Álvaro Barreto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Álvaro Barreto
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período IV Governo Constitucional
  • Ministro da Indústria e Tecnologia

VI Governo Constitucional

  • Ministro da Indústria e Energia

VII Governo Constitucional

  • Ministro para a Integração Europeia

IX Governo Constitucional

  • Ministro da Agricultura
  • Ministro do Comércio e Turismo

X Governo Constitucional

  • Ministro da Agricultura,
    Pescas e Alimentação

XI Governo Constitucional

  • Ministro da Agricultura,
    Pescas e Alimentação

XVI Governo Constitucional

  • Ministro de Estado
  • Ministro das Actividades
    Económicas e do Trabalho
Dados pessoais
Nascimento 1 de janeiro de 1936 (83 anos)
Lisboa, Portugal
Partido Partido Social Democrata

Álvaro Roque de Pinho [Bissaia] Barreto ComMAI (Lisboa, 1 de janeiro de 1936) é um gestor e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Percurso académico e profissional[editar | editar código-fonte]

Álvaro Barreto licenciou-se em Engenharia Civil, pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa, em 1959.

Terminada a licenciatura, foi recrutado para o Grupo CUF, ingressando na Profabril, a empresa de estudos e projetos desse Grupo. Aqui manteve-se como consultor de projectos de engenharia industriais durante quase dez anos[1]. Continuando no Grupo CUF — e já depois de se diplomar, no ano de 1969, no Program on Management Development, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos —, foi nomeado diretor administrativo da Lisnave. Em 1971 passou a administrador delegado da Setenave, cargo que desempenhou até à altura da Revolução dos Cravos.

O engenheiro e gestor regressaria às funções em empresas nos intervalos das suas experiências governativas. Em 1979 foi nomeado presidente do Conselho de Gerência da TAP, cargo que abandonou logo em 1980, ao ingressar no primeiro governo da Aliança Democrática. Em 1982, por sua vez, foi nomeado presidente do Conselho de Administração da Soporcel, cargo a que regressou em 1990[2], quando deixou o Ministério da Agricultura, no governo de Cavaco Silva. Manteve-se na presidência desta empresa até 2004[3].

Foi nomeado vogal do Conselho de Administração do Millennium BCP, para o mandato de 2015-2017.[4]

Entre outras funções que Álvaro Barreto desempenhou contam-se as de membro do Conselho de Avaliação da Fundação das Universidades Portuguesas (1996-2002); membro do Conselho Social da Universidade de Coimbra (1998-2001); e do Conselho de Planeamento e de Gestão Urbanística da Fundação Batalha de Aljubarrota (2006-2012)[5].

Percurso político e governativo[editar | editar código-fonte]

A seguir ao 25 de abril de 1974 Álvaro Barreto aderiu ao Partido Popular Democrático, atualmente Partido Social Democrata. Em 1978 exerceu, pela primeira vez, funções governativas, ao ser nomeado Ministro da Indústria e Tecnologia do primeiro governo de iniciativa presidencial de António Ramalho Eanes, o IV Governo Constitucional, que tinha como Primeiro-Ministro Carlos Alberto da Mota Pinto.

Álvaro Barreto iniciaria então uma vasta carreira governativa, passando por diversos cargos ministeriais ao longo das décadas de 1980 e 90, relacionados com a indústria, a integração europeia, o comércio e a agricultura.

Em 1980, sendo Primeiro-Ministro Francisco de Sá Carneiro, tornou-se Ministro da Indústria e Energia do VI Governo Constitucional e, em 1981, já com Francisco Pinto Balsemão na chefia do governo, passou a assumir a função de Ministro da Integração Europeia do VII Governo Constitucional, o primeiro de dois que tiveram como chefe Pinto Balsemão, e que durou apenas alguns meses do ano de 1981.

No período subsequente à era dos governos da Aliança Democrática, Álvaro Barreto voltou a exercer funções governativas, desta vez no IX Governo Constitucional, conhecido como governo do Bloco Central, por resultar de uma coligação pós-eleitoral do PS, dirigido por Mário Soares, com o PSD, então liderado por Mota Pinto. Assim, tendo Soares como Primeiro-Ministro, Barreto foi nomeado Ministro do Comércio e Turismo em 1983, passando a assumir, em 1984, e na vigência do mesmo governo, a função de Ministro da Agricultura.

Barreto manter-se-ia na pasta da agricultura após a vitória social-democrata nas eleições legislativas de 1985, que levaram à formação do primeiro governo de Aníbal Cavaco Silva, o X Governo Constitucional, sendo o seu cargo agora denominado Ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação. Seria reconduzido no órgão após as legislativas de 1987, data da primeira maioria absoluta do PSD, que deu origem ao XI Governo Constitucional, até que, no ano de 1990, Álvaro Barreto deixou o cargo. Ao todo, foi durante seis anos consecutivos, desde 1984 até 1990, o responsável ministerial pela pasta da agricultura.

Em 1991 e em 1995 foi eleito deputado à Assembleia da República, onde integrou várias comissões parlamentares.

Em 2004 Álvaro Barreto voltou a ser nomeado para um cargo governativo, desta vez pela mão de Pedro Santana Lopes, que o escolheu para assumir o cargo de Ministro de Estado, da Economia e do Trabalho do XVI Governo Constitucional. Foi então apontado pela imprensa como a «segunda figura» desse executivo[6]. Este foi o último cargo governativo que exerceu.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

A 31 de Julho de 1967 foi feito Comendador da Ordem Civil do Mérito Agrícola e Industrial Classe Industrial.[7]

Família[editar | editar código-fonte]

Álvaro Barreto é o segundo de três filhos de António de Matos [Bissaia] Barreto (Cuba, Cuba, 24 de Junho de 1900 - 19 de Outubro de 1979), Licenciado em Engenharia Agronómica e Professor Catedrático do Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa, e sobrinho paterno de Fernando Baeta Bissaia Barreto Rosa, e de sua segunda mulher (10 de Dezembro de 1932) Maria da Piedade Valdez Briffa Roque de Pinho (9 de Junho de 1910 - 8 de Janeiro de 1986), de ascendência Francesa, Maltesa e Dinamarquesa, filha do 2.º Conde de Alto Mearim, e primo em quinto grau de Manuela Ferreira Leite e de José Eugénio Dias Ferreira.

Casou primeira vez com Maria Luísa Rodrigues Simões de Almeida, quarta de 17 filhos e filhas de João António Simões de Almeida (Bragança, 1910 - 9 de Maio de 1990) e de sua mulher Maria Henriqueta Drummond Olavo Rodrigues (17 de Março de 1920 - 8 de Agosto de 2004), com geração.

Casou segunda vez com Maria Rosália de Almeida Vieira da Cruz (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 10 de Dezembro de 1937), viúva de Ricardo Maria Baptista de Mello Gouveia (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 27 de Fevereiro de 1934 - Lisboa, 7 de Março de 1978), sem geração.

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Millennium BCP
  2. Arquivo RTP
  3. Milleniumbcp
  4. «CV de Álvaro Barreto» (PDF). Millennium BCP. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  5. Millennium bcp
  6. Correio da Manhã
  7. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Álvaro Roque de Pinho Bissaia Barreto". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 26 de fevereiro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Fernando Santos Martins
Ministro da Indústria e Tecnologia
IV Governo Constitucional
1978 – 1979
Sucedido por
Fernando Videira
(como ministro da Indústria)
Precedido por
Fernando Videira
(como ministro da Indústria)
Ministro da Indústria e Energia
VI Governo Constitucional
1980 – 1981
Sucedido por
Ricardo Bayão Horta
Precedido por
Cargo inexistente
Ministro para a Integração Europeia
VII Governo Constitucional
1981
Sucedido por
Cargo abolido
Precedido por
Basílio Horta
(como ministro da Agricultura, Comércio e Pescas)
Ricardo Bayão Horta
(como ministro da Indústria, Energia e Exportação)
Ministro do Comércio e Turismo
IX Governo Constitucional
1983 – 1984
Sucedido por
Joaquim Ferreira do Amaral
Precedido por
Manuel Soares Costa
(como ministro da Agricultura, Florestas e Alimentação)
Ministro da Agricultura
IX Governo Constitucional
1984 – 1985
Sucedido por
o próprio
(como ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação)
Precedido por
o próprio
(como ministro da Agricultura)
José de Almeida Serra
(como ministro do Mar)
Ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação
X e XI Governos Constitucionais
1985 – 1990
Sucedido por
Arlindo Cunha
Precedido por
Carlos Tavares
(como ministro da Economia)
António Bagão Félix
(como ministro da Segurança Social e do Trabalho)
Ministro de Estado, das Atividades Económicas e do Trabalho
XVI Governo Constitucional
2004 – 2005
Sucedido por
Manuel Pinho
(como ministro da Economia e da Inovação)
José Vieira da Silva
(como ministro do Trabalho e da Solidariedade Social)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.