Lago da Pedra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Lago da Pedra
"Pedra"
"LP"
Bandeira de Lago da Pedra
Brasão de Lago da Pedra
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 1º de janeiro
Fundação 1 de janeiro de 1953 (63 anos)
Gentílico lagopedrense
Lema Justitia Cum Labore
"Justiça Com Trabalho"
Padroeiro(a) São José
CEP 65715-000[1]
Prefeito(a) Maura Jorge (PTN)
Localização
Localização de Lago da Pedra
Localização de Lago da Pedra no Maranhão
Lago da Pedra está localizado em: Brasil
Lago da Pedra
Localização de Lago da Pedra no Brasil
04° 57' 13" S 45° 13' 22" O04° 57' 13" S 45° 13' 22" O
Unidade federativa  Maranhão
Mesorregião Oeste Maranhense IBGE/2008 [2]
Microrregião Pindaré IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Bom Lugar, Esperantinópolis, Lago do Junco, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena, Paulo Ramos, Poção de Pedras, São Raimundo do Doca Bezerra, São Roberto.
Distância até a capital 312 km
Características geográficas
Área 1 240,446 km² [3]
População 48 992 hab. IBGE/2015[3]
Densidade 39,5 hab./km²
Altitude 95 m
Clima Tropical com estação seca Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,589 baixo PNUD/2000 [4]
PIB R$ 224 907 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 4 775,12 IBGE/2008[5]
Página oficial
Prefeitura www.lagodapedra.ma.gov.br

Lago da Pedra é um município brasileiro do estado do Maranhão. Segundo estimativa do IBGE, a população do município para 2015 correspondia a 48.992 habitantes, vivendo numa área territorial correspondente a 1.240,446 km². É sede da Região de Planejamento dos Imigrantes (uma das 32 Regiões de Planejamento do Estado do Maranhão), região Administrativa criada em 2007, o qual também fazem parte os municípios de Lago do Junco, Lago dos Rodrigues, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena e Paulo Ramos.

Fundada em 1º de janeiro de 1953, Lago da Pedra é a quarta maior cidade da Microrregião do Pindaré (superada por Santa Inês, Santa Luzia e Buriticupu). Detém de um rebanho bovino composto por cerca de 91.600 cabeças (IBGE/2015), um dos maiores do Estado.

Apesar de geograficamente estarem localizadas no extremo oeste da Mesorregião do Oeste Maranhense e no extremo sul da Microrregião de Pindaré, as cidades de Lago da Pedra e Lagoa Grande do Maranhão são comumente consideradas como integrantes do Médio Mearim, tanto pela proximidade destas em relação às cidades dessa região, como também pela influência regional de Lago da Pedra exercida sobre cidades destas duas microrregiões (Pindaré e Médio Mearim).

Portanto, se considerada integrante do Médio Mearim, Lago da Pedra torna-se o segundo maior centro populacional, sendo superada apenas por Bacabal.

Desde a década de 2000, a cidade experimenta um grande crescimento populacional. Com isso, a economia local diversificou-se, abrindo novas oportunidades para investimentos em diversos ramos, tendo sido registrado os maiores crescimentos a construção civil e o comércio. Este último com destaque para as lojas destinadas ao setor agropecuário, de vestuário, materiais de construção e bens de consumo em geral.

Em decorrência do boom imobiliário ocorrido na última década em todo o Brasil, a cidade tem ganhado muitos empreendimentos imobiliários. Com isso, os novos conjuntos habitacionais trouxeram uma nova cara aos bairros em que se localizam. Conjuntos como o Marta Morais, Lago Azul, Cacau e Jardins do Sinai (por exemplo) trouxeram melhorias na infraestrutura dos bairros onde se localizam.

A pujança do comércio local tem trago empresas dos mais variados ramos, com destaque para as franquias. Embora inserido em uma das regiões mais pobres do Brasil, a cidade conta com uma crescente rede de franquias, possuindo filiais de lojas como Cacau Show, Wizard, Ótica Diniz, O Boticário e Eletro Mateus. Aliás, comércio e agricultura, juntos, respondem por 90% do PIB do município.

História[editar | editar código-fonte]

O início da história de Lago da Pedra dá-se pelo ano de 1929, com a chegada dos primeiros moradores: Rosendo Rodrigues, seguido de Cândido Adão Sales de Oliveira, Joaquim Bastos, José Gago, João Melquíades e Luciano Rodrigues. O nome da cidade foi autoria do primeiro morador do lugar, Rosendo Rodrigues.

Esses lavradores procuravam animais para subsistência e áreas que pudessem usar pata lavoura, o que os levou a encontrar a região, que possuía na sua paisagem geográfica um grande lago, em cujas margens havia um fragmento rochoso (pedra de amolar), fato que foi capaz de prender a atenção dos então moradores.

Em 1931 intensificou-se a chegada de outros habitantes, que construíram as primeiras casas. A principal atividade era a agricultura de subsistência, propiciada pelo clima e por possuir um ótimo solo.

O distrito que hoje corresponde ao município foi criado com a denominação de Jejuí, pela lei estadual nº 269, de 31 de dezembro de 1948, estando subordinado ao município de Vitória do Mearim (ex-Baixo do Mearim), situação reforçada pela divisão territorial datada de 1º de julho de 1950.

Elevado à categoria de município com a denominação de Lago da Pedra, pela lei estadual nº 776, de 2 de outubro de 1952, acaba por ser desmembrado de Vitória do Mearim e Bacabal, constituindo-se como sede do ex-distrito de Lago de Pedra (ex-Jejuí) em 1º de janeiro de 1953. Em divisão territorial datada ainda de 1º de julho de 1960, o município é constituído do distrito sede, enquanto Jejuí se transfigura com um distante povoado do recém-criado município, assim permanecendo em divisão territorial datada até os dias atuais.

Após a emancipação, foi nomeado para administrador provisoriamente Antonio da Silva Coelho, que governou por dois anos,sendo depois substituído por Antônio Bandeira Lima, que governou por um ano.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Município localizado na Microrregião de Pindaré, pertencente à Mesorregião do Oeste Maranhense. Está numa região mundialmente conhecida pela exploração de palmáceas, sobretudo do gênero babaçu, visto se enquadrar no perímetro da Mata dos Cocais. Embora não conte com uma estrutura aprimorada, o extrativismo do babaçu é uma atividade complementar para as família de baixa renda da região. Há de se destacar também que sua vegetação nativa vem sendo gradativamente substituída pelas pastagens e pela agricultura tradicional, mesmo que a reprodução dessas palmáceas seja rápida.

O relevo é formado exclusivamente pelos planaltos. Em menor escala, no entanto, há chapadas, distribuídas nas zonas rurais do município. Todos pertencentes à Bacia do Parnaíba. Por estar num perímetro circundado por montes, que prejudicam a livre circulação dos ventos, e numa área de abrangência do clima tropical, seu verão é quente e chuvoso, e seu inverno, seco, visto as influências da massa de ar equatorial continental (mEc) e da própria continentalidade, que também influencia na grande amplitude térmica registrada no município, que é, em média, de 12 °C.

A aptidão agrícola local - tal qual a regional - é determinada pelo solo propício à lavoura, com qualidade mediana de solo. A aplicação de capital é pouca e as práticas agrícolas são fundamentadas em trabalho braçal, tração animal e implementos agrícolas simples, salvo algumas exceções, quando as práticas agrícolas podem empregar a calagem, adubação NPK e até o preparo mecanizado do solo. Contrastando com a dádiva geográfica, algumas porções de terra na zona limítrofe com os municípios de Paulo Ramos, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena e Poção de Pedras - isto é, a oste e sul de Lago da Pedra - têm aptidão restrita para silvicultura e pastagem natural.

Os principais bairros são Centro, Rodoviário, Vila Sales (Planalto), Vila Rocha, Cajueiro, Vila da Paz, Macaúba, Centro, Marajá, Jaguar, Vila Mangueira e Currutela do Raimundão. No mesmo limbo, os principais subúrbios são Santa Tereza, Santa Catarina, Abelha e Santo Antônio. Os principais povoados são Barro Branco, Encruzilhada, Lagoa do Coco, Lagoa Seca, Escondido, Baixão dos Caboclos, Poço Dantas, Floresta, Sindô I, Centro Novo, Sabesa, Palmeiral e Três Lagos (este último, a 65 km da sede municipal).

Sua geografia articula-se em torno do lago que originou o nome oficial do lugar. Grande parte do lago, porém, está soterrada por estabelecimentos comerciais e residências distribuídos ao longo do Centro e do Jaguar. A área restante está exposta e altamente poluída pela presença de lixo, composto principalmente por garrafas do tipo PET, sacolas plásticas e esgoto, o que resulta em um cheiro fétido às vezes perceptível no perímetro da região.

O município conta com uma vasta área arborizada em zona urbana. Sua conexão com seus povoados faz com que as estradas vicinais existentes entre a sede e os povoados tenha movimento intenso, tendo seu pico aos sábados, quando ocorrem feiras livres, no Centro, Jaguar e Currutela do Raimundão, e que atendem ao público de menor renda. Estas mesmas estradas, no entanto, nem sempre contam com uma boa infraestrutura.

A presença de fazendeiros e grandes agropecuaristas reservam à cidade um montante de propriedades com enormes faixas de terra que contrastam com lotes minúsculos. Não é à-toa a presença efetiva de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, sobretudo no povoado da Abelha - que, embora pertença a Lago do Junco, está sob zona de influência de Lago da Pedra.

População[editar | editar código-fonte]

Até o ano 2000[editar | editar código-fonte]

Embora o município tenha adquirido, em seus primórdios, uma consistência administrativa graças a sua crescente população, atualmente não mais se nota o feito. Isto é, a população vem decrescendo continuamente, conforme ilustra o gráfico a seguir.

Evolução demográfica da cidade de Lago da Pedra.[6]
Pirâmide etária 2010
% Homens Idade Mulheres %
0,2
 
85+
 
0,2
0,4
 
80-84
 
0,4
0,6
 
75-79
 
0,6
0,9
 
70-74
 
0,9
1,2
 
65-69
 
1,2
1,3
 
60-64
 
1,5
1,5
 
55-59
 
1,8
1,8
 
50-54
 
1,9
2,2
 
45-49
 
2,3
2,5
 
40-44
 
2,7
2,9
 
35-39
 
2,9
3,5
 
30-34
 
3,6
4,1
 
25-29
 
4,2
4,7
 
20-24
 
4,7
5,6
 
15-19
 
5,4
6
 
10-14
 
5,7
5,4
 
5-9
 
5,3
4,9
 
0-4
 
4,6

A perceptível redução no número de habitantes notada entre 1996 e 2000 se explica majoritariamente pela evasão da população em função de novas oportunidades de vida originadas ou nos municípios próximos ou em grandes centros urbanos, tendo constituído um fluxo migratório intenso a São Luís, São Paulo e regiões mineradoras distribuídas por Mato Grosso, Pará e Planalto das Guianas, bem como o intercâmbio escolar presente nas redes de ensino pública e principalmente privada e mais notado no período de latência entre o Ensino Fundamental e Ensino Médio, tendo levado alunos especialmente à capital estadual e/ou à Teresina. Entretanto, a ascensão populacional notada entre 2000 e 2010, por mais que conviva com essa realidade, parece encerrar a tendência de evasão populacional, em face do desenvolvimento socioeconômico ocorrente em muitas cidades de médio e pequeno porte do interior brasileiro, entre as quais Lago da Pedra, o que sobremaneira anula as influências externas de cidades-polo próximas e capitais próximas, permitindo assim o estabelecimento da população local pelo retorno de emigrantes e chegada de imigrantes.

De 2000 a 2016[editar | editar código-fonte]

Após ter experimentado aquela que talvez tenha sido a década onde o município mais cresceu e se desenvolveu (década de 2000), atualmente a cidade encontra-se em processo de conurbação, ora lento em algumas direções, ora acelerado em outras. Os povoados de Lago da Cutia, Lago do Arroz, Centro do Agostinho, Escolado, Alto Alegre e Santa Teresa encontram-se no eixo principal desse processo e podem vir a ser, futuramente, "engolidos" pela área urbana da cidade, tomando o status de "bairros".

Nesse mesmo sentido, as cidades de Lago do Junco, Lago da Pedra e Lago dos Rodrigues já ensaiam - embora ainda modesta - uma conurbação envolvendo três municípios. De olho nesse crescente polo econômico, educacional e, principalmente, de serviços, diversos empresários tem visto na região a oportunidade de investimentos com altas taxas de retorno. Em Lago da Pedra encontram-se as matrizes de diversas lojas que possuem filiais em cidades da Região do Médio Mearim e Pindaré.

Educação[editar | editar código-fonte]

Embora esteja localizada numa região conhecida pela precariedade do sistema educacional, Lago da Pedra acaba por contrapor esta ideia em decorrência de investimentos particulares e do governo. Escolas como o renomado Colégio São Francisco de Assis - instituição filantrópica cuja origem remonta de um investimento alemão, sob administração da Paróquia São José local - têm lá sua sede e com prestígio em âmbito regional. Outros colégios particulares de renome quanto à estrutura é o Instituto Educacional Deputado Waldir Filho e o Centro Educacional Criança Feliz.

Colégios públicos são um destaque, mas não tanto quanto aqueles. Exemplos são os Centro de Ensino São José (antiga escola estadual, atualmente municipalizado), Centro de Ensino Marly Sarney, Cristóvão Colombo, Maura Jorge de Melo e ainda o Centro de Ensino Médio Maria das Neves Santos Nascimento (extinto - seu prédio foi cedido à Universidade Estadual do Maranhão, para abrigar o Centro de Estudos Superiores de Lago da Pedra - CESLAP).

Bairros[editar | editar código-fonte]

Em 2015 a cidade contava com 15 bairros. Sendo eles:

  • Cajueiro
  • Centro
  • Jaguar
  • Macaúba
  • Marajá
  • Planalto
  • Rodoviário
  • Serra Dourada
  • Vieira Neto
  • Vila da Paz
  • Vila Mangueira
  • Vila Osmani
  • Vila Rocha
  • Vila Santa
  • Waldir Filho
  • Residencial Marta Moraes

Apesar de comumente chamado de bairro (pelo seu tamanho), o Conjunto Habitacional Marta Morais faz parte do bairro Macaúba.

Serra Dourada é o maior bairro em extensão territorial; Vieira Neto é o bairro mais populoso; Vila Mangueira, por sua vez, é o bairro mais carente enquanto que Jaguar é um bairro de classe média e alta; Cajueiro é o bairro mais antigo do município.

Infraestrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Av. Roseana Sarney na altura do cruzamento com a Av. José Viera de Melo, bairro Vila Rocha, Lago da Pedra - MA.
Av. Raimundo da Silva Barros, no bairro Serra Dourada, em Lago da Pedra - MA.
Av. José Vieira de Melo, cortando o bairro Rodoviário, servindo de ligação entre as MA's 119 e 245..
Av. Maura Jorge, bairro Waldir Filho, Lago da Pedra - MA.
Av. Gov. Newton Bello, no bairro Vieira Neto, Lago da Pedra - MA
Av. Antônio Balé, com bairro Marajá ao fundo, Lago da Pedra - MA

Infraestrutura rodoviária[editar | editar código-fonte]

O município é cortado por duas importantes rodovias estaduais: a MA 119 (atravessando o município no sentidos leste-oeste) e a MA 245 (sentido norte-sul). Esta última sendo conhecida como a "espinha dorsal" do município.

Da zona urbana também partem diversas estradas vicinais (rodovias municipais), sendo as principais:

  • Estrada para Santo Antônio dos Ferreiras: também serve de acesso aos povoados de Santa Catarina, Umbaca, Centro dos Garcias e Centro dos Pereiras);
  • Estrada para Lago da Cutia: servindo de acesso, também, para o povoado Bom Jesus;
  • Estrada para Cabaça:
  • Estrada para Escolado: dá acesso direto aos povoados de Centro dos Leôncios, Centro dos Rodrigues, João Grosso, Gavião, Poço Dantas e Taboca).

A zona urbana é cortada por grandes avenidas, o que garante uma boa trafegabilidade e fluidez ao trânsito. As maiores avenidas do município são:

  • Av. Roseana Sarney (antiga Av. Santos Dumont);
  • Av. Raimundo da Silva Barros;
  • Av. José Vieira de Melo;
  • Av. Maura Jorge;
  • Av. Newton Bello;
  • Av. Antônio Balé (prolongamento da Rua Cel. Pedro Bogéa).

Outras ruas importantes para o tráfego de veículos:

Centro[editar | editar código-fonte]

  • Rua Bayma Serra
  • Rua Cel. Pedro Bogéa
  • Rua Dep. Raimundo Bogéa
  • Rua Humberto de Campos
  • Rua Mendes Fonseca
  • Rua Sen. Vitorino Freire

Vila Santa[editar | editar código-fonte]

  • Rua Santo Antonio
  • Rua São José
  • Rua São Raimundo

Waldir Filho[editar | editar código-fonte]

  • Rua Bandeirantes
  • Rua Ademar Leite
  • Rua Pres. José Sarney
  • Rua Santa Teresinha

Bairro Rodoviário[editar | editar código-fonte]

  • Rua Dep. José Machado
  • Rua Duque de Caxias
  • Rua José de Alencar
  • Rua Primeiro de Maio

Planalto[editar | editar código-fonte]

  • Rua Ana Sales
  • Rua Raimundo Neres Bandeira
  • Rua Euclides Pereira da Silva
  • Rua Hilário Neto
  • Rua Mazolene Coelho
  • Rua Joseane Sales
  • Rua José Alves da Penha
  • Rua José Alves dos Santos
  • Rua Nunes Freire

Cajueiro[editar | editar código-fonte]

  • Rua da União

Vila Mangueira[editar | editar código-fonte]

  • Rua Maranhão

Jaguar[editar | editar código-fonte]

  • Av. Wenceslau Brás
  • Rua do Jaguar

Macaúba[editar | editar código-fonte]

  • Rua das Laranjeiras
    Quartel da PMMA
  • Rua Sete de Setembro

Segurança pública[editar | editar código-fonte]

A cidade é sede do 5º Pelotão de Polícia Militar, subordinado ao 19ª Batalhão de Polícia Militar do Estado do Maranhão - PMMA, e está situado na Av. Roseana Sarney, bairro Vila Rocha. Há, atualmente, discussões aprofundadas sobre a criação de um Batalhão de Polícia Militar na Região dos Imigrantes, tendo como sede o município de Lago da Pedra.

Unidade SESI Indústria do Conhecimento - Lago da Pedra

Órgãos públicos[editar | editar código-fonte]

O bairro Planalto é, hoje, o centro da grande maioria dos órgãos estaduais e municipais instalados no municípios. Lá estão instalados órgãos como o Núcleo Regional de Defensoria Pública do Estado, Instituto Nacional do Seguro Social, Tribunal Regional Eleitoral, Fórum da Comarca de Lago da Pedra, SESI Indústria do Conhecimento, UBS Irmã Marta e a Câmara municipal.

Religião[editar | editar código-fonte]

O cristianismo é religião predominante no Brasil, Maranhão e Lago da Pedra.

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

Igreja Matriz de São José

Dia 19 de março é comemorado o dia de São José, padroeiro do município. São sete dias de festa em um dos festejos mais tradicionais do interior do Maranhão. É tradição, também, os festejos de São Francisco de Assis, realizada geralmente entre os meses de setembro e outubro e que termina com uma grande procissão por algumas das maiores avenidas do município, com a imagem do santo sendo carregada pelos fiéis durante todo o percurso. Vê-se, ainda, muita gente trajando vestes na cor marrom (em alusão às tradicionais vestes do santo). A Paróquia São José é subordinada à Diocese de Bacabal e que, por sua vez, é subordinada a Arquidiocese de São Luís. A Paróquia abrange outros três municípios: Lagoa Grande do Maranhão, Lago do Junco e Lago dos Rodrigues, este último município possuindo um belo e grande santuário ao santo.

Protestantismo[editar | editar código-fonte]

Adventismo[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Adventista do Sétimo Dia

Calvinismo[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Presbiteriana do Brasil

Pentecostais[editar | editar código-fonte]

Mega templo.jpg
  • Igreja Cristã Evangélica
  • IEADELP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Lago da Pedra

O protestantismo é, atualmente, a religião que mais cresce no município. Diversas igrejas com estruturas físicas de variados tamanhos e proporção diversa de seguidores em cada uma. A maior delas é a Igreja Evangélica Assembleia de Deus que possui praticamente 01 congregação para cada bairro da cidade bem como está presente em quase todos os povoados do município.

Em relação à IEADELP (Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Lago da Pedra), está em construção a mais de uma década um novo templo central para a igreja, já que o antigo templo - rebaixado à categoria de congregação - já não comportava toda a crescente comunidade cristã de Lago da Pedra. A obra, no entanto, se arrasta a passos lentos e caminha para o aniversário de 02 décadas com status "em construção".

Pentecostais da Segunda Geração[editar | editar código-fonte]

  • Casa da Bênção

Pentecostais da Terceira Geração ou Neopentecostais[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Mundial do Poder de Deus
  • IURD - Igreja Universal do Reino de Deus
  • Igreja Internacional da Graça de Deus

Protestantismo Clássico[editar | editar código-fonte]

  • IBLP - Igreja Batista em Lago da Pedra
  • Primeira Igreja Batista de Lago da Pedra
  • IBNVN - Igreja Batista Nacional Vinho Novo

Carismáticos[editar | editar código-fonte]

  • RCC - Renovação Carismática Católica

Outras[editar | editar código-fonte]

Lago da Pedra também possui um Salão do Reino das Testemunhas de Jeová, a Loja Maçônica n°36 de Lago da Pedra e uma pequena quantidade de praticantes de umbanda.

Zona rural[editar | editar código-fonte]

A zona rural é responsável por grande parte do PIB de Lago da Pedra. A agricultura e pecuária correspondem por parcela significativa da economia lagopedrense. As lojas de produtos voltados à agropecuária são várias e o número só cresce à medida que o município cresce.

Os principais povoados são:

  1. Três Lagos
  2. Santa Teresa
  3. Alto Alegre
  4. Sindor I
  5. Lagoa Seca
  6. Centro da Pedreira
  7. Lago da Cutia
  8. Lago do Arroz
  9. Umbaca
  10. Unha de Gato

Cultura[editar | editar código-fonte]

O município tem um incrível histórico com a música. Os gêneros musicais mais populares são o forró elétrico, tecnobrega e sertanejo. Quanto à música religiosa, as músicas cristãs são onipresentes, com destaque à música sacra e à música gospel. Quanto a isso, cita-se que o município é um reduto de intensas campanhas religiosas, tanto pela Igreja Católica quanto pela Assembleia de Deus. Há também uma parcela populacional ligada ao judaísmo.

Cabe citar a grande ligação existente entre o município e a Alemanha. Desde os seus primórdios, a cidade recebe investimentos alemães, destinados para a construção de escola e para manutenção de ONGs locais, muitos manejados pela Arquidiocese Municipal. Casais como Teodoro e Margareth Lameck foram pioneiros. A consolidação deste intercâmbio cultural é vista com a grande concentração de missionários e padres de origem alemã, bem como viagens sazonais de lagopedrenses àquele país.

Conta com diversos clubes de dança, bares e parques de concertos, todos muito limitados, movimentados pelas batidas elétricas do forró elétrico, quase sempre. Outros destinos de lazer são banhos fluviais, localizados na SABESA e no Palmeiral, além da AABB, que possui uma unidade instalada no município.

O Carnaval da cidade era, antes, composto por blocos de foliões, hoje na maioria extintos. Blocos tradicionais como Tô na Pedra, Papa-Léguas, Guelões, Vaca H e Tico Mania, animaram os tempos de ouro do carnaval lagopedrense. Hoje em dia o que se vê são foliões que, dispersos ou em grupos e espalhados por vários pontos da cidade, levam alegria e animam durante todo o feriado oficial em volta desta data.

A dança da mangaba[editar | editar código-fonte]

A dança da mangaba é uma dança originária de Lago da Pedra. Apesar do inestimável valor cultural, a dança não é divulgada nem tampouco recebe qualquer incentivo do poder público, visando sua preservação.

O ritmo e sua dança nasceram na comunidade de Santo Antônio dos Ferreiras (povoado que dista 3 km da sede do município). Não se sabe ao certo a data exata de sua criação nem tampouco quem foram os primeiros praticantes porém, o ano de 1970 é o que consta na história por se tratar da data de chegada de Dona Clotilde Pereira da Silva à comunidade.

Dona Coló, como era conhecida, se encarregou de tornar a dança conhecida além dos limites do pequeno povoado. A dança logo chegou à zona urbana e o município de Lago da Pedra conheceu aquela que seria a sua mais genuína criação. Anos mais tarde, com o falecimento de Dona Coló, o grupo de dança foi sendo esquecido até quase entrar em extinção. Em 2011 iniciou-se um projeto na tentativa de recuperar a dança. Em 2012, após os moradores terem acolhido com alegria o projeto, foi criado o Grupo de Mangaba Dona Coló, em homenagem àquela que tanto fez pela preservação da cultura de seu povo.

Atualmente, o Grupo de Mangaba Dona Coló é formado por dez casais e é coordenado pelas professoras Lindete Silva e Irami Vieira.

Referências

  1. Correios. «Busca CEP - Faixas de CEP». Consultado em 26 de fevereiro de 2015. 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  3. a b «Censo Populacional 2015». Censo Populacional 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 15 de julho de 2015. Consultado em 28 de julho de 2015. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  6. «Evolução populacional». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  Parâmetro desconhecido |acessoadata= ignorado (Ajuda)