Sinal médico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura sinais vitais e biológicos como ECG, EKG, veja Sinal biológico.
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Março de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Sinais é um indicativo objetivo,[1] especialmente para médico, antes ou durante um exame físico de um paciente. Por exemplo, enquanto um formigamento parestésico é um sintoma (apenas a pessoa que a experiencia pode observar diretamente a sua própria sensação de formigueiro), um eritema é um sinal (qualquer um pode confirmar que a pele está mais vermelha) do que o habitual. Pelo menos sugestivo de certos diagnóstico e diagnósticos, ajudando a diminuir o que pode estar errado. Em outros casos, são específicos do ponto de ser patognomônico., para a área de saúde, são as alterações no metabolismo, no aspecto de uma pessoa, em sua conformação física, que podem ser indicadoras de adoecimento e podem ser percebidas ou medidas pelo profissional de saúde. Difere de sintomas que são as alterações que apenas o paciente pode perceber.

A Semiologia, ou Semiótica é a disciplina que dedica-se ao estudo dos sinais e sintomas.

Classificação dos sinais[editar | editar código-fonte]

Assim como os sintomas, os sinais também podem ser caracterizados segundo sete princípios, mas com interpretação diferente, a saber: cronologia, localização corporal, qualidade, quantidade, circunstâncias, fatores agravantes ou atenuantes e manifestações associadas.

  • Cronologia é a identificação dos aspectos relacionados ao tempo e sequência de evolução dos sinais como a hora do dia, períodos de melhora ou piora.
  • Localização corporal não é apenas determinar o local dos sinais mas também determinar qual o sistema orgânico acometido.
  • Qualidade dos sinais, ao contrário dos sintomas, é de mais fácil determinação, uma vez que o observador tem como visualizar ou medir os sinais.
  • Quantidade é a descrição da intensidade, frequência, número de vezes em que o fenômeno ocorreu, intervalo entre os episódios, volumes de secreções, abaulamentos, edemas.
  • Circunstâncias em que o sinal ou sinais ocorrem, como local, atividade que exerce no momento da ocorrência do sinal, exposição a fatores ambientais, ingestão de alimentos, por exemplo.
  • Fatores agravantes ou atenuantes, embora claramente compreendidos, exigem do examinador a ciência exata das relações entre os sinais e os fatores que neles interferem, de modo a poder selecionar e identificar, sem sugestionar o paciente, aquilo que realmente interfere ou não com o sinal.
  • Manifestações associadas podem ajudar até mesmo na identificação de Síndromes, uma vez que nem sempre o paciente tem a noção da importância da ocorrência de um fenômeno simultâneo a outro.

São exemplos de sinais:

Referências

  1. «Definition: 'Sign'». Stedman's Medical Dictionary. Lippincott Williams & Wilkins via Medilexicon International Ltd.'s website, medilexicon.org. Consultado em 12 de dezembro de 2013. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.