Pronome neutro de terceira pessoa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Pronome pessoal de terceira pessoa do singular neutro de gênero, popularmente chamado de pronome neutro, refere-se aos pronomes que não especificam o sexo/gênero de um indivíduo, representando outrem, que seria, outra pessoa além da que faz a oratória ou à que se dirige.[1][2][3] Os pronomes do plural neutro de terceira pessoa referem-se a um coletivo de outras pessoas, além da(s) que faz(em) a oratória ou à(s) que se dirige(m).

Os pronomes demonstrativos de gênero neutro seriam isso, isto e aquilo, sendo invariáveis e não sendo usados para seres animados ou humanos.[4][5]

Formas de neutralidade pronominal[editar | editar código-fonte]

Os pronomes él e ella, em espanhol, assim como no português, com ele e ela, são de gêneros gramaticais, respectivamente, masculino e feminino e objetos diretos que, em certos contextos seguindo a concordância, são epicenos.[6] Isso significa que, ao se referir a alguém com um substantivo sobrecomum que seja invariável ou uniforme, por exemplo, como testemunha ou sujeito, pode-se usar ela ou ele, de acordo com o gênero gramatical da palavra mencionada que se faz referência, não determinando assim a identidade de gênero ou o sexo biológico do indivíduo ou grupo de pessoas em questão.

A epicenidade léxica pode ser considerada uma forma de neutralidade de gênero, porém ela pode ainda continuar possuindo um gênero lógico ou natural, que em si, não são de gênero gramatical neutro.[7] A busca por metonímias, perífrases e nomes coletivos para neutralizar frases, como em "a juventude", em vez de jovens, "profissional do secretariado", em vez de secretários e secretárias, ou "figura pública" e "celebridade" em vez de famoso(a), pode ser umas das opções disponíveis sem desgenerificar as palavras, e assim, usar pronomes já existentes, respetivos à determinada palavra.[8][9]

Genericidade[editar | editar código-fonte]

Em inglês, o they singular, one e it são pronomes genéricos gênero-neutros de terceira pessoa.[10] Eles podem servir tanto de uso pessoal quanto impessoal, para algo ou alguém específico ou não.[11][12][13][14]

Algumas feministas propõem o uso de perífrases, usando uma linguagem parecida com a de pessoas em primeiro (people-first language), juntamente ao feminino genérico, colocando pessoa como sujeito oculto, formando assim uma neutralização.[15][16][9][17] Essa forma de neutralidade, por mais que defendida no transfeminismo, ainda assim é generificada gramaticalmente e, assim sendo, pode ser usada para maldenominar homens transgêneros e indivíduos transmasculinos.[18][19] Circunlóquios para omitir gêneros, inclusive artigos de gênero, são recomendados para uma linguagem inclusiva.[20][21][22][23]

O masculino genérico, também tido como "falso neutro"[24] e androcêntrico, é oficialmente usado para incluir grupos de pessoas, tanto homens quanto mulheres.[16][25]

Neopronomes[editar | editar código-fonte]

Neologismos pronominais, neolinguagem[26] pronominal ou pronomes neolinguísticos ou neologísticos, são chamados de neopronomes, que são palavras que ainda não dicionarizadas, foram recentemente formadas ou não foram oficialmente reconhecidas na língua natural.[27][28][29] Elas diferem de língua artificial, que se refere a um idioma, enquanto um neopronome é uma modificação flexional de outros pronomes preexistentes,[30] embora nem todos desempenhem uma declinação, como, por exemplo, os pronomes substantivais (do inglês, noun-self pronouns).[31][32][33][34][35][36] Ainda, há pronomes baseados em emojis, chamados de emoji-self, que só podem ser usados graficamente.[37]

Português[editar | editar código-fonte]

No português, uma das propostas neopronominais, que foi bem difundida entre a população na década de 2010 e ainda usada na de 2020, é elx, terminada em xis (X),[38] como elx não era considerada pronunciável, veio a surgir as propostas neopronominais elu,[39][40][41] que por sua vez deriva do latim illud (nom. n. sing.), e ile,[42] com iterações variantes a elas, como ilu.[43][44] Elu tem duas formas de pronunciar: élu e êlu.[45] Outro neopronome proposto foi êla (pronúncia em português: [ˈe.la]), mas que não chegou a ser tão popular quanto os outros,[46] mas sendo um dos mais antigos, havendo registros desde a década de 2000.[47] Alguns pronomes da neolinguística seguem um padrão de língua artística ou performatividade sociolinguística, como, por exemplo, elⒶ,[48][49] usando A circulado representando o anarquismo, e ily,[50] que teria a mesma pronúncia ili e, dependendo da região, ile. A desinência em @ (arroba) é uma das mais usadas, mas serve para ambiguidade das partículas O/A em artigos e sufixos, a existência de el@ implicaria em elo como pronome masculino preexistente.[51]

Abaixo, uma tabela com algumas propostas de neopronomes.

ilu elu el elx ile ili éle el@ elæ êla
ele/a(s) ilu(s) elu(s) el(s) elx(s) ile(s) ili(s) éle(s) el@(s) elæ(s) êla(s)
dele/a(s) dilu(s) delu(s) del(s) delx(s) dile(s) dili(s) déle(s) del@(s) delæ(s) dêla(s)
nele/a(s) nilu(s) nelu(s) nel(s) nelx(s) nile(s) nili(s) néle(s) nel@(s) nelæ(s) nêla(s)
este/a(s) istu(s) estu(s) est(s) estx(s) iste(s) isti(s) éste(s) est@(s) estæ(s) êsta(s)
deste/a(s) distu(s) destu(s) dest(s) destx(s) diste(s) disti(s) déste(s) dest@(s) destæ(s) dêsta(s)
neste/a(s) nistu(s) nestu(s) nest(s) nestx(s) niste(s) nisti(s) néste(s) nest@(s) nestæ(s) nêsta(s)
esse/a(s) issu(s) essu(s) ess(s) essx(s) isse(s) issi(s) ésse(s) ess@(s) essæ(s) êssa(s)
desse/a(s) dissu(s) dessu(s) dess(s) dessx(s) disse(s) dissi(s) désse(s) dess@(s) dessæ(s) dêssa(s)
nesse/a(s) nissu(s) nessu(s) ness(s) nessx(s) nisse(s) nissi(s) nésse(s) ness@(s) nessæ(s) nêssa(s)
aquele/a(s) aquilu(s) aquelu(s) aquel(s) aquelx(s) aquile(s) aquili(s) aquéle(s) aquel@(s) aquelæ(s) aquêla(s)
daquele/a(s) daquilu(s) daquelu(s) daquel(s) daquelx(s) daquile(s) daquili(s) daquéle(s) daquel@(s) daquelæ(s) daquêla(s)
naquele/a(s) naquilu(s) naquelu(s) naquel(s) naquelx(s) naquile(s) naquili(s) naquéle(s) naquel@(s) naquelæ(s) naquêla(s)
àquele/a(s) àquilu(s) àquelu(s) àquel(s) àquelx(s) àquile(s) àquili(s) àquéle(s) àquel@(s) àquelæ(s) àquêla(s)
praquele/a(s) praquilu(s) praquelu(s) praquel(s) praquelx(s) praquile(s) praquili(s) praquéle(s) praquel@(s) praquelæ(s) praquêla(s)

Em outras línguas[editar | editar código-fonte]

Em esperanto, há pelo menos três propostas mais conhecidas, que são ĝi, hi e ri.[52]

No espanhol, elle é o mais aceito.[53] A seguinte tabela compara os típicos gêneros do masculino e feminino com o proposto gênero neutro:

Masc. Fem. Neu.
Pronome sujeito él ella elle
Pronome objeto direto lo la le
Pronome objeto indireto le le le
Sufixo para concordância gramatical -o -a -e

Traduções[editar | editar código-fonte]

Os neopronomes geralmente não têm uma tradução certa, sendo muitos intraduzíveis, como é o caso de thon/thons/thonself.[54] Algumas línguas, como as portuguesa e espanhola, partilham contato linguístico, abrindo a possibilidade, de certa forma, de traduzir elle para éle ou elhe (êlhe ou élhe), sendo que elle também já foi a forma obsoleta de ele e é o pronome feminino em francês ela.[15]

Algumas línguas sem gênero, como húngaro e turco, os pronomes ő e o, respectivamente, representam pronomes singulares sem gênero gramatical, o que não necessariamente representam pronomes de gênero neutro. Ao traduzir automaticamente, para línguas em que existem distinções binarizadas de gêneros gramaticais, a máquina pode presumir o gênero através do corpus computacional, quando não aleatoriamente, revelando assim um sexismo linguístico, não necessariamente por quem traduziu ou criou os meios para a tradução, mas sim da sociedade em si.[55][56][57][58][59][60]

Muitas traduções do they singular acabam fazendo uso do masculino genérico, que seria o gênero não marcado, ou quando se é uma tradução automática, erroneamente usa-se o pronome plural eles como padrão.[61][62] Também não há consenso de qual neopronome é o mais correto para substituir o pronome masculino, pelo menos no português, visto que elu não é o único mais utilizado, vide "ile",[63] adicionalmente outros propostos, como "el" e "ilu".[64] Há também, o uso de ele(a) ou ela(e), bem como ele/a e ela/e.

Críticas[editar | editar código-fonte]

O uso de pronomes neutros costuma ser ostracizado nas redes sociais, por meios de sátira, piadas,[65] boatos,[66][67] contas anônimas de fantoche[68] ou paródia, perseguição ou deboche e ataques contra quem utiliza.[69][70][71][72] Qualquer discussão ou discurso envolvendo menção a gênero, como em estereótipos de gênero, podem gerar escárnio e associação a pronomes neutros, mesmo que os debates não tenham nenhuma relação ao assunto.[73][74]

No Brasil, apoiadores do Escola sem Partido e projetos de lei visam proibir a neutralização de pronomes e linguagem, por meio de neologismos, em instituições de ensino e bancas examinadoras de concursos públicos, usando "ideologia de gênero" como pânico moral para combater os estudos de gênero, como uma retórica antiLGBT e antifeminista.[75][76]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. devnik (20 de junho de 2019). «Quais são os pronomes de gênero neutro preferidos na escrita acadêmica em inglês?». Enago Academy Brazil (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  2. André, João Gabriel Ribeiro, Rita Pinto, Mário Rui; Pinto, Rita (12 de dezembro de 2019). «"They" como pronome singular neutro é a Palavra do Ano 2019». Shifter. Consultado em 3 de abril de 2021 
  3. «Pessoas verbais - Conjugação de Verbos». Conjugação. Consultado em 3 de abril de 2021 
  4. «Pronomes Demonstrativos». Só Português. Consultado em 3 de abril de 2021 
  5. «Pronomes Interrogativos». Só Português. Consultado em 18 de maio de 2021 
  6. Hill, Sam; Mayberry, María; Baranowski, Edward (13 de junho de 2014). Bilingual Grammar of English-Spanish Syntax: With Exercises and a Glossary of Grammatical Terms (em inglês). [S.l.]: University Press of America 
  7. «Epicene vs gender-neutral: what is the difference?». diffsense.com. Consultado em 3 de abril de 2021 
  8. divulgacióndinámica (18 de julho de 2018). «Cómo evitar el lenguaje sexista». Divulgación Dinámica | Cursos Online y Formación a distancia (em espanhol). Consultado em 3 de abril de 2021 
  9. a b Longhin-Thomaz, Sanderléia Roberta. «Considerações sobre Gramaticalização de perífrases conjuncionais de base adverbial» (PDF). ufjf.br. Consultado em 3 de abril de 2021 
  10. «Welcome, singular "they"». https://apastyle.apa.org (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  11. «Artigos definidos e indefinidos em inglês: tudo o que você precisa saber!». Toda Matéria. Consultado em 3 de abril de 2021 
  12. «Pronomes indefinidos | Gramática inglesa | EF». www.ef.com.br. Consultado em 3 de abril de 2021 
  13. «A brief history of singular 'they'». Oxford English Dictionary (em inglês). 4 de setembro de 2018. Consultado em 3 de abril de 2021 
  14. «Singular & Plural Pronouns - Excelsior College OWL». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 3 de abril de 2021 
  15. a b «Indo além da linguagem 'People First'- Um glossário de termos contestados no uso de substâncias». www.issup.net. Consultado em 3 de abril de 2021 
  16. a b divulgacióndinámica (18 de julho de 2018). «Cómo evitar el lenguaje sexista». Divulgación Dinámica | Cursos Online y Formación a distancia (em espanhol). Consultado em 3 de abril de 2021 
  17. «Warum das generische Femininum auch keine Lösung ist». www.vice.com (em alemão). Consultado em 3 de abril de 2021 
  18. «word usage - Reason for the current trend to use «she» as the gender-neutral pronoun?». English Language & Usage Stack Exchange. Consultado em 3 de abril de 2021 
  19. Wilson, Lena (3 de maio de 2018). «Using They/Them to Avoid Misgendering People? It Could Do More Harm Than Good.». Slate Magazine (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  20. Lomotey, Benedicta Adokarley (2011). «On Sexism in Language and Language Change – The Case of Peninsular Spanish». Linguistik Online. 70 (1). ISSN 1615-3014. doi:10.13092/lo.70.1748 
  21. «Por uma linguagem menos sexista». Jornal Plural. 14 de junho de 2021. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  22. «Linguagem inclusiva — Manual de Comunicação». www12.senado.leg.br. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  23. «TSE apresenta guia para uma linguagem ainda mais inclusiva». www.tse.jus.br. Consultado em 14 de agosto de 2021 
  24. «Linguagem neutra: bobagem ou luta contra a discriminação?». Guia do Estudante. Consultado em 3 de abril de 2021 
  25. Bodine, Ann (agosto de 1975). «Androcentrism in prescriptive grammar: singular 'they', sex-indefinite 'he', and 'he or she'1». Language in Society (em inglês) (2): 129–146. ISSN 1469-8013. doi:10.1017/S0047404500004607. Consultado em 3 de abril de 2021 
  26. «Neolinguagem: o debate acerca da busca por mais inclusão na língua portuguesa». Portal Jornalismo ESPM. 28 de outubro de 2019. Consultado em 29 de maio de 2021 
  27. «Neopronouns». MyPronouns.org Resources on Personal Pronouns (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  28. «Novas Palavras». Academia Brasileira de Letras 
  29. «» O que é neolinguagem?». Consultado em 3 de abril de 2021 
  30. «Qual a diferença entre língua e linguagem?». Nova Escola. Consultado em 3 de abril de 2021 
  31. Miltersen, Ehm Hjorth (31 de maio de 2016). «Nounself pronouns: 3rd person personal pronouns as identity expression». Journal of Language Works - Sprogvidenskabeligt Studentertidsskrift (em inglês) (1): 37–62. ISSN 2446-0591. Consultado em 3 de abril de 2021 
  32. «'Love, Simon' Actor Keiynan Lonsdale Talks About Preferred Pronouns: 'I Just Want to Go by Tree'». Billboard (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  33. «Love, Simon star Keiynan Lonsdale reveals preferred pronoun is 'tree'». GAY TIMES (em inglês). 27 de setembro de 2018. Consultado em 3 de abril de 2021 
  34. Rutz, David (9 de abril de 2021). «New York Times raises eyebrows with lengthy explainer on alternative pronouns: 'Is this all real?'». Fox News (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2021 
  35. «The Weekly Links: Neopronouns, Weed License Plates and Music Venues». Nashville Scene (em inglês). Consultado em 14 de abril de 2021 
  36. «Get ready for rise of 'neopronouns.' They can include 'fantasy characters' such as 'vamp/vampself,' 'prin/cess/princesself,' 'fae/faer/faeself.'». TheBlaze (em inglês). 9 de abril de 2021. Consultado em 14 de abril de 2021 
  37. Marcus, Ezra (8 de abril de 2021). «A Guide to Neopronouns». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 14 de abril de 2021 
  38. Pazin, Arthur (18 de setembro de 2020). «Elas, eles e elxs: entenda como funciona o uso de pronomes neutros». Diário da Região. Consultado em 3 de abril de 2021 
  39. «"Deixando o X para trás na linguagem neutra de gênero", por Juno». PIRATAS. 31 de março de 2016. Consultado em 3 de abril de 2021 
  40. «Linguagem neutra: proposta de inclusão ou modismo passageiro?». MegaCurioso - As curiosidades mais interessantes estão aqui. 1 de abril de 2021. Consultado em 14 de abril de 2021 
  41. Pazin, Arthur (18 de setembro de 2020). «Elas, eles e elxs: entenda como funciona o uso de pronomes neutros». Diário da Região. Consultado em 14 de abril de 2021 
  42. «Ativista explica a 'linguagem neutra': em vez de 'ela' e 'ele', 'ile'». Revista Oeste. 11 de setembro de 2020. Consultado em 3 de abril de 2021 
  43. «Elus são eles e elas». Época. 16 de novembro de 2018. Consultado em 3 de abril de 2021 
  44. «A estrutura da língua e a criação de gênero neutro». Roseta. Consultado em 3 de abril de 2021 
  45. «Sistema Elu, Linguagem Neutra em Género». dezanove.pt. Consultado em 3 de abril de 2021 
  46. Schwindt, Luiz Carlos (17 de novembro de 2020). «Sobre gênero neutro em português brasileiro e os limites do sistema linguístico». Revista da ABRALIN: 1–23. ISSN 0102-7158. doi:10.25189/rabralin.v19i1.1709. Consultado em 3 de abril de 2021 
  47. Carvalho, Danniel. (2021). Sobre gênero e a invenção de um pronome não-binário. researchgate.net
  48. «Declaración por la libertad de los presos de Atenco. Campaña Primero Nuestrxs Presxs». Enlace Zapatista (em espanhol). 2 de julho de 2010. Consultado em 3 de abril de 2021 
  49. «Agitando lo cotidiano. Una conversación sobre el desafío Ⓐnarquista frente al sexismo en el lenguaje – LL Journal» (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  50. «Motivos para não usar "pronome/d[pronome]" como indicação de conjuntos de linguagem». amplifi.casa. Consultado em 3 de abril de 2021 
  51. Lau, Héliton Diego (2017). «O uso da linguagem neutra como visibilidade e inclusão para pessoas trans não-binárias na língua portuguesa: a voz "del@s" ou "delxs"? Não! A voz "delus"!» (PDF). www.sies.uem.br. Consultado em 3 de abril de 2021 
  52. «Does Esperanto have a gender-neutral pronoun that can be used for humans?». Esperanto Language Stack Exchange. Consultado em 3 de abril de 2021 
  53. «The pronoun 'elle' offers an alternative for Spanish speakers outside the gender binary». NBC News (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  54. «We added a gender-neutral pronoun in 1934. Why have so few people heard of it?». www.merriam-webster.com (em inglês). Consultado em 3 de abril de 2021 
  55. «Woman detects sexism in Google Translate while translating Hungarian». The Best Social Media (em inglês). 22 de março de 2021. Consultado em 10 de abril de 2021 
  56. «Humanities Scholar Uses Google Translate To Point Out Just How Prevalent 'Everyday Sexism' Truly Is». Comic Sands (em inglês). 23 de março de 2021. Consultado em 10 de abril de 2021 
  57. Carr, Jemma (24 de março de 2021). «University lecturer slams 'sexist' Google Translate». Mail Online. Consultado em 10 de abril de 2021 
  58. «Someone used Google Translate to show how sexism really is everywhere». www.indy100.com (em inglês). 22 de março de 2021. Consultado em 10 de abril de 2021 
  59. Saunders, Danielle; Ullmann, Stefanie. «Online translators are sexist – here's how we gave them a little gender sensitivity training». The Conversation (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2021 
  60. Thompson, Ben (29 de março de 2021). «Lecturer hits out at Google's 'sexist' translations». WalesOnline (em inglês). Consultado em 10 de abril de 2021 
  61. «Singular THEY: o que é isso e como usar? | Dicas de Inglês». Inglês na Ponta da Língua. 22 de maio de 2018. Consultado em 10 de abril de 2021 
  62. «"They" Como Pronome Singular Não-Binário - Aliança Traduções | Blog». Aliança Traduções. 14 de outubro de 2019. Consultado em 10 de abril de 2021 
  63. «Carreira: gestor de diversidade e inclusão começa a aparecer no alto escalão das empresas - Infográficos». Estadão. Consultado em 14 de abril de 2021 
  64. Silva, Rafaela dos Santos (2018). «A tradução de pronomes de gênero não-binário e neutro na Legendagem: uma análise dos seriados Carmilla e One day at a time». Consultado em 10 de abril de 2021 
  65. «Mari Rodrigues - Linguagem neutra e a chacota nossa de cada dia». www.uol.com.br. Consultado em 14 de abril de 2021 
  66. Matsuki, Edgard (6 de abril de 2021). «87 mil reprovaram na redação do Enem por usar pronome neutro #boato». Boatos.org. Consultado em 14 de abril de 2021 
  67. «Opinião: Mari Rodrigues - Mais um papo reto sobre a linguagem neutra». www.uol.com.br. Consultado em 14 de abril de 2021 
  68. «Polêmica: Internautas detonam Bruna Marquezine após ela dizer que o pai passou o ano novo internado por causa do vírus, entenda!». Consultado em 14 de abril de 2021 
  69. REDAÇÃO (27 de fevereiro de 2021). «Artista usa pronome neutro no É de Casa e público detona: 'Vergonha alheia'». Notícias da TV. Consultado em 14 de abril de 2021 
  70. «Posso não ter sido atacada com tiros, mas bombas também são intimidatórias, diz Carolina Iara». Ponte Jornalismo. 1 de abril de 2021. Consultado em 14 de abril de 2021 
  71. «'BBB 21': Hadson debocha da fala de Fiuk sobre pronome neutro». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 14 de abril de 2021 
  72. «"Bem vindes": Professora de Vitória usa gênero neutro para saudar alunos e prefeitura é acionada». tribunaonline.com.br. Consultado em 14 de abril de 2021 
  73. Whitbrook, James (1 de abril de 2021). «Como uma Wiki de Star Wars foi tomada por um debate em torno de transfobia». Gizmodo Brasil. Consultado em 14 de abril de 2021 
  74. «Livro que ensina finanças a crianças falha no combate a estereótipos de gênero | Diario de Cuiabá». Livro que ensina finanças a crianças falha no combate a estereótipos de gênero | Diario de Cuiabá. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 2021 
  75. «Vereadores eleitos alinhados ao presidente priorizam 'ideologia de gênero' nas câmaras municipais». O Globo. 28 de março de 2021. Consultado em 14 de abril de 2021 
  76. «Projeto proíbe linguagem neutra de gênero em instituições de ensino e bancas de concurso». CRUB. 25 de novembro de 2020. Consultado em 14 de abril de 2021