Paulo Pedroso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paulo Pedroso
Paulo Pedroso
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período XIV Governo Constitucional
  • Ministro do Trabalho
    e da Solidariedade
Antecessor(a) Eduardo Ferro Rodrigues
Sucessor(a) José Vieira da Silva
Dados pessoais
Nascimento 28 de abril de 1965 (52 anos)
Partido PS

Paulo José Fernandes Pedroso (28 de abril de 1965) é um político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi ministro do Trabalho e da Solidariedade do governo de António Guterres, tendo tomado várias medidas populares, como a criação do rendimento mínimo garantido. Era considerado o delfim de Ferro Rodrigues, enquanto antigo líder do Partido Socialista.

Contudo, foi acusado por vítimas do escândalo da Casa Pia de abuso sexual de menores, motivo pelo qual foi constituído arguido no processo. Durante a fase de inquérito em que foi detido, em plena Assembleia da República, suspendeu o cargo de deputado. [1]

Em 2006, ficou livre de acusações, pois a juíza encarregue do caso decidiu que não deveria ir a julgamento. Em resposta, Paulo Pedroso moveu ações contra o Estado e queixas-crime contra os jovens da Casa Pia, tendo perdido todas elas.[1] No processo que Paulo Pedroso moveu contra o Estado, ele alegava erro grosseiro cometido pelo juiz do processo Casa Pia na sua prisão preventiva e por isso pedia uma indemnização do Estado no valor de €598.474,90 €90. O Supremo Tribunal de Justiça, porém, considerou não ter existido "erro grosseiro", mencionando que havia "fortes indícios da prática de vários crimes de abuso sexual de crianças puníveis com pena de prisão de máximo superior a três anos", alegando também o risco de "perturbação séria do inquérito e um sentimento de insegurança e de intranquilidade públicas".[2]

Em 2009, foi cabeça de lista pelo PS à Presidência da Câmara Municipal de Almada,[3] tendo sido derrotado pela então presidente, que se recandidatou ao cargo, Maria Emília de Sousa.

Um estudo realizado pela empresa de consultoria de comunicação Imago-Llorente & Cuenca, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, divulgado em março de 2015, colocou Paulo Pedroso em sétimo lugar na lista dos políticos portugueses mais influentes na rede social Twitter, numa lista liderada pelo líder do partido político LIVRERui Tavares.[4]

Referências

  1. «Paulo Pedroso volta atrás com pedido de indemnização». Sol. 22 de maio de 2011. Consultado em 22 de maio de 2011 
  2. «Prisão de Pedroso era a "única medida" para impedir perturbação de inquérito». Público. 28 de março de 2011. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  3. http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=131279
  4. «Rui Tavares é o político mais influente no Twitter, revela estudo». Público. 31 de março de 2015. Consultado em 20 de agosto de 2015 
Precedido por
Eduardo Ferro Rodrigues
Ministro do Trabalho e da Solidariedade
XIV Governo Constitucional
2001 – 2002
Sucedido por
António Bagão Félix
(como ministro da Segurança Social e do Trabalho)