Tiago Brandão Rodrigues

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tiago Brandão Rodrigues
Retrato oficial de Tiago Brandão Rodrigues
Ministro da Educação de Portugal Portugal
Período 26 de novembro de 2015
presente
Antecessor(a) Margarida Mano
Dados pessoais
Nascimento 3 de junho de 1977 (41 anos)
Paredes de Coura, Paredes de Coura, Portugal
Partido Independente
Profissão Investigador

Tiago Brandão Rodrigues (Paredes de Coura, Paredes de Coura,[1] 3 de junho de 1977) é o ministro da Educação do XXI Governo Constitucional de Portugal.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Natural de Paredes de Coura, fez o ensino secundário em Braga. Depois de fazer o doutoramento em Bioquímica, em 2007, na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra[3], esteve em Madrid, em 2011, passou pelos Estados Unidos e, mais tarde, viveu na Grã-Bretanha e na Irlanda do Norte, onde trabalhou no Cancer Research UK, em Cambridge.[4]

Foi notícia, em 2013, pela investigação que desenvolveu na área da oncologia, na deteção precoce do cancro.

Ao fim de 6 anos em Cambridge, decidiu aceitar o desafio de António Costa para regressar a Portugal e ser o candidato do partido por Viana do Castelo, em 2015.

Ministro da Educação[editar | editar código-fonte]

A 26 de novembro de 2015, toma posse como ministro da Educação do XXI Governo Constitucional de Portugal.

O sistema de avaliação externa das aprendizagens[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2016 procedeu à alteração do sistema de avaliação externa das aprendizagens no ensino básico, através da introdução de provas de aferição, de aplicação universal e obrigatória, a realizar no final do 2.º, do 5.º e do 8.º anos de escolaridade. Este modelo manteve as provas finais de ciclo, realizadas no final do 9.º ano de escolaridade que têm como objetivo a avaliação do desempenho dos alunos, certificar a conclusão do ensino básico e criar a possibilidade de prosseguimento de diferentes percursos escolares[5][6].

Em janeiro de 2016, em declarações públicas sobre esta matéria, que suscitaram controvérsia, Tiago Brandão Rodrigues afirmou que «o modelo anterior estava errado e era nocivo» e que era necessário acabar com o «estreitamento curricular» que conduzia as escolas a concentrarem-se no ensino do Português e de Matemática, desvalorizando as restantes áreas disciplinares. Nessa mesma altura emitiu a opinião de que treinar para os exames era «pernicioso e até nocivo»[7].

Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2016, criou o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar que tem como finalidade «promover um ensino de qualidade para todos, combater o insucesso escolar, num quadro de valorização da igualdade de oportunidades e do aumento da eficiência e qualidade da escola pública.»[8]

Currículos essenciais[editar | editar código-fonte]

O Ministério da Educação pretende aplicar "currículos essenciais" das diferentes disciplinas. A ideia é focar, nos programas, aquilo que é essencial que os alunos aprendam.[9]

Concurso de professores[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2017, o Provedor de Justiça, José de Faria Costa considera que o concurso para professores do quadro foi inadequado e injusto para os docentes, reconhecendo que a repetição prejudicaria o arranque do ano escolar.

José de Faria e Costa explica, citando as queixas recebidas, que os docentes mostram que a opção de colocar a concurso - na primeira fase - os horários completos (22 horas de aulas por semana) resultou no "desrespeito pela ordenação concursal assente na graduação".

Como resultado, houve muitos docentes menos graduados que obtiveram colocação na primeira reserva de recrutamento em escolas que docentes mais graduados haviam escolhido preferencialmente.[10]

Perfil do Aluno[editar | editar código-fonte]

Tiago Brandão Rodrigues solicitou a elaboração de um documento que definisse os valores e competências a serem adquiridos pelos alunos portugueses no fim de completarem o 12.º ano de escolaridade. O "Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória" foi apresentado em fevereiro de 2017 pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, entrando em vigor em julho do mesmo ano. O documentos abriu portas à flexibilização curricular e a uma maior autonomia curricular por parte das escolas e professores,[11] mudanças que geraram críticas em alguns grupos do setor.[12]

Em janeiro de 2018, o Ministério desafiou as escolas portuguesas a um dia de debate e reflexão acerca do documento. O dia 15 de janeiro foi assim instituído como o Dia do Perfil do Aluno em Portugal.[13]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
Margarida Mano
(como ministra da Educação e Ciência)
Ministro da Educação
XXI Governo Constitucional de Portugal
2015 – presente
Sucedido por
Em funções