Guilherme Palmeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guilherme Palmeira
Guilherme Palmeira
Deputado estadual  Alagoas
Período 1967-1979
Governador  Alagoas
Período 1979-1982
Antecessor(a) Geraldo Melo
Sucessor(a) Teobaldo Barbosa
Senador por  Alagoas
Período 1983-1988, 1991-1999
Prefeito Maceió‎‎ Maceió
Período 1989-1990
Antecessor(a) Djalma Falcão
Sucessor(a) João Sampaio
Dados pessoais
Nascimento 25 de dezembro de 1938 (79 anos)
Maceió, Alagoas
Cônjuge Susana Palmeira
Partido ARENA, PDS, PFL
Profissão advogado

Guilherme Gracindo Soares Palmeira (Maceió, 25 de dezembro de 1938) é um advogado e político brasileiro. Foi governador de Alagoas entre 1979 e 1982. No seu governo, nomeou Fernando Collor como prefeito de Maceió, fato que levaria este último a iniciar uma trajetória que o levaria a ser eleito presidente da República num espaço de dez anos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Rui Soares Palmeira e Maria Gaby Gracindo. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1963, retornou ao seu estado, sendo eleito deputado estadual pela ARENA em 1966, 1970 e 1974, licenciado-se para ocupar a Secretaria de Indústria e Comércio no primeiro governo Divaldo Suruagy. Indicado governador de Alagoas em 1978, firmou um acordo para pacificar as correntes políticas arenistas, em especial a liderada pelo senador Arnon de Melo, que conseguiu a nomeação de seu filho, Fernando Collor, como prefeito de Maceió. Extinta a ARENA, Guilherme Palmeira ingressou no PDS e foi eleito senador em 1982 derrotando Teotônio Vilela, um dos próceres pela redemocratização do Brasil.

Eleitor de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 1985, cerrou fileiras no PFL e foi eleito presidente nacional do partido em 1986, condição cumulativa com a de candidato ao governo de Alagoas sendo derrotado justamente por Fernando Collor, recém-filiado ao PMDB e adversário político nas disputas de outrora. Disposto a recuperar seu capital político foi eleito prefeito de Maceió em 1988, mandato ao qual renunciou em 1990 quando foi eleito para o seu segundo mandato como senador.

Em 1994 foi indicado candidato a vice-presidente na chapa de Fernando Henrique Cardoso pela coligação União, Trabalho e Progresso, e permaneceu nessa condição até agosto quando uma denúncia de favorecimento de uma empreiteira no Orçamento Geral da União resultou na substituição de seu nome pelo de Marco Maciel.

Candidato a reeleição em 1998, perdeu a vaga no Senado Federal para candidata do PT Heloísa Helena e, após tal revés, foi indicado ministro do Tribunal de Contas da União onde chegou ao cargo de vice-presidente, aposentando-se em 2008. Até hoje, é o único ministro do TCU aposentado que tem o aluguel de sua residência pago pela Casa.

Irmão de Vladimir Palmeira, destacado líder estudantil e férreo opositor do Regime Militar de 1964, e que foi eleito deputado federal pelo PT do Rio de Janeiro em 1986 e 1990, primo de José Thomaz Nonô e pai de Rui Palmeira, prefeito eleito de Maceió em 2012 e reeleito em 2016.


Precedido por
Geraldo Melo
Governador de Alagoas
1979–1982
Sucedido por
Teobaldo Barbosa
Precedido por
Djalma Falcão
Prefeito de Maceió
1989–1990
Sucedido por
João Sampaio