Ogum na Umbanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ogum Megê

Ogum é um dos principais orixás cultuado na Umbanda. É patrono de uma das Sete Linhas.

É sincretizado com São Jorge no Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul; e com Santo Antonio na Bahia. As cores predominantes de suas guias são vermelho ou azul-escuro, sendo que na Umbanda do Rio Grande do Sul muitos terreiros utilizam vermelho, branco ou verde.

Diferentemente do Candomblé, na Umbanda, não incorporam-se orixás. Ainda assim, há incorporações de entidades que usam o prenome Ogum em giras, tais como Ogum Beira-Mar ou Ogum Sete Ondas.[1] Na realidade, eles são espíritos falangeiros de Ogum, e não o orixá propriamente.[2]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  • Ogum da Pedreira[1]
  • Ogum Megê[1]
  • Ogum Matinata[1]
  • Ogum Dilê[1]
  • Ogum Rompe-Mato[1]
  • Ogum Naruê[1]
  • Ogum Xoroquê[1]
  • Ogum Yara[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i Luís Antonio Modesto. O Livro Da Nação Espírita. [S.l.: s.n.] Consultado em 3 de novembro de 2018. 
  2. Douglas Rainho (1 de janeiro de 2015). «Ogum na Umbanda – Suas Falanges.». Consultado em 3 de novembro de 2018. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BASTIDE, Roger. As Religiões Africanas no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.