Gordon Willis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde maio de 2014).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Gordon Willis (Queens, Nova York, 28 de maio de 1931 — Falmouth, Massachusetts, 18 de maio de 2014)[1] foi um diretor de fotografia estadunidense, mais conhecido por seu trabalho na trilogia O Poderoso Chefão, e também, pelos filmes de Woody Allen, Annie Hall e Manhattan.

Conhecido por sua propensão de fotografar em condições extremamente escuras, por isso, recebeu o apelido de "O Príncipe da Escuridão", atribuído a ele por seu amigo, Conrad Hall.

Outra marca registrada de Gordon Willis é a preferência por filmar no horário mágico, pouco antes do crepúsculo do sol, quando o sol está fraco e cria um fulgor dourado. Willis criou o filtro de cor âmbar, para criar a sensação de imagem envelhecida, para a sequência do jovem Vito, em O Poderoso Chefão: Parte II – vários filmes posteriores, copiaram esta técnica cinematográfica, para demonstrar a época pré-Segunda Guerra Mundial.

Willis foi evitado pela academia por diversos anos, deixando de ganhar inúmeras indicações ao Óscar que tinham por este, outras interpretações.

Ele recebeu duas indicações, uma por sua inventiva recriação fotográfica dos anos 20 em Zelig de Woody Allen (1983) e um deles, por sua participação em O Poderoso Chefão: Parte III (1990).

Filmografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «'The Godfather' Cinematographer Gordon Willis Dies at 82» (em inglês). Variety. 18 de maio de 2014