FX Networks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a Walt Disney Company. Para o canal de televisão homônimo, veja FX.
FX Networks, LLC.
Sede em Fox Plaza
Subsidiária
Atividade Entretenimento
Fundação 1997; há 25 anos
Sede Fox Studio Lot Building 103, 4th Floor, 10201 W. Pico Boulevard, Century City, Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Área(s) servida(s) Estados Unidos
Proprietário(s) The Walt Disney Company
Pessoas-chave
  • John Landgraf (Presidente)
  • Chuck Saftler (Presidente/COO)
  • Nicholas Grad (Co-Presidente/Programação Original)
  • Chris Antola (VP Sênior/Programação)
Produtos
Empresa-mãe Disney General Entertainment Content
Divisões
Website oficial www.fxnetworks.com

FX Networks, LLC, também conhecida como FX Networks e FX Productions, é uma empresa que consiste em uma rede de canais a cabo, mais uma produtora e uma subsidiária do segmento Disney General Entertainment Content da The Walt Disney Company. Originalmente parte da 21st Century Fox, a empresa foi adquirida pela The Walt Disney Company em 20 de março de 2019.[1] Consequentemente, a FX Networks foi integrada à unidade recentemente renomeada da Walt Disney Television.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A Fox Broadcasting iniciou sua unidade fX em novembro de 1993[3] sob a presidência de Anne Sweeney.[4] Chuck Saftler foi contratado em novembro de 1993. Vindo da estação de TV KTLA, Mark Sonnenberg foi recrutado como primeiro chefe de programação.[3] Em 1 de junho de 1994, o canal a cabo fX estreou.[3] No início do mês seguinte, a presidente da Fox Broadcasting, Lucie Salhany, e fX foram então transferidos em uma reorganização logo depois sob a supervisão do presidente e CEO da Fox Television, Chase Carey.[4]

Em meados de julho de 1994, um canal irmão de filme foi anunciado sob o nome de trabalho de The Fox Movie Studio, também sob o título de presidente da fX e Fox Movie Studio, para começar a ir ao ar no outono.[4] A FX Networks lançou o Fox Movie Studio em 31 de outubro de 1994 como fXM: Movies from Fox.[5] Em 1 de março de 2000, o fXM: Movies from Fox foi renomeado para Fox Movie Channel.[6] Sweeney partiu para a Disney em fevereiro de 1996. Ela foi substituída por Sonnenberg, que ficou até 1998. Peter Liguori foi nomeado para substituí-lo.[3]

O canal FX289 para o Reino Unido e a Irlanda foi lançado em janeiro de 2004 e depois rebatizado como FX, pois se moveu para o Sky EPG em abril de 2005.[7] O canal foi rebatizado como Fox em 11 de janeiro de 2013.[8]

John Landgraf ingressou como presidente de entretenimento em 2004 e depois foi promovido em 2005 a presidente e gerente geral da FX Networks. Nesse período, as séries originais da FX aumentaram de duas para 11, o que foi um fator para iniciar uma produtora interna.[9]

Em agosto de 2007, a FX Productions foi formada para participar da programação do FX.[10] O FX adquiriu uma série de filmes não-Fox para os canais. Landgraf foi elevado a CEO da FX Networks e FX Productions em junho de 2013, ao assumir o comando da plataforma de vídeo sob demanda digital FXNow.[9] Em 28 de março de 2013, o presidente da FX, John Landgraf, anunciou o lançamento de um novo canal, FXX. Landgraf descreveu o canal como "um pouco mais focado em comédia" e voltado para o público mais jovem de 18 a 34 anos em comparação com a programação do FX e espectadores com idades entre 25 e 54 anos, respectivamente. O canal foi lançado juntamente com o novo slogan, "Fearless", que foi implementado durante 2013 nos canais da FX Networks. Esses anúncios faziam parte dos planos da FX Networks para se distinguir ainda mais da "mesmice" da televisão aberta e seus "imitadores sem fim" na TV por assinatura.[11] Também naquele mês, o Fox Movie Channel mudou seu nome de volta para FXM.[9]

Em junho de 2017, a atriz de 101 anos Olivia de Havilland entrou com uma ação contra a FX Networks e o produtor Ryan Murphy por retratá-la de forma imprecisa e usar sua imagem sem permissão. Em 26 de março de 2018, um tribunal de apelações da Califórnia rejeitou o processo por motivos da Primeira Emenda.[12]

Ampliando a partir da co-produção da FX-BBC, Taboo, em outubro de 2018 a FX concordou em dar à BBC UK direitos para todos os programas com roteiro originais futuros e selecionados da FX.[13]

Em 14 de dezembro de 2017, a The Walt Disney Company anunciou que iria adquirir a 21st Century Fox, incluindo a FX Networks, LLC.[2] A aquisição foi concluída em 20 de março de 2019, tornando a FX Networks uma subsidiária da Walt Disney Television.[14] Em uma entrevista de setembro de 2018 à Variety sobre o acordo Disney-Fox, Landgraf disse: "Acho que este é um passo necessário. Tenho curiosidade e um pouco de ansiedade sobre como isso funcionará, mas estou muito animado com isso.[15]

Em 2017, a Comcast lançou o FX+; o serviço foi encerrado em 20 de agosto de 2019,[16] com quatro programas mudando suas estreias para o Hulu.[17] A programação do FX foi movida para o Hulu como "FX on Hulu" em 2 de março de 2020 com um número limitado de programas.[18]

Redes[editar | editar código-fonte]

FX[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: FX
FX International logo.svg

FX, originalmente estilizado como "fX", lançado em 1º de junho de 1994.[19] A programação original da rede aspira aos padrões dos canais a cabo premium no que diz respeito a temas e conteúdos maduros, escrita de alta qualidade, direção e atuação. FX também carrega reprises de filmes teatrais e sitcoms de rede terrestre. A rede transmitiu de um grande "apartamento" no Flatiron District de Manhattan. fX foi uma das primeiras incursões na televisão interativa em larga escala. O canal centrava-se na programação original, que era transmitida ao vivo todos os dias do "fX Apartment", e retransmissões de programas de televisão clássicos das décadas de 1960, 1970 e 1980, como Batman, Wonder Woman, Eight Is Enough, Nanny and the Professor e The Green Hornet.[19] O fX teve dois slogans durante este período: "TV Made Fresh Daily" e "The World's First Living Television Network".[20] O "f" no nome e logotipo do canal foi renderizado em letras minúsculas para retratar um tipo de simpatia descontraída; o "X" estilizado representava as raízes do canal: os holofotes cruzados do logotipo da 20th Century Fox.

O canal se orgulhava de sua interatividade com os espectadores. O fX, em 1994, foi um dos primeiros a adotar a internet, adotando o e-mail e a World Wide Web como métodos de feedback. A maioria dos programas apresentaria respostas instantâneas a perguntas enviadas por e-mail, e um programa, Backchat (apresentado por Jeff Probst), foi dedicado exclusivamente a responder ao e-mail dos espectadored, seja enviado por e-mail ou correio postal tradicional.

FX Movie Channel[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: FX Movie Channel
FXM Logo.svg

FX Movie Channel (ou FXM) lançado em 31 de outubro de 1994 como FXM: Movies from Fox (antes de seu lançamento, o canal era originalmente chamado de "Fox Movie Studio").[4] Originalmente lançado como um spinoff do FX, o canal focado em filmes da biblioteca de filmes da 20th Century Fox dos anos 1930 aos anos 1970, juntamente com alguns outros estúdios de cinema.[5] O FXM tornou-se um canal de marca separada em 1º de março de 2000, quando foi renomeado para Fox Movie Channel.[6]

Em 1º de janeiro de 2012, a programação do Fox Movie Channel foi dividida em dois blocos de 12 horas: sua programação principal, das 3h00 às 15h00 Hora do Leste, era um bloco sem comerciais que retinha os filmes mais antigos da biblioteca da 20th Century Fox. Outro bloco, chamado FX Movie Channel, as outras 12 horas consistiam em uma lista expandida de filmes mais recentes da Fox e alguns dos outros estúdios de cinema.[21]

Em 27 de março de 2013, o Fox Entertainment Group anunciou que o Fox Movie Channel seria totalmente rebatizado com o nome e formato FXM.[22] O FX Movie Channel se tornou a marca principal do canal em setembro de 2013;[9] o bloco de filme clássico manteve o nome Fox Movie Channel até 9 de junho de 2014, quando o bloco (que mantém um formato sem comerciais) foi renomeado para FXM Retro.

FXX[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: FXX
FXX Logo.svg

Destinado a jovens na faixa etária de 18 a 34 anos, o FXX é um canal de televisão paga lançado em 2 de setembro de 2013, substituindo o Fox Soccer voltado para esportes;[23][24] O FXX é um canal de entretenimento geral que se concentra principalmente em comédias (enquanto o FX se concentra principalmente em séries dramáticas e filmes, embora o FX e o FXX não mantenham o mesmo formato exclusivo de gênero como TBS e TNT, pois o FX continua a ter comédias e filmes cômicos, enquanto o FXX traz uma seleção limitada de séries dramáticas e filmes; sua programação inclui séries de comédia originais e adquiridas, alguns longas-metragens e séries dramáticas.

Com o lançamento do canal, episódios inéditos de algumas séries de comédia originais do FX (como It's Always Sunny in Philadelphia e Totally Bised with W. Kamau Bell) foram transferidos para o FXX. No seu lançamento, a maioria dos provedores que têm acordos para transportar o FXX colocaram o canal em pacotes esportivos de custo extra (apesar de ser um serviço de entretenimento geral) como um artefato de acordos de transporte com o proprietário anterior do espaço do canal do FXX, Fox Soccer; isso foi resolvido com o tempo, com FX e FXX localizados próximos um do outro em algumas linhas de canais.

FXNOW[editar | editar código-fonte]

FXNOW é um site para computadores desktop, bem como um aplicativo para smartphones e tablets, junto com o Windows 10. Ele permite aos assinantes de provedores de televisão por assinatura participantes (como Time Warner Cable e Comcast Xfinity) inúmeras opções de visualização:

  • episódios individuais das séries originais do FX e FXX (que são disponibilizados na manhã após sua data de exibição original[25]),
  • séries adquiridas (mais notavelmente, o catálogo de 552 episódios das primeiras 25 temporadas de Os Simpsons, que foi adicionado em 21 de agosto de 2014 como parte da aquisição da FXX dos direitos de distribuição de assinatura da série, mas desde então foi transferido para o serviço de streaming Disney+) e longas-metragens (com uma biblioteca inicial de 165 títulos de filmes, que aumentou para mais de 200 títulos a partir de 2015),[26][27]
  • O conteúdo adicional inclui recursos de bastidores em computadores e dispositivos móveis por meio do login do TV Everywhere fornecido por seu provedor de assinatura.
  • A capacidade de assistir a programação da Fox foi introduzida em 2018, juntamente com a programação FX/FXX sendo adicionada ao aplicativo FOXNOW, esse recurso foi removido em março de 2019, devido à aquisição da FX Networks pela Disney.

Lançado em janeiro de 2014, o serviço também está disponível através de dispositivos iOS, Android, Samsung e Windows 8 (mais tarde Windows 10), Xbox One e Xbox 360, e o reprodutor de streaming Roku.[28][29] Embora o serviço esteja disponível gratuitamente para assinantes de provedores de TV por assinatura participantes, os programas disponíveis para streaming no FXNOW apresentam interrupção comercial.[27]

FX+[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2018, a Fox lançou oficialmente o FX+, um serviço de streaming com todas as séries originais do FX e FXX, de The Shield até os dias atuais, sem anúncios. Inicialmente, o serviço foi disponibilizado nos Estados Unidos exclusivamente para assinantes do Xfinity no outono de 2017. Os assinantes Xfinity, Armstrong e Cox têm acesso ao FX+ direto por meio de seus decodificadores por meio de plataformas de vídeo sob demanda desses provedores, além das opções de streaming. Em julho de 2019, foi anunciado no site do serviço que ele deixaria de estar disponível em 21 de agosto de 2019, como resultado da aquisição quase total do Hulu pela The Walt Disney Company e mudança do conteúdo FX para esse serviço; caso contrário, seu modelo sem anúncios seria efetivamente duplicado com o plano sem comerciais do Hulu.[16]

FX on Hulu[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: FX on Hulu
FX on Hulu logo.svg

FX on Hulu, um hub de streaming dedicado para FX Networks, lançado em 2 de março de 2020. Além da grande maioria da programação original do FX e exibição no dia seguinte das séries atuais do FX, o FX produziria novas séries originais especificamente para o Hulu.[18] O Hulu é de propriedade majoritária da Disney, a empresa-mãe do FX.

Em novembro de 2019, quatro programas foram transferidos do Hulu: Devs, Mrs. America, A Teacher e The Old Man.[17] Como parte da "primeira fase" de 2 a 7 de março de 2020, o FX on Hulu foi lançado com 40 programas atuais e de biblioteca, com quatro programas originais estreando no FX antes de serem disponibilizados no Hulu no dia seguinte. A fase dois começou em 15 de abril com a estreia de Mrs. America junto com outros dois programas originais e uma série de documentários.[18]

FX Entertainment[editar | editar código-fonte]

FX Entertainment é a divisão da FX Networks que supervisiona a programação original da marca FX, incluindo FX Productions. Foi formada em maio de 2019 como parte da reestruturação executiva da FX Networks após a aquisição pela Disney.[30] Em 10 de junho de 2019, a Disney anunciou que tanto a FX Entertainment quanto a Disney Television Studios compartilhariam a mesma divisão de elenco.[31]

FX Productions[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: FX Productions
FXP logo.svg

FX Productions (FXP) é a produtora interna da FX Networks. O estúdio atualmente produz séries para FX, FXX e FX on Hulu, bem como TBS (Miracle Workers). No passado, eles também fizeram séries para Amazon Prime Video (One Mississippi) e Fox (The Cool Kids).

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Lakritz, Talia (28 de janeiro de 2020). «14 companies you didn't realize Disney owns». Insider (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2021 
  2. a b Goldman, David (14 de dezembro de 2017). «Disney buys 21st Century Fox: Who gets what». CNN Money (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2017 
  3. a b c d Littleton, Cynthia (11 de junho de 2019). «Why Management Stability Has Been the Key to FX's Success». Variety (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2020. Cópia arquivada em 31 de julho de 2020 
  4. a b c d Katz, Richard (11 de julho de 1994). «fX the sequel: Fox Movie Studio coming soon». Multichannel News. Consultado em 18 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 5 de novembro de 2012 
  5. a b Katz, Richard (3 de outubro de 1994). «Fox flicks: second fX net sets program model». Multichannel News. Consultado em 18 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 5 de novembro de 2012 
  6. a b Dempsey, John (18 de fevereiro de 2000). «Fixes for Fox web». Variety (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 31 de julho de 2020 
  7. Jay, Alan (14 de abril de 2005). «FX moves EPG positions on Sky». Digital Spy (em inglês). Hearst Magazines UK. Consultado em 11 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  8. Martinovic, Paul (11 de janeiro de 2013). «FX becomes FOX: New promo video, idents released». Digital Spy (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 24 de setembro de 2015 
  9. a b c d Weisman, Jon (4 de junho de 2013). «FX Promotes John Landgraf to CEO». Variety (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 31 de julho de 2020 
  10. Zeitchik, Steven (8 de agosto de 2007). «FX introduces FX Productions» (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 31 de julho de 2020 
  11. Guthrie, Marisa (28 de março de 2013). «FX Announces New Network to Launch in September». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 24 de março de 2017 
  12. «Olivia de Havilland sues over TV show». BBC News (em inglês). 1 de julho de 2017. Consultado em 28 de março de 2018. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2018 
  13. Espinoza, Russ (31 de outubro de 2018). «FX To Bring More Original Series Across The Pond In Content Deal With BBC». Forbes (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  14. Szalai, Georg; Bond, Paul (20 de março de 2019). «Disney Closes $71.3 Billion Fox Deal, Creating Global Content Powerhouse». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 20 de março de 2019. Cópia arquivada em 20 de março de 2019 
  15. Holloway, Daniel (6 de setembro de 2018). «FX CEO John Landgraf Anticipates Brand's Future Role as Part of Disney». Variety (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2020. Cópia arquivada em 27 de junho de 2020 
  16. a b Hayes, Dade (12 de julho de 2019). «Disney Unplugs FX Plus Subscription Service After Fox Merger, Hulu Consolidation». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2019. Cópia arquivada em 12 de julho de 2019 
  17. a b Littleton, Cynthia (7 de novembro de 2019). «FX to Produce Original Series for Hulu as Brands Become More Closely Intertwined». Variety (em inglês). Consultado em 11 de março de 2020. Cópia arquivada em 9 de abril de 2020 
  18. a b c Low, Elaine (9 de janeiro de 2020). «John Landgraf: FX Has 'Hit a Ceiling,' Hulu Will Fortify Brand». Variety (em inglês). Consultado em 11 de março de 2020. Cópia arquivada em 16 de março de 2020 
  19. a b Manuel, Mendoza (1 de junho de 1994). «FX IS READY TO INTERFACE». Daily Press (em inglês). Dallas Morning News. Consultado em 26 de junho de 2020. Cópia arquivada em 3 de agosto de 2020 
  20. «Street Cred». Wired (em inglês). 4 de janeiro de 2009. Consultado em 28 de julho de 2011. Cópia arquivada em 19 de julho de 2009 
  21. Morabito, Andrea (19 de setembro de 2011). «Exclusive: Fox Movie Channel to Rebrand With 'FXM' Block». Broadcasting & Cable (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2019. Cópia arquivada em 19 de junho de 2019 
  22. «FX-FXX-FXM Press Release» (PDF) (em inglês). News Corp. Consultado em 29 de março de 2013. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2020 
  23. Andreeva, Nellie (28 de março de 2013). «FX Officially Unveils FXX Channel To Launch In September, New Branding Campaign». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 28 de março de 2013. Cópia arquivada em 29 de março de 2013 
  24. «Fox Soccer to relaunch as FXX». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 18 de janeiro de 2013. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  25. Anderton, Ethan (14 de abril de 2014). «FX Creates New FXX Channel & FXNOW Video On Demand Platform». ScreenRant (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 31 de julho de 2020 
  26. Michael O'Connell (14 de janeiro de 2014). «FX Networks Starts Rolling Out Streaming App FXNOW». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2020 
  27. a b Maane Khatchatourian & Andrew Wallenstein. «FX Networks to Launch App That Could Counter Netflix». Variety (em inglês). Consultado em 9 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 20 de junho de 2017 
  28. Christina Warren (16 de janeiro de 2014). «FXNow Streaming iOS App Launches Ahead of 'Simpsons' Release» (em inglês). Consultado em 13 de abril de 2014. Cópia arquivada em 7 de maio de 2017 
  29. Juliana J. Bolden (14 de janeiro de 2014). «All 24 Seasons of 'The Simpsons' to Go Mobile on FXNOW; Fans of Sons of Anarchy, American Horror Story and more will watch their FX/FXX favourites anytime, anywhere on FXNOW. Multiplatform app also aims to be the exclusive, ultimate destination for all things Simpsons.». Emmys.com (em inglês). Consultado em 13 de abril de 2014. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2018 
  30. Andreeva, Nellie (31 de maio de 2019). «FX Exec Restructuring: Eric Schrier Upped To Entertainment President, Gina Balian Named Original Programming President Alongside Nick Grad». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2019. Cópia arquivada em 30 de junho de 2019 
  31. Andreeva, Nellie (10 de junho de 2019). «Sharon Klein Named Head Of Casting For Disney Television Studios & FX Entertainment». Deadline Hollywood (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2019. Cópia arquivada em 22 de junho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre FX Networks