palco, Ernesto começa a ser vaiado pelo público, que passa a arremessar tomates e alimentos em repúdio. Pepita e Miguel vão até o palco, onde Pepita captura Ernesto e o joga contra um sino gigante. O sino acaba esmagando Ernesto, repetindo a forma como ele morreu pela primeira vez.

Á medida que o sol nasce, Héctor corre o risco de ser esquecido e de desaparecer. Amelia enfim abençoa Miguel, permitindo que ele siga em frente com o sonho de ser um músico, e ele retorna ao Mundo dos Vivos. Desesperado, ele volta pra casa e, após se esquivar de sua Abuelita, ele se tranca no quarto de Ines e tenta fazer com que ela se lembre de Héctor, a princípio sem sucesso. Os membros vivos da família Rivera conseguem destrancar a porta e Miguel, em uma última tentativa, decide tocar uma canção que Héctor fez em homenagem a Ines durante a infância dela. A canção faz com que ela se lembre de Héctor e a revitaliza, para a grata surpresa de Abuelita e dos outros membros vivos da família. Ines dá a Miguel o pedaço rasgado da foto da ofrenda, que contém o rosto de Héctor. Miguel se reconcilia com Abuelita, que por sua vez enfim o aceita de volta na família e encerra o banimento à música na família.

Um ano se passa. Com os esforços de Miguel, que recebeu de Ines as cartas e letras de músicas de Héctor que provam que ele é o verdadeiro autor das canções, o legado de Ernesto é destruído e o público que outrora venerava Ernesto passa a venerar Héctor. Nesse meio tempo Ines morreu e enfim pôde se reunir com Amelia e Héctor no Mundo dos Mortos. Miguel orgulhosamente apresenta a ofrenda de sua família à sua irmã mais nova recém-nascida (a mãe de Miguel estava grávida durante a época dos acontecimentos anteriores do filme). Na cena final, Héctor, Amelia, Ines e os outros membros mortos da família Rivera visitam os membros vivos no feriado de Dia dos Mortos e Miguel canta e toca sua música para todos os seus familiares (tanto os vivos quanto os mortos).

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Anthony Gonzalez como Miguel Rivera, um garoto de 12 anos que sonha em se tornar músico.[20][21]
  • Gael Garcia Bernal como Héctor Rivera, um charmoso malandro do Mundo dos Mortos que atrai Miguel para ajudá-lo a visitar o Mundo dos Vivos. Mais tarde descobre-se que ele é o verdadeiro trisavô de Miguel, marido de Amelia, pai de Ines e, portanto, patriarca da família Rivera.[20][21] No Brasil, Leandro Luna.[22]
  • Benjamin Bratt como Ernesto de la Cruz, o mais famoso músico da história do México e ídolo de Miguel. Reverenciado por seus fãs mundo afora até a sua morte precoce, o charmoso e carismático músico é ainda mais querido no Mundo dos Mortos. Na verdade, Ernesto é um farsante que matou seu parceiro musical Héctor e roubou suas canções, assumindo o crédito por elas.[21][23][24][25] No Brasil, Nando Pradho.[22] Antonio Sol dubla Ernesto quando o personagem canta, exceto nas partes da canção "Remember Me"[26][27]
  • Alanna Ubach como Mamá Amelia Rivera, a falecida trisavó de Miguel, esposa de Héctor e matriarca da família Rivera.[21][28] No Brasil, Adriana Quadros.[22]
  • Renée Victor como Abuelita Elena Rivera, avó de Miguel que impõe o banimento da música em sua família.[21] No Brasil, Marilza Batista.[22]
  • Ana Ofelia Murguía como Mamá Ines (Socorro Rivera), bisavó de Miguel, mãe de Abuelita e filha de Héctor e Amelia.[21]
  • Edward James Olmos como Chicharrón, um amigo de Héctor que foi esquecido no mundo dos mortos.[21][29]
  • Alfonso Arau como Papá Julio Rivera, o falecido bisavô de Miguel e marido de Ines.[21]
  • Selene Luna como Tia Rosita Rivera, a falecida tia-bisavó de Miguel, irmã de Julio.[21]
  • Dyana Ortellí como Tia Victória Rivera, a falecida tia-avó de Miguel, irmã de Abuelita.[21]
  • Herbert Sigüenza como Tio Oscar Rivera e Tio Felipe Rivera, irmãos gêmeos de Amelia e tios-trisavôs de Miguel.[21][24][25]
  • Jaime Camil como Papá Enrique Rivera, pai de Miguel.[21]
  • Sofía Espinosa como Mamá Luisa Rivera, mãe de Miguel. Está grávida de seu segundo filho com Enrique durante os acontecimentos do filme.[21]
  • Luis Valdez como Tio Berto Rivera, tio de Miguel.[21][30] Valdez também interpreta Don Hidalgo, um vilão de um filme antigo protagonizado por Ernesto de la Cruz.
  • Lombardo Boyar como um Mariachi que Miguel encontra na Plaza Santa Cecília.[21] Boyar também interpreta Gustavo, um músico do Mundo dos Mortos. No Brasil, Rogério Flausino.[22][31][32]
  • Octavio Solis como Agente de Chegadas[21]
  • Carla Medina como Agente de Saídas[21]
  • Gabriel Iglesias como Chefe de Gestão[21]
  • Cheech Marin como Oficial de Correções[21]
  • Blanca Araceli como Mestre de Cerimônias[21]
  • Natalia Cordova-Buckley como Frida Kahlo[33]
  • Salvador Reyes como Chefe de Segurança[21]
  • John Ratzenberger como Juan Ortodoncia, um esqueleto do Mundo dos Mortos que possui dentes podres.[34]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 25 de abril de 2012, a Pixar anunciou um filme inspirado Día de Muertos (Dia dos Mortos). Em 11 de Maio de 2013, A Walt Disney Company apresentou um pedido para marca comercial a expressão "Día de los Muertos" para diversas aplicações de merchandising. Este movimento foi recebido com críticas na mídia social da comunidade latina dos Estados Unidos. Um deles foi Lalo Alcaraz, um cartunista mexicano-americano, que desenhou um poster do filme, intitulado "Muerto Mouse", representando um esqueleto Godzilla do tamanho de Mickey Mouse com a assinatura "está chegando a marca da sua cultura." Mais de 21.000 pessoas assinaram uma petição no Change.org afirmando que a marca foi "apropriação cultural e a exploração no seu pior." Uma semana depois, a Disney cancelou sua tentativa, com a declaração oficial dizendo que a "o depósito da marca foi concebido para proteger qualquer potencial de título para o nosso filme e atividades relacionadas. Desde então, foi determinado que o título do filme vai mudar, e, portanto, estamos retirando o nosso arquivamento da marca."[35] Em 2015, a Pixar contratou Alcaraz para consulta sobre o filme. Junto com o dramaturgo Octavio Solís e Marcela Davison Aviles, ex CEO da Mexican Heritage Corp.  formaram uma equipe de consultores culturais para o filme. Lee disse em seu Twitter que tornaram o filme "culturalmente honesto".[20]

A Pixar fez várias viagens para o México para ajudar a definir os personagens e a história de Coco. Unkrich disse, "eu tinha visto ele retratado na arte popular. Era algo sobre a justaposição de esqueletos com brilhantes, festivas de cores que capturou minha imaginação. Ele me levou para baixo de um sinuoso caminho de descoberta. E quanto mais eu aprendo sobre o Día de los Muertos, a mais isso me afeta profundamente."[36]

Em 15 de agosto de 2015, a Pixar confirmou o título do filme, inspirado no feriado mexicano do Día de Muertos, na D23 Expo. Foi dirigido por Lee Unkrich, que também foi responsável pela direção de Toy Story 3, e a descrição oficial afirma que "Coco é a celebração de uma vida, onde a descoberta de mistérios das gerações antigas leva a uma extraordinária e surpreendente reunião de família". Em 13 de abril de 2016, Unkrich anunciou que eles começaram a animação.[37]

O roteirista Adrian Molina foi promovido a co-diretor em 2016. A Variety divulgou informações do elenco e a história em 6 de dezembro de 2016. Ela afirmou que Coco é provavelmente um musical, embora a Pixar está relutante em chama-lo assim; mesclando canções originais com canções mexicanas tradicionais, cantadas pelo elenco. Coco vai trazer inúmeros elementos da cultura mexicana: nas canções de la Cruz, as oferendas tradicionais, um cachorro pelado mexicano como o animal de estimação de Miguel, alebrijes brilhantemente coloridos, que se tornam espécies de guardiões no mundo dos mortos. Unkrich e sua equipe pegaram essas referências culturais através das diversas viagens de pesquisa às cidades mexicanas. "Eu serei o primeiro a dizer que ir em algumas viagens de pesquisa não nos faz peritos em qualquer coisa," Unkrich diz, "mas seria errado para nós não trazer nada. Eu sabia desde o primeiro dia, quando John Lasseter deu a aprovação, que nós tínhamos uma enorme responsabilidade de contar essa história corretamente e não cair em clichê ou estereótipo".[20]

O Mundo dos Mortos é inspirado na cidade mexicana de Guanajuato, que é conehcida por suas casas coloridas ao lado de colinas, muito parecidas com as que aparecem no filme.[38]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Mais informações: Coco (trilha sonora)

A trilha sonora instrumental foi composta por Michael Giacchino. Germaine Franco, Adrian Molina, Robert Lopez e Kristen Anderson-Lopez escreveram as canções.[39] A trilha sonora foi lançada no dia 10 de novembro de 2017.[40]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Coco foi lançado no México em 27 de outubro de 2017, no fim de semana antes do Dia dos mortos. O filme foi lançado nos Estados Unidos no dia 22 de novembro de 2017, durante o feriado de Ação de Graças, e será lançado no Reino Unido no dia 19 de janeiro de 2018.[41] Coco estreou em um mercado concorrido, sendo precedido por Thor: Ragnarok, Justice League e outro filme de animação, The Star, e sucedido por por Star Wars: The Last Jedi e por outro filme de animação, Ferdinand, três semanas após os feriados de Ação de Graças. É um dos três filmes produzidos pela Disney a serem lançados entre os meses de novembro-dezembro de 2017.[42] É o segundo filme da Pixar sendo lançado em 2017, sendo precedido por Cars 3. 2017 é o segundo ano em que a Pixar lança dois filmes, após 2015 (em que lançou Inside Out e The Good Dinosaur).[43][44][45] O filme foi acompanhado nos cinemas pelo média-metragem Olaf's Frozen Adventure, da Walt Disney Animation Studios, por um tempo limitado,[46][47] contendo os personagens de Frozen, fazendo com que Coco se tornasse o primeiro filme da Pixar a não ser acompanhado por um curta metragem da Pixar desde o primeiro filme, Toy Story, em 1995.[48]

Marketing[editar | editar código-fonte]

O primeiro teaser trailer foi lançado no dia 15 de março de 2017, dois dias antes do lançamento de Beauty and the Beast estreou nas salas de cinema do mundo todo. O teaser trailer apresentou o conceito básico do filme, destacando o foco na música.[49] Scott Mendelson, da Forbes, elogiou o trailer, considerando-o "um fabuloso produto da velha escola da Disney, consistido principalmente de uma única sequência e oferecendo apenas uma breve aperitivo do que está por vir".[42] Os temas do filme e seu design renderam comparações com outro filme situado no Dia dos mortos, The Book of Life (2014).[49][50] Porém, Marisa Martinelli, da revista Slate, apontou que o enredo do filme, assim como o protagonista estando na companhia de uma pessoa morta, era mais parecido com o de outro filme da Pixar, Ratatouille (2007), comparando o personagem Miguel com o rato Remy. Ela também notou que a cena em que Miguel atravessa uma pessoa viva e percebe que está em outra dimensão lembra algumas cenas do filme japonês A Viagem de Chihiro (2001).[51] Um curta-metragem de dois minutos, de nome Dante's Lunch-A Short Tail (em português, O Almoço de Dante), foi lançado online no dia 29 de março de 2017. Ele apresentou um dos personagens mais importantes do filme, um cachorro de raça Xoloitzcuintle de nome Dante. O curta-metragem foi criado antes do processo de animação comandado por Unkrich e seu time ter um conceito mais desenvolvido do personagem.[52]

O primeiro trailer oficial foi lançado no dia 7 de junho de 2017,[53] seguido pelo segundo trailer, lançado no dia 13 de setembro de 2017.[54] Coco recebeu marketing amplo no México, ganhando até mesmo publicidade em paredes e muros que geralmente são usadas para anunciar eventos locais, porém nunca são usados para divulgar filmes. Uma distribuidora de filmes para cinema no país promoveu um concurso para a dublagem de um personagem no filme,[55] e outra distribuidora promoveu um concurso para entrevistar o elenco e a equipe de produção do filme.[56] O filme ainda recebeu seu próprio jogo VR, sendo esse o primeiro trabalho de desenvolvimento VR da Pixar.[57]

Recepção[editar | editar código-fonte]

A estreia de Coco ocorreu na semana de Ação de Graças, em uma época de mercado concorrido, tendo como principais concorrentes o blockbuster Justice League, o filme de baixo orçamento Wonder, além de Thor: Ragnarok, outro blockbuster (esse da própria Disney).

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Até o dia 26 de abril de 2018, Coco arrecadou US$ 209,7 milhões nos Estados Unidos e Canadá e US$ 596,1 milhões em outros territórios, totalizando US$ 805,8 milhões mundialmente.[4]

Estados Unidos e Canadá[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos e Canadá, Coco foi projetado para arrecadar US$ 55–65 milhões com sua estreia em 3.987 salas de cinema em seus primeiros cinco dias, faturando US$ 40 milhões no seu primeiro fim de semana.[58] Em seu segundo fim de semana, Coco arrecadou US$ 26,1 milhões, tendo sofrido uma queda de 46% em comparação ao primeiro fim de semana, queda menor do que a sofrida por Moana, Frozen e The Good Dinosaur, e de quebra continuou em primeiro lugar no ranking de bilheteria.[59][60][61] Coco arrecadou US$ 2,3 milhões segundo previsões na noite de 21 de novembro, uma terça-feira, ficando entre as duas estreias da Disney no mês de novembro: Moana (que arrecadou US$ 2,6 milhões) e The Good Dinosaur (que arrecadou US$ 1,3 milhões). Em seu primeiro dia, Coco teve a receita de US$ 13,2 milhões de dólares. Seu rendimento de estreia no fim de semana foi de US$ 50,8 milhões de dólares, somandi o rendimento total de US$ 72,9 milhões nos cinco primeiros dias de lançamento do filme nos cinemas, ficando com a primeira posição nas bilheterias e desbancando um forte concorrente: Justice League.[62][63] Coco foi a quarta maior bilheteria de abertura de fim de semana em época de feriados de Ação de Graças, ficando atrás apenas de filmes da própria Disney, como Frozen, Moana e Toy Story 2.[64] O filme liderou as bilheterias novamente pela terceira semana, sofrendo uma queda de 33% com relação à semana anterior e arrecadando US$ 18,3 milhões, um rendimento similar ao de Moana.[59][65][66][67][68] Nesse mesmo fim de semana, Coco se tornou o quarto filme lançado em 2017 a ficar três vezes seguidas na liderança das bilheterias, junto a Split, The Fate of the Furious e The Hitman's Bodyguard.[69] Coco só foi perder a liderança nas bilheterias em sua quarta semana de exibição, após as estreias de Star Wars: The Last Jedi e por outro filme de animação, Ferdinand, da Blue Sky Studios. Com isso, o filme conseguiu se manter no terceiro lugar na quarta semana, com US$10 milhões de dólares.[70] Em sua quinta semana nas bilheterias, às vésperas do Natal, Coco teve que enfrentar a estreia dos filmes Jumanji: Welcome to the Jungle, Pitch Perfect 3, The Greatest Showman, Downsizing e Father Figures, além do aumento da quantidade de salas de cinema de Darkest Hour e The Shape of Water. Com isso, o filme da Pixar caiu para o sexto lugar, obtendo US$ 5,2 milhões no fim de semana.[71] A queda foi de apenas 6%, apesar da redução de mil cinemas do circuito de exibição.[72]

Exterior[editar | editar código-fonte]

Coco foi lançado no México no dia 27 de outubro de 2017, quase um mês antes do lançamento do filme nos Estados Unidos. Arrecadou US$ 9,3 milhões em sua abertura de fim de semana nos cinemas, batendo o recorde de maior abertura de fim de semana para um filme de animação e a maior estreia para um filme de animação fora da temporada de verão no mercado.[73] Em seu segundo fim de semana no México, arrecadou US$ 10,8 milhões, um aumento de 12% em comparação ao seu primeiro fim de semana, somando até então uma bilheteria total de US$ 28 milhões nos cinemas mexicanos. Com essas marcas, Coco se tornou o filme de animação com maior arrecadação no país nos primeiros dez dias de exibição nas salas de cinema, além de ter se tornado o filme de animação original com maior bilheteria de todos os tempos no mercado mexicano.[74][75] Em seu terceiro fim de semana em território mexicano, sofreu uma queda de apenas 23%, somando mais US$ 8,4 milhões. Isso rendeu uma bilheteria total de MX$ 792 milhões (US$ 41,4 milhões), tornado-se assim o filme animado com maior bilheteria de todos os tempos, além do segundo filme com maior bilheteria de todos os tempos no México, atrás apenas de The Avengers, também da Disney, até então o filme de maior bilheteria do país.[76] Alguns dias depois, no dia 15 de novembro, Coco ultrapassou a bilheteria local de The Avengers, passando a ser, portanto, o filme de maior bilheteria de todos os tempos no México.[10][11][12][13][77]

Na China, Coco terminou em primeiro lugar nas bilheterias de fim de semana, arrecadando US$ 18,2 milhões em três dias.[78][79] Depois de sofrer crescimentos nas bilheterias a cada dia da semana,[80] Coco teve um crescimento de 148% em seu segundo fim de semana, somando o total de US$ 75,6 milhões nesse mercado até então.[61][81] No terceiro fim de semana nos cinemas chineses Coco sofreu uma queda de apenas 21%, arrecadando mais US$ 35 milhões[82][83][84]

O sucesso de Coco na China se mostrou uma grande surpresa para a maioria dos analistas de bilheterias, que projetavam um rendimento total entre US$ 30–40 milhões. No segundo filme de semana, o filme se tornou o filme mais rentável da Pixar no país, superando Finding Dory. No quinto fim de semana, o filme superou a bilheteria de Despicable Me 3 e se tornou a segunda maior bilheteria de todos os tempos na China para filmes de animação da Disney ou da Pixar, ficando atrás apenas de Zootopia[85][86]

Até o dia 11 de março de 2018, os mercados mais rentáveis para o filme foram na China (US$ 189,2 milhões), no México (US$ 57,8 milhões), na França (US$ 33,1 milhões), na Coreia do Sul (US$ 25,9 milhões), no Reino Unido (US$ 24,8 milhões), na Espanha (US$ 21 milhões), na Argentina (US$ 16,3 milhões), na Itália (US$ 14,3 milhões), na Alemanha (US$ 12,2 milhões), na Rússia (US$ 9,4 milhões), no Brasil (US$ 9,3 milhões) e na Austrália (US$ 9 milhões).[4]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Coco foi aclamado pela crítica. No Rotten Tomatoes, o filme agora possui a pontuação de 97%, após 273 críticas, com nota média de 8.2/10 na parte de avaliação da crítica especializada e uma nota média de 95% na parte da avaliação pública. O consenso dos críticos do Rotten Tomatoes é que "Os ricos prazeres visuais de Coco são acompanhados de uma narrativa pensativa que leva uma abordagem familiar -- e profundamente afetuosa -- a questões como cultura, família, vida e morte".[87] Foi o filme de animação com melhor índice de aprovação do site em 2017 também e ficou em nono lugar no ranking de filmes com maiores índices de aprovação lançados em circuito de mundial.[88][89] No portal Metacritic, Coco alcançou a metascore de 81 em até 100 pontos, após 48 críticas especializadas (45 positivas e 3 mistas).[90] No portal IMDb, o filme tem uma avaliação de 8,5/10, após 144.366 votos contabilizados até o dia 29 de março de 2018.[91] No portal CinemaScore, Coco conseguiu a nota máxima "A+", apurada junto aos espectadores dos cinemas americanos. Trata-se do sexto filme da Pixar a atingir esta marca, mas apenas o primeiro nesta década. O último tinha sido “Up” em 2009.[92]

Michael Rechtshaffen, do portal The Hollywood Reporter, disse: "Em todo o conjunto imaginativo, os cineastas (o roteiro é creditado ao veterano da Pixar, Molina e Matthew Aldrich) criam uma tapeçaria ricamente tecida de histórias inteiramente pesquisadas, personagens totalmente dimensionais, toques inteligentes, tão sensíveis quanto divertidos, macabros e vívidos, com visuais lindamente texturizados".[93] Robert Abele, do TheWrap, elogiou o filme, declarando: "Se um filme de animação vai oferecer às crianças uma forma de processar a morte, é difícil vislumbrar um exemplo de entretenimento mais espiritual, tocante e suave do que Coco".[94] Em sua crítica para a revista Variety, Peter Debruge escreveu: "Em todo caso, dá certo: Os criadores de Coco claramente tinham o final perfeito em mente antes de terem inserido todos os outros detalhes e, embora o filme seja bem arrastado e contenha algumas piadas demasiado infantis... a sincera resolução emocional da história ganha os soluços que certamente o inspirou." Debruge também descreveu o filme como "(uma) adição efetiva, porém excepcional, ao histórico de filmes da Pixar."[95] Matt Zoller Seitz, do portal RogerEbert.com deu ao filme, entre 0 a 4 estrelas, a nota máxima de quatro estrelas, argumentando que "há um toque do mestre japonês Hayao Miyazaki na representação do fato do filme ser sobre os mortos interagindo com os vivos, bem como a sua representação de certas criaturas," tais como Dante e Pepita. Ele concluiu em sua crítica afirmando: "Eu tive algumas pequenas dúvidas enquanto estive assistindo (a Coco), mas não consigo lembrar quais eram. Este filme é um clássico."[96]

Peter Travers, da revista Rolling Stone deu ao filme, entre 0 a 4 estrelas, a avaliação de 3,5 estrelas, considerando o filme "um tributo amoroso à cultura mexicana", enquanto elogiava a animação, as dublagens (particularmente as de Gonzalez, Bernal e Bratt) e o tom e profundidade emocionais e temáticos do filme.[97] Michael Phillips, do Chicago Tribune, considerou o filme "vividamente bom, lindamente animado", elogiando a trilha sonora instrumental de Michael Giacchino e as canções, além de fazer uma comparação com o tom emocional de Inside Out.[98] A. O. Scott, do The New York Times, elogiou o filme, o comparando a "uma experimentada melodia com originalidade e estilo cativante, com a erudição itinerante e divertida da cultura pop", e considerou a energia cultural do filme como "inclusiva" e "uma marca da Disney do século XXI".[99] Richard Roeper, do Chicago Sun-Times, opinou que o filme é "cheio de vida" e o julgou como "uma aventura apaixonante e emocionante", elogiando também as performances vocais como "fantásticas" e "de primeira classe".[100] Brian Truitt, do USA Today, descreveu o filme como "efervescente, inteligente e pensativo", chamando-o de "uma das apresentações mais lindamente animadas da Pixar" e "o filme mais musical da Pixar, com uma série de atrativos musicais".[101] Stephen Whitty, do Newark Star-Ledger, escreveu que a atmosfera "têm uma vitalidade e sua atmosfera traz um calor. E mesmo depois de acabar, ambos permanecem, só um pouquinho - como um acorde de guitarra perfeitamente tocado".[102]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Coco vem recebendo muitos prêmios e indicações a prêmios e concorrerá a várias categorias do Critics' Choice Movie Awards e do Annie Award.[103] Recebeu duas indicações ao Globo de Ouro, vencendo na categoria de Melhor Filme de Animação e perdendo na categoria de Melhor Canção Original (por "Remember Me").[104][105] Recebeu mais duas indicações ao Oscar, também por Melhor Filme de Animação e Melhor Canção Original, vencendo em ambas as categorias[18][19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • The Book of Life, filme de animação de 2014 dirigido por Jorge R. Gutierrez, com enredo levemente parecido com o de Coco e de mesma temática.

Referências

  1. «COCO (2017)» (em inglês). British Board of Film Classification. 21 de novembro de 2017. Consultado em 22 de novembro de 2017. 
  2. a b «Box Office: 'Coco' Topping 'Justice League' With $70 Million Over Thanksgiving Weekend». Variety (em inglês). 22 de novembro de 2017. Consultado em 23 de novembro de 2017. 
  3. a b «'Coco' Earns A+ CinemaScore & Dances To $70M+; 'Justice League' Solid With $63M+: Thanksgiving B.O.». Deadline.com (em inglês). 23 de novembro de 2017. Consultado em 23 de novembro de 2017. 
  4. a b c d «'Coco' Box Office» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 22 de maio de 2018. 
  5. «Coco (2017)». O Globo. 30 de novembro de 2017. Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  6. «Coco Press Kit» (PDF) (em inglês). wdsmediafile.com. Consultado em 28 de novembro de 2017. 
  7. «'Viva - A vida é uma festa', nova animação da Pixar, celebra família e legado no mundo dos mortos na animação». G1. 22 de novembro de 2017. Consultado em 17 de dezembro de 2017. 
  8. «Pixar's 'Coco' feasts on 'Justice League' at box office» (em inglês). New Haven Register. 26 de novembro de 2017. Consultado em 27 de novembro de 2017. 
  9. «COCO, the new Disney•Pixar movie, will open the 15th FICM» (em inglês). Festival Internacional del Cine en Morelia. 21 de julho de 2017. Consultado em 6 de novembro de 2017. 
  10. a b Nancy Tartaglione (15 de novembro de 2017). «'Coco's Otherworldly Mexico Run Lands Pixar Toon As Market's No. 1 Movie Ever» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 21 de novembro de 2017. 
  11. a b Nancy Tartaglione (20 de novembro de 2017). «'Justice League' Lassos $185M Overseas, $279M WW; 'Thor' Rocks To $739M Global – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 21 de novembro de 2017. 
  12. a b Dave Trumbore (18 de novembro de 2017). «This Week in Animation: Pixar's 'Coco' Now Mexico's #1 Film of All-Time». Collider (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2017. 
  13. a b Dave McNary (15 de novembro de 2017). «Disney-Pixar's 'Coco' Breaks Box Office Record in Mexico». Variety (em inglês). Consultado em 21 de novembro de 2017. 
  14. «D23: Pixar Animation Presents New Footage from Upcoming Slate». ComingSoon.net (em inglês) 
  15. «2017 DOMESTIC GROSSES» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 1 de fevereiro de 2018. 
  16. «2017 WORLDWIDE GROSSES» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 4 de fevereiro de 2018. 
  17. «Pixar» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 25 de fevereiro de 2018. 
  18. a b «2018 Oscars Nominees» (em inglês). 23 de janeiro de 2018. Consultado em 3 de fevereiro de 2018. 
  19. a b «The 90th Academy Awards» (em inglês). Academy Awards. 5 de março de 2018. Consultado em 5 de março de 2018. 
  20. a b c d Robinson, Joanna. «Pixar's Coco Is a "Love Letter to Mexico" in the Age of Trump - Vanity Fair». HWD (em inglês) 
  21. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u Milligan, Mercedes (6 de junho de 2017). «Disney-Pixar Introduces the 'Coco' Character Family». Animation Magazine (em inglês). Consultado em 8 de junho de 2017. 
  22. a b c d e «Viva: A Vida é uma Festa - Animação da Pixar ganha vozes de Nando Pradho e outros grandes cantores de musicais brasileiros.». Cadê o Léo?. 14 de dezembro de 2017. Consultado em 17 de dezembro de 2017. 
  23. «Benjamin Bratt on 'The Infiltrator', 'Shot Caller' and Pixar's 'Coco' - Collider» (em inglês) 
  24. a b «'Coco' Breaks Records: Disney Pixar Film Becomes Most Successful Film In Mexico» (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2017. 
  25. a b «Good enough: Pixar's 'Coco' an acceptable holiday diversion» (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2017. 
  26. «Coco». Internet Movie Database. Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  27. «Antonio Sol». Internet Movie Database. Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  28. «Cinépolis - Viva - A Vida é uma Festa (Coco, 2017)» 
  29. «Edward James Olmos confirmado na Comic Con Portugal 2017!» 
  30. «Disney Pixar anuncia elenco completo para doblaje de COCO - Cine PREMIERE» 
  31. «Viva - A Vida É uma Festa : Rogério Flausino vai dublar personagem em animação da Pixar». Omelete. 28 de setembro de 2017. Consultado em 28 de setembro de 2017. 
  32. «Saiu o trailer de "Viva – A Vida é Uma Festa" da Disney-Pixar, com participação de Rogério Flausino, do Jota Quest». São Paulo para crianças. 5 de outubro de 2017. Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  33. N'Duka, Amanda (24 de outubro de 2017). «Nolan Gerard Funk Joins 'Berlin, I Love You'; Natalia Cordova-Buckley Set In 'Coco'». Deadline (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2017. 
  34. Laughing Place Disney Newsdesk (28 de agosto de 2017). «John Ratzenberger Confirmed for "Coco"». Laughing Place (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2017. 
  35. «Disney Drops Controversial Dia De Los Muertos Trademark Bid After Online Uproar» (em inglês). 7 de maio de 2013. Consultado em 2 de dezembro de 2017. 
  36. "Meet the Newest Disney•Pixar Marvel, Coco".
  37. Rachel Berman (13 de abril de 2016). «Lee Unkrich Confirms that Animation Has Officially Started on Coco!» (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2017. 
  38. «Viva: A Vida é uma Festa = Trivia». Internet Movie Database. Consultado em 7 de janeiro de 2018. 
  39. T.J. & Julie (17 de agosto de 2017). «Get a Peek into Michael Giacchino's Scoring Process for Pixar's 'Coco' – Courtesy of Director, Lee Unkrich». Pixar Post (em inglês). Consultado em 20 de agosto de 2017. 
  40. Snetiker, Marc (15 de setembro de 2017). «First listen: Hear three new songs from Pixar's Coco». Entertainment Weekly. Consultado em 15 de setembro de 2017. 
  41. Ryan Watson (10 de maio de 2017). «Latest film release changes: Coco pops in 2018» (em inglês). Digital Cinema Media. Consultado em 10 de maio de 2017. 
  42. a b Scott Mendelson (15 de março de 2017). «Pixar's 'Coco' Is Trapped Between 'Justice League' And 'Star Wars'». Forbes (em inglês). Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  43. Esther Zuckerman (15 de março de 2017). «Strum along with the first teaser for Pixar's Coco» (em inglês). The A.V. Club. Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  44. Jack Shepherd (15 de março de 2017). «Coco trailer: First footage from Pixar Studio's upcoming original film released». The Independent (em inglês). Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  45. «First trailer launched for new Pixar film Coco». The Guardian (em inglês). 15 de março de 2017. Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  46. Booth, Kaitlyn (13 de junho de 2017). «Olaf's Frozen Adventure Trailer For The 21-Minute Featurette In Front Of Coco» (em inglês). Bleeding Cool. Consultado em 2 de dezembro de 2017. 
  47. Cesar Gaglioni (4 de dezembro de 2017). «Frozen: Confira o trailer do curta Olaf – Em Uma Nova Aventura Congelante de Frozen». Jovem Nerd. Consultado em 7 de dezembro de 2017. 
  48. Snetiker, Marc (13 de junho de 2017). «John Lasseter talks Olaf's Frozen Adventure, debuts first look». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 13 de junho de 2017.. Cópia arquivada em 13 de junho de 2017 
  49. a b Jacob Hall (15 de março de 2017). «'Coco' Trailer: Pixar's Next Original Movie Reveals Its First Footage» (em inglês). /Film. Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  50. James White (15 de março de 2017). «First Teaser Trailer For Pixar's Coco». Empire (em inglês). Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  51. Marissa Martinelli (15 de março de 2017). «Watch the First Trailer for Coco, Pixar's "Love Letter to Mexico"». Slate (em inglês). Consultado em 15 de março de 2017.. Cópia arquivada em 15 de março de 2017 
  52. Watkins, Gwynne (29 de março de 2017). «New Pixar Short 'Dante's Lunch' Introduces 'Coco' Dog, Plus Director Lee Unkrich on Whether 'Coco' Will Make You Cry (Exclusive)» (em inglês). Yahoo! Movies. Consultado em 1º de abril de 2017.. Cópia arquivada em 1º de abril de 2017 
  53. Lawrence, Derek (7 de junho de 2017). «Coco: New trailer digs deeper into the Land of the Dead». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  54. Scott Mendelson (13 de setembro de 2017). «Trailer: 'Coco' May Help Pixar Bounce Back From 'Cars 3'». Forbes (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2017. 
  55. Interactive, IA. «Inmortaliza Tu Voz» (em espanhol). cinepolis.com. Consultado em 24 de novembro de 2017. 
  56. «Conviértete en el reportero Cinemex y entrevista a los creadores de Coco» (em espanhol). Ganapromo.com. Consultado em 24 de novembro de 2017. 
  57. Roettgers, Janko (11 de outubro de 2017). «Pixar Makes Its Virtual Reality Debut With 'Coco VR'». Variety (em inglês). Consultado em 6 de novembro de 2017. 
  58. D'Alessandro, Anthony (20 de novembro de 2017). «Can 'Coco' Whip 'Justice League' For Top Spot Over Thanksgiving Stretch? – Box Office Preview». Deadline.com. Consultado em 20 de novembro de 2017. 
  59. a b Camila Sousa (10 de dezembro de 2017). «Bilheteria USA: Viva - A Vida é uma Festa - 01 a 03 de dezembro». Omelete. Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  60. D'Alessandro, Anthony (3 de dezembro de 2017). «'Coco' Looking At Sweet $26M+ As Specialty Sector Pops With Awards Contenders – Sunday Final» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  61. a b Scott Mendelson (3 de dezembro de 2017). «Box Office: 'Coco' Soars To $280M Worldwide, 'Wonder' Tops $100M Global». Forbes (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  62. Dave McNary (27 de novembro de 2017). «'Viva – A vida é uma festa' estreia em 1º nos EUA e supera 'Liga da Justiça'». G1. Consultado em 27 de novembro de 2017. 
  63. «Box office top 20: 'Coco' displaces 'Justice League'» (em inglês). Associated Press. 26 de novembro de 2017. Consultado em 28 de novembro de 2017. 
  64. D'Alessandro, Anthony (26 de novembro de 2017). «Thanksgiving B.O. At $268M, +3% Over 2016 Spurred By 'Coco' & Holdovers – Sunday Update» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 26 de novembro de 2017. 
  65. D'Alessandro, Anthony (10 de dezembro de 2017). «December Still Asleep Before 'Last Jedi' Awakens: 'Coco' $18M+, 'Disaster Artist' $6M+, 'Wonder' Crosses $100M» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  66. Marcel Plasse (10 de dezembro de 2017). «Viva - A Vida É uma Festa lidera bilheterias da América do Norte pela terceira semana - Pipoca Moderna». Pipoca Moderna. Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  67. Dave McNary (11 de dezembro de 2017). «'Viva – A vida é uma festa' lidera bilheterias dos EUA pela 3ª semana antes de estreia de 'Star Wars: Os últimos Jedi'». G1. Consultado em 11 de dezembro de 2017. 
  68. João Abbade (11 de dezembro de 2017). «Bilheteria EUA : Viva – A Vida é uma Festa mantém liderança em mais uma semana». Jovem Nerd. Consultado em 13 de dezembro de 2017. 
  69. Dave McNary (10 de dezembro de 2017). «Box Office: 'Coco' Wins as 'Star Wars: The Last Jedi' Waits in the Wings». Variety (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  70. Brad Bevet (17 de dezembro de 2017). «'Star Wars: The Last Jedi' Delivers Second Largest Opening Ever». Box Office Mojo. Consultado em 17 de dezembro de 2017. 
  71. Marcel Plasse (24 de dezembro de 2017). «Novo Star Wars mantém liderança folgada contra a avalanche de estreias nos EUA - Pipoca Moderna». Pipoca Moderna. Consultado em 24 de dezembro de 2017. 
  72. «Coco (2017) – Weekly Box Office Results». Box Office Mojo. 29 de dezembro de 2017. Consultado em 31 de dezembro de 2017. 
  73. Nancy Tartaglione (31 de outubro de 2017). «'Thor: Ragnarok' Thunders To $109M In Overseas Debut – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 5 de novembro de 2017. 
  74. Scott Mendelson (5 de novembro de 2017). «Box Office: 'Blade Runner 2049' Nears $240M, 'Coco' Soars In Mexico». Forbes (em inglês). Consultado em 5 de novembro de 2017. 
  75. Nancy Tartaglione (6 de novembro de 2017). «'Thor: Ragnarok' & Rolls To $431M WW, $308M Offshore With Record November China Start – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 8 de novembro de 2017. 
  76. Nancy Tartaglione (12 de novembro de 2017). «'Thor' Rocks $650M WW; 'Orient Express' Rolls $57M Offshore; 'Coco', 'Paddington 2' Feel Embrace – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 12 de novembro de 2017. 
  77. Adolfo Molina (15 de novembro de 2017). «Viva: A Vida é Uma Festa - Filme da Pixar é a maior bilheteria do México da história». Observatório do Cinema. Consultado em 15 de novembro de 2017. 
  78. Elbert Wyche (26 de novembro de 2017). «'Coco' debuts at number one in China». Screen Daily (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2017. 
  79. Nancy Tartaglione (26 de novembro de 2017). «'Justice League' Tops $300M Overseas; 'Coco' Charms China & 'Thor' Rocks Near $800M WW – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 26 de novembro de 2017. 
  80. Rob Cain (1 de dezembro de 2017). «'Coco' Rockets To Epic 300% Friday-To-Friday Gain In China For $39M 8-Day Cume». Forbes (em inglês). Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  81. Nancy Tartaglione (3 de dezembro de 2017). «Hot 'Coco' Sings In China; 'Thor' Tops $816M, 'Justice League' Lassos $567M WW – International Box Office» (em inglês). Deadline.com. Consultado em 3 de dezembro de 2017. 
  82. Dave McNary (10 de dezembro de 2017). «Box Office: 'Coco' Stays Strong With $55 Million at International Box Office». Variety (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2017. 
  83. Rob Cain (16 de dezembro de 2017). «With 1 Billion+ RMB / $152M Cume 'Coco' Has Now Quadrupled Pixar's Previous China Record». Forbes (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  84. Rob Cain (26 de dezembro de 2017). «'Coco' Has Single-Handedly Out-Grossed The Earnings of All 12 Prior Pixar Releases In China Combined». Forbes (em inglês). Consultado em 2 de janeiro de 2018. 
  85. Rob Cain (16 de dezembro de 2017). «With 1 Billion+ RMB / $152M Cume 'Coco' Has Now Quadrupled Pixar's Previous China Record». Forbes (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2017. 
  86. Rob Cain (26 de dezembro de 2017). «'Coco' Has Single-Handedly Out-Grossed The Earnings of All 12 Prior Pixar Releases In China Combined». Forbes (em inglês). Consultado em 1 de janeiro de 2018. 
  87. «Coco». Rotten Tomatoes (em inglês). 22 de novembro de 2017. Consultado em 16 de janeiro de 2018. 
  88. «BEST-REVIEWED ANIMATED MOVIES 2017» (em inglês). Rotten Tomatoes. 4 de janeiro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2018. 
  89. «BEST-REVIEWED MOVIES 2017 > WIDE RELEASES» (em inglês). Rotten Tomatoes. 4 de janeiro de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2018. 
  90. «Coco». Metacritic (em inglês). Consultado em 3 de fevereiro de 2018. 
  91. «Coco». Internet Movie Database. Consultado em 29 de março de 2018. 
  92. Marcel Plasse (26 de novembro de 2017). «Viva - A Vida é uma Festa derrota Liga da Justiça e lidera bilheterias da América do Norte.». Pipoca Moderna. Consultado em 2 de dezembro de 2017. 
  93. Rechtshaffen, Michael (20 de outubro de 2017). «'Coco': Film Review». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 10 de novembro de 2017. 
  94. Abele, Robert (20 de outubro de 2017). «'Coco' Review: Pixar's Journey Down Mexico Way Pays Colorful, Moving Tribute to Family». TheWrap (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2017. 
  95. Debruge, Peter (20 de outubro de 2017). «Film Review: Pixar's 'Coco'». Variety (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2017. 
  96. Seitz, Matt Zoller (21 de novembro de 2017). «Coco Movie Review & Film Summary (2017)» (em inglês). RogerEbert.com. Consultado em 24 de novembro de 2017. 
  97. Travers, Peter (25 de novembro de 2017). «'Coco' Review: Pixar's Day-of-the-Dead Gem Is as Lively as They Come». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 25 de novembro de 2017. 
  98. Michael Phillips (21 de novembro de 2017). «'Coco' review: While not Pixar's best, 'Coco' is 'vividly good,' beautifully animated». Chicago Tribune (em inglês). Consultado em 29 de novembro de 2017. 
  99. «Review: 'Coco' Brings the Pixar Touch to Death». The New York Times (em inglês). A. O. Scott. 21 de novembro de 2017 
  100. Richard Roeper (21 de novembro de 2017). «The exciting Land of the Dead is where 'Coco' really comes to life». Chicago Sun-Times (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2017. 
  101. «Review: Joyful 'Coco' breaks from the Pixar pack as a Mexican musical spectacular». USA Today (em inglês). Brian Truitt. 21 de novembro de 2017. Consultado em 21 de novembro de 2017. 
  102. Whitty, Stephen (22 de novembro de 2017). «'Coco' review: Disney and Pixar set out a Mexican feast». New York Daily News (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2017. 
  103. «Annie Awards 2018: Viva - A Vida é uma Festa lidera indicações ao Oscar da animação». Omelete. 4 de dezembro de 2017. Consultado em 7 de dezembro de 2017. 
  104. «Globo de Ouro 2018: Confira a lista completa de indicados!». AdoroCinema. 11 de dezembro de 2017. Consultado em 11 de dezembro de 2017. 
  105. Renato Marafon (4 de dezembro de 2017). «'Viva – A Vida é uma Festa' lidera indicações ao Annie Awards, o "Oscar da animação"». Cinepop. Consultado em 4 de dezembro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]