António Capucho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde setembro de 2015) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
António Capucho
Ministro(a) de Portugal Portugal
Período IX Governo Constitucional
  • Ministro da Qualidade de Vida

XI Governo Constitucional

  • Ministro dos Assuntos Parlamentares
Dados pessoais
Nascimento 3 de janeiro de 1945 (73 anos)
Lisboa
Partido Independente
Profissão Gestor reformado

António d'Orey Capucho GCIH (Lisboa, São Mamede, 3 de janeiro de 1945) é um gestor e político português.

Família[editar | editar código-fonte]

Segundo de nove filhos e filhas e primeiro filho de António Emídio Ferreira de Mesquita da Silva Capucho (24 de Abril de 1918) e de sua mulher, Maria Teresa de Almeida d'Orey, (17 de Dezembro de 1917), bisneta de um Alemão, sobrinha-bisneta do 1.º Visconde de São Torquato, sobrinha-trineta do 3.º Visconde de juro e herdade e 1.º Conde de Mesquitela, do 1.º Visconde e 1.º Marquês da Cunha e do 1.º Conde da Ilha da Madeira, tetraneta da 2.ª Viscondessa de Mesquitela de juro e herdade, neta materna de Manuel Casimiro de Almeida e sobrinha materna de José Casimiro de Almeida, ambos cavaleiros tauromáquicos, e prima-irmã de Mirita Casimiro, célebre atriz; primo em terceiro grau de Teresa Patrício Gouveia, António Patrício Gouveia e Alexandre Patrício Gouveia.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Curso Superior de Organização e Gestão de Empresas (ISNP - 1974).

Durante o Estado Novo, apoiou as candidaturas da Oposição Democrática, em 1969 pela CEUD, grupo liderado por Mário Soares e com incorporação da Comissão Eleitoral Monárquica, e em 1973 pela CDE, nessa fase unitária.

Aderindo ao Partido Social Democrata em 1974, ocupou os cargos de secretário-geral adjunto (1975-1978), secretário-geral (1978-1983, sendo líderes Francisco Sá Carneiro (1978-1980) e Francisco Pinto Balsemão (1980-1983); e, de novo, em 1998-1999, sendo líder José Manuel Durão Barroso) e de vice-presidente (1987-1989, sendo líder Aníbal Cavaco Silva; e 1996-2000, sendo líderes Marcelo Rebelo de Sousa e Durão Barroso) da Comissão Política Nacional.

Foi deputado à Assembleia da República (1980-1999) e presidiu ao Grupo Parlamentar em (1984-1987 e 1999-2001).

Integrou o VIII Governo Constitucional como Secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro, exercendo depois o cargo de Ministro da Qualidade de Vida no IX Governo. Foi Ministro dos Assuntos Parlamentares, entre 1987 e 1989, data em que assume a coordenação do Grupo Europeu do PSD e é eleito vice-presidente do Parlamento Europeu 1989-1998).

É autor de A União Europeia. O que é e como funciona (1994), União Europeia a 15 (1996) e de De Roma a Amesterdão (1997).

A 9 de Junho de 1997 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.[3]

Foi eleito presidente da Câmara Municipal de Cascais em 2001, 2005 e 2009, tendo renunciado ao mandato em Janeiro de 2011.

Eleito para a Assembleia Municipal de Sintra nas eleições autárquicas de 2013 pela lista independente "Sintrenses com Marco Almeida".

Adepto e praticante federado de diversas modalidades desportivas, foi ainda dirigente do Clube de Ténis do Estoril e da Associação Desportiva da Costa do Sol, de que é sócio-fundador.

Medalha de Honra do Município de Cascais, Ordem de Mérito da Associação de Letras e Artes, Irmão honorário da Santa Casa da Misericórdia de Cascais e sócio honorário do Rotary Clube de Cascais-Estoril, da Associação de Prevenção e Desafio à Sida, da Estudantina Recreativa de São Domingos de Rana, do Clube Naval de Cascais, do Clube Naval de Lisboa e do Clube de Ténis do Estoril.

Membro não executivo do Conselho de Administração da Fundação Museu Berardo e Membro-Honorário da Associação Portuguesa de Museologia.

Foi Membro do Conselho de Estado (2002-2004 e 2008-2011).

Foi expulso do PSD em 2014, depois de ter apoiado uma lista independente às eleições autárquicas, "Sintreses com Marco Almeida", tendo sido eleito deputado municipal em Sintra como cabeça de lista da segunda força política mais votada.

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou com Maria Madalena do Rego da Costa Salema (27 de Maio de 1945), irmã de Helena Roseta, que o antecedeu como Presidente da Câmara Municipal de Cascais, da qual tem um filho e uma filha:

  • António Diogo Salema d'Orey Capucho (28 de Abril de 1968), arquitecto, casado com Maria José Vitorino Ramalho (22 de Dezembro de 1979), da qual tem uma filha e um filho:
    • Mariana Ramalho d'Orey Capucho (10 de Agosto de 2012)
    • Francisco Ramalho d'Orey Capucho (29 de Dezembro de 2013)
  • Mónica Salema d'Orey Capucho (21 de Novembro de 1971).

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fernando de Castro da Silva Canedo (2.ª Edição, Braga, 1993). A Descendência Portuguesa de El-Rei D. João II. [S.l.]: Fernando Santos e Rodrigo Faria de Castro. pp. Volume III. 305  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  2. Fernando de Castro Pereira Mouzinho de Albuquerque e Cunha (1.ª Edição, Cascais, 1971). Mouzinho de Albuquerque - História e Genealogia. [S.l.]: Edição do Autor. pp. Volume I. 218  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  3. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António d'Orey Capucho". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de fevereiro de 2015. 
  4. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Estrangeiras». Resultado da busca de "António d'Orey Capucho". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de fevereiro de 2015. 


Precedido por
Gonçalo Ribeiro Telles
(como ministro de Estado e da Qualidade de Vida)
Ministro da Qualidade de Vida
IX Governo Constitucional
1983 – 1984
Sucedido por
Francisco Sousa Tavares
Precedido por
Fernando Nogueira
(como ministro adjunto e para os Assuntos Parlamentares)
Ministro dos Assuntos Parlamentares
XI Governo Constitucional
1987 – 1989
Sucedido por
Manuel Dias Loureiro


Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.