Ennio Morricone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ennio Morricone
Morricone no Festival de Cannes de 2012.
Informação geral
Nascimento 10 de novembro de 1928
Local de nascimento Roma
Itália
Morte 6 de julho de 2020 (91 anos)
Local de morte Roma
Nacionalidade italiano
Gênero(s) trilha sonora
música clássica
pop
jazz
easy listening
Ocupação(ões) compositor
arranjador
maestro
Período em atividade 1946 – 2020
Página oficial enniomorricone.org

Ennio Morricone OMRI (Roma, 10 de novembro de 1928 – Roma, 6 de julho de 2020)[1] foi um compositor, arranjador e maestro italiano[2] que escreveu músicas em diversos estilos. Morricone compôs mais de 400 partituras para cinema e televisão, além de mais de 100 obras clássicas. Sua trilha sonora para The Good, the Bad and the Ugly (1966) é considerada uma das trilhas sonoras mais influentes da história[3] e foi introduzida no Grammy Hall of Fame.[4] Sua filmografia inclui mais de 70 filmes premiados, todos os filmes de Sergio Leone desde A Fistful of Dollars, todos os filmes de Giuseppe Tornatore desde Cinema Paradiso, A Batalha de Argel, Animal Trilogy de Dario Argento, 1900, Exorcist II, Days of Heaven, vários filmes importantes no cinema francês, em particular a trilogia de comédia La Cage aux Folles I, II, III e Le Professionnel, bem como The Thing, The Mission, The Untouchables, Mission to Mars, Bugsy, Disclosure, In the Line of Fire, Bulworth, Ripley's Game and The Hateful Eight.[5]

Depois de tocar trompete em bandas de jazz na década de 1940, tornou-se arranjador de estúdio para a RCA Victor e, em 1955, começou a escrever fantasmas para cinema e teatro. Ao longo de sua carreira, compôs músicas para artistas como Paul Anka, Mina, Milva, Zucchero e Andrea Bocelli. De 1960 a 1975, Morricone ganhou fama internacional por compor músicas para Westerns e - com uma estimativa de 10 milhões de cópias vendidas - Era uma vez no Oeste é uma das partituras mais vendidas em todo o mundo.[6] De 1966 a 1980, ele foi um membro principal do Il Gruppo, um dos primeiros coletivos de compositores experimentais, e em 1969 foi co-fundador do Forum Music Village, um prestigiado estúdio de gravação.

A partir da década de 1970, Morricone se destacou em Hollywood, compondo para prolíficos diretores americanos como Don Siegel, Mike Nichols, Brian De Palma, Barry Levinson, Oliver Stone, Warren Beatty, John Carpenter e Quentin Tarantino. Em 1977, ele compôs o tema oficial da Copa do Mundo da FIFA de 1978. Ele continuou a compor músicas para produções europeias, como Marco Polo, La piovra, Nostromo, Fateless, Karol e En mai, fais ce qu'il te plait. A música de Morricone foi reutilizada em séries de televisão, incluindo The Simpsons e The Sopranos, e em muitos filmes, incluindo Inglourious Basterds e Django Unchained. Ele também marcou sete Westerns por Sergio Corbucci, a duologia Ringo de Duccio Tessari e The Big Gundown de Sergio Sollima e Face to Face. Morricone trabalhou extensivamente para outros gêneros de filmes com diretores como Bernardo Bertolucci, Mauro Bolognini, Giuliano Montaldo, Roland Joffé, Roman Polanski e Henri Verneuil. Sua aclamada trilha sonora de The Mission (1986)[7] foi certificada em ouro nos Estados Unidos. O álbum Yo-Yo Ma Plays Ennio Morricone ficou 105 semanas nos álbuns clássicos da Billboard.[8]

As composições mais conhecidas de Morricone incluem "The Ecstasy of Gold", "Se Telefonando", "Man with a Harmonica", "Here to You", o single número 2 do Reino Unido "Chi Mai", "Oboé de Gabriel" e "E Più Ti Penso ". Em 1971, ele recebeu uma "Targa d'Oro" por vendas mundiais de 22 milhões[9] e até 2016 Morricone havia vendido mais de 70 milhões de registros em todo o mundo.[10] Em 2007, ele recebeu o Óscar Honorário "por suas magníficas e multifacetadas contribuições à arte da música cinematográfica". Ele foi indicado para mais seis Oscars. Em 2016, Morricone recebeu seu primeiro Oscar competitivo por sua pontuação no filme de Quentin Tarantino, The Hateful Eight, na época se tornando a pessoa mais velha a ganhar um Oscar competitivo. Suas outras realizações incluem três Grammy Awards, três Globos de Ouro, seis BAFTAs, dez David di Donatello, onze Nastro d'Argento, dois European Film Awards, o Golden Lion Honorary Award e o Polar Music Prize em 2010. Morricone influenciou muitos artistas de classificação de filmes para outros estilos e gêneros, incluindo Hans Zimmer,[11] Danger Mouse,[12] Dire Straits,[13] Muse,[14] Metallica[15] e Radiohead.[16]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Morricone nasceu em Roma, filho de Libera Ridolfi e Mario Morricone, músico.[17] Sua família veio de Arpino, perto de Frosinone. Morricone, que tinha quatro irmãos, Adriana, Aldo (que morreu acidentalmente antes de completar quatro anos de idade, devido à babá dele tê-lo alimentado erroneamente com cerejas, às quais ele era severamente alérgico), Maria e Franca moravam em Trastevere, no centro de Roma, com os parentes. Mario, seu pai, tocava trompete e trabalhava profissionalmente em diferentes orquestras de música leve, enquanto sua mãe Libera montou uma pequena empresa têxtil.[18]

Educação clássica[editar | editar código-fonte]

Seu primeiro professor foi o pai, que o ensinou a ler música e também a tocar vários instrumentos. Compelido a tocar trompete, entrou na Accademia Nazionale di Santa Cecilia, para ter aulas sob a orientação de Umberto Semproni.[17]

Goffredo Petrassi, professor de Morricone

Morricone entrou formalmente no conservatório em 1940 aos 12 anos, participando de um programa de harmonia de quatro anos. Ele completou em seis meses. Estudou trompete, composição e música coral, sob a direção de Goffredo Petrassi, que o influenciou – desde então, dedica suas peças de concerto a Petrassi. Em 1941, foi escolhido entre os estudantes da Academia Nacional de Santa Cecília para fazer parte da Orquestra da Ópera, dirigida por Carlo Zecchi, por ocasião de uma excursão pela região de Veneto.[19] Em 1946, recebeu seu diploma em trompete.[20] Depois que se formou, continuou a trabalhar na composição e arranjos clássicos.[17]

Embora Morricone tenha recebido o Diploma de Instrumentação para Arranjo de Bandas (fanfarra) com uma nota de 9/10 em 1952, seus estudos foram concluídos no Conservatório de Santa Cecília em 1954 com a obtenção de um 9.5 / 10 final em seu Diploma de Composição sob Petrassi.[21]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 13 de outubro de 1956, Morricone se casou com Maria Travia, que conheceu em 1950. Ela escreveu letras para complementar as peças de seu marido e seus trabalhos incluem os textos em latim para The Mission. Eles tiveram três filhos e uma filha: Marco (1957), Alessandra (1961), o maestro e compositor Andrea (1964) e Giovanni Morricone (1966), cineasta que mora em Nova Iorque.[22]

Morricone viveu na Itália a vida inteira e nunca desejou viver em Hollywood. A The New York Times Magazine o listou entre centenas de artistas cujo material foi supostamente destruído no incêndio da Universal em 2008.[23]

Morreu no dia 6 de julho de 2020 em Roma, aos 91 anos, devido a complicações recorrentes de uma queda em sua casa.[24]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Morricone vendeu mais de 70 milhões de discos em todo o mundo durante sua carreira, que durou sete décadas,[25][26] incluindo 6,5 milhões de álbuns e singles na França,[27] mais de três milhões nos Estados Unidos e mais de dois milhões de álbuns na Coreia do Sul.[28] Em 1971, o compositor recebeu seu primeiro disco de ouro (disco d'oro) pela venda de 1.000.000 de discos na Itália[29][30] e uma "Targa d'Oro" pelas vendas mundiais de 22 milhões.[9]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Morricone recebe a "Per Artem ad Deum Medal" do arcebispo Gianfranco Ravasi.

Morricone recebeu sua primeira indicação ao Óscar em 1979 pela trilha sonora de Days of Heaven (Terrence Malick, 1978).[31] e a segunda por The Mission.[31] Também recebeu indicações por: The Untouchables (1987), Bugsy (1991), Malèna (2000) e The Hateful Eight (2016).[31] Em fevereiro de 2016, Morricone ganhou seu primeiro Óscar competitivo por The Hateful Oight.[32]

Morricone e Alex North são os únicos compositores a receber o prêmio honorário da Academia desde sua introdução em 1928.[33] Ele recebeu o prêmio em fevereiro de 2007, "por suas magníficas e multifacetadas contribuições para a arte da música cinematográfica".[34]

Em 2005, quatro trilhas sonoras de Ennio Morricone foram nomeadas pelo American Film Institute para um lugar de honra no Top 25 das Melhores Partituras de Filmes Americanos de Todos os Tempos da AFI.[35] Sua partitura para The Mission foi classificada em 23º na lista dos 25 melhores.[36]

Morricone foi indicado sete vezes ao Grammy Award. Em 2009, a Recording Academy introduziu sua trilha sonora para The Good, the Bad and the Ugly (1966) no Grammy Hall of Fame.[37][38]

Lista de prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 1967 - Diapason d'Or
  • 1969 - Prémio Spoleto Cinema
  • 1970 - Nastro d'argento por Metti, una sera a cena
  • 1971 - Nastro d'argento por Sacco e Vanzetti
  • 1972 - Cork Film International por La califfa
  • 1979 - Oscar nomeado por Days of Heaven
  • 1979 - Prémio Vittorio de Sica
  • 1981 - Prémio della critica discografica por Il prato
  • 1984 - Prémio Zurlini
  • 1985 - Nastro d'argento e BAFTA por Once Upon a Time in America
  • 1986 - Oscar - nomeado, BAFTA e Golden Globe Award por The Mission
  • 1986 - Prémio Vittorio de Sica
  • 1988 - Nastro d'argento, BAFTA, Grammy Award e Óscar Nomeação por The Untouchables
  • 1988 - David di Donatello por Gli occhiali d'oro
  • 1989 - David di Donatello por Nuovo Cinema Paradiso
  • 1989 - Ninth Annual Ace Winner por Il giorno prima
  • 1989 - Pardo d'Oro alla carriera (Locarno Film Festival)
  • 1990 - BAFTA, Prix Fondation Sacem del XLIII Festival de Cannes e David di Donatello por Nuovo Cinema Paradiso
  • 1991 - David di Donatello por Stanno tutti bene
  • 1992 - Oscar - nomeado por Bugsy
  • 1992 - Pentagramma d'oro
  • 1992 - Prémio Michelangelo
  • 1992 - Grolla d'oro alla carriera (Saint Vincent)
  • 1993 - David di Donatello e Efebo d'Argento por Jonas che visse nella balena
  • 1993 - Globo d'oro Stampa estera in Italia
  • 1993 - Gran Prémio SACEM audiovisivi
  • 1994 - ASCAP Golden Soundtrack award (Los Angeles)
  • 1995 - Prémio Rota
  • 1995 - Leão de Ouro de carreira
  • 1996 - Prémio Cappelli
  • 1996 - Prémio Accademia di Santa Cecilia
  • 1997 - Prémio Flaiano
  • 1998 - Columbus Prize
  • 1999 - Erich Wolfgang Korngold Internationaler Preis für Film
  • 1999 - Exsquibbidles
  • 2000 - Golden Globe Award por The Legend of 1900 (1998)
  • 2000 - David di Donatello por Canone inverso
  • 2000 - Oscar - nomeado por Malèna
  • 2003 - Golden Eagle Award por 72 Meters
  • 2006 - Grand Officer award
  • 2007 - Honorary Academy Award por carreira[2] - entregue por Clint Eastwood
  • 2016 - Venceu o Golden Globe Award por The Hateful Eight
  • 2016 - Oscar de Melhor Trilha Sonora por The Hateful Eight

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bandeira, Mariana (6 de julho de 2020). «Morreu o compositor Ennio Morricone». O Jornal Económico. Consultado em 6 de julho de 2020 
  2. a b «Biografia y vida de Ennio Morricone» (em espanhol). Infobiografias.com. Consultado em 9 de maio de 2012 
  3. McCormack, Neil (13 de maio de 2011). «10 most influential film soundtracks». The Daily Telegraph. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  4. «The Police, Queen, Morricone Honoured at Grammy Hall of Fame». Uncut. 1 de dezembro de 2008 
  5. «Quentin Tarantino says The Hateful Eight will have Ennio Morricone score». www.theguardian.com. 11 de julho de 2015. Consultado em 13 de julho de 2015 
  6. «Ennio Morricone Discusses 85th Anniversary Before Moscow Concert». themoscowtimes.com. Consultado em 28 de dezembro de 2015 
  7. «Pros score all-time classics». variety.com. Consultado em 31 de dezembro de 2015 
  8. «Billboard Classical Albums». 18 de março de 2006 
  9. a b «Che Fine Hanno Fatto I Best Sellers Di Ieri» (PDF). Musicaedischi.it. Consultado em 19 de dezembro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 22 de julho de 2011 
  10. Anderson, Ariston (28 de janeiro de 2016). «Ennio Morricone to Be Honored at Special Golden Globes Ceremony in Rome». Billboard. Consultado em 8 de novembro de 2019 
  11. «Hans Zimmer on Ennio Morricone's score for Once Upon a Time in the West». telegraph.co.uk. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  12. «What influenced Danger Mouse». nymag.com. Consultado em 21 de janeiro de 2016 
  13. «Mark Knopfler of Dire Straits». Guitar Player, Sept.'84. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  14. «Behind the music: 17 artists that had a huge influence on Muse». gigwise.com. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  15. «Metallica: The Music and the Mayhem». Omnibus Press. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  16. «The Mojo Collection: 4th Edition». Mojo Magazine. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  17. a b c Charles Leinberger (2004). Ennio Morricone's The Good, the Bad and the Ugly: A Film Score Guide. [S.l.]: Scarecrow Press]. pp. 1–3. ISBN 9781461658412. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  18. «Ennio Morricone Biography (1928–)». Filmreference.com. Consultado em 13 de setembro de 2011 
  19. «Sajt dejana Nejica - Ennio Morricone». www.geocities.ws 
  20. «Ennio Morricone». Polar Music Prize (em inglês). Consultado em 17 de agosto de 2017 
  21. «About Ennio Morricone». fancast.com. Arquivado do original em 11 de fevereiro de 2009 
  22. «Giovanni Morricone». New York Encounter (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2019 
  23. Rosen, Jody (25 de junho de 2019). «Here Are Hundreds More Artists Whose Tapes Were Destroyed in the UMG Fire». The New York Times. Consultado em 28 de junho de 2019 
  24. Romero, Javier; Woodyatt, Amy (6 de julho de 2020). «Ennio Morricone, Oscar-winning film composer, dies at 91» (em inglês). CNN. Consultado em 6 de julho de 2020 
  25. «Giusy». Net1News. Consultado em 17 de novembro de 2012 
  26. «Il Premio Oscar alla carriera Ennio Morricone il 25 agosto a Rimini». ER Cultura. Consultado em 17 de novembro de 2012 
  27. «EM single sales in France». Infodisc.fr. Consultado em 12 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  28. «Korea Herald, Ennio Morricone comes to Korea, May 12, 2009» (em coreano). Koreaherald.co.kr. 30 de março de 2010. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  29. «Biografia, EM». Cinema.ilsole24ore.com. Consultado em 12 de dezembro de 2011 
  30. «Artiste_Ventes en France». Infodisc.fr. Consultado em 12 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 5 de novembro de 2013 
  31. a b c [1] The Academy of Motion Picture Arts And Sciences, accessed September 2011.
  32. «2016 | Oscars.org | Academy of Motion Picture Arts and Sciences». Oscars.org. 28 de fevereiro de 2016. Consultado em 6 de novembro de 2016 
  33. «Archived copy». Consultado em 17 de setembro de 2011. Arquivado do original em 28 de outubro de 2011  The Academy of Motion Picture Arts And Sciences, accessed September 2011
  34. «Ennio Morricone to head Rome Film Festival jury». BBC News. 1 de junho de 2011. Consultado em 18 de fevereiro de 2012 
  35. «AFI's 100 years of film scores – Honoring America's Greatest Film Music». afi.com. Consultado em 25 de janeiro de 2020 
  36. «AFI's Top 25 – Honoring America's Greatest Film Music» (PDF). afi.com. Consultado em 29 de janeiro de 2013 
  37. «Grammy Hall of Fame inductees». grammy.org. Consultado em 29 de janeiro de 2013 
  38. «Special Merit Awards: Class Of 2014». grammy.org. Consultado em 11 de janeiro de 2014 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Lhassa, Anne, and Jean Lhassa: Ennio Morricone: biographie. Les Planches. Lausanne: Favre; [Paris]: [diff. Inter-forum], 1989. ISBN 978-2-8289-0418-0.
  • Sorbo, Lorenzo: 'The Dramatic Functions of Italian Spaghetti Western Soundtracks: A Comparison between Ennio Morricone and Francesco De Masi' In: Stoppe, Sebastian (2014). Film in Concert. Film Scores and their Relation to Classical Concert Music. Glücksstadt, Germany: VWH Verlag. pp. 161–174. ISBN 978-3-86488-060-5 
  • Wagner, Thorsten. "Improvisation als 'weiteste Ausdehnung des Begriffs der aleatorischen Musik': Franco Evangelisti und die Improvisationsgruppe Nuova Consonanza". In ... hin zu einer neuen Welt: Notate zu Franco Evangelisti, edited by Harald Muenz.48–60, 2002. Saarbrücken: Pfau-Verlag. ISBN 978-3-89727-177-7.
  • Webb, Michael D. Italian 20th Century Music: The Quest for Modernity. London: Kahn & Averill. ISBN 978-1-871082-89-0..
  • Wenguang Han: Ennio Morricone Fans Handbook, 2013 (China). ISBN 978-988-16794-2-0

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ennio Morricone
Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Morre o compositor Ennio Morricone
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.