Cinto de castidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cinto de castidade veneziano em exposição no palácio do Doge, provavelmente do século 16 ou 17.

Cinto de castidade é uma peça de vestuário de bloqueio projetado para impedir a relação sexual ou masturbação. Tais cinturões foram historicamente projetados para mulheres, ostensivamente com o propósito de castidade, para proteger as mulheres de estupro ou para dissuadir as mulheres e seus potenciais parceiros sexuais da tentação sexual.[1][2][3] As versões modernas do cinto de castidade são predominantemente, mas não exclusivamente, usadas na comunidade de BDSM, e os cintos de castidade agora são projetados para usuários do sexo masculino, além de mulheres.[4]

De acordo com os mitos modernos, o cinto de castidade foi usado como um dispositivo anti-tentação durante as Cruzadas. Quando o cavaleiro partisse para as Terras Sagradas nas Cruzadas, sua Senhora usaria um cinto de castidade para preservar sua fidelidade a ele. No entanto, não há evidência confiável de que os cintos de castidade existissem antes do século 15 (mais de um século após a última Cruzada do Oriente Médio), e seu principal período de uso aparente se enquadra no Renascimento e não na Idade Média.[2][5][6] Pesquisas sobre a história do cinto de castidade sugerem que elas não foram usadas até o século 16, e então apenas raramente; eles se tornaram amplamente disponíveis na forma de dispositivos médicos anti-masturbação do século XIX.[4][5]

Dizia-se que os cintos de castidade renascentistas tinham forros acolchoados (para evitar que grandes áreas de metal entrassem em contato direto e prolongado com a pele) e precisavam ser trocados com bastante frequência, de modo que tais cintos não eram práticos para uso ininterrupto a longo prazo. O desgaste contínuo a longo prazo poderia causar infecção geniturinária, ferimentos abrasivos, sepse e eventual morte.[7][8]

Cinto de castidade no BDSM[editar | editar código-fonte]

metal
plástico
Alguns dos tipos mais comuns de cinto de castidade atualmente. À esquerda: um cinto de castidade de metal. À direita: um cinto de castidade de acrílico.

Atualmente, o uso de cintos de castidade acontece geralmente em práticas consensuais do BDSM. Eles podem ser usados como uma forma de negação do orgasmo para prevenir que o submisso possa ter qualquer tipo de estimulação nos genitais sem a permissão da pessoa que está na função dominadora, que fica com a posse da chave do cinto de castidade.[9] Os cintos de castidade podem ser usados como fetiche tanto por homens quanto por mulheres, porém, o uso é muito mais comum em homens.[10]

Ao vestir o cinto de castidade, o submisso aceita entregar todo o controle de sua liberdade sexual à uma parceira ou parceiro. A pessoa dominante pode decidir quando, onde, como, com que frequência e mesmo se será permitido ao submisso a liberação sexual. O cinto de castidade pode ser usado por um tempo limitado durante alguma prática sexual ou por um acordo a longo prazo que pode durar dias ou semanas.[11]

Na cultura BDSM, os cintos de castidade masculinos geralmente são chamados de cock cage ou penis cage (em português: gaiola para o pênis). O uso de cinto de castidade como fetiche não necessariamente está associado à outras práticas sexuais além da negação do orgasmo,[12] porém, é comum ver esse tipo de acessório sendo usado em fetiches onde há submissão masculina como cuckold, cock and ball torture e pegging.[13][14][15]

Referências

  1. Helen Sheumaker; Shirley Teresa Wajda (2008). Material Culture in America: Understanding Everyday Life. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 404. ISBN 1576076474. Consultado em 6 de julho de 2019 
  2. a b Rosenthal, Martha (2012). Human Sexuality: From Cells to Society. [S.l.]: Cengage Learning. p. 11. ISBN 1133711448. Consultado em 6 de julho de 2019 
  3. «Chastity belt». Merriam-Webster. Consultado em 6 de julho de 2019 
  4. a b J. Ley, David (2012). Insatiable Wives: Women Who Stray and the Men Who Love Them. [S.l.]: Rowman & Littlefield. pp. 176–177. ISBN 1442200324. Consultado em 6 de julho de 2019 
  5. a b «The Secret Histories of Chastity Belts Myth and Reality». semmelweis.museum.hu/Semmelweis Museum, Library and Archives of the History of Medicine. Consultado em 6 de julho de 2019 
  6. «forgery / chastity-belt». britishmuseum.org/British Museum. Consultado em 6 de julho de 2019 
  7. Massimo Polidoro: "Myth of the Chastity Belts" Skeptical Inquirer: 35:5: September/October 2011: 27-28
  8. Radhika Sanghani (18 de janeiro de 2016). «Chastity belts: The odd truth about 'locking up' women's genitalia». Daily Telegraph. Consultado em 6 de julho de 2019 
  9. «An introduction to male chastity». Petticoated (em inglês) 
  10. Egan, Danielle (17 de agosto de 2005). «Lock-Up: Chastity Belts are on the 'Incline'». TheTyee.ca (em inglês) 
  11. Barret, Key (25 de outubro de 2018). «What spending two weeks in a chastity device taught me about my sexuality and my marriage». The Independent (em inglês) 
  12. Bush, Marela (7 de agosto de 2019). «How to improve your relationship with Male Chastity?». Chart Attack (em inglês) 
  13. Michael, Dawn (20 de maio de 2019). «The super kinky sex act your man might be scared to tell you he's into». YourTango (em inglês) 
  14. Saint, Sophie (20 de setembro de 2018). «17 sex terms you were too embarrassed to ask about». Allure (em inglês) 
  15. Moore, Lane (13 de maio de 2016). «I'm a straight guy who loves pegging». Cosmopolitan (em inglês) 
Ícone de esboço Este artigo sobre sexo ou sexualidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.