Tubarão (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jaws)
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Jaws" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Jaws (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Jaws
O Tubarão (PT)
Tubarão (BR)
Pôster Oficial de Lançamento por Roger Kastel
 Estados Unidos
1975 •  cor •  124[1] min 
Direção Steven Spielberg
Produção Richard D. Zanuck
David Brown
Roteiro Peter Benchley
Carl Gottlieb
Baseado em Jaws
de Peter Benchley
Elenco Roy Scheider
Robert Shaw
Richard Dreyfuss
Lorraine Gary
Gênero Aventura
Terror
Música John Williams
Cinematografia Bill Butler
Edição Verna Fields
Companhia(s) produtora(s) Zanuck/Brown Productions
Distribuição Universal Pictures
Lançamento Estados Unidos 20 de junho de 1975
Brasil 7 de julho de 1975
Idioma Inglês
Orçamento US$ 9 milhões
Receita US$ 470.7 milhões
Cronologia
Jaws 2 (1978)
Página no IMDb (em inglês)

Tubarão[2] (nos Estados Unidos, Jaws) é um filme americano de suspense de 1975 dirigido por Steven Spielberg e baseado no romance homônimo de mesmo nome de Peter Benchley.

O filme teve uma produção complicada, estourando o orçamento de US$4 milhões até 9 milhões, vendo muitos atrasos e enfrentando problemas com o tubarão mecânico que levaram muitas cenas a apenas sugerir a presença do predador. Apesar disso, foi bem recebido pela crítica, sendo considerado um clássico do cinema, e se tornou um grande sucesso de bilheteria, conseguindo o que foi à época o maior faturamento da história com 673 milhões de dólares. Tubarão é creditado junto com Star Wars (br: Guerra nas Estrelas), de George Lucas, como iniciador da era dos filmes arrasa-quarteirão (blockbuster). No Brasil o filme também fez muito sucesso, tendo levado mais de 13 milhões de pessoas aos cinemas. No mundo, beirou o público de 250 milhões de pessoas, sendo um dos filmes mais vistos de todos os tempos. Se hoje lançado, arrecadaria mais de 2 bilhões de dólares em bilheteria .[3]

O filme teve as seguintes sequências, sem a participação de Spielberg: Tubarão II (1978), Tubarão III (1983) e Tubarão IV - A Vingança (1987).

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Uma garota é encontrada morta na beira da praia, possivelmente por um ataque de tubarão. O xerife Brody (Roy Scheider) tenta fechar a praia. Mas por estar perto do dia 4 de julho (o dia que dá mais lucro na cidade) o prefeito não permite, com medo de criar pânico. Porém uma criança é morta e o tubarão é caçado por todos os pescadores por uma recompensa. Logo um é capturado, mas o especialista chamado pelo xerife diz não se tratar daquele que vem aterrorizando o local por ter uma mandíbula menor que aquela que provocou ferimentos nas vítimas. Após a confirmação de terem pego o tubarão errado, o xerife e o especialista alertam o prefeito mais uma vez para interditarem a praia, porém sem sucesso. No feriado de 4 de julho ocorre outro ataque, aterrorizando não só os turistas, como os moradores. O xerife parte então com um cientista e um insano pescador para tentar localizar o verdadeiro perigo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Richard D. Zanuck e David Brown, produtores da Universal Pictures, ouviram críticas positivas sobre o romance Jaws, de Peter Benchley. Brown pesquisou na seção de literatura da revista Cosmopolitan, editada por sua esposa Helen Gurley Brown à época. Um pequeno cartão escrito pelo editor-chefe detalhava o enredo do romance, concluindo com o comentário "poderia ser um bom filme".[4][5] Os produtores leram o livro ao longo de uma noite inteira e concordaram em realizar um filme baseado no "material mais excitante que já haviam lido", apesar de incertos sobre como o projeto se tornaria realidade.[6] Em 1973, a dupla adquiriu os direitos de produção, antes mesmo da publicação do livro, por aproximadamente 157 mil dólares.[7] Brown afirmou que se tivesse lido o livro mais uma vez, não realizaria o filme dada a dificuldade de adaptação do roteiro em certas sequências.[8]

Zanuck e Brown consideraram primeiramente John Sturges para assumir a direção do filme. O diretor já havia realizado um filme com enredo sobre aventuras marítimas, The Old Man and the Sea. Posteriormente, a dupla ofereceu o cargo a Dick Richards, que havia tido sua estreia como diretor no ano anterior com The Culpepper Cattle Co..[9] Contudo, ambos se irritaram com a insistência de Richards em descrever o tubarão como uma baleia e o dispensaram do projeto. Enquanto isso, Steven Spielberg expressou sua intenção em assumir a direção. Então com 26 anos de idade, Spielberg havia acabado de dirigir The Sugarland Express, com a produção de Zanuck e Brown. Durante uma reunião no escritório da dupla, Spielberg notou as anotações sobre o romance de Benchley e ficou fascinado com o enredo.[7] Posteriormente, observou que era muito similar com seu filme televisivo Duel, na parte em que "leviatãs devoram todos os homens".[7] Em junho de 1973, após a saída de Richards, os produtores contrataram Spielberg.

Antes do início da produção, contudo, Spielberg, ficou relutante em permanecer no projeto. O diretor temia tornar-se estereotipado com produções "caminhão e tubarão".[10] Spielberg considerou colaborar em Lucky Lady, da 20th Century Fox, mas a Universal usou o contrato para impedi-lo de deixar a companhia. Ao mesmo tempo, Brown convenceu-o a ficar no projeto, afirmando que "após este, você pode fazer o que quiser".[11] O filme recebeu orçamento de 3.5 milhões de dólares e um calendário de filmagens de 55 dias. A filmagem principal foi agendada para início em maio de 1974. A Universal também estipulou a conclusão da fase de filmagem no fim de junho do mesmo ano, quando se encerraria seu contrato com a Screen Actors Guild.[12]

Seleção de elenco[editar | editar código-fonte]

Roy Scheider interpreta o protagonista Martin Brody.

Apesar de concordar com a exigência de Zanuck e Brown de contratar atores conhecidos pelo grande público, Spielberg evitou trazer estrelas para a produção.[6] O diretor acreditava que "alguns anônimos" ajudariam o público a "acreditar que isto poderia ocorrer com pessoas comuns", ao mesmo passo em que "estrelas trazem uma centena de memórias consigo, e estas podem eventualmente... corromper a história".[10] O diretor acrescentou que, em seus planos, "a superestrela seria o tubarão". Os primeiros atores contratados foram Lorraine Gary, esposa do então presidente da Universal, Sid Sheinerg,[10] e Murray Hamilton.[13] Susan Backlinie, uma ex-dublê, foi selecionada para interpretar a primeira vítima do filme, já que sabia nadar e desejava interpretar uma cena de nudez. Os papéis de menor destaque foram interpretados pelos próprios moradores de Martha's Vineyard, onde o filme foi rodado. Um exemplo foi o morador Hendricks, interpretado pelo futuro produtor televisivo Jeffrey Kramer.[14]

O ator Robert Duvall recebeu uma proposta para interpretar o protagonista Martin Brody, mas se interessou em ficar com o papel secundário do caçador de peixes Quint.[15] Charlton Heston também expressou sua intenção pelo papel, mas Spielberg considerou-o muito consagrado artisticamente para viver um simples chefe de polícia local.[15] Roy Scheider se interessou pelo projeto após ouvir Spielberg conversar com um roteirista em uma festa sobre uma cena em que o tubarão pula no barco.[15] À princípio, Spielberg não quis contratar Scheider, temendo que este fosse interpretar "um garoto bobo", como em The French Connection.[15]

Dias antes do início da produção, não haviam sido contratados os atores para Hooper e Quint.[16] O papel de Quint foi ofereço inicialmente aos atores Lee Marvin e Sterling Hayden, que rejeitaram. Zanuck e Brown haviam trabalhado com Robert Shaw em The Sting e sugeriram seu nome a Speilberg.[17] Shaw estava inseguro em assumir o papel por não ter gostado do livro, mas decidiu aceitar a oferta após pressão de sua esposa, a atriz Mary Ure. "A última vez em que ela ficou tão feliz foi em From Russia with Love. E ela tinha razão."[18] Shaw baseou sua performance em um dos habitantes locais e que também participou do elenco como figurante. Spielberg descrevia o residente como "a mais pura versão de quem, em minha mente, seria Quint". Outras fontes de inspiração para as falas e maneiras de Quint foi um mecânico local chamado Lynn Murphy.[6]

Para o papel de Hooper, Spielberg desejava contratar Jon Voight. Timothy Bottoms, Joel Grey e Jeff Bridges também foram considerados para o papel. O cineasta George Lucas, amigo pessoal de Spielberg, indicou o ator Richard Dreyfuss, com quem havia colaborado em American Graffiti. O ator inicialmente dispensou a oferta, mas mudou de opinião após comparecer à exibição de The Apprenticeship of Duddy Kravitz, pouco antes de seu lançamento. Desapontado com sua performance anterior e temendo uma queda em sua carreira, Dreyfuss aceitou o papel em Jaws. Como o roteiro final do filme era muito diferente do livro, Spielberg pediu que Dreyfuss não lesse a obra antes das filmagens. Como resultado da seleção de elenco, Hooper teve de reescrever o roteiro para que o ator se encaixasse melhor e para que representasse mais Spielberg, que passou a ver Dreyfuss como "seu alter ego".[16][19]

Música[editar | editar código-fonte]

John Williams compôs a trilha sonora de Jaws, que rendeu-lhe um Óscar de Melhor Trilha Sonora Original e foi considerada posteriormente como a 6ª maior trilha sonora da história do cinema pelo American Film Institute.[20][21] O tema principal das cenas com o tubarão, uma simples alternância de duas notas musicais - identificadas como "E e F"[22] ou "F e Fm"[23] - tornou-se um clássico em filmes de suspense e sinônimo de um perigo próximo. Williams descreveu o tema como "esmagando caminhos até você, como o tubarão faria, instintivo, implacável, imbatível".[24] O tema foi performado pelo tubista Tommy Johnston. Quando questionado por Johnston porque a melodia havia sido composta em tom alto e não performada pela mais apropriada trompa, Williams respondeu que desejava um efeito "ameaçador".[25] Ao apresentar o tema a Spielberg, o diretor riu achando que se tratava de uma piada.[6] Nos elementos de percussão acelerada, a trilha sonora contém incidentais de La mer, de Claude Debussy, assim como A Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky.[22][26]

Há várias interpretações sobre o significado e efeito do tema principal do filme, que é amplamente descrito como um dos mais reconhecíveis temas da história do cinema. O especialista em música Joseph Cancellaro propõe que a alternância das duas notas é uma referência ao batimento cardíaco do tubarão.[27] De acordo com Alexandre Tylski, assim como temas compostos por Bernard Herrmann para Taxi Driver, North by Northwest e Mysterious Island, este é uma referência à respiração de uma pessoa. Tylski ainda argumenta que o ponto alto da trilha sonora é, na realidade, "a divisão e a ruptura" - quando este se encerra abruptamente após a morte de Chrissie na cena inicial. A relação entre som e silêncio também é levada em conta, de forma que o público é condicionado a associar o tubarão com seu tema.[27]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resultado nas bilheterias[editar | editar código-fonte]

Jaws estreou com 7 milhões de dólares no fim de semana[28] e recobrou seus custos de produção em apenas duas semanas.[29] Em apenas 78 dias após o lançamento, o filme superou The Godfather como o mais bem-sucedido nas bilheterias da América do Norte,[30] superando inclusive a produção de 86 milhões de dólares. O filme também entrou para a história por ser o primeiro superar a marca de 100 milhões de dólares em bilheterias norte-americanas.[31] Os relançamentos em cinema em 1976 e 1979 totalizaram 133 milhões de dólares em bilheterias.[32]

O filme foi lançado em outros países em dezembro de 1975. Seguindo o sucesso comercial alcançado nos Estados Unidos, o filme quebrou recordes em Singapura, Nova Zelândia, Japão, Espanha e México. Em 1977, Jaws ainda era o maior lançamento norte-americano no exterior com rendas de 193 milhões de dólares, chegando a cerca de 400 milhões de dólares em renda bruta. Por consequência, suplantou novamente The Godfather, que havia arrecadado 145 milhões no total.[33]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Jaws venceu três categorias do Óscar: Melhor Edição, Melhor Banda Sonora e Melhor Som (Robert Hoyt, Roger Heman, Earl Madery e John Carter).[34] Também foi indicado nas categorias de Melhor Filme, perdendo para One Flew Over the Cuckoo's Nest. Spielberg, no entanto, lamentou o fato de não ter sido indicado a Melhor Diretor. Além do Óscar, John Williams venceu os Prémios Grammy de Melhor Banda Sonora para Mídia Visual,[35] o BAFTA de Melhor Banda Sonora[36] e o Globo de Ouro de Melhor Banda Sonora Original.[37]

Jaws foi escolhido como "Filme Favorito" do People's Choice Awards.[38] Também foi indicado a melhor filme, diretor, ator (Richard Dreyfuss), edição e som no BAFTA,[36] além de diversas outras categorias nos Prémios Globo de Ouro.[37] Spielberg foi indicado a Melhor Diretor pelo Directors Guild of America[39] e Peter Benchley e Carl Gottlieb foram indicados a Melhor Roteiro Adaptado pelo Writers Guild of America.[40]

Mesmo anos após seu lançamento, o filme têm sido frequentemente citado pela crítica e profissionais da indústria do cinema como um dos maiores filmes já realizados. O filme ficou em 48º lugar na lista 100 Years... 100 Movies promovida pelo American Film Institute em 1998;[41] na edição de 10 anos da lista, em 2008, o filme havia decaído para a 56ª posição.[42] A mesma revista também posicionou o tubarão em 18º lugar na lista dos "50 maiores vilões de todos os tempos". Em 2003, o jornal The New York Times incluiu o filme em sua lista de mil melhores filmes já lançados.[43]

Em 2001, o filme foi selecionado pela Biblioteca do Congresso para preservação em seu Registro Nacional de Filme como uma produção de "alta significância cultural". Em 2006, o roteiro foi considerado o 63º melhor já escrito pela Writers Guild of America, associação que reúne roteiristas do país.

Lista de prêmios e indicações de Jaws
Premiação Categoria Vencedores e indicados Resultado Ref.
Óscar Melhor Filme Jaws Indicado [34]
Melhor Trilha Sonora John Williams Venceu
Melhor Mixagem de Som Robert L. Hoyt, Roger Heman, Earl Madery e John Carter Venceu
Melhor Edição Verna Fields Venceu
Globo de Ouro Melhor Filme - Drama Jaws Indicado [37]
Melhor Diretor Steven Spielberg Indicado
Melhor Roteiro Peter Benchley e Carl Gottlieb Indicado
Melhor Trilha Sonora John Williams Venceu
BAFTA Melhor Filme Jaws Indicado
Melhor Diretor Steven Spielberg Indicado
Melhor Ator Richard Dreyfuss Indicado
Melhor Roteiro Adaptado Peter Benchley e Carl Gottlieb Indicado
Melhor Trilha Sonora John Williams Venceu
Melhor Edição Verna Fields Indicado
Grammy Awards Melhor Banda Sonora Original para Mídia Visual John Williams Venceu [35]


Referências

  1. «JAWS (A)». British Board of Film Classification. 12 de Junho de 1975. Consultado em 7 de Junho de 2015 
  2. Tubarão - DVDs de Portugal
  3. Informações sobre Tubarão no AdoroCinema. Página visitada em 15-06-2012.
  4. Priggé 2004, p. 6
  5. Scanlon 2009, p. 197
  6. a b c d Bouzereau, Laurent (1995). A Look Inside Jaws ["From Novel to Script"]. Jaws: 30th Anniversary Edition DVD (2005): Universal Home Video.
  7. a b c Brode 1995, p. 50
  8. McBride 1999, p. 231
  9. McBride 1999, p. 232
  10. a b c Biskind 1998, p. 264
  11. McBride 1999, p. 240
  12. Gottlieb 2005, p. 52
  13. Gottlieb 2005, p. 56
  14. Nadler 2006, p. 35.
  15. a b c d McBride 1999, p. 237
  16. a b Baer 2008, p. 206
  17. Jackson 2007, p. 20
  18. «Summer of the Shark». Time. 23 de junho de 1975 
  19. McBride 1999, p. 236
  20. «The 48th Academy Awards (1976) Nominees and Winners». Academy of Motion Picture Arts and Sciences 
  21. «AFI's 100 Years of Film and Scores». American Film Institute 
  22. a b Matessino, Michael (24 de setembro de 1999). «Letter in response to "A Study of Jaws' Incisive Overture To Close Off the Century». Film Score Monthly 
  23. Tylski, Alexandre (14 de setembro de 1999). «A Study of Jaws' Incisive Overture To Close Off the Century». Film Score Monthly 
  24. Friedman 2006, p. 174
  25. Chaudy, Bob (6 de novembro de 2006). «Spies, sports, and sharks». BBC News 
  26. Scheurer, Timothy E. (1 de março de 1997). «John Williams and film music since 1970». Popular Music and Society 
  27. a b Berardinelli, James. «Jaws». Reelviews 
  28. «Jaws (1975)». Box Office Mojo 
  29. Morris 2007, p. 44.
  30. «The Jaws that ate Hollywood». PBS. 2001 
  31. Hall & Neale 2010, p. 210.
  32. «Jaws, 40 years on». The Guardian. 31 de maio de 2015 
  33. Weiler, A. H. (14 de abril de 1975). «Evans Quits as Executive at Paramount». The New York Times 
  34. a b «The 48th Academy Awards (1976) Nominees and Winners». Academy of Motion Picture Arts and Sciences 
  35. a b «Past Winners Search». The Recording Academy 
  36. a b «1975 Film Nomations». BAFTA 
  37. a b c «33rd Golden Globe Awards». Hollywood Foreign Press Association 
  38. «And the 2nd Annual "Favorite Movie People's Choice" is ... Jaws!». People's Choice Awards 
  39. «Awards / History / 1975 – 28th Annual DGA Awards». Directors Guild of America 
  40. «Writers Guild Foundation Library Catalog: Jaws". Writers Guild of America, West.» 
  41. «100 Years... 100 Movies». American Film Institute 
  42. «AFI's 100 Years... 100 Movies (10th Anniversary Edition)». American Film Institute 
  43. «The Best 1,000 Movies Ever Made». The New York Times. 29 de abril de 2003 


Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o