Mary Poppins (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mary Poppins
Mary Poppins
Cartaz promocional
 Estados Unidos
1964 •  cor •  139 min 
Direção Robert Stevenson
Produção
Roteiro
Baseado em Mary Poppins, de P. L. Travers
Elenco
Gênero comédia fantástico-musical
Música
Cinematografia Wally Pfister
Edição Cotton Warburton
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Productions
Distribuição Buena Vista Distribution
Idioma inglês
Cronologia
Mary Poppins Returns (2018)

Mary Poppins (bra/prt: Mary Poppins)[1][2][3][4] é um filme estadunidense de 1964, do gênero comédia fantástico-musical, dirigido por Robert Stevenson para a Walt Disney Pictures, com roteiro de Bill Walsh e Don DaGradi baseado nos livros Mary Poppins, Mary Poppins Comes Back, Mary Poppins Opens the Door e Mary Poppins in the Park, de P. L. Travers.[5][6]

Dick Van Dyke, David Tomlinson e Glynis Johns são apresentados em papéis de apoio. O filme foi filmado inteiramente no Walt Disney Studios em Burbank na Califórnia, usando cenas de fundo pintadas de Londres.[7]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na cidade de Edwardian em Londres, na década de 1910 durante a era eduardiana, George Banks (David Tomlinson) volta para casa em Cherry Tree Lane para saber com sua esposa, Winifred (Glynis Johns) uma sufragista que Katie Nanna deixou o serviço depois que seus filhos, Jane e Michael (Karen Dotrice e Matthew Garber) ,fugiram: "Pela quarta vez este mês".[8] Eles são devolvidos logo depois pelo policial Jones (Arthur Treacher) que revela que as crianças estavam perseguindo uma pipa perdida. As crianças pedem ao pai para ajudar a construir uma pipa melhor, mas ele as dispensa. Assumindo a responsabilidade de contratar uma nova babá, Banks anuncia uma babá séria e sem sentido. Por outro lado, Jane e Michael apresentam seu próprio anúncio para uma babá mais gentil e doce. Winifred tenta manter a paz. O Sr. Banks rasga a carta e joga os restos na lareira.[9]

No dia seguinte, várias babás idosas, de rosto azedo, esperam do lado de fora da casa dos Banks, mas uma forte rajada de vento as empurra, e Jane e Michael testemunham uma jovem babá descendo do céu usando seu guarda-chuva. Apresentando-se ao Sr. Banks, Mary Poppins (Julie Andrews) calmamente entrega o anúncio restaurado das crianças e concorda com seus pedidos, mas promete ao banqueiro atônito que ela será firme com os filhos dele. Enquanto o Sr. Banks discute o retorno do anúncio, Mary Poppins se contrata, e ela o convence de que foi originalmente ideia dele. Ela conhece as crianças e as ajuda a arrumar magicamente o berçário estalando os dedos, antes de sair para uma caminhada no parque e cantam "A Spoonful of sugar".[9]

Mary Poppins cantando A Spoonful of Sugar com um pássaro.

Do lado de fora, eles encontram o velho amigo de Mary, Bert (Dick Van Dyke) trabalhando como escrivão; Mary Poppins usa sua magia para transportar o grupo para um de seus desenhos. Enquanto as crianças andam de carrossel, Mary Poppins e Bert dão um passeio. Juntos, eles cantam "Jolly Holiday", e Bert flerta com Mary Poppins. Depois que a dupla se encontra com as crianças, Mary Poppins encanta os cavalos do carrossel; Bert resgata uma raposa de uma caçada; eles participam de uma corrida de cavalos que Mary ganha. Descrevendo sua vitória, Mary Poppins usa a palavra sem sentido "Supercalifragilisticexpialidocious". O passeio termina quando uma tempestade dissolve os desenhos de Bert,os fazendo retornar para Londres.[8]

Supercalifragilisticexpialidocious, a palavra mágica ensinada por Mary Poppins e Bert numa de suas canções.

No dia seguinte, os três encontram o estranho tio Albert (Ed Wynn) que flutuou no ar por causa de suas risadas incontroláveis ​​e se juntam a ele para uma festa de chá no teto com muitas piadas ( e cantam "Me love rise"). Posteriormente, o Sr. Banks fica irritado com a atmosfera alegre da família, e ele ameaça demitir Mary Poppins, mas ela o manipula para levar as crianças para o local de trabalho, o banco, no dia seguinte. Naquela noite, Mary conta aos filhos da mulher que está sentada na catedral de São Paulo vendendo alimentos para pássaros ("Feed the Birds") O Sr. Banks faz isso, e as crianças encontram o Sr. Dawes (Arthur Malet). Dawes exorta agressivamente Michael a investir seu tuppence no banco, pegando as moedas de Michael. (" Banco Fiduciário Fidelity") Michael exige que eles voltem; outros clientes ouvem o conflito e todos começam a exigir seu próprio dinheiro de volta, causando uma corrida bancária.[9]

Jane e Michael fogem do banco, perdendo-se no East End até se encontrarem novamente com Bert, agora trabalhando como limpador de chaminés, que os escolta para casa ("Chim Chim Cheree"). Os três e Mary Poppins se aventuram nos telhados, onde eles têm um número de música e dançam sapateados com outras limpadores de chaminés, que se espalham pela casa dos Banks ("Step in Time") depois que o Almirante Boom (Reginald Owen) dispara fogos de artifício para eles, confundindo-os com ladrões. O Sr. e a Sra. Banks voltam para casa e encontram os amigos de Bert dançando em sua casa e os mandam embora. Banks recebe um telefonema do banco solicitando uma reunião com ele sobre o que as crianças fizeram, as crianças ouvem o telefonema percebendo que seu pai está com problemas, Bert até diz a Banks que ele precisa passar mais tempo com ele. seus filhos antes de crescerem ("Um homem tem sonhos"). As crianças dão tuppence ao pai, Michael, na esperança de fazer as pazes.[8]

Mary Poppins na cena da chaminé cantando Chim Chim Ch-ree.

Banks caminha por Londres até o banco, onde recebe um caixa humilhante e é demitido. Olhando para o tuppence de palavras, ele solta "Supercalifragilisticexpialidocious", conta uma piada, e felizmente volta para casa. O Sr. Dawes reflete sobre a piada e, finalmente entendendo, flutua no ar, rindo.[9][8]

No dia seguinte, o vento muda, o que significa que Mary Poppins deve sair. Um feliz Sr. Banks é encontrado em casa, tendo consertado a pipa de seus filhos e levado a família para voar. No parque, a família Banks conhece o filho de Dawes, Dawes Jr., que revela que seu pai morreu rindo da piada. ("Vamos empinar pipa"). Embora inicialmente arrependido, Banks logo fica feliz por ele, já que Dawes Jr. nunca viu seu pai mais feliz em sua vida e reemprega Banks como parceiro júnior. Com seu trabalho concluído, Mary Poppins termina o filme fugindo com Bert dizendo a ela para não ficar longe por muito tempo.[8]

Mary Poppins voando em cena final do filme.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Julie Andrews como
Mary Poppins.
Os filhos do Sr. Banks.

Personagens principais[editar | editar código-fonte]

  • Julie Andrews - Mary Poppins - babá com poderes mágicos, que vai trabalhar na casa do Sr. Banks para cuidar de seus filhos; ela chega na casa do patrão voando e usando um guarda-chuva como paraquedas e traz consigo diversas brincadeiras que mudam a vida daquela família.[10]
  • Dick Van Dyke - Bert - animado e prestativo, Bert é um velho amigo de Mary Poppins, que abre o filme tocando vários instrumentos sozinho para ganhar dinheiro das pessoas que assistem; além disso, ele também faz pinturas na calçada e limpa chaminés.
  • David Tomlinson - Sr. Banks (George W. Banks) - um homem frio e rígido que tenta manter ordem na casa, é o patrão de Mary Poppins; trabalha no banco Dawes Tomes Mousley Grubbs Fidelity Fiduciary Bank.
  • Glynis Johns - Sr.ª Banks (Winifred Banks) - é a esposa maluca de George Banks; parece ser uma mulher calma e pacata, mas na verdade é uma ativista que quer garantir o direito do voto às mulheres.
  • Karen Dotrice e Matthew Garber - Jane e Michael Banks - os filhos sapecas dos Banks, que fazem as babás desistirem muito rápido de trabalhar em sua casa, até que Mary Poppins chega e elas, além de se divertirem muito, viajam a lugares além da imaginação.

Personagens secundários[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O primeiro romance da série Mary Poppins foi a base principal para o filme. De acordo com o lançamento do filme no seu 40º aniversário em 2004, as filhas de Walt Disney se apaixonaram pelos livros de Mary Poppins e o fizeram prometer fazer um filme baseado neles. A Disney tentou comprar os direitos de Mary Poppins da PL Travers pela primeira vez em 1938. No entanto, Travers recusou; ela não acreditava que uma versão cinematográfica de seus livros faria justiça à sua criação.[11][12]

Além disso, a Disney era então conhecida principalmente como produtora de desenhos animados e ainda não havia produzido nenhum grande trabalho de ação ao vivo. Por mais de 20 anos, a Disney periodicamente fez esforços para convencer Travers a permitir que ele fizesse um filme de Poppins.[11][12]Ele finalmente conseguiu em 1961, embora Travers exigisse e obtivesse direitos de aprovação de script. Os irmãos shermans compuseram a trilha sonora e também estiveram envolvidos no desenvolvimento do filme, sugerindo que o cenário fosse alterado da década de 1930 para a era eduardiana. A pré-produção e a composição da música levaram cerca de dois anos.

Pré-Produção[editar | editar código-fonte]

Travers foi consultor da produção. No entanto, ela desaprovou a diluição dos aspectos mais severos do personagem de Mary Poppins, tinha um sentimento razoável com as músicas e odiava tanto o uso da animação que descartou novas adaptações dos romances posteriores de Mary Poppins.[13] Ela se opôs a vários elementos que entraram no filme. Em vez de músicas originais, ela queria que a trilha sonora apresentasse padrões conhecidos do período eduardiano em que a história se passa.[14][12]Disney a anulou, citando argumentos contratuais que ele tinha a palavra final na impressão final.[13][12]

Grande parte da correspondência entre Travers e Walt Disney faz parte da coleção de papéis Travers na Biblioteca Estadual de New South Wales na Austrália. A relação entre Travers e Disney é detalhada em Mary Poppins She Wrote, uma biografia de Travers por Valerie Lawson. A biografia é a base de dois documentários sobre Travers: The Real Mary Poppins de Lisa Shadows, The Shadow of Mary Poppins.[15][16][17] relacionamento deles durante o desenvolvimento do filme também foi dramatizado no filme de 2013 da Disney, Saving Mr. Banks.

Escalação de elenco[editar | editar código-fonte]

Em março de 1961, a Disney anunciou que poderia escalar Hayley Mills e Mary Martin no filme.[18][19]

Julie Andrews, que estava fazendo sua estreia como atriz após uma bem sucedida carreira no teatro, conseguiu o papel principal de Mary Poppins logo depois que ela foi escolhida por Jack L. Warner e substituída por Audrey Hepburn pelo papel de Eliza Doolittle em sua adaptação para de My Fair Lady, embora Andrews tenha originado esse papel na Broadway.[20][19] Quando a Disney abordou Andrews pela primeira vez sobre o papel, Andrews estava grávida de três meses e, portanto, não tinha certeza de que deveria aceitá-lo. Disney garantiu a ela que a equipe ficaria bem em esperar para começar a filmar até depois do parto para que ela pudesse desempenhar o papel.[21][22] A Disney convidou Stanley Holloway para o papel de Almirante Boom, durante a fase de pré-produção, mas o papel acabou sendo de Reginald Owen.[23]A Disney colocou Dick Van Dyke no papel principal de apoio de Bert, depois de ver seu programa de televisão The Dick Van Dyke Show. Depois de ganhar o papel de Bert, Van Dyke fez seu amigo lobby para também interpretar o Sr. Dawes, mas a Disney originalmente achava que ele era jovem demais para o papel. Van Dyke acabou conquistando o apreço de Walt Disney após um teste cinematográfico.[24] Embora ele seja lembrado com carinho por este filme, a tentativa de Van Dyke de imitar o sotaque de Cockneysville é considerada um dos piores sotaques da história do cinema, citado como exemplo pelos atores, como algo que eles desejam evitar.[25]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

As filmagens ocorreram entre maio e setembro de 1963, e a pós-produção e animação levaram mais 11 meses.[26]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Mary Poppins estreou em 27 de agosto de 1964, no Grauman's Chinese Theatre em Los Angeles.[27][28] O pôster do filme foi pintado pelo artista Paul Wenzel.[29]

Em 27 de janeiro de 2009, o filme foi lançado novamente em DVD como uma edição do 45º aniversário, com mais faixas de idiomas e recursos especiais (embora o "Enhanced Home Theater Mix" do filme não tenha sido incluído). O Walt Disney Studios Home Entertainment lançou o filme em Blu-ray como a 50ª edição do aniversário em 10 de dezembro de 2013.[30]

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora do filme apresenta músicas e letras dos irmãos Richard M. Sherman e Robert B. Sherman. Os Shermans inspiraram-se nas músicas britânicas de music hall.[31] Irwin Kostal organizou e conduziu a trilha sonora do filme. A Buena Vista Records lançou a trilha sonora original do filme em 1964 em LP e fita cassete.[carece de fontes?]

Lista de todas as músicas do filme:[carece de fontes?]

  • Overture / Chim-Chim-Chree
  • Sister Sufragette (com Glynis Johns)
  • The Life I Lead (com David Tomlinson)
  • The Perfect Nanny (com Karen Dotrice e Matthew Garber)
  • A Spoonful of Sugar (com Julie Andrews)
  • Pavement Artist (com Dick van Dyke)
  • Jolly Holliday (com Dick van Dyke)
  • Supercalifragilisticexpialidocious (com Julie Andrews e Dick van Dyke)
  • Stay Awake (com Julie Andrews)
  • I Love to Laugh (com Ed Wynn, Julie Andrews e Dick van Dyke)
  • A British Bank (com David Tomlinson e Julie Andrews)
  • Feed the Birds (com Julie Andrews)
  • Fidelity Fiduciary Bank (com Dick van Dyke e David Tomlinson)
  • Chim Chim Ch-ree (com Dick van Dyke e Julie Andrews)
  • Step in Time (com Dick van Dyke)
  • A Man Has Dreams (com David Tomlinson e Dick van Dyke)
  • Let's Go Fly a Kite (com David Tomlinson, Glynis Johns, Karen Dotrice, Matthew Garber e Dick van Dyke)

Recepção[editar | editar código-fonte]

Lançamento original[editar | editar código-fonte]

Mary Poppins foi lançado em 27 de agosto de 1964, com elogios da crítica ganhando uma rara aprovação de 100% entre os críticos no Rotten Tomatoes[32] além de se tornar um dos produtos mais lucrativos da Disney ganhando mais de 103 milhões de dólares.[33] Em 2013, o filme foi selecionado para preservação no Registro Nacional de Cinema dos Estados Unidos pela Biblioteca do Congresso como sendo "cultural, historicamente ou esteticamente significativo".[34]

Apesar de toda a repercussão positiva sobre a adaptação da Disney a autora odiou o filme e descartou novas adaptações dos romances posteriores de Mary Poppins.[12] Mesmo assim em 2018 sua sequência titulada de Marry Poppins Returns foi lançada.

O filme faturou US$ 31 milhões na América do Norte durante sua exibição inicial.[35] recebendo aclamação universal dos críticos de cinema.[36] A Variety elogiou as sequências musicais do filme e as performances de Julie Andrews e Dick Van Dyke, descrevendo a como graciosas.[37] A revista Time elogiou o filme, afirmando: "Os cenários são luxuriantes, as músicas são animadas, o cenário é espirituoso, mas impecavelmente sentimental, e o elenco coadjuvante tem apenas uma perfeição".[38] Bosley Crowther, resenha do The New York Times, descreveu o filme como um "filme mais maravilhoso e animador do ano". Além disso, em sua crítica, ele observou que "pelas felicidades visuais e auditivas que eles adicionaram a este filme colorido cintilante - os encantamentos de uma bela produção, algumas sequências deliciosamente animadas, algumas danças empolgantes e ágeis e uma trilha sonora musical - fazem com que melhor entretenimento que abriu no Music Hall este ano."[39] O The Hollywood Reporter, aplaudiu as performances, efeitos visuais, partitura musical, design de produção e coreografia. Por fim, ele descobriu que " Mary Poppins é um filme que é, mais do que a maioria, um triunfo de muitas contribuições individuais. E seu triunfo especial é que parece ser o trabalho de uma inteligência única e coesa".[40] Nem todas as críticas foram positivas: Ann Guerin não gostou das mudanças em relação ao romance original e, apesar de "algumas cenas encantadoras", o filme no geral é "simplório".[41]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Recipiente Resultado
Globo de Ouro 1965 Melhor filme - comédia ou musical Walt Disney Productions (prod.) Indicado[42]
Melhor atriz - comédia ou musical Julie Andrews Venceu[42]
Melhor ator - comédia ou musical Dick Van Dyke Indicado[42]
Melhor trilha sonora Richard M. Sherman Indicado[42]
Grammy Awards 1965 Melhor trilha sonora para mídia visual Richard M. Sherman, Robert M. Sherman Venceu[43]
Oscar 1965 Melhor filme Walt Disney, Bill Walsh (prods.) Indicado[44]
Melhor direção Robert Stevenson Indicado[44]
Melhor atriz Julie Andrews Venceu[44]
Melhor trilha sonora Richard M. Sherman, Robert B. Sherman Venceu[44]
Melhor arranjo ou tratamento musical Irwin Kostal Indicado[44]
Melhor canção original Richard M. Sherman, Robert B. Sherman ("Chim Chim Cher-ee") Venceu[44]
Melhor fotografia Edward Colman Indicado[44]
Melhor som Robert O. Cook Indicado[44]
Melhor roteiro adaptado Bill Walsh, Don DaGradi Indicado[44]
Melhor edição Cotton Warburton Venceu[44]
Melhor figurino Tony Walton Indicado[44]
Melhor direção de arte - cor Carroll Clark, William H. Tuntke, Emile Kuri, Hal Gausman Indicado[44]
Melhores efeitos visuais Peter Ellenshaw, Eustace Lycett, Hamilton Luske Venceu[44]
BAFTA 1965 Melhor ator/atriz em ascensão Julie Andrews Venceu[45]

Relançamentos e legado[editar | editar código-fonte]

O filme foi relançado nos cinemas em 1973, em homenagem ao 50º aniversário da Walt Disney Productions, e ganhou um valor adicional estimado em US$ 9 milhões em mídias domésticas na América do Norte.[46] Foi lançado mais uma vez em 1980 e arrecadou US $ 14 milhões.[47]

Mary Poppins é amplamente considerada junto com Branca de Neve e os Sete Anões as "maiores conquistas" de Walt Disney.[48] Foi o único filme da Disney a receber uma indicação de Melhor Filme no Oscar em sua vida.[49] Ao lado de Pinóquio Mary Poppins é um dos únicos filmes da Disney a ter nota de 100% no Rotten Tomatoes[32] sob o consenso de que: "Um luxuoso conto de fadas moderno comemorado por seus incríveis efeitos especiais, músicas cativantes e a lendária performance de Julie Andrews no papel-título".[32] No Metacritic, o filme tem uma pontuação média ponderada de 88 em 100, com base em 13 críticos, indicando "aclamação universal".[50] O filme foi o vigésimo filme sonoro mais popular do século XX no Reino Unido, com de 14 milhões de pessoas assistiram ao filme.[51] a música "Supercalifragilisticexpialidocious" ficou na lista da AFI dos 100 anos...100 Canções posicionada em trigésimo sexto lugar o filme também apareceu em outra lista dessa vez na de 25 maiores musicais em sexto lugar.[52] Em 2013, o filme foi selecionado para preservação no Registro Nacional de Cinema dos Estados Unidos pela Biblioteca do Congresso como sendo "cultural, historicamente ou esteticamente significativo".[34]

O crítico Drew Casper resumiu o impacto de Mary Poppins em 2011: [Walt] Disney era o líder, suas fantasias musicais misturando animação e f / x verdadeiramente maravilhoso com ação da vida real para crianças e crianças no adulto. "Mary Poppins" (1964) foi sua 'cereja do bolo'. ... a história era elementar, até banal. Mas a sofisticação tornou seu uso um ícone."[53]

Foi feito um musical baseado no filme Mary Poppins. Ele estreou nos palcos em 2004,[54] em Londres. Laura Michelle Kelly, conhecida cantora e atriz britânica, fez o papel da personagem principal, e o ator Gavin Lee fez o papel de Bert/Sr. Dawes.[54]

A produção foi um sucesso tão grande que foi parar na Broadway, em Nova Iorque, em 2006. Dessa vez, quem fez Mary Poppins foi a atriz Ashley Brown, e a personagem foi sua primeira protagonista oficial, mas ela já havia participado de outras produções da Disney, como o musical A Bela e a Fera e Disney on the Record. Gavin Lee continuou no papel de Bert/Sr. Dawes. A peça continuou em cartaz até 2010.[54]

Sequência[editar | editar código-fonte]

Em 19 de dezembro de 2018, a Walt Disney Pictures lançou o filme Mary Poppins Returns. O filme se passa 25 anos após o original,[55] e apresenta uma narrativa autônoma com base nos restantes sete livros da série. Rob Marshall dirigiu, enquanto John DeLuca e Marc Platt atuaram como produtores, com Emily Blunt estrelando como Poppins, co-estrelando o ator da Broadway, Lin-Manuel Miranda.[56] Dick Van Dyke voltou a interpretar o Sr. Dawes Jr. e Karen Dotrice também apareceu em uma participação especial.[57]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Mary Poppins». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 4 de abril de 2021 
  2. «Mary Poppins». Portugal: SapoMag. Consultado em 4 de abril de 2021 
  3. «Mary Poppins». Portugal: CineCartaz. Consultado em 4 de abril de 2021 
  4. «Mary Poppins». Brasil: CinePlayers. Consultado em 4 de abril de 2021 
  5. «Mary Poppins (1964)». American Film Institute. Consultado em 4 de abril de 2021 
  6. Mary Poppins (1964) (em inglês), consultado em 7 de agosto de 2020 
  7. «Walt Disney | American Experience | PBS». www.pbs.org (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  8. a b c d e Infopédia. «Mary Poppins - Infopédia». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  9. a b c d Szumsky, Brian E. (1 de janeiro de 2000). «"All That Is Solid Melts into the Air": The Winds of Change and Other Analogues of Colonialism in Disney's Mary Poppins». The Lion and the Unicorn (em inglês). 24 (1): 97–109. ISSN 1080-6563. doi:10.1353/uni.2000.0012 
  10. Cineplayers.com http://www.cineplayers.com/filme.php?id=1733  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  11. a b 8 autores que odeiam filmes inspirados em suas obras. Omelete. Consultado em 4 de agosto de 2020 " A escritora negou diversas investidas do produtor para comprar os direitos cinematográficos de Mary Poppins, cedendo apenas porque passava por um momento financeiro delicado. Durante a produção, a autora chegou a criticar a mistura de animação e live-action, as mudanças na personalidade da personagem-título e sempre se mostrou insegura com a transformação da obra em um musical."
  12. a b c d e AdoroCinema. «10 autores que não aprovaram a versão para o cinema de seus livros: P.L. Travers/ Mary Poppins (1964)». AdoroCinema. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  13. a b Newman, Melinda; Newman, Melinda (7 de novembro de 2013). «'Poppins' Author a Pill No Spoonful of Sugar Could Sweeten». Variety (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  14. "Travers desgostava das músicas originais compostas pelos irmãos Sherman, e brigou com Disney pela exclusão das cenas que misturavam desenho animado e live-action. O chefe do estúdio, no entanto, tinha a palavra final, e a versão de Walt Disney foi a que chegou aos cinemas, para o desgosto da autora." Link: https://www.google.com/amp/s/entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2018/12/21/por-que-o-novo-mary-poppins-vai-contra-o-que-a-criadora-da-personagem-queria.amp.htm
  15. Nance, Kevin. «Valerie Lawson talks 'Mary Poppins, She Wrote' and P.L Travers». chicagotribune.com (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  16. Internet, Chirp. «SHADOW OF MARY POPPINS, THE - Ronin Films - Educational DVD Sales». www.roninfilms.com.au (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  17. Flanagan, Caitlin. «Becoming Mary Poppins». The New Yorker (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  18. Weiler, AH (5 de março de 1961). "VISTA DE UM PONTO DE VANTAGEM LOCAL: No Harvey, horário de produção da Disney". New York Times . p. X7
  19. a b «Curiosidades sobre Mary Poppins na literatura e no cinema». Guia dos Curiosos. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 8 de agosto de 2020 
  20. «Julie Andrews | The Stars | Broadway: The American Musical | PBS». Broadway: The American Musical (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  21. "Julie Andrews recorda seu papel em 'Mary Poppins" (https://www.youtube.com/watch?v=2QhXfKMdhWI,)
  22. AdoroCinema, Mary Poppins: Curiosidades, consultado em 8 de agosto de 2020 
  23. Lawson, Valerie (1 de novembro de 2010). Mary Poppins She Wrote: The extraordinary life of Australian writer P.L. Travers (em inglês). [S.l.]: Hachette Australia 
  24. Elisberg, Robert J.; ContributorColumnist; screenwriter. (30 de março de 2010). «Super-Cali-Fragilistic-Expial-Atrocious». HuffPost (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  25. «How not to do an American accent» (em inglês). 21 de julho de 2008 
  26. Williams, Pat, 1940- (2004). How to be like Walt. Deerfield Beach, Fla.: Health Communications. p. 281. OCLC 55109141 
  27. Lawson, Valerie, 1943- (2006). Mary Poppins, she wrote : the life of P.L. Travers 1st Simon & Schuster ed ed. New York: Simon & Schuster. p. 245. OCLC 70831110 
  28. Williams, Pat, 1940- (2004). How to be like Walt. Deerfield Beach, Fla.: Health Communications. p. 281. OCLC 55109141 
  29. «Mary Poppins Movie Poster Preliminary Painting by Paul Wenzel (Walt | Lot #95132». Heritage Auctions (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  30. «'Mary Poppins' star talks 50th anniversary and 'Saving Mr. Banks'». EW.com (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  31. Dowd, Vincent (12 de setembro de 2014). «Mary Poppins singalong at the Proms». BBC News (em inglês) 
  32. a b c Mary Poppins (1964) - Rotten Tomatoes (em inglês), consultado em 7 de agosto de 2020 
  33. «Mary Poppins - Bilheteria». Box Office Mojo. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  34. a b «"Library of Congress announces 2013 National Film Registry selections"». Washington Post. 18 de Dezembro de 2013. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  35. All Time Box-Office Champs". Variety. 4 de janeiro de 1967. p. 9
  36. Steinberg, Cobbett. (1980). Film facts. New York: Facts on File. p. 25. OCLC 5893933 
  37. Staff, Variety; Staff, Variety (1 de janeiro de 1964). «Mary Poppins». Variety (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  38. «Cinema: Have Umbrella, Will Travel». Time (em inglês). 18 de setembro de 1964. ISSN 0040-781X 
  39. Crowther, Bosley (25 de setembro de 1964). «Screen: 'Mary Poppins':Julie Andrews Stars as Famous Nanny». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  40. «'Mary Poppins': THR's 1964 Review». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  41. Geurin, Ann (September 25, 1964). "Poppins with Snap and Crackle". Life. Vol. 57 no. 13. p. 28. ISSN 0024-3019
  42. a b c d «Mary Poppins». GoldenGlobes.com. Consultado em 4 de abril de 2021 
  43. «7th Annual GRAMMY Awards». Grammy.com (em inglês). 13 de abril de 1965. Consultado em 4 de abril de 2021 
  44. a b c d e f g h i j k l m «The 37th Academy Awards | 1965». Oscars.org. Consultado em 4 de abril de 2021 
  45. «BAFTA|Film in 1965». BAFTA Awards Database. Consultado em 4 de abril de 2021 
  46. "Big Rental Films of 1973". Variety. 9 de janeiro 1974. p. 19.
  47. Flanagan, Caitlin. «Becoming Mary Poppins». The New Yorker (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  48. Müller, Jürgen (2004). Movies of the 60s. Taschen. ISBN 978-3-8228-2799-4
  49. Hogan, Mike. «Is Saving Mr. Banks the Movie Oscar Voters Have Been Waiting For?». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  50. Mary Poppins - Metacritic, consultado em 7 de agosto de 2020 
  51. «BFI | Features | The Ultimate Chart: 1-100». web.archive.org. 3 de agosto de 2012. Consultado em 7 de agosto de 2020 
  52. «AFI's 100 YEARS OF MUSICALS». American Film Institute (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  53. Casper, Drew (March 1, 2011). Hollywood Film 1963–1976: Years of Revolution and Reaction. John Wiley & Sons. Página 1881. ISBN 978-1-4443-9523-5
  54. a b c «Cd mary poppins broadway». Animaloja.com.br. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2013 
  55. «The Magic Behind Mary Poppins Returns». Disney UK (em inglês). Consultado em 7 de agosto de 2020 
  56. «'O Retorno de Mary Poppins' tem Emily Blunt encantadora em filme de técnica impecável; G1 já viu». G1. Consultado em 8 de agosto de 2020 
  57. «Conheça 15 curiosidades de 'O Retorno de Mary Poppins'». Pausa Dramática - Cinema, música, entretenimento e Cultura Pop. 28 de setembro de 2018. Consultado em 6 de outubro de 2020