António Lopes Cardoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
António Lopes Cardoso
António Lopes Cardoso
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Período I Governo Constitucional
  • Ministro da Agricultura e Pescas
Antecessor -
Sucessor Álvaro Barreto
Dados pessoais
Nascimento 27 de março de 1933
Praia, Santiago, Cabo Verde[1]
Morte 9 de junho de 2000 (67 anos)
Lisboa
Partido PS, UEDS

António Poppe Lopes Cardoso (Praia (Cabo Verde), 27 de março de 1933Lisboa, 9 de junho de 2000) foi um político português.

Licenciado pelo Instituto Superior de Agronomia, tornou-se um opositor ao Salazarismo, enquanto desempenhou funções associativas.

Em 1962 é preso pela PIDE, na sequência da sua participação no Golpe de Beja. Nesse mesmo ano parte para o exílio, primeiro para Paris, mais tarde no Brasil, onde permanece até 1971. Regressa a Portugal, tornando-se assistente do Instituto Superior de Agronomia. Em 1973, logo a seguir ao congresso fundador, ingressa no Partido Socialista, de que foi um dirigente destacado no pós-25 de Abril.

Deputado à Assembleia Constituinte (1975-1976), aí liderou o Grupo Parlamentar do PS. De seguida ocupou os cargos de Ministro da Agricultura no VI Governo Provisório, chefiado por Pinheiro de Azevedo, e no I Governo Constitucional, dirigido por Mário Soares.

Discordando das novas políticas agrárias do PS, demitiu-se do Governo e depois do partido, permanecendo como deputado independente[2]. Funda entretanto a Fraternidade Operária, movimento que haveria de originar um novo partido, a União de Esquerda para a Democracia Socialista (UEDS). Em representação deste pequeno partido, foi eleito Deputado à Assembleia da República na II Legislatura, depois reeleito na legislatura seguinte, como deputado independente, novamente nas listas do PS.

Foi autor de vários livros e artigos sobre a realidade agrícola portuguesa e o sistema político-partidário.[3][4]

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Um ensaio de análise gráfica da influência do meio físico nos resultados económicos da empresa agrícola (Lisboa, 1960).
  • A estabilização dos mercados agrícolas e a organização da produção (Lisboa, 1961).
  • A região a oeste da Serra dos Candeeiros (Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1961).
  • A concentração da actividade agrícola e a integração empresarial (Lisboa, Centro de Estudos de Economia Agrária, 1962).
  • Luta pela reforma agrária (Lisboa, Diabril, 1976).
  • A liberdade defende-se construindo o socialismo, o socialismo constrói-se defendendo a liberdade (Beja, Fed. de Beja do Partido Socialista, 1976).
  • A nova lei da reforma agrária (Lisboa, Livros Horizonte, 1977).
  • Os sistemas eleitorais (Lisboa, Salamandra, 1993, ISBN 972-689-046-2).
  • Intervenções parlamentares de Lopes Cardoso : testemunho sobre a coerência de um percurso (Lisboa, A.R., 2003, ISBN 972-556-342-5).[5]

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
-
Ministro da Agricultura e Pescas
I Governo Constitucional
Sucedido por
Álvaro Barreto


Referências

  1. «Falecimentos» (PDF). Sociedade Genealógica Judaica do Brasil. Junho 2001. Consultado em 23 de junho de 2010 [ligação inativa]
  2. Jorge Sampaio evoca Lopes Cardoso. Página visitada em 9 de maio de 2010.
  3. «António Poppe Lopes Cardoso». Assembleia da República. Consultado em 9 de maio de 2009 
  4. «António Lopes Cardoso». UC - Centro de Documentação 25 de Abril. Consultado em 9 de maio de 2009 
  5. «Pesquisa». Porbase - Base Nacional de Dados Bibliográficos. Consultado em 9 de maio de 2009 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.