Coco (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Filme
Este artigo ou seção contém informações sobre um filme cujo lançamento ainda não ocorreu, podendo sofrer alterações substanciais assim que informações se tornarem disponíveis. Por favor, evite fazer especulações sobre o artigo, lembrando-se sempre de citar as suas fontes de publicação junto com as informações.
Coco
Coco (PT)
Viva - A Vida é Uma Festa (BR)
teaser poster
 Estados Unidos
2017 •  cor •  109 min 
Direção Lee Unkrich
Codireção Adrian Molina
Produção Darla K. Anderson
Roteiro Adrian Molina
Elenco Anthony Gonzalez
Benjamin Bratt
Renée Victor
Gael Garcia Bernal
Gênero Drama, Aventura
Companhia(s) produtora(s) Pixar Animation Studios
Walt Disney Pictures
Distribuição Walt Disney Studios Motion Pictures
Lançamento México 27 de outubro de 2017
Estados Unidos 22 de novembro de 2017
Portugal 23 de novembro de 2017
Brasil 4 de janeiro de 2018
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

Coco (No Brasil Viva - A Vida é Uma Festa) é um futuro filme de animação computadorizada americano, produzido pela Pixar Animation Studios e lançado pela Walt Disney Pictures. Em 15 de agosto de 2015, a Pixar confirmou o título do filme, inspirado no feriado mexicano do Día de Muertos, na D23 Expo. Está sendo dirigido por Lee Unkrich (Toy Story 3) e a descrição oficial afirma que "Coco é a celebração de uma vida, onde a descoberta de mistérios das gerações antigas leva a uma extraordinária e surpreendente reunião de família". Ele está programado para ser lançado em 22 de novembro de 2017.[1]

Premissa[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Coco é sobre um menino de 12 anos chamado Miguel, um garoto doce que ama a música apesar do fato de que sua abuelita (Renée Victor) proibiu a música depois de seu tataravô ter abandonado a esposa para seguir a carreira de música, ele treina escondido em seu sótão evitando a ira de seus familiares. Um belo dia, Miguel descobre que Ernesto de La Cruz, o seu ídolo e inspirador é seu tataravô depois de comparar seu violão na estátua com uma foto antiga de família, ele decide contar a sua família seu segredo e que se inscreveu em um concurso de talentos da vila onde moram pra tocar e cantar, mas Abuelita quebra seu violão por ele ter desobedecido a regra mais importante da família "nada de música". Desolado, na véspera do Dia dos Mortos, ele vai ao museu de La Cruz para pegar emprestado o seu violão de caveira, mas ao tocar a primeira acorde, ele é transformado em um fantasma vivo e é transportado para a Terras dos mortos aonde se encontra com seus antepassados e cria o objetivo de encontrar Ernesto de La Cruz junto com um esqueleto chamado Héctor (Gael García Bernal) para poder convencer sua família que a música é uma coisa boa e voltar para a Terra dos Vivos antes que fique preso ali para sempre.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em 25 de abril de 2012, a Pixar anunciou um filme inspirado Día de Muertos (Dia dos Mortos). Em 11 de Maio de 2013, A Walt Disney Company apresentou um pedido para marca comercial a expressão "Día de los Muertos" para diversas aplicações de merchandising. Este movimento foi recebido com críticas na mídia social da comunidade latina dos Estados Unidos. Um deles foi Lalo Alcaraz, um cartunista mexicano-americano, que desenhou um poster do filme, intitulado "Muerto Mouse", representando um esqueleto Godzilla do tamanho de Mickey Mouse com a assinatura "está chegando a marca da sua cultura." Mais de 21.000 pessoas assinaram uma petição no Change.org afirmando que a marca foi "apropriação cultural e a exploração no seu pior." Uma semana depois, a Disney cancelou sua tentativa, com a declaração oficial dizendo que a "o depósito da marca foi concebido para proteger qualquer potencial de título para o nosso filme e atividades relacionadas. Desde então, foi determinado que o título do filme vai mudar, e, portanto, estamos retirando o nosso arquivamento da marca."[4] Em 2015, a Pixar contratou Alcaraz para consulta sobre o filme. Junto com o dramaturgo Octavio Solís e Marcela Davison Aviles, ex CEO da Mexican Heritage Corp.  formaram uma equipe de consultores culturais para o filme. Lee disse em seu Twitter que tornaram o filme "culturalmente honesto".[2]

A Pixar fez várias viagens para o México para ajudar a definir os personagens e a história de Coco. Unkrich disse, "eu tinha visto ele retratado na arte popular. Era algo sobre a justaposição de esqueletos com brilhantes, festivas de cores que capturou minha imaginação. Ele me levou para baixo de um sinuoso caminho de descoberta. E quanto mais eu aprendo sobre o Día de los Muertos, a mais isso me afeta profundamente."[5]

Em 13 de abril de 2016, Unkrich anunciou que eles começaram a animação.[6]

O roteirista do filme, Adrian Molina foi promovido a co-diretor em 2016. A Variety divulgou informações do elenco e a história em 6 de dezembro de 2016. Ela afirmou que o filme é provavelmente um musical, embora a Pixar está relutante em chama-lo assim; mesclando canções originais com canções mexicanas tradicionais, cantadas pelo elenco. Coco vai trazer inúmeros elementos da cultura mexicana: nas canções de la Cruz, as oferendas tradicionais, um cachorro pelado mexicano como o animal de estimação de Miguel, alebrijes brilhantemente coloridos, que se tornam espécies de guardiões na terra dos mortos. Unkrich e sua equipe pegaram essas referências culturais através das diversas viagens de pesquisa às cidades mexicanas. "Eu serei o primeiro a dizer que ir em algumas viagens de pesquisa não nos faz peritos em qualquer coisa," Unkrich diz, "mas seria errado para nós não trazer nada. Eu sabia desde o primeiro dia, quando John Lasseter deu a aprovação, que nós tínhamos uma enorme responsabilidade de contar essa história corretamente e não cair em clichê ou estereótipo".[2]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]